Buscar

TCC Pedagogia - Proposta de formação para professores

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 3, do total de 24 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 6, do total de 24 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você viu 9, do total de 24 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Prévia do material em texto

Nome: Janaina Monteiro da Silva 
RA: FBO3063177812 
 
Nome: Marcia Antônia Nunes Malacco 
RA: FBO3016848006 
 
Nome: Nelson de Souza Lima 
RA: FBO8179396741 
 
Nome: Roberta de Abreu Pacheco Roiz 
RA: FBO3045926856 
 
Nome: Thauany Tamara dos Santos Silva 
RA: FBO3113144500 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
ANHANGUERA EDUCACIONAL 
FACULDADE ANHANGUERA DE BELO HORIZONTE – UNIDADE 2 
 
Belo Horizonte – MG 
2017 
Nome: Janaina Monteiro da Silva 
RA: FBO3063177812 
 
Nome: Marcia Antônia Nunes Malacco 
RA: FBO3016848006 
 
Nome: Nelson de Souza Lima 
RA: FBO8179396741 
 
Nome: Roberta de Abreu Pacheco Roiz 
RA: FBO3045926856 
 
Nome: Thauany Tamara dos Santos Silva 
RA: FBO3113144500 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PROJETO DE FORMAÇÃO PARA OS PROFESSORES DO 1º AO 3º ANO: 
considerando a alfabetização de crianças do 1º ao 3º ano, possibilidades de aprendizagem 
das crianças; o direito de brincar e o uso das tecnologias na alfabetização. 
 
 
Desafio Profissional - apresentado à Anhanguera 
Educacional, como requisito parcial para a obtenção de 
média semestral nas disciplinas de História Da Educação 
e da Pedagogia, Didática da Alfabetização e do 
Letramento, Aprendizagem e Desenvolvimento Social da 
Criança, Introdução à Educação Virtual, Direitos 
Humanos. 
 
Tutora à distância: Paula Fernanda Belebecha Pereira 
 
SUMÁRIO 
 
1 INTRODUÇÃO......................................................................................................... 3 
 
2 REVISÃO DE LITERATURA (Referenciais teóricos) ...........................................4 
 
3 JUSTIFICATIVA ......................................................................................................5 
 
4 OBJETIVOS (geral e específicos) .........................................................................6 
 
5 METODOLOGIA.......................................................................................................7 
 
6 CRONOGRAMA.....................................................................................................14 
 
7 CONCLUSÃO ........................................................................................................15 
 
8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .....................................................................16 
 
 ANEXOS ...............................................................................................................19
 3 
1 INTRODUÇÃO 
O presente trabalho é um projeto que apresenta como tema a construção de 
uma proposta de formação continuada durante um semestre letivo, sobre a 
alfabetização e letramento dos alunos do 1º ao 3º ano dos anos iniciais do Ensino 
Fundamental, considerando os aspectos do direito de brincar e a utilização das 
tecnologias como ferramenta de aprendizagem. Trata-se de um instrumento de 
intervenção pedagógica considerando o relato da supervisora Cristiane à sua 
diretora, referente a uma escola de 1º ao 5º ano, em um bairro de periferia. 
Cristiane percebeu que as professoras do 1º e 3º ano apresentavam muitas 
dificuldades em relação à alfabetização das crianças e demonstraram-se 
angustiadas no trabalho pedagógico. Após análise dos dados coletados em duas 
semanas de planejamento relatou à diretora sobre a dificuldade de compreensão 
das professoras e como integrar os componentes de aprendizagem da matriz 
curricular de forma interessante a maneira de aprender dos alunos. E que as 
professoras apresentavam dificuldades em utilizar as novas tecnologias nos 
processos e alfabetizar, respeitando a idade das crianças e seus processos de 
aprendizagem. Também socializou que observou que o brincar, tão importante nesta 
etapa, não era considerado como possibilidade de aprendizagem mais lúdica. 
Optou-se por um projeto de preparação que será realizado dentro da escola, 
criar um ambiente de informação e transformação, que consequentemente esse 
conhecimento será aplicado com os alunos. Dentro desta postura serão realizadas 
reuniões, palestras e oficinas para o corpo docente com orientações e 
esclarecimentos. O ponto central desta estratégia será provocar uma mudança no 
comportamento dos professores para a eficácia na aprendizagem dos alunos. 
O repertório das atividades apresentadas no projeto pode ser tomado como 
modelo para construção profissional de forma individualizada e coletiva, 
considerando-se a importância de que o docente se atualize dentro do processo de 
formação continuada. A formação profissional é uma das principais estratégias para 
a conquista de uma educação de qualidade, sendo a formação inicial insuficiente 
para atender as exigências impostas pela sociedade atual e não o único espaço 
onde os docentes aprendem sobre a profissão. A formação continuada emerge 
então como uma necessidade da profissionalização. 
 
