A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Revisão resumida de Fisiologia do esporte

Pré-visualização | Página 1 de 2

VZM 
ROTEIRO 01 
FISIOLOGIA DO ESPORTE 
 
EXPLICAR O GRANDE VOLUME SISTÓLICO (VS) E A BAIXA 
FREQUÊNCIA CARDÍACA (FC) DOS ATLETAS TREINADOS EM 
ENDURANCE: 
RESPOSTA: 
Por meio do controle FC e do volume de ejeção, o DC pode 
ser ajustado para ↑ ou ↓ o fluxo sanguíneo conforme 
necessário para abastecer os tecidos dependentes O2. 
Em atletas o coração é mais eficiente, capaz de bombear 
mais sangue a cada bpm, ou seja, tem maior ejeção 
sanguínea causada pela hipertrofia dos ventrículos, por 
isso, precisa bater menos vezes para garantir a mesma 
quantidade de sangue que o corpo precisa, tanto em 
repouso quanto em exercício. 
 
ENDURANCE: é a capacidade física que permite a um atleta 
sustentar por um longo período uma atividade física 
relativamente generalizada em condições aeróbias. 
 
• A FC e DC de homens e mulheres em repouso ou 
sedentários geralmente fica em: 
- Homens: FC 72bpm e DC 70ml, ou seja, DC 5L/min 
- Mulheres FC 75bpm e DC 60ml, ou seja, DC 4,5L/min 
• Atletas têm aprox. o mesmo DC em repouso que não 
treinados. 
• A FC em repouso é menor em atletas. Para manter o DC, 
os atletas têm um volume de ejeção sang maior, ou seja, 
durante a atv física ↑de ejeção, ↑FC pode resultar em 
DC máximo 35L/min. 
• FC em atletas é 60 bpm e 100 bpm. Quanto menor for 
o valor, melhor é o condicionamento físico da pessoa. 
Um atleta profissional consegue manter-se em 40 bpm. 
 
REGULAÇÃO CARDIOVASCULAR NO EXERCÍCIO FÍSICO – 
CONTROLE DA PA: 
 
FC E CONTROLE DA PA DURANTE O EXERCÍCIO FÍSICO: 
Em segundos no início da atv física, o Comando Central 
Superior (centro cerebrais superiores) o SN simpático é 
ativado, assim ↑FC, ↑DC, ↑PA e ↑Fluxo sanguíneo para os 
músculos. 
Para compensar, o CC envia sinais motores parassimpáticos 
através de quimiorreceptores, barorreceptores e 
mecanorreceptores, no arco da aorta e artéria carótida. 
Os quimiorreceptores têm 
função de perceber se há 
↑H++, ↑CO2 e hipóxia, 
envia impulso para o 
centro cardio que em 
resposta ↑simpático, 
↑pressão sanguínea 
causando vasoconstricção. 
Mecanorreceptores 
monitoram a força e 
velocidade muscular e 
envia sinais ao CC que em 
resposta ↑a FC no início 
da atv física. 
Barorreceptores depende 
da PA, se alta ou baixa, tem 
função de manter a PA 
estável mesmo em 
condições de exercício 
dentro de um padrão 
aceitável, faz isso através 
dos seios carotídeos e 
aorta. O seio carotídeo 
controla a pressão 
sanguínea no encéfalo, se 
percebe ↑PA e envia 
sinais via glossofaríngeo IX 
até o bulbo. A aorta regula a PA via nervo vago, se PA↓ os 
barorreceptores enviam impulso + lento e ↓ o 
parassimpático e ↓DC. Se PA↑, ele ↑ o parassimpático e ↓ 
simpático. 
 
