A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Piano - Apost

Pré-visualização | Página 1 de 2

Kiddah School Music
TEORIA MUSICAL
Piano| 1º Modulo
Professora: Cássia Franchi Duarte
Rua Hermenegildo Cavazani - 1308 | Whats: (41) 98897-2426
Ribeirão do Pinhal - Pr
PLANO DE ESTUDO
1º Modulo:
- Propriedade do Som
- Definição de Música
- Escalas Maiores e Menores
- Inversões com o 1º, 3º, e 5º grau
- Destravando
2º Módulo:
- Intervalos
- Modos Litúrgicos
- Escalas Menores Harmônica e Melódica
- Tétrades
- Destravando
3º Módulo - PARTITURA BÁSICA
- Alfabeto Musical
- Partitura Inicial
- Prática
TEORIA MUSICAL
A música é a Arte de combinar os sons. E o que é o Som?
Aqui você vai aprender um pouco sobre tudo e principalmente tocar o “básico” BEM
FEITO!
➔ Som: O som é a matéria-prima da Música. Temos cinco elementos formadores do som,
tocando-os formamos a música: Timbre, Intensidade, Altura, Densidade, Duração.
➔ Música: Para formá-la, além do som é necessário três elementos fundamentais que
chamamos de:
Melodia: São sons sucessivos, ou seja, notas tocadas uma após a outra. É a alma da peça
musical.
Harmonia: São sons simultâneos, notas tocadas juntas, ao mesmo tempo (Acordes).
Ritmo: Duração do som. Sucessão de tempos fortes e fracos que se alternam com
intervalos regulares.
A música se materializa com sons, mas é no papel que ainda podemos decifrar seus
aspectos teóricos. Ensinar, aprender e estudar aspectos como contraponto, harmonia e arranjo
demanda domínio das técnicas de escrita e leitura musical. Existem várias maneiras de
escrevermos a música, mas a Partitura, ainda permanece sendo a melhor forma de estabelecer
comunicação entre aqueles que fazem, ensinam e aprendem música.
ENTENDENDO A PARTITURA…
Guido D’Arezzo é considerado o inventor, desenvolvedor da notação da pauta moderna
que teve uma enorme influência no desenvolvimento da notação e prática musical ocidental.
Representavam as notas musicais sobre as quatro linhas horizontais, paralelas e coloridas. Com
passar do tempo, a algumas partituras foi acrescentada uma quinta linha paralela, o que passou
a ser padrão para escrita musical e passou a se chamar pauta ou pentagrama.
No 3º Módulo aprofundaremos mais sobre esse assunto.
https://en.wikipedia.org/wiki/Western_musical_notation
CONHECENDO AS NOTAS MUSICAIS…
A origem dos nomes das notas musicais é atribuída também a D’Arezzo, que teria se
inspirado no Hino de São João Batista. Nas culturas de língua inglesa, as notas musicais recebem
o nome das sete primeiras letras do alfabeto, a partir do Lá.
Existem 12 Notas Musicais, sendo 7 Notas Naturais que são:
Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si.
Já com as Letras do alfabeto, essas notas passam a se chamar de:
DO RE MI FA SOL LA SI
C D E F G A B
Entre elas teremos os Sustenidos (#) ou Bemóis (b), que são as 5 Notas Musicais chamadas de
Acidentes. Agora, como saberemos se é um Sustenido ou Bemol?
O Sustenido pode ser definido como uma alteração na altura de um semitom acima da nota
natural, ou sem alteração.
# = +1 semitom
Já o Bemol define-se como uma alteração na altura de um semitom abaixo da nota natural.
b = -1 semitom
Os Sinais de alteração sempre aparecerão ao lado esquerdo da nota musical.
C# D# F# G# A#
C D E F G A B
Db Eb Gb Ab Bb
Repare que entre Mi e Fá e entre Si e Dó não há notas intermediárias. Isso significa que não
existem Mi e Si Sustenidos ou Fá e Dó Bemóis.
Agora que já sabemos o nome das Notas Musicais, vamos aprender Escalas.
Existem várias Escalas, mas para começarmos aprenderemos a Escala Maior e a Menor.
Afinal, o que é Escala?
Escala é composto por 7 notas, podendo ser tanto notas naturais ou # e b. Para sabermos
quando uma escala é maior ou menor, utilizamos o Tom e o Semitom.
