RESUMO COMPLETO   LICITAÇOES E CONTRATOS PÚBLICOS
40 pág.

RESUMO COMPLETO LICITAÇOES E CONTRATOS PÚBLICOS


DisciplinaContratos Administrativos e Licitações45 materiais510 seguidores
Pré-visualização15 páginas
1
LICITAÇÕES E CONTRATOS ADMINISTRATIVOS 
Vitor Hugo Zanolo Queiroga1 
 
LICITAÇÕES 
CONCEITO / NATUREZA JURÍDICA 
Licitação é o procedimento administrativo, exigido por lei, para que o Poder Público possa comprar, 
vender ou locar bens ou, ainda, realizar obras e adquirir serviços, segundo condições previamente 
estipuladas, visando selecionar a melhor proposta ou o melhor candidato, conciliando os recursos 
orçamentários existentes à promoção do interesse público. 
Vale ressaltar o conceito de Hely Lopes Meirelles (in Licitação e Contrato Administrativo, 13. ed., São 
Paulo: Malheiros, 2002): 
\u201c[...] procedimento administrativo mediante o qual a Administração Pública seleciona a proposta 
mais vantajosa para o contrato de seu interesse. Visa a propiciar iguais oportunidades aos que 
desejem contratar com o Poder Público, dentro dos padrões previamente estabelecidos pela 
Administração, e atua como fator de eficiência e moralidade nos negócios administrativos. É o meio 
técnico-legal de verificação das melhores condições para execução de obras e serviços, compra de 
materiais, e alienação de bens públicos. Realiza-se através de uma sucessão ordenada de atos 
vinculantes para a Administração e para os licitantes, sem a observância dos quais é nulo o 
procedimento licitatório e o contrato subseqüente. 
A natureza jurídica da licitação é de procedimento administrativo, pois se trata de uma sequência 
ordenada de atos administrativos. 
Ministério Público/RO - Assertiva: \u201cNão se pode considerar licitação como procedimento administrativo\u201d. 
A assertiva foi considerada INCORRETA 
FINALIDADE 
A licitação visa dar fiel cumprimento aos imperativos da isonomia, impessoalidade, moralidade e 
indisponibilidade do interesse público, que sempre devem nortear a atuação da Administração 
Pública. Desta forma, tal procedimento obriga a realização de um processo público para seleção 
imparcial da melhor proposta, garantindo iguais condições a todos que queiram concorrer para a 
celebração do contrato. 
O próprio texto da Lei de Licitações traz a finalidade do procedimento licitatório: 
Art. 3o A licitação destina-se a garantir a observância do princípio constitucional da isonomia, a 
seleção da proposta mais vantajosa para a administração e a promoção do desenvolvimento 
nacional sustentável e será processada e julgada em estrita conformidade com os princípios básicos da 
 
1 Advogado e servidor público federal, graduado em Direito pela Faculdade Integrado (CEI) de Campo Mourão/PR 
e pós-graduado em Direito Civil e Processual Civil pela mesma Instituição. 
 2
legalidade, da impessoalidade, da moralidade, da igualdade, da publicidade, da probidade administrativa, da 
vinculação ao instrumento convocatório, do julgamento objetivo e dos que lhes são correlatos 
Em outras palavras, pode-se sintetizar as finalidades da licitação como sendo: 
a) garantir a observância do princípio da isonomia - todos poderão participar da licitação; 
b) selecionar a proposta mais vantajosa para a administração; 
c) promover o desenvolvimento nacional sustentável (texto acrescentado pela Lei n. 12.349, de 
15/dez/2010) 
OAB/SP-Vunesp: Assertiva: \u201cÉ da essência do instituto da licitação obter vantagem para a Administração sem 
descurar da isonomia\u201d. 
A afirmação foi considerada CORRETA: 
 
