A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Resenha_ Chutando a escada, Ha-Joon Chang (1)

Pré-visualização | Página 1 de 2

Disciplina: BRI0018 - Desenvolvimento Internacional
ANÁLISE CRÍTICA: Chutando a escada, Ha-Joon Chang
ANA GABRIELA GOMES PINHEIRO DOS SANTOS (10724802)
São Paulo
2021
1
“Chutando a escada: estratégias de desenvolvimento numa perspectiva
histórica”, aclamada obra de Ha-Joon Chang, foi publicada em 2002 inicialmente em
inglês, pelo então economista, professor e diretor de estudos acerca do
desenvolvimento na universidade de Cambridge. Tendo como objetivo destrinchar a
problemática acerca da estagnação de países subdesenvolvidos, o autor conquistou
o prêmio Gunnar Myerdal, entregue pela European Association for Evolutionary
Political Economy, como melhor publicação, contribuindo diretamente aos estudos
de desenvolvimento econômico e globalizado.
Com um princípio de valorizar e compreender lições aprendidas durante a
história da humanidade, o autor baseia seu texto em uma obra do economista
alemão do século XIX, Friedrich List (1789- 1846), e utiliza uma de suas passagens
como referência para o título “Chutando a escada”. Por vezes considerado pai do
argumento da indústria nascente, List acredita que em face dos países
desenvolvidos, os mais atrasados não conseguem desenvolver novas indústrias
sem a intervenção do Estado, especialmente tendo tarifas proteccionistas como
método.
O pensamento de List se estende a compreender o livre-comércio como
dinâmica benéfica apenas entre países de semelhante nível socioeconômico e
principalmente industrial. Não há concorrência justa e equitária entre países de
níveis muito distintos. O poder e a capacidade de dominação dos países
desenvolvidos poda a evolução dos inferiores. Faz-se referência então título da
obra: chutar a escada seria a tática de preservação da vantagem competitiva dos
países desenvolvidos em detrimento dos outros países.
Limitar o caminho percorrido até o topo, segundo Chang, é uma agenda
comum do desenvolvimento internacional. Outros pensadores compartilham a
mesma opinião e outros estudos como este surgiram na mesma época, inclusive
utilizando a explicação e a antecipação de situações contemporâneas como
exemplo. Ao atingir um nível alto de desenvolvimento, países que promoveram
fortemente o protecionismo, começam a defender tendências e se posicionar de
maneira mais liberal, visto que suas empresas já estão em colocações muito fortes
para concorrer no mercado mundial.
O autor ressalta que analisar tais contextos não se trata de uma compilação
de informações, e sim, a construção de teorias a partir de modelos históricos. E a
partir da pergunta norteadora da obra “Como os países ricos, de fato,
enriqueceram?” e ele passa a discorrer sobre sua visão. Durante o texto ele destaca
que as imposições dos países em vantagens se destacam com as “boas políticas e
boas instituições”, qualificadas como agentes do desenvolvimento econômico.
2
Neste caso, as boas políticas caracterizam-se pelas políticas
macroeconômicas restritivas, privatizações, liberalização comercial e financeira,
entre outras. Em suma, estabelecidas no consenso de Washington. Seguindo esta
mesma corrente de pensamento, as “boas instituições” caracterizam-se
predominantemente por aquelas adotadas nas grandes potências, como os Estados
Unidos e a Grã-Bretanha. O autor salienta que as evidências históricas revelam que
estas políticas não foram adotadas enquanto estas potências acendiam, e sim,
corroboram para a manutenção das mesmas nesta posição vantajosa.
No segundo capítulo, ele aprofunda essas questões, pesquisando sobre as
políticas industriais, comerciais e tecnológicas dos países desenvolvidos.
Compreendendo seus contextos e trajetórias a fim de contribuir e confirmar sua tese
sobre a inconfiabilidade de suas proposições acerca destas políticas nos países em
desenvolvimento. Esta análise determina que as políticas pró desenvolvimento de
grande número de países já desenvolvimentos sigam um modelo de promoção a
indústria nascente, como por exemplo: direito de monopólio, cartelização, subsídios