 4 
2 REVISÃO DE LITERATURA (REFERENCIAIS TEÓRICOS) 
Nos dias atuais ainda encontram-se diversos desafios nos processos de 
aprendizagem dos alunos nas séries iniciais do Ensino Fundamental, daí a real 
necessidade do professor em se qualificar e buscar aperfeiçoamento de forma 
permanente, já que desenvolve uma atividade com características complexas e 
desafiadoras. Um dos desafios é o processo de alfabetização e letramento, onde o 
educador tem que trabalhar concomitantemente essas duas dimensões no fazer 
pedagógico. Soares (2004) explicita que é preciso repensar as práticas de ensino 
que têm predominado em muitas escolas, esclarecendo a distinção entre o que é 
letramento e o que é alfabetização. 
Nesse contexto a brincadeira é um recurso privilegiado de desenvolvimento 
da criança por acionar e desenvolver processos psicológicos, particularmente a 
memória e a capacidade de expressar elementos com diferentes linguagens. 
Winnicott (1975) apresenta, junto a Psicanálise, o entendimento que brincar faz parte 
da essência do homem, o que pode ser chamado de “impulso lúdico”. Através da 
brincadeira e da atividade lúdica pode-se aplicar o conteúdo exigido pela grade 
curricular aos alunos. 
Brincar tem, hoje, sua importância reconhecida por estudiosos, educadores, 
organismos governamentais nacionais e internacionais. A Declaração Universal dos 
Direitos da Criança (aprovada na Assembleia Geral das Nações Unidas em 1959), 
no artigo 7º, ao lado do direito à educação, enfatiza o direito ao brincar: “Toda 
criança terá direito a brincar e a divertir-se, cabendo à sociedade e às autoridades 
públicas garantir a ela o exercício pleno desse direito”. 
Nessas circunstâncias, não se pode deixar de lado a utilização da 
tecnologia no processo de aprendizagem. Os recursos tecnológicos não são a 
salvação para o déficit do conhecimento em leitura e escrita, conforme afirma Emilia 
Ferreiro, para ela, no entanto, com a ajuda deles ocorrem práticas que levam à 
alfabetização "que corresponde ao nosso espaço e tempo". No livro O Ingresso na 
Escrita e nas Culturas do Escrito, ela destaca algumas contribuições das tecnologias 
para o ensino: deixam mais acessível uma grande diversidade de textos, dão mais 
autonomia ao aluno e reforçam a ideia de que professores ou livros didáticos não 
são a única fonte de informação. 
 5 
3 JUSTIFICATIVA 
A elaboração do projeto tem como intenção provocar nos professores de 
alunos do 1º ao 3º ano dos anos iniciais do Ensino Fundamental a importância da 
formação continuada. O projeto está direcionado para a preparação dos professores, 
de forma a desenvolver neles competências e habilidades voltadas ao ambiente de 
aprendizagem na escola, tendo como finalidade melhorar a qualidade do ensino, as 
condições de trabalho e ainda contribuir para evolução funcional e o aprimoramento 
das competências dos professores. 
A formação continuada é uma exigência da atividade profissional no mundo 
atual não podendo ser reduzida a uma ação compensatória de fragilidades da 
formação inicial. Com caráter reflexivo considera-se o professor o sujeito deação, 
valoriza suas experiências pessoais, suas incursões teóricas, seus saberes da 
prática e possibilita-lhe que, durante o processo, atribua novos significados a ela, 
compreenda e enfrente as dificuldades com as quais irá se defrontar no dia a dia. 
Também é relevante refletir sobre o direito do brincar para alfabetização e 
letramento das crianças, a partir do uso das tecnologias como recurso disponível nos 
Anos Iniciais do Ensino Fundamental. O brincar proporciona a criança estabelecer 
regras constituídas por si e em grupo, contribuindo na integração do indivíduo na 
sociedade. Deste modo, à criança estará resolvendo conflitos e hipóteses de 
conhecimento e, ao mesmo tempo, desenvolvendo a capacidade de compreender 
pontos de vista diferentes, de fazer-se entender e de demonstrar sua opinião em 
relação aos outros. É importante perceber e incentivar a capacidade criadora das 
crianças, pois esta se constitui numa das formas de relacionamento e recriação do 
mundo, na perspectiva da lógica infantil. 
Já em relação à utilização da tecnologia entende-se que o seu uso no 
aprendizado infantil proporciona desenvolver diferentes e ricas estratégias, 
permitindo aos alunos que aprendam de maneira lúdica, dinâmica e prazerosa, 
respeitando seus limites e individualidades. Cada vez mais as crianças incorporam o 
uso dos aparelhos eletrônicos em sua rotina, a facilidade do manuseio e o gosto por 
essas ferramentas, se fazem tão importantes e úteis para a nossa comunicação. O 
uso das tecnologias na educação é inevitável nesta nova era em que vivemos. 
Percebe-se a necessidade de aliar a tecnologia aos conteúdos trabalhados em sala 
e fora dela, gerando interesse e novas oportunidades de aprendizagem. 
 6 
4 OBJETIVOS 
4.1 Objetivo Geral 
Construir uma proposta de formação continuada durante um semestre letivo 
aos professores dos alunos do 1º ao 3º ano. 
Refletir sobre o direito do brincar para a alfabetização e letramento de 
crianças, a partir do uso das tecnologias como recurso disponível nos anos iniciais 
do Ensino Fundamental. 
 
