Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
MECANISMO DO PARTO

Pré-visualização | Página 1 de 1

Mecanismo do Parto
PRIMEIRO TEMPO - Insinuação
- passagem da maior circunferência da apresentação através do anel do estreito superior
- cefálico: diâmetro biparietal
- pélvico: diâmetro bitrocantérico
- ponto mais baixo da apresentação à altura das espinhas isquiáticas → plano 0 de DeLee
No início dessa fase, a cabeça fetal encontra-se acima do estreito superior da bacia, em flexão moderada, com a sutura sagital orientada
no sentido do diâmetro oblíquo esquerdo ou do transverso e com a fontanela lambdóide voltada para a esquerda.
PARA QUE HAJA INSINUAÇÃO, É NECESSÁRIO QUE OCORRA A FLEXÃO, O ACAVALGAMENTO E O ASSINCLITISMO
- flexão cefálica: flexão anteroposterior resultante da pressão axial da contração uterina sobre o feto
- redução do diâmetro da cabeça → flexão para expor diâmetro sub-occipto-bregmático
- acavalgamento: fenômeno que reduz as dimensões do polo cefálico
- ossos frontal e occipital se deslocam por baixo dos parietais com as bordas dos parietais se sobrepondo
- propiciado pela presença das fontanelas
- assincletismo: movimento de flexão lateral da cabeça do feto → um osso parietal atravessa o estreito superior antes do outro
ASSINCLITISMO ASSINCLITISMO POSTERIOR ASSINCLITISMO ANTERIOR
Sutura sagital está
em uma situação
equidistante das
duas espinhas
isquiáticas
Inclinação
lateral da
cabeça em
direção à
sínfise púbica
da mãe. À
palpação via
toque vaginal,
sente-se o osso
parietal
posterior.
Inclinação
lateral da
cabeça em
direção ao
promontório da
mãe. À palpação
via toque
vaginal,
sente-se o osso
parietal
anterior.
- a insinuação ocorre por dois processos diferentes:
- insinuação estática: processada na gravidez, em mais de 50% das primigestas. Flexão e aconchego no segmento
inferior e na descida, conjuntamente com o útero, por tração dos ligamentos sustentadores do órgão e pressão das
paredes abdominais → traduzindo: acontece antes do trabalho de parto
- insinuação dinâmica: surge no fim da dilatação cervical ou no início do período expulsivo nas multíparas. Flexão
por contato com o estreito superior da bacia e descida à custa das contrações expulsivas → traduzindo: acontece
junto com o trabalho de parto
SEGUNDO TEMPO - Descida
- tempo que se inicia com o trabalho de parto e termina com a expulsão fetal
- movimento de espira descendente da cabeça fetal
- migração da cabeça até as proximidades do assoalho pélvico
- mantém a atitude e conserva o mesmo sentido
TERCEIRO TEMPO - Rotação interna
- rotação da sutura sagital a se orientar no sentido anteroposterior da saída do canal → faz a rotação para se colocar em
posição OP ou OS
- traz o ponto de referência geral para junto do púbis materno
- grau de rotação: depende da variedade de posição → variedade direita: sentido horário/variedade esquerda: sentido
anti-horário
Roda para colocar o occipto com o púbis da mãe e fazer hipomóclio
INSINUAÇÃO DA CINTURA ESCAPULAR: penetração das escápulas no estreito superior da bacia
- aconchego dos ombros → redução de diâmetro
- progride em espiral juntamente com o polo cefálico
- dorso fetal: mantém-se a 45º da linha de orientação
QUARTO TEMPO - Desprendimento da cabeça/cefálico
- depois da rotação → sutura sagital orientada no sentido anteroposterior
- locação do suboccipcio do feto no subpúbis materno
- HIPOMÓCLIO: movimento de deflexão da cabeça para sua expulsão
QUINTO TEMPO - Rotação externa
- livre no exterior, a cabeça sofre novo ligeiro movimento de flexão, pelo seu próprio peso, e executa rotação de ¼ a ⅛ de
circunferência
- volta do occipital para o lado onde se encontrava na bacia → restituição da variedade de posição da insinuação
- rotação interna das espáduas: cintura escapular ocupa o diâmetro anteroposterior da bacia
SEXTO TEMPO - Desprendimento dos ombros/das espáduas
- feto realiza movimento de flexão lateral do tronco
- primeiro ombro: anterior
- movimento de flexão desprende o ombro posterior
- segundo ombro: posterior