A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
Grupo 3 - Celula Vegetal

Pré-visualização | Página 1 de 2

Que diferenças existem entre a 
célula vegetal e animal? 
 Características da célula vegetal e 
fotossíntese. 
Principais diferenças: 
Parte da 
Célula 
Componente Célula Animal Célula Vegatal 
Membrana Parede celular Ausente Presente 
 
 
 
Citoplasma 
Vacúolo de suco 
celular 
Ausente Presente 
Lisossomo Presente Ausente 
Cloroplasto Ausente Presente 
Leucoplastos Ausente Presente 
Plasmodesmos Ausente Presente 
Parede Celular 
 A parede celular é um envoltório extracelular presente 
em todos os vegetais. 
 Nas plantas, a parede celular é composta basicamente 
pelo polissacarídeo celulose, formando a parede celulósica. 
 Para permitir o intercâmbio, troca de substâncias entre 
células adjacentes, existem pontes citoplasmáticas (falhas) 
ao longo da superfície da parede, chamadas de 
plasmodesmos. 
 
 
Composição química da parede 
celular: 
  Os compostos mais abundantes em todas as paredes 
celulares são os polissacarídeos. 
 Nas paredes das células vegetais, os três tipos de 
polissacarídeos mais comuns são: celulose, hemicelulose e 
pectina. 
 Celulose: 
 A celulose é responsável por dar a rigidez e firmeza às 
plantas. 
 Hemicelulose: 
 São polissacarídeos. Encontram-se intercaladas às mi-
crofibrilas de celulose dando elasticidade e impedindo que 
elas se toquem. 
 
 
 
 Pectina: 
São polissacarídeo complexo e altamente ramificados. 
Serve para unir as paredes das células. 
 
 
 
Plasmodesmos 
  Plasmodesmos (do grego, plasma = forma, desma = 
ligação). 
 As células vegetais adjacentes apresentam em suas 
paredes diversos poros. Tais poros são atravessados por 
inúmeros tubos membranosos finíssimos que possibilitam o 
contato direto entre o citoplasma de uma célula com o 
citoplasma das células vizinhas, bem como a troca de 
moléculas funcionais, estruturais e de informação. 
 
Vacúolo 
 Os vacúolos são estruturas citoplasmáticas de 
diferentes tamanhos, revestidos por membrana. 
 Em células vegetais jovens observam-se algumas 
dessas regiões, formando pequenos vacúolos isolados um 
do outro. Mas, à medida que a célula atinge a fase adulta, 
esses pequenos vacúolos se fundem, formando-se um 
único, grande e central. 
 
 A função dos vacúolos é basicamente fazer o que os 
lisossomos fazem nas células animais, ou seja, o processo 
de destruição de organela citoplasmáticas (autofagia) de 
digestão celular, que nas células animais é feito pelos 
lisossomos, nas células vegetais quem começa a fazer 
essas funções são os vacúolos. Além disso os vacúolos 
também servem para concentrar íons, água, proteínas, 
amido, várias estrutura e com isso eles podem ter: função 
de reserva, podem guardar óleo, amido, proteína, mas 
também por ficarem entrando sais e vários compostos 
orgânicos, os vacúolos fazem o controle osmótico da célula 
vegetal (osmoregulação). O vacúolo controla a entrada e 
saída de água da célula vegetal. 
 
Plastos 
 Plastos são orgânulos citoplasmáticos encontrados nas 
células de plantas e de algas. Sua forma e tamanho variam 
conforme o tipo de organismo. 
 Os plastos podem ser separados em duas categorias: 
 
 Leucoplastos: (do grego leukos, branco), que não contêm 
pigmentos. 
 Cromoplastos:(do grego chromos, cor), que apresentam 
pigmentos em seu interior. O cromoplasto mais freqüente 
nas plantas é o cloroplasto, cujo principal componente é a 
clorofila, de cor verde. Há também plastos vermelhos, 
os eritroplastos (do grego eritros, vermelho), que se 
desenvolvem, por exemplo, em frutos maduros de tomate. 
 
Leucoplasto 
 Leucoplastos são plastos apigmentados, ou seja, incolores, 
cuja função mais importante é armazenar substâncias de 
reserva, como: proteínas, amido, lipídio, das quais a mais 
importante é o amido. 
 