4.2 Objetivos Específicos 
Oferecer suporte à ação pedagógica dos professores dos anos iniciais do 
ensino fundamental, contribuindo para elevar a qualidade do ensino e da 
aprendizagem; 
Propor situações que incentivem a reflexão e a construção do conhecimento 
como processo contínuo de formação do docente; 
Criar um ambiente de aprendizagem lúdico com a presença do brincar, para 
que auxilie na construção do conhecimento dos alunos; 
Contribuir para que se desenvolvam na escola atividades pedagógicas de 
aprendizagem com uso de tecnologias. 
 
 7 
5 METODOLOGIA 
Objetivando trazer novos conhecimentos para os professores serão 
apresentadas seis palestras que ocorrerão durante os meses de março, abril, maio e 
junho. Estas palestras serão realizadas dentro da própria instituição de ensino. 
As palestras visam contribuir para a formação continuada dos professores, 
aprimorando e enriquecendo o arcabouço pedagógico do corpo docente do colégio. 
Cada tema foi escolhido para contribuir com conhecimentos que facilitem o 
processo ensino-aprendizagem dos alunos do 1º ao 3º ano. 
 
5.1 Particularidades 
 
As atividades são de participação obrigatória para o corpo docente da escola 
e comporão a “carga didática” dos professores com os consequentes resultados 
financeiros. 
A duração das atividades será de 2(dois) períodos de 50 minutos com 10 
minutos de intervalo. Exceto nas atividades de “Dinâmicas de Grupo” que serão de 
uma hora sem intervalo. 
Após as atividades os palestrantes permanecerão por mais 30 minutos 
respondendo perguntas. 
Todos os participantes receberão certificados de participação de 2 horas 
para as palestras e 1 hora para as “Dinâmicas de Grupo” e “Oficinas práticas”. 
Ao término de cada atividade os professores preencherão uma pesquisa de 
opinião. 
 
5.2 Preparativos necessários 
 
Para as apresentações serão disponibilizados aos palestrantes os seguintes 
recursos tecnológicos: laptop, projetor multimídia, sistema de som com microfone 
sem fio e uma caneta apontadora a laser. 
As áreas utilizadas para as atividades estarão reservadas pela supervisão 
escolar que providenciará para que estejam limpas, arrumadas e com assentos 
suficientes para todos os professores participantes. 
 
