A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Medula Espinal

Pré-visualização | Página 1 de 1

Medula Nervosa 
Prof. Carlos Mauricio Almeida
Neurologista
1
Medula –Conceitos anatômicos
Medula= o que esta dentro, miolo.
Limites anatômicos:
Superior: bulbo ao nível do forame magno.
Inferior: 1a./2a. Lombar
Anatomia macroscópica
Calibre variado.
Segmentos : cervical, torácico, lombar. 
Intumescência Cervical e Lombar
Cone Medular
Cauda Equina e filamento Terminal.
Figura :Medula Espinhal
Medula –Conceitos anatômicos
Superfície da medula
Fissura mediana anterior.
Sulco Mediano posterior
Sulco Lateral anterior
Sulco Lateral posterior
Sulco Intermédio posterior
Delimitam na SB medular:
a.Funículo anterior
b.Funículo Lateral
c.Funículo posterior
Figura :Medula Espinhal
Figura :Raízes ventrais e dorsais
Raízes 
Nervos Espinhais
Sulco Lateral anterior e lateral: filamentos radiculares Nervos espinhais
Nervo Espinhal : raízes ventrais e dorsais.
31 pares de nervos espinhais: 
8 cervicais
12 torácicos
5 lombares.
5 sacrais
1 cocígeo.
Medula –Conceitos anatômicos
Topografia Medular
Até o 4o. mês de vida intra- útero crescimento igual medula e canal vertebral.
 Crescimento desigual do canal vertebral: raízes espinhais deixam a medula em â menores no adulto.
Regra de localização 
Vértebras C2-T10 = + 2 S.medular
Vértebras T11-T12 = 5 S. lombares.
Vértebras L1= 5 S. sacrais
Figuras :Topografia medular
Substância Cinzenta Medular
Forma de borboleta H medular .
Divisão anatômica do H medular.
Coluna anterior
Coluna posterior
Coluna intermédia
Figura: H medular 
1. S. Cinzenta Interrmédia Lateral
2. S. Cinzenta Interrmédia Central
6
Visão Geral
Conceitos fundamentais 
S. cinzenta medular:neurônios, neuróglia e fibras amielínicas.
S.branca medular:neuróglia e fibras mielínicas.
Núcleo: massa de S. Cinzenta na SB c/mesma função.
 Tracto:feixe de fibras com origem , destino e função em comun.
Ex.Tracto Espino-talâmico, Córtico-Espinhal.
7
Visão Geral
Conceitos fundamentais 
Fascículo: Tracto mais compacto.
Leminisco:''fita''; feixe de fibras sensitivas ao tálamo.
Funículo:''cordão '' conjunto de vários tractos ou fascículos.
Ex.Funículo anterior, lateral e posterior.
8
Visão Geral
Conceitos fundamentais 
Decussação: ponto anatômico de fibras que cruzam obliquamente o plano mediano. Ex D. das pirâmides.
Comissuras: ponto anatômico de fibras que cruzam perpendicularmente o plano mediano. Ex Corpo caloso.
Figura: fibras comissurais
Figura: Decussação 
9
Tipos de Neurônios Medulares
 
 Radiculares Viscerais (fibras pré- do SNA)- Coluna Lateral 
 
 1. Neurônios Tipo I Golgi Somáticos ( mm esqueléticos) -Coluna Anterior
 				 Motoneurônio alfa ou inferior (extrafusal).
 				 Motoneurônio gama - fuso neuromuscular
					 Cordonais ''formam os funículos'' de projeção 
					 (ascendem ou descendem) de associação
2. Neurônios Tipo II Golgi (axônios curtos) -Internunciais ou Interneurônios: 
 permamencem sempre da S. cinzenta 
sinapses com fibras aferentes- arco reflexo
Ex. Célula de Renshaw (coluna anterior) e inibem o Neurônios- alfa 	 
 
