Resumo Direito Constitucional   Aula 14 (06.02.2012)
26 pág.

Resumo Direito Constitucional Aula 14 (06.02.2012)


DisciplinaDireito Constitucional I69.974 materiais1.612.570 seguidores
Pré-visualização10 páginas
Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 1 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
Assuntos tratados: 
1º Horário. 
\uf0fc Poder Judiciário / Natureza ou Função Típica / Características da Função 
Jurisdicional / Características do Poder Judiciário / Natureza do Sistema 
Jurisdicional / Esgotamento das Vias Administrativas / Habeas Data / Justiça 
Desportiva / Estrutura do Poder Judiciário / Juizados Especiais e Varas / 
Tribunais Superiores / Composição / Regra do Quinto Constitucional / Garantias 
da Magistratura / Conselho Nacional de Justiça (CNJ) / Argumentos Contrários 
ao CNJ / Argumentos Favoráveis ao CNJ / Finalidade da Atuação do CNJ / 
Composição 
2º Horário. 
\uf0fc Súmula Vinculante / Razão de Ser da Súmula Vinculante / Evolução do Direito 
Brasileiro Antes da Criação da Súmula Vinculante / Espécies de Súmulas / 
Aspectos Relacionados à Súmula Vinculante / Competência / Objeto / Natureza 
Jurídica / Legitimidade / Requisitos / Natureza do Processo / Procedimento / 
Efeito / Revisão e Cancelamento / Violação da Súmula Vinculante / Reclamação 
Constitucional / Origem / Finalidades / Natureza Jurídica / Cabimento / 
Legitimados Ativos / Efeito da Decisão 
 
1º Horário 
 
1. Poder Judiciário1 
1.1. Natureza ou Função Típica 
A função típica do Poder Judiciário é a jurisdicional2. 
 
1.1.1. Características da Função Jurisdicional 
a) inércia: o Poder Judiciário precisa ser provocado para atuar. 
b) pretensão ou lide: há controvérsia entre os processualistas se a 
característica seria a pretensão, que é a exigência de subordinação do interesse alheio 
ao interesse próprio, ou a lide, que é a pretensão resistida. 
 
1
 Com relação ao Poder Executivo, o professor aconselha a leitura dos dispositivos constitucionais que 
abordam o tema. 
2
 A função atípica é exercida, por exemplo, quando o tribunal elabora seu próprio regulamento e 
quando realiza concursos para provimento de cargos. 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 2 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
c) definitividade: torna-se relevante quando se analisa a atuação do Poder 
Executivo e questiona-se se este exerce a função jurisdicional. Quando a 
Administração Pública no âmbito de um processo administrativo julga certa matéria, a 
decisão administrativa não possui a definitividade própria das decisões judiciais3. 
 
1.2. Características do Poder Judiciário 
O Poder Judiciário possui como características a unidade e a indivisibilidade 
funcional, o que significa dizer que, ainda que o Judiciário apresente ramos e órgãos 
especializados, fala-se em um único Poder Judiciário, que é nacional. 
Com isto, quando um órgão do Poder Judiciário atua de forma legítima, dentro 
de sua competência, não está sujeito à nova ação perante outro órgão do Judiciário. 
 
1.3. Natureza do Sistema Jurisdicional 
Há dois sistemas clássicos: 
a) Francês: possui dualidade de jurisdições, pois se fala em uma jurisdição 
comum e em outra administrativa, motivo pelo qual é chamado de sistema de 
contencioso administrativo. Matérias relacionadas ao direito público ficam a cargo da 
Justiça Administrativa, enquanto as privadas são sujeitas à jurisdição comum. 
b) Inglês: é o adotado pelo Brasil, sendo chamado de sistema de jurisdição 
única. Não há um contencioso administrativo que exclua a jurisdição, pois apesar de 
existir um processo administrativo no âmbito da Administração Pública, este não exclui 
a atuação do Poder Judiciário. 
Isto fica claro na CRFB quando seu art. 5º, XXXV dispõe que lesão ou ameaça de 
lesão a direito não pode ser afastada da apreciação pelo Judiciário por lei, traduzindo o 
Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição ou Princípio da Jurisdição única. 
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, 
garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a 
inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à 
propriedade, nos termos seguintes: 
XXXV - a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a 
direito; 
 
1.3.1. Esgotamento das Vias Administrativas 
 
3
 A decisão administrativa é definitiva apenas no âmbito da Administração, havendo autores que falam 
em coisa julgada administrativa, que está sujeita apenas a impugnação judicial. 
 Direito Constitucional 
Data: 06.02.2012 
O presente material constitui resumo elaborado por equipe de monitores a partir da aula 
ministrada pelo professor em sala. Recomenda-se a complementação do estudo em livros 
doutrinários e na jurisprudência dos Tribunais. 
 
 Centro: Rua Buenos Aires, 56 - 2º, 3º e 5º andares \u2013 Tel.: (21) 2223-1327 3 
Barra: Shopping Downtown \u2013 Av. das Américas, 500 - bl. 21, salas 157 e 158 \u2013 Tel.: (21) 2494-1888 
Conheça nossa loja online: www.enfaseonline.com.br 
 
 
Pelo Princípio da Inafastabilidade da Jurisdição, a priori, a lei não pode 
estabelecer o prévio esgotamento das instâncias administrativas como condição para a 
propositura da ação. Contudo, há algumas exceções, que possuem fundamentos 
específicos. 
 
1.3.1.1. Habeas Data 
O habeas data possui três finalidades possíveis, quais sejam, acesso a 
informação pessoal, retificação dessa informação se for equívoca ou 
complementação/anotação da informação se for verdadeira, porém justificável. As 
duas primeiras situações estão na CRFB, enquanto a última encontra-se na lei do 
Habeas Data. 
Se a informação consta em banco de dados que possa ser acessado por outras 
pessoas físicas ou jurídicas, ainda que o depositário (quem detém a informação) dos 
dados possua personalidade de direito privado, o banco de dados será público, 
cabendo habeas data. 
Uma das condições para o regular exercício do direito de ação é o interesse, 
sendo necessário que se demonstre a necessidade e a utilidade da prestação 
jurisdicional, que somente existe quando houver violação ou ameaça a direito. 
Se o cidadão tem direito à informação, mas não a pleiteia diretamente ao órgão 
e impetra diretamente habeas data, falta interesse processual e o STF não admite a 
sua impetração. 
Com isto, é necessário o prévio esgotamento das vias administrativas para que 
se impetre habeas data, o que se dá quando da recusa ou demora ao pretendido pela 
pessoa, conforme entendimento da Súmula nº 02, STJ. 
STJ, Súmula 02. Não cabe o habeas data (CF, Art. 5º, LXXII, letra a) se não houve 
recusa de informações
Sebastião
Sebastião fez um comentário
muito obrigada pretendo fazer concurso pro STF Analista e vou me prepara para concurso de Juiz federal substituto com o pessoal do Ênfase são muitos bons, investimento certo!
1 aprovações
Carregar mais