 8 
Primeira palestra 
 
- Será realizada no dia 01/03/2017 as 14:00h, na sala de reuniões. 
- Palestrante: Janaina Monteiro Da Silva - Pedagoga 
- Tema: “O brincar e a aprendizagem na educação infantil de quatro a seis 
anos” 
As brincadeiras e os jogos fazem parte do cotidiano da criança 
desempenhando importante papel em seu desenvolvimento. É o momento no qual 
ela poderá expressar, de modo simbólico, suas fantasias, seus desejos, medos, 
sentimentos e os Conhecimentos que vai construindo a partir das experiências que 
vivem. 
A importância dos jogos e do brincar está na possibilidade de aproximar a 
criança do mundo real, levando ela a vivência e até mesma ajudando – a criar certa 
dependência para solucionar os seus problemas. 
Quando a criança, está brincando ela passa assimilar o mundo sem 
compromisso, com a realidade, sua interação não depende da natureza do objeto, 
mas sim da função que atribui. 
 
De acordo com Kishimoto: 
“Os jogos e brincadeiras educativas, estão orientados para estimular o 
desenvolvimento cognitivo e são importantes para o desenvolvimento do 
conhecimento escolar. São fundamentais para a criança por iniciá-la em 
conhecimentos e favorecer o desenvolvimento mental” (1997, p.104) 
 
Segunda palestra 
 
- Será realizada no dia 29/03/2017 as 14:00h, na sala de reuniões. 
- Palestrante: Nelson de Souza Lima – Pedagogo especialista em 
Atendimento Educacional Especializado (AEE) e Educação Especial e Inclusiva. 
- Tema: “o uso das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) na 
educação”. 
 
O desenvolvimento tecnológico introduziu na sala de aula as Tecnologias de 
Informação e Comunicação (TICs) como uma eficaz ferramenta pedagógica. Neste 
contexto um dos maiores desafios dos professores é utilizar as TICs com criatividade 
 9 
aliando-as à uma proposta curricular. 
O tema será abordado em duas palestras pelo pedagogo Nelson de Souza 
Lima, nesta primeira intervenção ele tratará dos aspectos relevantes dos diversos 
usos das TICs para a alfabetização e o letramento de alunos dos primeiros anos do 
ensino fundamental e na sua segunda palestra abordará o seu uso tendo como alvo 
os alunos da Educação Especial. 
Serão respondidas algumas perguntas que foram levantadas previamente 
pela supervisora da escola como por exemplo: Quais são as vantagens e 
desvantagens em usar tablets na escola? Como o professor pode se capacitar para 
trabalhar com as novas tecnologias? O senhor acha que o lápis, a caneta e o papel 
podem desaparecer nas escolas? 
Como podemos notar, pela qualidade das perguntas, o tema é instigante e 
complexo, o tempo de 50 minutos destinados a palestra certamente não será 
suficiente para esgotar o assunto. 
As vantagens da utilização das TICs vêm de como a tecnologia nos faz 
repensar a educação e de como possibilita a criação de novas dinâmicas para uma 
aprendizagem participativa, colaborativa e criativa, focada no desenvolvimento das 
novas literacias. 
Entendendo-se por literacia a capacidade de cada aluno compreender e usar 
a informação escrita, contida nas várias mídias, de modo a desenvolver seus 
próprios conhecimentos. 
O palestrante afirma não acreditar em desvantagens no uso das TICs e sim 
no seu mau uso, ou na sua subutilização, e cita como exemplo os casos em que 
lousas digitais são utilizadas como um quadro negro com projetor. 
 
Terceira palestra 
 
- Será realizada no dia 05/04/2017 as 14:00h, na sala de reuniões. 
- Palestrante: Roberta de Abreu Pacheco Roiz - Pedagoga 
- Tema: “Direitos humanos e educação: uma relação indissociável” 
"[…] Todas aspessoas nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São 
dotadas de razão e consciência e devem agir em relação umas às outras com 
espírito de fraternidade." (Artigo I da Declaração Universal dos Direitos Humanos) 
A escola, como instituição de referência na educação e central na formação 
 10 
dos indivíduos, não pode abrir mão do debate, prática, promoção e garantia dos 
direitos humanos. A instituição só conseguirá cumprir seu papel se olhar para este 
tema. Para a socióloga e diretora da Associação Cidade Escola Aprendiz, Helena 
Singer, “[…] Não dá para educar sem garantir as condições básicas da existência 
como saúde, moradia e proteção”. 
Uma das maiores preocupações dos gestores públicos e do corpo docente 
da escola é a oferta de uma educação de qualidade, “[...] a instrução será orientada 
no sentido do pleno desenvolvimento da personalidade humana” (Artigo 26 da 
Declaração Universal dos Direitos Humanos), diz o texto legal dialogando com o 
pressuposto central da educação integral que busca estimular as várias dimensões 
do indivíduo. 
Quarta palestra 
 