 Cordonais 
2. Neurônios Tipo 2 de Golgi
 
 Raízes ventrais
10
Figura: Neurônios Radiculares e Cordonais
Figura: Motoneurônio alfa e gama
11
A Situação atual
Figura: Célula de Renshaw.
12
Núcleos e Lâminas da Substância Cinzenta
Neurônios medulares se agrupam em núcleos formando colunas longitudinais- Lâminas de Rexed (I a X).
I a IV- área receptora exteroceptica; V a VI- área proprioceptiva; IX- motora e X- Região central
 Grupo anterior medial: mm axiais
 Grupo anterior lateral: mm apendiculares, (mm distais laterais e mm. proximais mediais)
 Grupo postereio torácico ou de Clarke: (região de L1/L2): propriocepção.
Substância Gelatinosa '' Portão da dor''
Recebe aferência de fibras sensitivas oriundas da raiz dorsal controlada a sua entrada.
Figura: grupos neuronais e representação
Figura: Laminas medulares e grupos 
13
Substância Branca Medular
A SB é formada por tratos e fasciculos que ascendem e descendem .
Vias Descendentes 
Fibras originadas no córtex ou no tronco cerebral e terminam em sinapses medulares:
Gânglios do SNA
Coluna posterior (modulacao da dor).
Coluna anterior
Piramidais e Extra-piramidais
14
Vias Piramidais
Compreendem o tracto córtico- espinhal anterior e lateral.
Origem primatas superiores
Originam-se no córtex (área 4,6) indo até os neurônios da coluna anterior (IV-VII e IX).
Tracto único até o bulbo, decussação. Pirâmides 80a 90% cruza formando o TCE lateral e o restante não TCE anterior (10-25%) 
TCE anterior= direto
TCE lateral= cruzado.
Antes de terminar o TCE anterior cruza o plano mediano na medula
'' toda a motricidade voluntária é cruzada''
Figura: Tracto córtico-espinhal 
15
Tracto Córtico-espinhal lateral e anterior, nos funículos lateral e anterior.
Funções
Função motora: habilidade e agilidade precisão motora dos mmss voluntária.
Co-ativação dos motoneurônios alfa e gama.
Evolutiva : animais superiores.
Sensitiva: inibição pré-sináptica ou pós impulsos aferentes sensitivos.
16
Figuras: Sinais Piramidais.
Lesões:
Paresia ou Plegias contralateral (acima da decussação) ou ipsilateral (abaixo da decussação).
Hipertonicidade.
Hiperreflexia
Sinal de Babinski ou resposta em extensão do halux.
Sinais Piramidais ou do NMS
17
Vias Extrapiramidais
Compreendem: tracto tecto-espinhal, vestíbulo espinnal, rubro-espinhal e retículo espinhal.
Referem-se ao nome de origem:
Tecto mesencefálico (colículos), N vestibulares; N rubro; Formação reticular.
Terminam na medula em Neurônios internunciais e na Coluna Anterior.
Mais antigos que o T. piramidal.
Função motora mm axiais e antigravitários.
Equilíbrio: T vestíbulo espinhal e
 postura da cabeça e olhos (tecto espinhal).
Figura: Via Rubro- Espinhal.
18
Figura: Tracto córtico-espinhal 
19
Vias Ascendentes
As vias Ascendentes Medulares
Tracto Espinotalâmico Anterior e Lateral
Cruzam o plano mediano
Função : tato protopático e pressão (TETA) ; dor e temperatura TETL é principal via para a dor aguda/localizada
Tracto Espino reticulare- dor crônica/difusa
1o. Neurônio – GS 
2o. Neurônio – ME
3o. neurônio – Tálamo (núcleo VPL)
20
Vias Ascendentes
Sintomas:
Perda da sensibilidade térmica e dolorosa contra-lateral a lesão- TETL e do tato e pressão TETA.
Figura: Via Espinotalâmica e os neurônios sensitivos.
Figura: Padrões decorrentes de lesões nas vias espinotalâmicas
21
Vias Ascendentes
Tracto Espintotalâmico Lateral
 
distribuição somatotópica
 região sacral é lateral e a cervical medial
Tumores Intramedulares X Extramedulares
“Preservação sacral “
Vias Ascendentes
Via Leminiscal ou via Posterior
Fascículo Gracil
Fascículo Cuneiforme
F.Gracil (ou de Goll): sensibilidade de MMII , sacral e ½ inferior do tronco.
F.Cuneiforme: sensibilidade de MMSS e ½ superior do tronco.
 sinapses núcleo Gracil e Cuneiforme no Bulbo formando o Leminisco Medial até o Tálamo (NVPL).
Responsáveis pela sensibilidade profunda e tato discriminatório:
Figuras: Trato Leminscal e Espinotalâmico
Vias Ascendentes
Lesões no fúniculo posterior: alteração
Barestesia
Cinestesia
Tato epicrítico
estereognosia 
Figura: Tabes dorsalis
Obrigado!