A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
ATIVIDADE 1 UC2 TST

Pré-visualização | Página 1 de 1

SENAC EAD 
 
 
 
SEU NOME 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Identificação de Fatores de Risco 
Atividade 1 UC2 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Local 
Ano 
Passo 1: preencha a tabela de acordo com os fatores de risco apresentados no processo descritivo da empresa. Veja o exemplo na cor azul. 
a) Separe os fatores de risco conforme sua classificação e indique os setores nos quais esses riscos ocorrem. 
b) Identifique a existência de limites de tolerância e indique o valor deles quando pertinente. 
• Para os fatores de risco químicos, procure pelo nome da substância. Por exemplo, para “vapores de tolueno” procure por “tolueno”. 
• Caso o limite de tolerância exista, mas haja necessidade de mais dados para determiná-lo, marque como ND (não determinado). 
• Se um limite não existir na NR-15, marque como NA (não aplicável). 
c) Indique o tipo de monitoramento para cada fator de risco com base na existência ou não de um limite de tolerância. 
 
IDENTIFICAÇÃO DE FATORES DE RISCO 
EMPRESA Metalúrgica 5 Rodas 
NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS: Administrativo (5) Soldagem (6) Corte (4) e Pintura (2) 
 
Classificação 
do fator de 
risco 
# Fator de risco Setores Limite de tolerância (NR-15) 
Tipo de monitoramento 
(qualitativo ou quantitativo) 
FÍSICO 
1 Calor Soldagem ND Quantitativo 
2 Radiação não ionizante-ultravioleta Soldagem NA Qualitativo 
3 Ruído intermitente Soldagem/Corte 85db Quantitativo 
4 Vibração de corpo inteiro Soldagem 1,1 m/s2 Quantitativo 
5 Vibração de mãos e braços Soldagem/Corte 5m/s2 Quantitativo 
QUÍMICO 
1 Fumos de cobre Soldagem NA Qualitativo 
2 Fumos de cromo VI Soldagem NA Qualitativo 
3 Fumos de ferro Soldagem NA Quantitativo 
4 Fumos de manganês Soldagem 1,0 mg/m³ Quantitativo 
5 Gás dióxido de nitrogênio Soldagem 4ppm* Quantitativo 
6 Gás ozônio (ou ozona) Soldagem 0,08ppm Quantitativo 
7 Ácido fosfórico (líquido) Corte/Pintura NA Quantitativo 
8 Vapor de 2-butoxietanol Corte 39ppm Qualitativo 
9 Névoa de cromato de zinco Pintura NA Qualitativo 
10 Vapor de 2-butanol (ou álcool sec-butílico) Pintura 115ppm* Quantitativo 
11 Vapor de tolueno Pintura 78ppm* Quantitativo 
12 Vapor de xileno Pintura 78ppm* Quantitativo 
 
Passo 2: indique formas de controle possíveis para os fatores de risco, conforme tabela a seguir. 
a) Considere apenas a exposição do trabalhador envolvido na atividade. 
b) Cite pelo menos uma forma de controle em cada célula. 
c) Os controles marcados com “***” não devem ser preenchidos. 
 
Forma de controle 
 
Fator de risco Controle na fonte Controle na trajetória Controle no receptor 
Calor *** 
Hidratação do corpo dos funcionários; manter 
o ambiente de trabalho bem climatizado com 
o auxílio de ventilação superficial; implantar e 
fazer a manutenção de um sistema de exaustão. 
Obrigatório o uso e conhecimento dos EPIs 
corretos e adequados que limitam a absorção 
do calor. 
Ácido fosfórico (líquido) 
Manter o local de armazenamento fechado, o 
local com a temperatura adequada. 
*** 
Utilização dos EPIs indicados para evitar o 
contato direto com o produto. 
Gases e fumos do 
processo de solda 
*** 
Manter os melhores equipamentos de 
exaustão e ventilação. 
Redução do tempo de exposição dos 
trabalhadores com o agente de risco e a 
utilização dos EPIs necessários durante a 
aproximação ou contato. 
Névoas e vapores do 
processo de pintura 
Substituir o produto utilizado por um menos 
tóxico ou agressivo para o processo. 
Elaborar corretamente a engenharia do local 
para manter a ventilação e exaustão dos 
vapores para que não entre em contato com 
os trabalhadores. 
Utilização obrigatória de máscaras 
respiratórias com filtro durante a exposição. 
Radiação não ionizante 
– UV 
*** *** Utilização dos EPIs e roupas adequadas. 
Vapor de 2 – 
butoxietanol 
Limitar a exposição apenas no espaço do 
local de produção e que seja um ambiente 
seco. 
Aumentar a ventilação adequada do 
ambiente de trabalho. 
Além da utilização de EPIs, conscientizar o 
trabalhador de forma correta sobre os 
processos da produção. 
Vibração de corpo 
inteiro 
Trocar os equipamentos por outros que 
sejam mais confortáveis para o manuseio. 
*** 
Redução do tempo de trabalho e 
revezamentos durante o turno. 
Vibração de mãos e 
braços 
Manutenção dos equipamentos e 
ferramentas. 
*** 
Reduzir a exposição, alternando entre as 
atividades de risco e outras que não 
apresentam ou tenham níveis menores da 
ameaça. 
Ruído intermitente 
(analise de forma geral) 
Isolamento de equipamentos. *** 
Isolamento/barreiras acústicas entre o ruído 
e o colaborador, uso de protetor auricular e 
acompanhamento de exames médicos. 
 
Passo 3: agora que você já identificou os fatores de risco e conhece os limites de tolerância, é o momento de descrever os possíveis efeitos que 
os agentes podem causar à saúde dos trabalhadores. 
• Para isso, escolha NO MÍNIMO um fator de risco e um agente e preencha a tabela explicitando os efeitos à saúde. 
• Seja objetivo na descrição e consulte o conteúdo da unidade curricular para desenvolver essa etapa. 
• Para o agente químico, pesquise a Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos – FISPQ e cite o efeito à saúde. 
EFEITOS À SAÚDE 
 
Classificação 
do fator de 
risco 
Agente Efeitos 
Químico 
Ácido fosfórico 
Irritante dos olhos, da pele e do sistema respiratório superior. Provoca queimaduras na pele 
e nos olhos. Dermatite. 
Gás Ozônio 
Dificuldades respiratórias, irregularidades dos batimentos cardíacos, alteração do campo visual, 
vertigem, queda de pressão sanguínea e também pode levar a morte. 
Físico 
Calor 
Desidratação, erupção cutânea, cãibras, fadiga física, problema cardiocirculatório, estresse, 
desconforto, ansiedade, insolação, queimaduras e câncer. 
Ruído Intermitente 
Perda total ou parcial auditiva, dores de cabeça, insônia, falta de equilíbrio, desmaios, vômitos, 
variações da pressão arterial e elevação dos batimentos cardíacos, estresse, ansiedade, irritação, 
nervosismo e até mesmo a depressão.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.