- Será realizada no dia 26/04/2017 as 14:00h, na sala de reuniões. 
- Palestrante: Thauany Tamara dos Santos Silva - Pedagoga 
- Tema: “Sala de aula é lugar de brincar” 
 
"Brincar com as crianças não é perder tempo, é ganhá-lo. Se é triste ver 
meninos sem escola, mais triste ainda é vê-los sentados enfileirados em 
salas sem ar, com exercícios estéreis, sem valor para a formação do 
homem." (ANDRADE, Carlos. Drumond de). 
 
 Em recente pesquisa sobre as relações entre jogo e educação segundo o 
pensamento dos educadores (Fortuna e Bittencourt, 2003), constatamos que 
proporcionar aprendizagem é o mais frequente motivo pelo qual o jogo é 
considerado importante para a educação, em uma amostra onde preponderam 
educadores de ensino fundamental. 
Os educadores infantis, por seu turno, são mais resistentes a assimilar o 
jogo à aprendizagem, ainda que reconheçam sua importância para o 
desenvolvimento infantil. Uma hipótese para entender esta posição, já apresentada 
em outro trabalho (Fortuna, 2000), é que, por muito tempo, a definição de sua 
identidade profissional baseou-se na oposição brincar versus estudar: a "escolinha" 
e a creche são lugares de brincar, enquanto a escola (as demais séries do ensino) é 
lugar de estudar. Outra hipótese é que a disposição de “deixar brincar” é seu modo 
 11 
de insurgir-se contra as práticas educativas que submetem o tempo passado na 
escola infantil ao pragmatismo e ao utilitarismo da Economia escolar. No entanto, 
quando admitem que brincar é aprender, não é no sentido amplo, em plena conexão 
com o próprio desenvolvimento, e sim como resultado do ensino dirigido, onde tudo 
acontece, menos o brincar – exatamente como procedem os professores do ensino 
fundamental, tentando instrumentalizar aquilo que é indomável, espontâneo, 
imponderável. 
 A sala de aula e lugar de brincar sim, pois através das brincadeiras, as 
crianças expressam tudo o que sentem e com tudo trazendo mais capacitação para 
viver independentemente. 
 
Quinta palestra 
 
- Será realizada no dia 03/05/2017 as 14:00h, na sala de reuniões. 
- Palestrante: Nelson de Souza Lima – Pedagogo especialista em 
Atendimento Educacional Especializado (AEE) e Educação Especial e Inclusiva. 
- Tema: “As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas”. 
Nesta segunda palestra o pedagogo Nelson de Souza Lima pretende 
apresentar os diversos recursos de Tecnologia Assistiva que podem ser usados na 
sala de recursos multifuncionais. Como introdução ao tema realizara uma descrição 
das possibilidades de uso da sala de recursos multifuncionais pelos professores em 
atividades voltadas para o desenvolvimento de habilidades matemáticas pelos 
alunos portadores de necessidades educativas especiais, como por exemplo a 
lógica, abstração e o uso de sólidos geométricos. 
As competências ligadas a língua escrita e falada serão a tônica da palestra. 
Nesta oportunidade serão apresentados exemplos de uso das TICs para a 
alfabetização e o letramento dos alunos cegos ou com baixa visão, alunos surdos e 
alunos com o comprometimento de suas funções cognitivas (paralisia cerebral, 
autismo). 
Haverá, também, a apresentação de vídeos e a exposição de alguns 
materiais comumente utilizados nas salas de recursos multifuncionais 
Por se tratar de um tema bastante extenso o palestrante não pretende nesta 
única palestra esgotar o assunto. Durante sua apresentação serão exibidos links de 
páginas da Internet e sugeridas publicações e cursos para os professores se 
 12 
aprofundarem no assunto. 
 
