QUIMICA GERAL E INORGANICA EXPERIMENTAL

@quimica-geral-e-inorganica-experimental UFPB
#Química#Inorgânica

Pré-visualização

Oxalato 
                           Cromato 
                           Sulfeto 
 
A maioria dos hidróxidos  
e óxidos metálicos 
 
 
Compostos com OH-                         NaOH, KOH, Ca(OH)2, Sr(OH)2 e Ba(OH)2 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 44

 

 

MATERIAL 

-02 vidros de relógio    -funil 
-02 provetas      -suporte com anel de ferro 
-02 béqueres       
-03 bastões de vidro    -estufa  
-papel de filtro     -dessecador 
 
 
 
 
 
 
 

 

 

 

Substâncias  

-cromato de potássio  
-cloreto de bário  

 

 

 

 
 
 
 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 45

 

PROCEDIMENTO 

1) Pese 0,80 g de cromato de potássio e transfira para um béquer de 250 ml, 
adicione 100 ml de água destilada, medida em proveta. Agite com bastão de 
vidro até a completa dissolução.  

 
2) Pese 0,60 g de cloreto de bário e transfira para um béquer de 250 ml. Adicione 

50 ml de água destilada medida em proveta. Agite com bastão de vidro até 
completa dissolução.  

3) Pese um papel de filtro. 
 
4) Adapte um anel de ferro num suporte e nele coloque um funil de filtração.  
 
5) Adicione a solução de cloreto de bário à de cromato de potássio. Agite a mistura 

com o bastão.  
 
6) Adapte o papel de filtro ao funil. 
 
7) Faça a filtração manejando com cuidado para que não haja perda de 

precipitado. Leve o béquer e o bastão de vidro com água destilada para 
remover qualquer resíduo de precipitado. Coloque a água de lavagem no funil.  

 
8) Lave o precipitado no funil com água destilada. Após completa decantação retire 

o papel de filtro e coloque-o sobre um vidro de relógio. Despreze o filtrado.  
 
9) Leve o precipitado para secar em estufa à 150oC, por quinze minutos. Retire o 

precipitado seco da estufa e coloque-o para resfriar num dessecador.  
 
10) Depois de frio, pese o papel de filtro com o precipitado. Anote o peso obtido.  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 46

Aula Prática Nº 06 
 
 

Rendimento de uma reação de precipitRendimento de uma reação de precipitRendimento de uma reação de precipitRendimento de uma reação de precipitação ação ação ação     

    
Aluno:_______________________________________Turma:________  

Data: __________ 

 

Reação  Equação Química  Observações   
      1  

 

 

 

 

 

Substância  Quantidade (g) Observações    
K2CrO4   
BaCl2   
Papel de Filtro   
Papel de Filtro +  BaCrO4   
BaCrO4   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 47

Aula Prática Nº 06 
 

RENDIMENTO DE UMA REAÇÃO DE PRECIPITAÇÃO 
 

Exercícios de FixaçãoExercícios de FixaçãoExercícios de FixaçãoExercícios de Fixação 
 
 
 
1.0 Escreva a equação química correspondente à reação observada. Indique o 

precipitado formado. Qual é o seu nome?  
 
2.0 Qual a finalidade de se aquecer a solução de cromato de potássio ?  
 
3.0 Por que a filtração deve ser realizada com o máximo de cuidado ?  
 
4.0 Qual a finalidade de se lavar o precipitado obtido com água destilada ? 
 
5.0 Calcule o rendimento teórico da reação. Calcule o rendimento prático. Compare 

o resultado prático com o calculado teoricamente. Calcule o rendimento 
percentual da reação. 

 
6.0 Discuta as causas dos desvios, que porventura forem encontrados, entre o 

resultado prático e o teórico.  
 
7.0 Numa queima de 30 gramas de grafite puro obteve-se dióxido de carbono com 

90% de rendimento.  Qual foi a massa de produto encontrada ?  
 
 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 48 

Aula Prática  Nº07   

PREPARAÇÃO DE SOLUÇÕES             Parte 1 

 

OBJETIVOS 

• Efetuar cálculos estequiométricos envolvendo o preparo de soluções 

• Preparar soluções a partir de solutos sólidos e solutos líquidos 

• Efetuar diluição de solução a partir de uma solução estoque 

• Conhecer a técnica de preparo e diluição de soluções  

INTRODUÇÃO   

         A química em soluções e amplamente utilizada nas mais diversas áreas. Nesse 

sentido o conhecimento sobre o preparo de soluções tem fundamental importância tendo 

em vista que grande parte das reações realmente ocorre em solução aquosa e não 

aquosa. Uma solução é uma mistura homogênea de uma ou mais substâncias que 

podem ser iônicas ou moleculares. A substância em maior quantidade é o solvente.  As 

outras substâncias são chamadas de solutos. 

 

Preparação de soluções com concentração em massa por litro 

   - Hidróxido de Sódio 0,1 mol/L    

   - Permanganato de potássio  1% 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 49 

 
Material 
 

• Espátula                          

• Vidro de relógio 

• Bastão de vidro               

• Bequer 

• Funil                                

• Balão de diluição 

• Conta-gotas                     

• Pisseta 

• Papel absorvente 

 

 

 

 

 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 50 

 

 

 

 

 

PROCEDIMENTO 
 

A. Tomar conhecimento dos perigos potenciais das 
substâncias utilizadas de modo a reduzir a 
possibilidade de contaminações ou acidentes. 

B. Decidir qual o volume de solução a preparar. 

C. Efetuar os cálculos necessários. 

1. Passar água destilada em o material. 

2. Secar cuidadosamente a espátula e o vidro de 
relógio. 

3. Medir a massa de soluto necessária. 

4. Transferir o soluto para um bequer lavando o vidro 
de relógio com solvente de modo a arrastar todo o 
soluto. 

5. Dissolver todo o soluto utilizando apenas uma 
parte do solvente agitando com um bastão de vidro. 

6. Verter a solução para o balão volumétrico, com 
auxílio de um funil, lavando o bequer, o bastão de 
vidro e o funil com solvente para arrastar todo o 
soluto. 

7. Completar até ao traço, primeiro com a pisseta  e 
depois com conta-gotas. 

8. Tapar e homogeneizar a solução invertendo várias 
vezes o balão de diluição. 

 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba 
CCEN – Centro de Ciências Exatas e da Natureza 
Departamento de Química 
Química Geral e Inorgânica Experimental 
 

 

 51 

 

 

Observações   

1. As soluções de sulfato de ferro (II) e permanganato de potássio podem ser eliminadas 

por diluição. Soluções mais concentradas de permanganato de potássio devem ser 

reduzidas com tiossulfato de sódio. 

2. Secar cuidadosamente a espátula e vidro de relógio previne contaminações do soluto 

e evita que se molhe a balança. Secar todo o restante material seria uma perda de 

tempo e um gasto desnecessário de recursos. 

3. A solução de permanganato de potássio preparada nesta etapa poderá ser utilizada 

posteriormente. 

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 



 
UFPB – Universidade Federal da Paraíba
Carregar mais