Tom: Quando há uma separação entre duas notas, exemplo:
|
V
Essa tecla preta separa as duas teclas brancas. O que forma o TOM.
Já no Violão ficaria da seguinte forma:
| |
T
Já o SEMITOM (S) é quando não há separação entre as notas. Elas ficam uma ao lado da outra.
S S
S
E agora? Ficou mais fácil para compreender o que é Tom e Semitom?
Se sim, vamos para a prática.
ESCALAS MAIORES - PIANO
A conhecida Escala Maior é formada por uma sucessão de tons e semitons, dada pela sequência
de:
T T S T T T S
A partir dessa estrutura é possível obter 17 escalas maiores, podendo ser, escalas # ou b.
Usaremos um exemplo de Escala natural com a regra acima:
V V V V V V V
T T S T T T S
As Notas Ficaram como:
C - D - E - F - G - A - B - C
Esse é um exemplo da escala maior de C. Sendo que o 8º grau é a Tônica (repete o 1º grau, ou
seja, a primeira nota)
Nas escalas chamamos as notas por graus. Nesse caso, segue tabela:
DO RE MI FA SOL LA SI
1º / 8º 2º / 9º 3º 4º J 5º J 6º 7º
EXERCICIOS - ESCALA MAIOR NATURAL
Escala de C Maior:
T e S:
Composta por:
Escala de D Maior:
T e S:
Composta por:
Escala de E Maior:
T e S:
Composta por:
Escala de F Maior:
T e S:
Composta por:
Escala de G Maior:
T e S:
Composta por:
Escala de A Maior:
T e S:
Composta por:
Escala de B Maior:
T e S:
Composta por:
E aí, como você se saiu ?
Fique tranquilo que ao longo das aulas ficará mais claro o que acabou de fazer!
ACORDES MAIORES - TECLADO
Além das Escalas, temos os ACORDES. Afinal, o que é um acorde?
Lembram da Harmonia? Se não, vamos recapitular…
Harmonia são sons simultâneos, ou seja, notas tocadas juntas, ao mesmo tempo. Isso é o que
chamamos de Acorde Tríade, três ou mais notas.
Um acorde é formado pelo 1º, 3º e 5º grau da escala. Por exemplo, a escala de C, é composta
por: C, D, E, F, G, A, B, C. Sendo: C - 1º grau, E - 3º e G - 5º grau.
*Caso haja dúvidas sobre os graus, volte um pouco no início para relembrar.*
Com base no que acabamos de falar, vamos para a prática. Escreva os Acordes de cada Nota
baseando-se nas escalas.
EXERCÍCIO - ACORDES MAIORES NATURAIS:
C =
D =
E =
F =
G =
A =
B =
A partir do momento que conhecemos as Escalas e Acordes fica mais fácil para sabermos
quais acordes podemos fazer em cada Escala. Nós já sabemos quais são os acordes maiores
naturais, mas nesse próximo exercício veremos também acordes menores que mais para frente
aprenderemos.
Vamos ver quais são os Acordes que poderemos tocar em cada escala?
Segue um Exemplo da Escala de D, aqui nós sabemos que as notas que compõem essa escala
são D - E - F# - G - A - B - C# - D . Segue acordes sempre olhando a 1º 3º e 5º (começando por
cada nota)
D = D F# G
E = E G B
F# = F# A C#
G = G B D
A = A C# E
B = B D F#
C = C E G
Agora vamos observar uma coisa, eu só utilizei notas que estão na escala, esses são os acordes
que poderei usar na escala de D.
Se olharmos melhor, podemos encontrar acordes menores. Como eu sei que é menor? Volte
para as Escalas e observe o 3º grau. Com ela perceberá que algumas notas que usamos aqui,
não batem. Por exemplo: E - F# e B são acordes menores por conta do 3ºgrau. É para que
possamos identificá-los é necessário que tenha o “m” ao lado direito da Nota referente (Em,
F#m e Bm). Olhe novamente como ficará:
D = D F# G
Em = E G B
F#m = F# A C#
G = G B D
A = A C# E
Bm = B D F#
C = C E G
***BORA PARA A PRÁTICA??
EXERCICIOS - ACORDES DAS ESCALAS
Coloque os acordes referentes às Escalas como fizemos anteriormente e se tiver acorde menor,
coloque um * ao lado esquerdo da nota.
Escala x Acorde - C Escala x Acorde - G
C =
D =
E =
F =
G =
A =
B =
Escala x Acorde - D Escala x Acorde - A
D =
E =
F# =
G =
A =
B =
C# =
Escala x Acorde - E

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.