Buscar

imunológia


Continue navegando


Prévia do material em texto

IMUNOLOGIA 
ANTÍGENOS E ANTICORPOS 
AULA 3 
3. Anticorpos 
3.1. Definição geral: glicoproteínas produzidas por plasmócitos em 
resposta a uma molécula estranha ou microrganismo invasor 
reconhecido especificamente pelo linfócito B. 
3.2. Composição química: proteína (principalemente) + 3-14% de 
carboidratos 
 
3.5.2. Fragmento Fc (cristalizável): porção efetora 
Função: ativa outros mecanismos de defesa (outras células de defesa 
como macrófagos, neutrófilos e o sistema complemento) 
O Fc é formado por: 
Cadeias Pesadas: de regiões constantes 
IgG: - mais abundante no soro 
- menor e mais flexível 
- forma: monomérica 
- importante na resposta imune 2ária 
- atravessa a placenta 
IgM: - Plasma (10% do total de Ig) 
- Formas: monomérica e pentamérica 
- Cadeia J (juncional) 
- Ativa o sistema complemento 
- importante na resposta imune 2ária 3 
IgD: - Baixas concentrações séricas 
- Forma: monomérica 
- Importante na resposta imune 1ária 
- Função biológica incerta (diferenciação de linfócitos) 
IgE: - Baixas concentrações séricas 
- Alta afinidade às superfícies de mastócitos, basófilos e eusinófilos 
- Reações inflamatórias intensas 
- Reações alérgicas 
- Imunidade contra parasitas 
 
IgA: - Isotipo mais produzido no organismo 
- Formas: monomérica (geralmente no soro) 
dimérica (geralmente nas secreções) 
- Principal anticorpo na proteção das mucosas 
- Subclasses: IgA1 e IgA2 
- IgA secretora 
 
IgA secretora: 
- produzidas por plasmócitos de células B nos tecidos linfóides 
associados às mucosas (MALT) – (vide roteiro da aula 2) 
- resistentes às enzimas proteolíticas 
- neutralização de bactérias e toxinas 
- bloqueio da adesão e aglutinação 
- baixa indução da resposta inflamatória (< ativação do complemento) 
- cadeia J (liga 2 moléculas monoméricas de IgA, tornando-as dimérica) 
- componente secretor: origem das células epiteliais 
-transporte de IgA através das mucosas e glândulas 
3.7. Variação Idiotípica: variação da região de reconhecimento do Ag 
(porção variável) 
- cada célula B produz Ac de um único idiotipo (Ac específico) 
 
 
4. Antígenos 
4.1 . Definição: Molécula que por ser reconhecida por receptores 
específicos de células B e T, induz a resposta imunológica, com 
produção de Ac. 
4.2. Determinantes antigênicos ou epítopos: parte do Ag que entra 
em contato direto com o sítio ligante de Ag do Ac. 
4.2. Antígenos Multivalentes: antígenos que apresentam múltiplos 
epítopos (distintos ou idênticos). 
1. Anti-soro contra AgA: contém diversos Acs distintos, específicos para 
cada epítopo (X, Y e. Z) presente no AgA. 
2. Os Acs presentes no anti-soro (Ac anti-X, Y ou Z) resultam da ação 
de uma população de células B distintas, cada uma específica para um 
determinado epítopo. 
3. Reações cruzadas: quando antígenos distintos (exs: A e B) 
apresentam epítopos muito semelhantes, sendo reconhecidos pela 
mesma molécula de Ac. 
Referências Bibliográficas 
1. Imunologia – 5a Edição 
 
Roitt, Brostoff eMale (Capítulo 9, p. 110) 
2. Biologia Molecular e Celular – 3a Edição 
Bruce Alberts et al. (Capítulo 1, p. 48-49; Capítulo 23, p. 1195 – 1220) 
 