Cromoplastos 
 Cromoplastos são plastos que possuem pigmentos 
como carotenóides, xantofilas, clorofilas, e o cromoplasto 
mais importante é o famoso cloroplasto. A função do 
Cloroplasto é fazer fotossíntese, absorver luz solar e 
transformar essa energia luminosa em moléculas químicas, 
em compostos orgânicos, como: os açúcares, o amido, 
sacarose, glicose. Os outros cromoplastos geralmente tem 
a função de dar cor os vegetais, que são responsáveis pela 
atração de agentes polinizadores, como aves, como 
abelhas, dar coloração de folhas, de flor, é isso que eles 
estão envolvidos. 
 
Cloroplastos 
 Eles apresentam duas membranas envolventes e 
inúmeras membranas internas, que formam pequenas 
bolsas discoidais e achatadas, os tilacóides (do grego 
thylakos, bolsa). 
 Os tilacóides se organizam uns sobre os outros, 
formando estruturas cilíndricas que lembram pilhas de 
moedas. Cada pilha é um granum, que significa grão, em 
latim (no plural, grana). 
 
 
 
 O espaço interno do cloroplasto é preenchido por um 
fluido viscoso denominado estroma, que corresponde à 
matriz das mitocôndrias, e contém, como estas, DNA, 
enzimas e ribossomos. 
 As moléculas de clorofila ficam dispostas 
organizadamente nas membranas dos tilacóides, de modo 
a captarem a luz solar com a máxima eficiência. 
 
Fotossíntese 
 Fotossíntese nada mais é que a transformação da 
energia luminosa em energia química, na molécula de 
açúcar, é isso que a planta vai fazer. 
 A fotossíntese é o principal processo autotrófico e é 
realizada pelos seres clorofilados, representados por 
plantas, alguns protistas, bactérias 
fotossintetizantes e cianobactérias. 
 
 Na fotossíntese realizada pelos seres fotossintetizantes, 
gás carbônico (CO2) e água (H20) são usados para a 
síntese de carboidratos, geralmente a glicose. Nesse 
processo há a formação de oxigênio (O2), que é liberado 
para o meio. 
 
 A fotossíntese ocorre em duas grandes etapas, que 
envolvem várias reações químicas: a primeira é a fase 
clara (também chamada de fotoquímica) e a segunda é a 
fase escura (também conhecida como etapa química). 
 
Fase Clara ou Etapa Fotoquímica 
 Essa etapa basicamente vai transformar a energia da 
luz do Sol (a energia eletromagnética) em energia química, 
essa energia química terá duas moléculas o ATP e o NADPH 
é isso que a Fase Clara tem como objetivo. Transformar 
energia luminosa em energia química porque a energia 
luminosa ela não é útil, ela não é fácil de ser utilizada 
dentro das células, ela não pode ser estocada, ela não 
pode ser armazenada, é por isso que existe a Fase Clara ou 
Etapa Fotoquímica. A Etapa Fotoquímica ela vai ser dividida 
ainda em duas fases: 
 
 Fotólise da Água : 
 A fotólise da água é que a quebra da molécula de água, 
utilizando a energia luminosa para que isso possa ocorrer. 
 
 Fotofosforilação : 
 Já na fase de fotofosforilação vai formar duas moléculas 
químicas a ATP e a NADPH, e ainda a fotofosforilação ela 
pode ser dividida em duas etapas: Fotofosforilação Acíclica 
e Fotofosforilação Cíclica. 
 
Fase Escura ou Etapa Química 
 Na fase escura vai acontecer um conjunto de reações 
químicas, que precisam de energia, só que essa energia 
agora ela não vai vim da luz do Sol diretamente, na 
verdade ela vai vim daquelas moléculas que estão 
carregando energia, o ATP e o NADPH que foram 
produzidos na fase clara. Basicamente utilizando-se dessa 
energia a fase escura ela ainda pega Dióxido de Carbono 
(ou seja o CO2 da atmosfera) coloca o CO2 junto nessas 
reações químicas num ciclo, reações químicas ciclicas, que 
vai ser chamada de Ciclo de Calvin, e nesse Ciclo de 
Calvin, nessas reações químicas da fase escura o CO2 será 
transformado em açúcar, carboidratos,