CONTROLE NEUROENDÓCRINO 
• Os centros cardíacos estão no bulbo 
• O centro cardiovascular recebe informações das regiões 
superiores do encéfalo e dos receptores sensitivos que 
são: 
• PROPRIOCEPTORES - MECANORECEPTORES 
Monitoram a força e velocidade muscular e envia sinais ao 
CC que em resposta ↑a FC no início da atv física. 
• BARORRECEPTORES 
Barorreceptores depende da PA, se alta ou baixa, tem função 
de manter a PA estável mesmo em condições de exercício 
dentro de um padrão aceitável, faz isso através dos seios 
carotídeos e aorta. 
O seio carotídeo controla a pressão sanguínea no encéfalo, 
se percebe ↑PA e envia sinais via glossofaríngeo IX até o 
bulbo. 
A aorta regula a PA via nervo vago, se PA↓ os 
barorreceptores enviam impulso + lento e ↓ o 
parassimpático e ↓DC. Se PA↑, ele ↑ o parassimpático e ↓ 
simpático. 
• QUIMIORRECEPTORES 
Percebe se há ↑H++, ↑CO2 e hipóxia, envia impulso para o 
centro cardíaco que em resposta ↑simpático, ↑pressão 
sanguínea causando vasoconstricção. 
VZM 
- No Sistema Respiratório acontece uma vasodilatação para 
que haja um aumento do fluxo sanguíneo e tenha a troca 
gasosa. 
• PEPTÍDEO NATRIURÉTICO ATRIAL (PNA): 
Liberado pelas cel do átrio, ↓ vol sang e ↓PA ao causar 
vasodilatação e perda de água e sal na urina. 
• HORMÔNIO ANTIDIURÉTICO (ADH) - Também 
chamado de VASOPRESSINA 
Causa vasoconstrição nas arteríolas, ↑ PA, ↑ vol sang, ↓ 
produção de urina, ↓ perda de água pelo suor. 
- A ingestão de álcool pode causar ↑micção frequente e 
copiosa pq o álcool inibe a secreção de hormônio 
antidiurético. 
• ALDOSTERONA 
↑ absorção de sódio e água, ↑ vol sang e ↑PA. Estimula 
também a liberação de ADH (VASOPRESSINA) pela neuro-
hipófise, que promove mais absorção de água. 
• SISTEMA RENINA ANGIOTENSINA: 
Quando o vol sang e a PA↓, a estimulação simpática, libera 
Renina que através da conversão pela ECA vira angiotensina 
II (forma ativa da renina) que atua ↑ a PA e o vol sang de 2 
formas: 1- Vasoconstricção e 2- Estimulando a secreção de 
aldosterona ↑ a absorção de água e sódio pelos rins, e assim 
o VS. 
• EPINEFRINA E NOREPINEFRINA (noradrenalina): 
Em resposta ao estímulo simpático, ↑ o DC, ↑ a velocidade 
e a força de contração do coração, além de ↑ o fluxo sang 
para o músculo durante o exercício. 
• CORTISOL 
O ↑ de cortisol é nociva ao corpo, está implicado na 
regulação do sistema imunológico, metabolismo de glicose e 
lipídios e manutenção do DC ao ↑ o tônus vascular e ↓ a 
permeabilidade vascular. A desregulação do eixo HPA está 
associada à HAS, ↑ FC e ↑ dos níveis de colesterol 
lipoproteico total e de baixa densidade e insulina em jejum 
e glicose. 
 
CONTROLE DA RESPIRAÇÃO 
 
O sist respiratório possibilita a troca gasosa, entrada de O2 e 
eliminação de CO2 e o sist circulatório transporta o sangue 
contendo os gases entre os pulmões e as células do corpo. 
Mecanismos de controle da respiração fica localizado no 
tronco encefálico (no bulbo e na ponte), chamado de 
CENTRO RESPIRATÓRIO, e é a principal região controladora 
de reflexos vindos dos receptores periféricos e centrais. 
CENTRO RESPIRATÓRIO se divide em 2 grupos de neurônios: 
GRUPO RESPIRATÓRIO BULBAR: 
• GRUPO RESPIRATÓRIO DORSAL (GRD): 
- Responsável pela inspiração. 
- Localizado no interior do núcleo do trato solitário (NTS). 
- Recebem sinais aferentes através dos nervos vago (X) e 
glossofaríngeo (IX) a partir dos quimiorreceptores 
periféricos e receptores pulmonares e de vias aéreas. 
Também recebem aferências sensoriais das vísceras 
torácicas e abdominais. 
• GRUPO RESPIRATÓRIO VENTRAL (GRV): 
- Localizado na parte ventrolateral do bulbo. 
- Contém neurônios inspiratórios e expiratórios e 
neurônios motores que inervam faringe e laringe. 
- Responsável pela expiração 
• CENTRO PNEUMOTÁXICO 
- Também conhecido como o grupo respiratório 
pontinho; 
- Controla FR e amplitude respiratória, realizando a 
função de modular o padrão básico gerado pelo bulbo, 
suavizando momentos de transição entre fases do ciclo 
respiratório. 
MUSCULOS ACESSÓRIOS DA INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO: 
• INSPIRAÇÃO PROFUNDA E FORÇADA: 
- Atuam no ↑ da cavidade toráxica 
- Musc esternocleidomastóideos, que elevam o esterno; 
- Musc escalenos, que elevam as duas primeiras costelas; 
- Musc peitoral menor, que eleva as costelas III a V. 
• EXPIRAÇÃO PROFUNDA E FORÇADA: 
- A expiração torna-se ativa apenas durante a respiração 
forçada; 
- Musc abdominais e intercostais internos se contraem, 
↑ pressão nas regiões abdominal e torácica. 
O Pco2, pH e Po2 arteriais não se alteram na atv física. 
O que causa a intensa ventilação durante a atividade física? 
Durante o Exercício. Quando a pessoa se exercita, sinais 
neurais diretos, estimulam o CR em nível quase apropriado 
para suprir o O2 extra requerido para a atv física e para 
remover o CO2 adicional. 
FATOR QUÍMICO: 
Mantém as concentrações de O2, CO2 e íons hidrogênio dos 
líquidos corporais o mais próximo possível da normalidade. 
No início da atv física não há ↑ de pco2, mas o ↑ da 
ventilação ↓ Pco2 causado pelo estímulo antecipatório do 
SNC, porém, depois de 30-40min o pco2 volta aos níveis 
normais. 
CONTROLE NEUROGÊNICO DA