A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
92 pág.
Briofitas

Pré-visualização | Página 3 de 4

hepáticas musgos 
Anthoceros Radula Polytrichum Funaria 
i) Liberação rápida dos 
esporos, com elatérios 
Foto: L. Zhang 
i) Liberação gradual dos 
esporos, com pseudoelatérios 
Foto: J. Glime 
Pseudoelatérios 
Esporo 
Esporo 
Elatério 
i) Liberação simultânea 
dos esporos, com 
peristômio 
Foto: F. Schumm 
Dentes do 
peristômio 
60 
5. IDENTIFICANDO 
ESPÉCIES 
ESPORÓFITO 
GAMETÓFITO 
ESPORÓFITO 
GAMETÓFITO 
Filídios 
Caulídio 
Rizóides 
ESPORÓFITO 
GAMETÓFITO 
Filídios 
Caulídio 
Rizóides 
Formato 
Ápice 
Base 
Margem 
Costa 
Células 
ESPORÓFITO 
GAMETÓFITO 
Filídios 
Caulídio 
Rizóides 
Posição 
Seta 
Cápsula 
Opérculo 
Peristômio 
Caliptra 
Formato 
Ápice 
Base 
Margem 
Costa 
Células 
ESPORÓFITO 
GAMETÓFITO 
Filídios 
Caulídio 
Rizóides 
Posição 
Seta 
Cápsula 
Opérculo 
Peristômio 
Caliptra 
Formato 
Ápice 
Base 
Margem 
Costa 
Células 
Marchantiophyta 
Anfigastros 
Trigônios 
Escamas 
Elatérios 
Oleocorpos 
Anthocerotophyta 
Esporos 
Pseudoelatérios 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Formato do Filídio 
Ovalado 
Obovado 
Oblongo 
Orbicular 
Dimerodontium 
Oblongo-lanceolado 
Sintrychia Schlotheimia 
Lanceolado 
Linear 
Groutiella 
Ilustrações: Gradstein et al. (2001). Fotos: J. 
Bordin 
Ápice do Filídio 
Cuspidado 
Leucodon 
Agudo 
Colobodontium 
Truncado 
Neckeropsis 
Acuminado 
Helicodontium 
Ilustrações: Gradstein et al. 
(2001). Fotos: D.F. Peralta e J. 
Bordin 
Obtuso 
Entodontopsis 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Inteira Denteada 
Margem do Filídio 
Duplamente 
serreada 
Pyrrhobryum 
Crenulada 
Fissidens 
Serreada 
Holomitrium 
Ilustrações: Gradstein et al. (2001). Fotos: 
D.F. Peralta e J. Bordin 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
70 
Cordada Auriculada Decurrente 
Base do Filídio 
Ilustrações: Gradstein et al. (2001). 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Ilustrações: Gradstein et 
al. (2001). Fotos: D.F. 
Peralta e J. Bordin 
Costa do Filídio 
Ecostado 
Pilotrichella 
Excurrente 
Pseudosymblepharis 
Bicostados 
Thamniopsis 
Percurrente 
Plagiomnium 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Ilustrações: Gradstein et 
al. (2001). Fotos: D.F. 
Peralta e J. Bordin 
Costa do Filídio 
Costa heterogênea 
Estereídios Hialocistos 
Costa homogênea 
Células guias Estereídios 
Ecostado 
Pilotrichella 
Excurrente 
Pseudosymblepharis 
Bicostados 
Thamniopsis 
Percurrente 
Plagiomnium 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Ilustrações: Gradstein 
et al. (2001). Fotos: 
D.F. Peralta e J. Bordin 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Costa do Filídio 
Costa heterogênea 
Estereídios Hialocistos 
Costa homogênea 
Células guias Estereídios 
Ecostado 
Pilotrichella 
Excurrente 
Pseudosymblepharis 
Bicostados 
Thamniopsis 
Percurrente 
Plagiomnium 
Células do Filídio 
Ovaladas Quadradas 
Células alares 
Isodiamétricas 
Philonotis 
Hexagonais 
Brachymenium 
Retangulares 
Physcomitrium 
Romboidais 
Physcomitrium 
Lineares 
Orthostichella 
Caracteres morfológicos do GAMETÓFITO: 
Caracteres morfológicos do ESPORÓFITO: 
Acrocárpico 
Posição 
Caracteres morfológicos do ESPORÓFITO: 
Foto: D.F. Peralta 
Holomitrium 
Pleurocárpico 
Posição 
Caracteres morfológicos do ESPORÓFITO: 
Foto: D.F. Peralta 
Taxiphyllum 80 
Cápsula, Caliptra, Opérculo e Peristômio 
Caracteres morfológicos do ESPORÓFITO: 
Cápsula, Caliptra, Opérculo e Peristômio 
-Tamanho 
 
