SISTEMA_ENDOCRINO
24 pág.

SISTEMA_ENDOCRINO


DisciplinaFísica para Farmácia84 materiais129 seguidores
Pré-visualização4 páginas
Capítulo do Caderno Universitário de Fisiologia e Nutrição do curso de Enfermagem da ULBRA, elaborado por Profa. Ana Lúcia Fernandes Chittó e Profa. Dra. Anapaula Sommer Vinagre
3. SISTEMA ENDÓCRINO
	O sistema endócrino, em conjunto como o sistema nervoso, regula uma série de funções no nosso organismo, a fim de manter a homeostasia. Ele é composto por glândulas endócrinas que produzem hormônios. 
3.1. Glândulas endócrinas
	O nosso corpo possui dois tipos de glândulas:
Glândulas exócrinas: secretam seus produtos em ductos que transportam as secreções para as cavidades ou superfícies do corpo. Exemplos: glândulas sudoríparas, salivares, sebáceas, mucosas, digestivas.
Glândulas endócrinas: secretam seus produtos, os hormônios no líquido extracelular (LEC), dali eles podem se difundir para os capilares sanguíneos. 
	As glândulas endócrinas que constituem o nosso organismo incluem: a hipófise, a tireóide, as paratireóides, as supra-renais (adrenais) e a pineal. Muitos órgãos do nosso organismo contêm células endócrinas, mas não são glândulas exclusivamente endócrinas. Entre eles estão: o hipotálamo, o pâncreas, os ovários, o fígado, o intestino delgado, a pele, o coração e a placenta.
3.2. Hormônios
	Os hormônios são substâncias químicas produzidos pelas glândulas endócrinas e liberadas na corrente sanguínea. Através do sangue os hormônios são transportados para vários tecidos do organismo, onde produzirá seu efeito, alterando a atividade de suas células-alvo.
3.2.1. Funções gerais dos hormônios
Regular a composição química e o volume do meio interno (líquido intracelular)
Regular o metabolismo e o equilíbrio energético
Auxiliar na regulação da contração das fibras musculares lisas e cardíacas e a secreção glandular
Auxiliar na manutenção da homeostase
Regular certas atividades do sistema imunológico
Regular e integras o crescimento e o desenvolvimento do organismo
Regular funções relacionadas a reprodução, tais como produção de gametas, nutrição de embrião, parto.
3.2.2. Classificação dos hormônios 
Os hormônios podem ser classificados quanto a estrutura química: 
	Classe química
	Síntese
	Exemplos 
	Local de produção
	1. Derivados de lipídios
	
	
	
	Hormônios esteróides
	A partir do colesterol
	Aldosterona, cortisol e androgênios
Testosterona
	Córtex da supra-renal
Testículo
	
	
	Estrógenos e progesterona
	Ovários
	Eicosanóides
	A partir de um ácido graxo
	Prostaglandinas e leucotrienos
	Todas as células, exceto hemáceas
	2. Derivados de aminoácidos
	A partir da tirosina
	T3 e T4 
	Tireóide
	
	
	Adrenalina noradrenalina
	Medula supra-renal
	3. Peptídeos e proteínas
	A partir de um gene para o hormônio
	Todos os hormônios do hipotálamo
	Hipotálamo
	