Sexta palestra 
 
- Será realizada no dia 21/06/2017 as 14:00h, na sala de reuniões. 
- Palestrante: Marcia Antônia Nunes Malacco - Pedagoga 
- Tema: “Brinquedoteca Escolar: Espaço lúdico para brincar” 
O fenômeno da brincadeira infantil é complexo e está presente em todas as 
culturas, cada qual com suas especificidades. Nesse sentido, a cultura lúdica é um 
importante fator na determinação das brincadeiras. Esta palestra tem como objetivo 
sintetizar conceitos como cultura lúdica, brincar, brincadeira, bem como demonstrar 
a importância do brincar para o desenvolvimento humano, partindo dos pressupostos 
da psicologia histórico-cultural, especificamente de Vygotsky. 
Também é feito o relato de experiência de uma brinquedoteca instalada em 
uma creche filantrópica. A brinquedoteca atende aproximadamente a 150 crianças 
de três meses a seis anos. Por meio da análise teórica e do relato de experiência, 
pretende-se que os docentes concluam que a brinquedoteca é um espaço que 
valoriza um aspecto fundamental do cotidiano infantil e constitui-se como um espaço 
privilegiado para a produção de conhecimento sobre a infância e o desenvolvimento 
infantil 
A brinquedoteca surge como uma alternativa ao brincar infantil. 
Brinquedoteca "é um espaço preparado para estimular a criança a brincar, 
possibilitando o acesso a um a brinquedoteca surge como uma alternativa ao brincar 
infantil. 
Brinquedoteca segundo Cunha: 
 
 "É um espaço preparado para estimular a criança a brincar, possibilitando o 
acesso a uma grande variedade de brinquedos, dentro de um ambiente 
especialmente lúdico" (1998, p. 40). 
 
A brinquedoteca constitui-se em um ambiente físico dotado com brinquedos 
variados com finalidade de possibilitar à criança interações por meio do brinquedo e 
perpetuação de uma cultura lúdica. Schlee (2002) chama a atenção de que a 
brinquedoteca não pode ser confundida com uma sala de aula, a brinquedoteca 
deve ser construída com um objetivo claro e com uma finalidade específica. 
 13 
Sobre essa finalidade específica ou função da brinquedoteca, Friedmann 
(1998a) aponta ser um meio de descobrir e construir conhecimentos sobre o mundo. 
Kishimoto (1998b) complementa afirmando que a brinquedoteca incentiva a 
autonomia e desenvolve a capacidade crítica e de escolha da criança, além de 
promover o trabalho em equipe, a socialização, o desenvolvimento infantil, a 
comunicação, a criatividade, a imaginação e o desenvolvimento de atividades 
lúdicas (KISHIMOTO, 1998b; CUNHA, 1998; MUNIZ, 2000; SANTOS, 2002). 
 “A grande variedade de brinquedos, dentro de um ambiente especialmente 
lúdico” (CUNHA, 1998, p. 40). A brinquedoteca constitui-se em um ambiente físico 
dotado com brinquedos variados com finalidade de possibilitar à criança interações 
por meio do brinquedo e perpetuação de uma cultura lúdica. Schlee (2002) chama a 
atenção de que a brinquedoteca não pode ser confundida com uma sala de aula, a 
brinquedoteca deve ser construída com um objetivo claro e com uma finalidade 
específica. 
Sobre essa finalidade específica ou função da brinquedoteca, Friedmann 
(1998a) aponta ser um meio de descobrir e construir conhecimentos sobre o mundo. 
Kishimoto (1998b) complementa afirmando que a brinquedoteca incentiva a 
autonomia e desenvolve a capacidadecrítica e de escolha da criança, além de 
promover o trabalho em equipe, a socialização, o desenvolvimento infantil, a 
comunicação, a criatividade, a imaginação e o desenvolvimento de atividades 
lúdicas (KISHIMOTO, 1998b; CUNHA, 1998; MUNIZ, 2000; SANTOS, 2002). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 14 
6 CRONOGRAMA 
Dia / Hora / Local Responsável Atividade 
22/02 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Supervisora Cristiane Reunião de Apresentação do Projeto 
01/03 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Janaina Monteiro da 
Silva - Pedagoga 
Palestra sobre o tema: “O brincar e a 
aprendizagem na educação infantil de 
quatro a seis anos” 
29/03 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Nelson de Souza Lima 
– Pedagogo 
Palestra sobre o tema: “O uso das 
Tecnologias de Informação e 
Comunicação (TICs) na educação” 
05/04 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Roberta de Abreu P. 
Roiz – Pedagoga 
Palestra sobre o tema: “Direitos 
humanos e educação: uma relação 
indissociável” 
26/04 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Janaina Monteiro da 
Silva - Pedagoga 
Palestra sobre o tema: “Sala de aula é 
lugar de brincar ” 
03/05 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Nelson de Souza Lima 
– Pedagogo 
Palestra sobre o tema: “As tecnologias 
nas práticas pedagógicas inclusivas” 
21/06 (quarta-feira) as 14 horas 
na sala de reuniões 
Janaina Monteiro da 
Silva - Pedagoga 
Palestra sobre o tema: “Brinquedoteca 
Escolar: espaço lúdico para brincar ” 
 