á exportação, créditos diretos, redução de taxas, promoção de instituições
direcionadas a parcerias público-privadas, entre outras,
Sendo assim, é possível notar um cenário conduzido ao protecionismo. O
que é totalmente diferente das recomendações impostas e pressões sofridas pelos
países ainda em desenvolvimento. Estes, por sua vez, se demonstram cada vez
mais protecionistas, dado o poder das nações superiores. Não obstante, o autor
também procura relatar que as potências rescindiram muitas instituições que na
atualidade prezam, para se tornarem ricos. Apenas quando alcançaram
estabilidade, apenas quando tiveram recursos para arcar com seus custos
econômicos, as adotaram.
Um exemplo muito claro, são as instituições de bem-estar social e a
regulamentação do trabalho pautado nos direitos humanos. Estes não existiam e,
portanto, não influenciaram ou atrasaram o desenvolvimento dos países que se
desenvolveram durante o século XIX. Esta discussão se estende e se amplia no
terceiro capítulo, Chang, de forma detalhada, perpassa todas as nuances da “boa
governança” na perspectiva histórica.
Ao analisar inúmeras instituições e suas evoluções nos países altamente
desenvolvidos, o autor demonstra a importância de não apenas deixá-las evoluir
organicamente ou restringir suas atuações, é de imprescindível importância
aprender com suas origens e histórico, a fim de direcioná-las de acordo com as
necessidades encontradas. Então o autor debate a consolidação da burocracia, e
judiciário; regimes de direito de propriedade; governança empresarial; instituições
3
financeiras; instituições de bem-estar social, instituições de regulamentação
trabalhista e outras.
Ao se aprofundar nestas questões, o autor utiliza dados de muitos países
para analisar uma amplitude maior de fatos e eventos no desenvolvimento destes
países, e assim, nota-se que esse desenvolvimento institucional na prática foi mais
lento e irregular. Ao comparar os índices de desenvolvimento das potências com os
países ainda em desenvolvimento, é possível concluir que este cenário evoluiu
muito e os países na atualidade possuem um nível muito mais elevado de
desenvolvimento institucional. Além disso, estes sofrem a dominação por parte das
potências para que cumpram todas as recomendações e padrões estabelecidos em
uma posição de privilégio.
No quarto capítulo do livro, Chan, de forma sagaz, retorna a problemática
norteadora de sua pesquisa, se estariam ou não as nações já desenvolvidas e bem
posicionadas utilizando de sua influência para limitar o desenvolvimento daquelas
que as sucedem. Por vezes, tais países, até mentindo sobre seu passado, para
impedir que a verdade sobre seus respectivos processos de desenvolvimento
possam gerar qualquer tipo de ajuda para os subdesenvolvidos.
É nesse momento também que o autor, após reunir detalhadamente
inúmeros dados e fatos sobre a história institucional e econômica de diversas
nações, em contextos sociais e geográficos distintos, argumenta que, no final do
século XX e no início do século XXI, a política ortodoxa e hegemônica se direciona a
“chutar a escada” do desenvolvimento, construindo de forma sólida uma série de
limitações e obstáculos a capacidade de promoção e ascensão dos países em
desenvolvimento. Além disso, as instituições atualmente tidas como imprescindíveis
à sociedade são produto das políticas (ou falta destas) do passado, representando
um cenário completamente diferente para o desenvolvimento das potências.
Referente a essa colocação, um argumento utilizado pelo autor é de que nas
décadas de 1980 e 1990, período no qual estes países aderiram às políticas
neoliberais pró-mercado, se teve um fraco crescimento. Diferentemente das
décadas anteriores (1970 e 1980), período no qual estes países adotaram as
políticas intervencionistas, se teve um maior progresso em relação ao
desenvolvimento. Isto significa que as políticas que geraram bons frutos em um
passado recente, continuam a gerar o mesmo.
Ao iniciar a fase conclusiva de seu trabalho, o autor apresenta suas
sugestões

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.