	
	Ocitocina e antidiurético (ADH)
	Hipotálamo
	
	
	Todos os hormônios da adeno-hipófise
	Adeno-hipófise
	
	
	Insulina, glucagon
	Pâncreas
3.2.3. Mecanismo de ação hormonal
Receptores
	Embora os hormônios percorram todo o organismo pela corrente sanguínea, ele só afetará as chamadas células-alvo. A maioria destas células apresenta receptores, proteínas localizadas na membrana celular, no citoplasma ou no núcleo, que se ligam aos hormônios. Após a ligação do hormônio ao receptor, ele causa uma cascata de eventos intracelulares, desencadeando respostas nas células, tais como: síntese de proteínas (constituintes, enzimas, hormônios) e ativação ou inibição de rotas metabólicas. A maneira pela qual o hormônio interage com seu receptor específico na célula alvo depende da sua solubilidade. Os hormônios podem ser hidrossolúveis ou lipossolúveis. Veja os próximos esquemas:
Hormônios lipossolúveis ( difundem-se do sangue ao LEC ( atravessa a membrana celular ( liga-se em receptores no citoplasma ou núcleo celular, se for uma célula-alvo ( o receptor ativado altera a função celular ativando ou inativando genes específicos ( transcrição de genes ativados ( formação do RNAm ( tradução de novas proteínas que alteram a atividade celular
Hormônios hidrossolúveis ( difundem-se do sangue ao LEC ( ligam-se em receptores na membrana das células-alvo ( ATP é convertido em AMP cíclico, um segundo mensageiro ( o AMP cíclico ativa enzima que catalisam reações químicas ( alteração da resposta fisiológica.
3.2.4. Controle da secreção hormonal
	A secreção hormonal é regulada, freqüentemente, por sistemas de retroalimentação negativa, os quais anulam as variações sofridas pelo sistema a fim de manter a homeostase. O controle hormonal por retroalimentação negativa pode ser desencadeado por:
Níveis de substância química no sangue
Impulsos nervosos
Secreções químicas do hipotálamo (Hormônios hipotalâmicos)
3.3. Hipotálamo
	Localizado no diencéfalo, é um órgão neuro-endócrino. 
Relações hipotálamo- hipofisárias
	O hipotálamo e a glândula hipófise atuam de forma coordenada para regular muitos sistemas endócrinos. Funcionalmente, o hipotálamo controla a glândula hipófise por mecanismos neurais e hormonais. O eixo hipotálamo-hipófise regula:
O funcionamento da tireóide
O funcionamento do córtex da supra-renal
O funcionamento das glândulas reprodutoras (ovário e testículo)
O crescimento
A produção e ejeção de leite
A osmorregulação
	\ufffd
O hipotálamo produz dois grupos de hormônios:
1. Hormônios reguladores (estimuladores ou inibidores) da Adenohipófise:
	Hormônio Hipotalâmico
	Hormônio hipofisário estimulado ou inibido
	TRH (Hormônio liberador de tireotropina)
	+ Tireotropina (TSH) e Prolactina 
	GnRH (H. liberador de gonadotropina)
	+ LH e FSH
	CRH (H. liberador de corticotropina)
	ACTH (adrenocorticotropina), ( e (-lipotropina e (-endorfina
	GHRH (H. liberador do hormônio do crescimento)
	+ GH (H. do crescimento)
	GHIH = somatostatina (H. inibidor do hormônio de crescimento)
	- GH, prolactina, TSH e ACTH
	Dopamina (Fator inibidor da prolactina=PIF)
	- Prolactina e TSH
	Fator liberador da prolactina (PRF)
	+ prolactina
Legenda: (+) estimulação; (-) inibição
2. Hormônios armazenados na Neuro-hipófise
Ocitocina
Hormônio anti-diurético (ADH) ou vasopressina
3.4. Hipófise (Pituitária)
	Estrutura pequena, arredondada, fixada ao hipotálamo por meio de uma haste delgada, chamada infundíbulo. Pode ser dividida em duas partes: a adeno-hipófise e a neuro \u2013 hipófise.
3.4.1. Adeno-hipófise (lobo anterior)
	É maior que a neuro-hipófise e é formada por células glandulares. Produz e secreta os seguintes hormônios:
	HORMÔNIO
	FUNÇÃO
	1. Hormônio de crescimento humano (hGH)
	Efeito direto: ativa lipólise, aumenta a glicemia
Efeito indireto: estimula o fígado a secretar IGF (somatomedina), o qual estimula o crescimento geral do corpo, principalmente de ossos e músculos 
	2. Hormônio folículo-estimulante (FSH)
= gonadotropina
	Estimula a produção de espermatozóides pelos testículos e a produção de ovócitos e estrógenos pelos ovários
	3. Hormônio luteinizante (LH)
= gonadotropina
	Estimula a secreção de testosterona pelos testículos, a secreção de estrógenos e progesterona pelo ovário e estimula a ovulação.
	4. Hormônio estimulante da tireóide (TSH) = tireotropina
	Controla a secreção da glândula tireóide
	5. Prolactina (PRL)
	Em conjunto com outros hormônios, inicia e mantém a produção de leite pelas glândulas mamárias
	6. Horm. adrenocorticotrópico (ACTH)=adrenocorticotropina
	Estimula o córtex da supra-renal a secretar seus hormônios
	7. Hormônio melanócito-estimulante (MSH)
	Afeta a pigmentação da pele, em vertebrados. Função desconhecida em mamíferos
	
A liberação dos hormônios da adeno-hipófise é controlada pelos hormônios liberadores e inibidores produzidos por células neurossecretoras (neurônios) do hipotálamo. Esses hormônios são enviados do hipotálamo diretamente à adeno-hipófise pela circulação porta hipotálamo-adenohipófise, sem passar pela circulação sistêmica. Seguem dois exemplos. Descreva ao lado do esquema o controle da secreção hormonal.
\ufffd
Controle da produção e secreção de prolactina
\ufffd
Controle da produção e secreção do hormônio do crescimento:
\ufffd
\ufffd
3.4.2. Neuro-hipófise (lobo posterior)