 15 
7 CONCLUSÃO 
A análise e a solução dos problemas encontrados na Escola demonstram a 
importância do trabalho do Supervisor Escolar na coleta de informações, 
acompanhamento do planejamento escolar e no auxílio aos professores. 
 Na avaliação diagnóstica realizada, foram apontadas diferentes opiniões 
relatadas pelas professoras, fazendo com que medidas imediatas fossem tomadas 
para mediar o relacionamento professor/aluno e melhorar o ensino através de 
técnicas que permitissem que o aluno também fosse o sujeito de sua aprendizagem 
levando em consideração a criatividade e conhecimento que já possui. Em um 
modelo de escola tradicional, focada somente na transmissão de conteúdos, a 
prática educativa lúdica não teria espaço para acontecer. 
 O passo mais complexo de todo processo foi a busca pela solução eficaz dos 
problemas. Optou-se pelo desenvolvimento deste projeto que visa a melhoria da 
qualidade do ensino. Observou-se que, tanto os professores, quanto os alunos 
sentiram dificuldades na utilização e dos recursos tecnológicos como ferramentas na 
alfabetização. Embora esses recursos estejam presentes diariamente na vida de 
ambos, percebeu-se uma falta de entendimento e de apropriação nas atividades 
realizadas. 
 Conforme os problemas foram identificados e tendo como cuidado principal, 
a preservação do direito de brincar da criança e a utilização da tecnologia como 
aliada do processo ensino-aprendizagem, o projeto proporcionou um maior 
envolvimento dos professores na busca da capacitação e a inserção de novos 
recursos, fundamentais na formação dos educandos. As palestras contribuíram para 
o aperfeiçoamento do saber e o desenvolvimento de novas técnicas de ensino a 
serem aplicadas no currículo escolar. As palestras distribuídas ao longo do semestre 
proporcionaram uma efetiva e gradual capacitação dos docentes. O objetivo do 
projeto foi plenamente atingido suprindo as necessidades apresentadas pelos 
profissionais da educação em lidar com as demandas de uma geração que necessita 
de um novo formato educacional. 
 Compreendendo que o saber vai além de uma escola formal, os 
profissionais da educação devem ser mediadores de conhecimento através das 
diferentes vertentes e elementos tecnológicos presentes nesse novo contexto 
escolar. 
 16 
8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
Declaração Universal dos Direitos humanos 1948. Disponível em: 
http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Declara%C3%A7%C3%A3o-Universal-
dos-Direitos-Humanos/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.html. Acesso em: 
06 de maio de 2017. 
 
Direitos humanos e educação: uma relação indissociável. Disponível em: 
http://educacaointegral.org.br/reportagens/direitos-humanos-educacao-uma-relacao-
umbilical/. Acesso em: 06 de maio de 2017. 
 
Alfabetização e tecnologia. 
http://acervo.novaescola.org.br/fundamental1/alfabetizacao-tecnologia-linguagem-
leitura-escrita-756962.shtml. Acesso em: 18 de março de 2017. 
 
Alfabetizar letrando: novos desafios no ensino da língua escrita 
http://www.iptan.edu.br/publicacoes/saberes_interdisciplinares/pdf/revista12/ALFABE
TIZAR_LETRANDO.pdf. Acesso em: 18 de março de 2017. 
 
FERREIRO, E. O ingresso na escrita e nas culturas do escrito: seleção de 
textos de pesquisa. São Paulo: Cortez, 2013. 
 
KHISHIMOTO, Tizuko Morchida. Jogo, brinquedos, brincadeiras e a educação 
infantil. São Paulo: Pioneira, 1997. 
 