Além dos princípios básicos (\u201cL-I-M-P-E\u201d) que devem nortear toda atividade da Administração Pública 
(previstos expressamente no artigo 37 da CF), existem princípios específicos das licitações: 
1) princípio da isonomia: defende a igualdade de tratamento pela comissão de licitação entre todos os 
concorrentes que se encontram na mesma situação. Importante ressaltar que tal igualdade não é 
absoluta, eis que a própria Lei n. 8.666/93 traz critérios de desempate. Atentem para o texto legal (art. 
3º): 
§ 1o É vedado aos agentes públicos: 
I - admitir, prever, incluir ou tolerar, nos atos de convocação, cláusulas ou condições que comprometam, 
restrinjam ou frustrem o seu caráter competitivo, inclusive nos casos de sociedades cooperativas, e 
estabeleçam preferências ou distinções em razão da naturalidade, da sede ou domicílio dos licitantes ou de 
qualquer outra circunstância impertinente ou irrelevante para o específico objeto do contrato,[...] 
II - estabelecer tratamento diferenciado de natureza comercial, legal, trabalhista, previdenciária ou qualquer 
outra, entre empresas brasileiras e estrangeiras, inclusive no que se refere a moeda, modalidade e local de 
pagamentos, mesmo quando envolvidos financiamentos de agências internacionais, ressalvado o disposto no 
parágrafo seguinte [...] 
§ 2o Em igualdade de condições, como critério de desempate, será assegurada preferência, 
sucessivamente, aos bens e serviços: 
 I - (Revogado pela Lei nº 12.349, de 2010) 
 II - produzidos no País; 
III - produzidos ou prestados por empresas brasileiras. 
IV - produzidos ou prestados por empresas que invistam em pesquisa e no desenvolvimento de tecnologia no 
País. 
 
 3
2) princípio da competitividade: não podem ser adotadas medidas que comprometam decisivamente 
o caráter competitivo do certame, já que a busca pela melhor proposta é uma das finalidades da 
licitação. Assim, as exigências de qualificação técnica e econômica devem se restringir ao estritamente 
indispensável para garantia do cumprimento das obrigações (art. 37, XXI, da CF, e Lei de Licitações 
supracitada); 
3) princípio da vinculação ao instrumento convocatório: além da observância dos textos legais, a 
Administração Pública e também os participantes do certame deverão cumprir as condições do edital. 
Lembre-se da máxima> O edital é a lei da licitação. Vide texto legal e questão sobre o tema: 
Art. 41. A Administração não pode descumprir as normas e condições do edital, ao qual se acha estritamente 
vinculada. 
Analista Administrativo/FCC: Assertiva: \u201cO princípio da vinculação ao instrumento convocatório é dirigido 
tanto à Administração Pública como aos licitantes\u201d. 
A assertiva foi considerada CORRETA. 
 
Analista Judiciário-AM/FCC: Assertiva \u201cA desclassificação do licitante, motivada pelo não atendimento às 
exigências constantes no instrumento convocatório do certame, está diretamente relacionada com o princípio 
da vinculação ao edital\u201d. 
A assertiva foi considerada CORRETA 
 
4) princípio do julgamento objetivo: o edital deve apontar claramente o critério de julgamento a ser 
adotado para determinar o licitante vencedor. Assim, a análise de documentos e a avaliação das 
propostas devem se pautar por critérios objetivos predefinidos no instrumento convocatório, e não com 
base em elementos subjetivos. Segundo a doutrina, entretanto, a objetividade não é absoluta, na medida 
em que especialmente a verificação da qualificação técnica sempre envolve certo juízo subjetivo; 
5) princípio da inalterabilidade do edital: em regra, o edital não pode ser modificado após sua 
publicação. Porém, havendo necessidade de alteração de algum dispositivo, deverá ser dada ampla 
publicidade e a devolução dos prazos para não prejudicar os potenciais licitantes que eventualmente 
tenham deixado de participar do certame em razão da cláusula objeto da modificação; 
6) princípio do sigilo das propostas: os envelopes contendo as propostas dos licitantes não podem ser 
abertos e seus conteúdos divulgados antes do momento processual adequado, que é a sessão pública 
instaurada com essa finalidade (art. 43, § 1º, da Lei n. 8.666/93). Importante ressaltar que se trata de 
exceção ao princípio da publicidade. 
7) princípio do formalismo procedimental: as regras aplicáveis ao procedimento licitatório são 
definidas diretamente pelo legislador, devendo o administrador público