 
IMUNOLOGIA 
PROPRIEDADES E FUNÇÕES 
DOS ANTICORPOS 
AULA 4 
Teoria da Seleção Clonal 
No organismo, existem milhões de anticorpos de superfície de células B 
específicas para cada antígeno. Somente as células B ativadas, após o 
primeiro contato com um determinado antígeno, sofrerão modificações 
(expansão clonal) e diferenciação em plasmócitos e células de memória. 
Resposta Imune Adaptativa Primária e Secundária 
• Características principais 
Imunidade Natural 
 
OBS: O período de erupção dos 1os dentes decíduos (6-8 meses), nas 
crianças, coincide com a queda de anticorpos adquiridos passivamente 
através da placenta e do aleitamento materno. Nesta mesma fase, a 
criança ainda produz baixos níveis séricos de Ac e portanto está mais 
susceptível às infecções que coincidem com a erupção dentária, 
embora a erupção dos dentes não seja a causa destes problemas. 
Vacinas 
O princípio da memória imunológica fundamenta o uso de vacinas de 
doenças infecciosas graves. 
Definição: preparação antigênica fraca que induz a resposta 
imunológica sem promover o desenvolvimento da doença. 
Tipos de preparação antigênica: microrganismos vivos, atenuados ou 
fragmentos de microrganismos aplicados via subcutânea ou oral para 
indução da produção de anticorpos ou resposta imune 1ária. 
Objetivos: induzir a produção de células de memória (de maior ½ 
vida). Assim um segundo contato com o mesmo antígeno, 
desencadeia a resposta imune 2ária , mais rápida e intensa na 
produção de anticorpos mais específicos, prevenindo o 
desenvolvimento da doença. 
Adjuvantes 
IMUNOLOGIA 
Resposta imunológica celular e humoral - 
Resposta imune adaptativa (específica) 
 
A teoria da seleção e expansão clonal: 
• Um antígeno somente ativa aqueles clones de linfócitos que tem 
receptores específicos para reconhecer ao mesmo. 
• Após o reconhecimento, as células T/B com receptores específicos para 
o antígeno entrem em proliferação (expansão) e maturação, gerando 
células efetoras e células de memória. 
• As células B e T são selecionadas de forma semelhante (veja figura 
abaixo). 
• A capacidade de uma resposta das células B de memória é aumentada 
porque as porções variáveis de seus receptores sofrem modificações 
finais (devido hipermutações somáticas) que aumentam a afinidade para 
o antígeno. 
• Entretanto, enquanto as células B reconhecem antígenos livres, as 
células T só reconhecem antígenos processados apresentados na 
superfície de células (infectadas e/ou apresentadoras de antígeno). 
Antígenos: 
• Molécula que, por interagir com receptores específicos dos linfócitos B e 
T, induz a resposta imunológica. 
• Podem ser independentes ou dependentes de célula T. 
 Antígeno independente de células T: 
• Induz resposta imune sem auxílio de linfócitos T. 
• Normalmente são moléculas grandes complexas de superfície bacteriana 
e com múltiplos epítopos repetitivos na superfície. 
Antígeno dependente de célula T: 
• Induz a resposta imune efetiva somente auxiliado pelos linfócitos T. 
• Na maioria dos casos o Ag é dependente de células T. 
Linfócitos T: 
• Reconhecem antígenos somente quando ligados à superfície celular: células 
apresentadoras de antígeno (CAA) e células infectadas. 
 Receptores específicos de antígenos: 
• Tanto as células B como as células T possuem receptores específicos para os 
antígenos. 
MHC: 
• Moléculas codificadas por um complexo de genes chamado complexo principal 
de histocompatibilidade (do inglês Major Histocompatibility Complex). 
• Há duas classes distintas de moléculas MHC: 
a) MHC classe I: presente em todas as células (exceto as hemáceas) 
b) MHC classe II: presente em células especializadas (apresentadoras de Ag e 
linfócitos B) 
• Nos humanos o MHC é denominado HLA (do inglês Human Leucocyte Antigen) 
• Proteínas mais polimórficas (variáveis) entre indivíduos responsáveis por 
rejeição de implantes 
• Poucos tipos de MHC por indivíduo (=< 20 tipos distintos) - os quais devem ligar-
se a inúmeros peptídeos distintos