-Forma 
 
-Posição 
 
-Orientação 
 
-Ornamentação 
Pleurocárpico 
Diphyscium 
Bryum Physcomitrium 
Fotos: J. Glime 
Eurhynchium 
Polytrichym 
Takakia 
Caracteres morfológicos do ESPORÓFITO: 
6. COLETA E 
ARMAZENAMENTO 
DE AMOSTRAS 
Foto: M.A. Bordin Foto: J. Bordin 
Foto: J. Bordin 
Foto: J. Bordin 
Foto: M.A. Bordin 
Foto: J. Bordin 
Foto: J. Bordin 
Construção da exsicata e estocagem de pequenas 
coleções: 
 
- Folha A4 ou ofício; 
- Caixa de sapado. 
Método de dobramento do 
papel para fazer um 
envelope 
Caixa de sapato 
para 
armazenamento 
Pouca utilização econômica 
- Chás e aromatizantes na China (principalmente hepáticas talosas); 
- Decoração como enchimento para vasos de plantas secas e natal (várias famílias); 
- Enchimento para almofadas e bancos de automóveis (Sphagnum); 
- Usado como vedação em casas na tundra, isolante térmico (Sphagnum); 
- Fonte de fibras para fabricação de material para curativos e absorventes íntimos; 
- Valorização de ecoturismo. 
Importância Ecológica 
 
 - É o segundo maior grupo de plantas (ca. 15000); 
 
 - Principal componente de ecossistemas como tundra e turfeiras (a extensão das turfeiras na 
zona boreal é maior que as florestas tropical): 
 - desempenhando importante papel na reserva de água; 
 - troca de nutrientes; 
 - interações ecológicas; 
 
 - Sensíveis a perda de água proporciona, boa indicação: 
 - microclima; 
 - zonação altitudinal; 
 - mudanças climáticas; 
 
 - Indicação de centros de diversidade “hots pots”; 
 
 - Forma de absorção de água e nutrientes, boa indicação: 
 - poluição do ar e da água; 
 - contaminação por metais pesados; 
 - radioatividade; 
Sucessão ecológica: pioneiros secundários 
- Musgos são freqüentemente 
pioneiros primários ou secundários; 
 
- O tapete orgânico providencia 
retenção de umidade; 
 
- As secreções ácidas auxiliam na 
quebra das rochas: produção de solo; 
 
-Decomposição produz solo: 
acumulação de humus 
 
-- Toxinas fenólicas. 
Herbário Seccional de Briófitas SP 
- Único totalmente informatizado programa: BRAHMS; 
 
 
 
 
 
 
 
- Maior acervo brasileiro: 71.619 exsicatas, segundo 
Museu Nacional (R) com 6.000; 
 
- Único com 3 especialistas; 
Buck, W.R. & Goffinet, B. 2000. Morphology and Classification of Mosses. In: A. J. Shaw & B. Goffinet (eds.) Bryophyte Biology, 
University Press, Cambridge, pp. 71-123. 
Câmara, P.E.; Teixeira, R.; Lima, J.; Lima, J. 2003. Musgos Urbanos do Recanto das Emas, Distrito Federal, Brasil. In: Acta 
Botanica Brasilica 17(4): 1-10. 
Conard, 1977. How to know the Mosses and Liverworts. WM.C.Brown Company Publishers, 226 p. 
Crandall-Stotler, B. & Stotler, R.E. 2000. Morfology and classification of the Marchantiophyta. In: A. J. Shaw & B. Goffinet (eds.) 
Bryophyte Biology, Cambridge University Press, pp. 21-70. 
Crosby, M.R., Magill, R.E., Allen, B. & He, S. 1999. A checklist of the mosses. Missouri Botanical Garden, St. Louis, 246 p. 
Delgadillo M., C. & Cárdenas S., A. 1990. Manual de Briofitas. Cuadernos del Instituto de Biología 8. Universidad Nacional 
Autonoma de Mexico, 135 p. 
Frahm, J-P. 2003. Manual of Tropical Bryology. Tropical Bryology 23: 1-196. 
Gradstein, S.R., Churchill, S.P. & Salazar-Allen, N. 2001. Guide to the Bryophytes of Tropical America. Memoirs of The New 
York Botanical Garden 86: 1-577. 
Raven, P. H., Evert, R. F. & Eichhorn, S. E. 2008. Biologia Vegetal. 7ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 727p. 
Schoefield, W. B. 2001. Introduction to Bryology. The Blackburn Press. 
Stotler, R.E. & Crandall-Stotler, B. 2005. A revised classification of the Anthocerotophyta and a checklist of the hornworts of 
North America, North