GUERREIRO, Jackeline R. G. Desafio Profissional de História da Educação e da 
Pedagogia, Didática da Alfabetização e do Letramento, Aprendizagem e 
Desenvolvimento Social da Criança, Introdução à Educação Virtual, Direitos 
Humanos. Londrina, 2016, p.01 a 09. www.anhanguera.edu.br/cead. Acesso em: 18 
de março de 2017. 
 
NISTA-PICCOLO, V. L; MOREIRA, W. W. Corpo em movimento na educação 
Infantil. 1.ed. São Paulo: Cortez, 2012 
 
http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Declara%C3%A7%C3%A3o-Universal-dos-Direitos-Humanos/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.html
http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/Declara%C3%A7%C3%A3o-Universal-dos-Direitos-Humanos/declaracao-universal-dos-direitos-humanos.html
http://educacaointegral.org.br/reportagens/direitos-humanos-educacao-uma-relacao-umbilical/
http://educacaointegral.org.br/reportagens/direitos-humanos-educacao-uma-relacao-umbilical/
http://acervo.novaescola.org.br/fundamental1/alfabetizacao-tecnologia-linguagem-leitura-escrita-756962.shtml
http://acervo.novaescola.org.br/fundamental1/alfabetizacao-tecnologia-linguagem-leitura-escrita-756962.shtml
http://www.iptan.edu.br/publicacoes/saberes_interdisciplinares/pdf/revista12/ALFABETIZAR_LETRANDO.pdf
http://www.iptan.edu.br/publicacoes/saberes_interdisciplinares/pdf/revista12/ALFABETIZAR_LETRANDO.pdf
http://www.anhanguera.edu.br/cead
 17 
O direito de brincar. https://fundacaoabrinq.wordpress.com/2014/05/26/o-direito-de-
brincar/. Acesso em: 18 de Março de 2017. 
 
SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de 
Educação, n.25, jan-abr/2004. 
 
WINNICOTT, D. W. O brincar e a realidade. Tradução de José Octavio Abreu e 
Vanede Nobre. Rio de Janeiro: Imago, 1975. 
 
GIROTO, Claudia R. M.; Poker, Rosimar B.; OMOTE, Sadao. As tecnologias nas 
práticas pedagógicas inclusivas - São Paulo: cultura Acadêmica, 2012. Disponível 
em: https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/as-tecnologias-nas-praticas_e-
book.pdf. Acesso em: 06 de maio de 2017. 
 
Espaço educar - Formas geométricas divertidas. Disponível em: 
http://www.espacoeducar.net/2013/06/formas-geometricas-divertidas-e.html . Acesso 
em: 08 de setembro de 2017. 
 
https://fundacaoabrinq.wordpress.com/2014/05/26/o-direito-de-brincar/
https://fundacaoabrinq.wordpress.com/2014/05/26/o-direito-de-brincar/
https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/as-tecnologias-nas-praticas_e-book.pdf
https://www.marilia.unesp.br/Home/Publicacoes/as-tecnologias-nas-praticas_e-book.pdf
http://www.espacoeducar.net/2013/06/formas-geometricas-divertidas-e.html
 18 
ANEXOS 
ANEXO A – Apresentação em Power Point 
Referente a primeira reunião em que será apresentado aos professores o projeto de 
formação continuada para os professores do 1º ao 3º ano da escola 
Slide nº 1 de 12 
 
 
Slide nº 2 de 12 
 
 19 
Continuação do ANEXO A – Apresentação em Power Point................página 2 de 7 
 
Slide nº 3 de 12 
 
 
Slidenº 4 de 12 
 
 20 
Continuação do ANEXO A – Apresentação em Power Point................página 3 de 7 
 
Slide nº 5 de 12 
 
 
Slide nº 6 de 12 
 
 21 
Continuação do ANEXO A – Apresentação em Power Point................página 4 de 7 
 
Slide nº 7 de 12 
 
 
Slide nº 8 de 12 
 
 22 
Continuação do ANEXO A – Apresentação em Power Point................página 6 de 7 
 
Slide nº 9 de 12 
 
 
Slide nº 10 de 12 
 
 23 
Continuação do ANEXO A – Apresentação em Power Point................página 7 de 7 
 
Slide nº 11 de 12 
 
 
Slide nº 12 de 12

Materiais relacionados

Perguntas relacionadas

Materiais recentes

Perguntas Recentes