A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
325 pág.
STF   Temas Penais

Pré-visualização | Página 23 de 50

fato ocorrido na Camala (...)." (HC 95.471, voto do rel. min. Gilmar
Mendes, julgamento em 15-5-2012, Segunda Turma, DJE de 13-9-2012.)
"Competência. Homicídio qualificado. Formação de quadrilha. Crime praticado para evitar que a vítima prestasse
depoimento no Conselho de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana. Órgão vinculado ao Ministério da Justiça. Interesse
da União comprovado. Competência da Justiça Federal. A jurisprudência deste STF é firme no sentido de que a
competência da Justiça Federal, em matéria penal, só ocorre quando a infração penal é praticada em detrimento de bens,
serviços ou interesse da União, mormente quando os crimes teriam sido praticados com o objetivo de evitar que a vítima
prestasse declarações ao Conselho de Defesa dos Direitos Humanos." (HC 107.156, rel. min. Cármen Lúcia,
julgamento em 8-5-2012, Primeira Turma, DJE de 1º-8-2012.)
"Um juízo de primeiro grau não pode rescindir um acórdão de instância superior, mesmo na hipótese de existência de
nulidade absoluta, sob pena de violação das normas processuais penais e constitucionais relativas à divisão de
competência. Agiu bem o STJ ao afirmar que não compete ao juízo da execução reconhecer uma nulidade, ainda que
absoluta, ocorrida no curso de processo findo, ocasionando verdadeira rescisão de decisão proferida por instância
superior." (HC 110.358, rel. min. Ricardo Lewandowski, julgamento em 12-6-2012, Segunda Turma, DJE de 1º-8-
2012.)
"Falsificação de documento público, falsidade ideológica e uso de documento falso. Diploma e certificado de conclusão de
curso superior em instituição privada de ensino falsos. Apresentação para fins de obtenção de registro profissional no
Conselho Regional de Administração (CRA). Competência da Justiça Federal. (...) O uso de documento falso de instituição
privada de ensino superior, com o fato de apresentá-lo ao órgão de fiscalização profissional federal, é delito cognoscível
pela Justiça Federal, que ostenta, para o caso concreto, competência absoluta. (...) Considerando que o diploma
falsificado diz respeito a instituição de ensino superior, incluída no Sistema Federal de Ensino, conforme a Lei de
Diretrizes e Bases da Educação (Lei 9.394/1996), resta patente que o delito narrado na denúncia foi praticado em
detrimento de interesse da União, a atrair a competência da Justiça Federal (art. 109, IV, CRFB), mesmo porque se
operou o seu uso, sendo que consta que a referida autarquia teria descoberto a fraude e negado a emissão do registro."
(HC 93.938, rel. min. Luiz Fux, julgamento em 25-10-2011, Primeira Turma, DJE de 23-11-2011.)
"Sentença ou ato de juízo estrangeiro. Bens. Sequestro e expropriação. Execução no território brasileiro. Formalidade
essencial. A teor do disposto no art. 105, I, i, da CF e presente o art. 15 da LICC brasileiro, ato de juízo estrangeiro a
implicar constrição deve ser examinado pelo STJ. Descabe apresentá-lo diretamente a juízo federal, objetivando o
implemento. A atuação deste último, conforme o art. 109, X, da Carta da República, pressupõe o exequatur." (HC
105.905, rel. min. Marco Aurélio, julgamento em 11-10-2011, Primeira Turma, DJE de 17-11-2011.)
"Pacientes policiais militares denunciados por extorsão mediante sequestro com resultado morte e ocultação de cadáver.
(...) Hipótese em que os fatos imputados ao denunciados não se enquadram em nenhuma das situações previstas pelo
CPM para caracterizar crime militar e, por conseguinte, fixar a competência da Justiça Castrense. Da leitura dos autos,
verifica-se que a conduta criminosa não possui qualquer conotação militar e que a condição de policial militar não foi
determinante para a prática do crime, de modo que não vejo como classificá-lo como militar. Esta Corte já firmou
entendimento no sentido de que a condição de militar ou a circunstância de o agente estar em serviço no momento da
prática do crime não são suficientes para atrair a competência da Justiça Castrense." (HC 109.150, rel. min. Ricardo
Lewandowski, julgamento em 20-9-2011, Segunda Turma, DJE de 13-10-2011.)
"Crimes de falsificação de documento público. Agravo regimental interposto contra decisão que determinou a baixa dos
autos à origem em razão de perda da prerrogativa de função por parte da investigada. (...) A simples convicção da
indiciada, sem o aval do titular da ação penal, de que o deputado federal (...) tenha praticado crimes relacionados aos
fatos investigados não é apta a ensejar a permanência dos autos nesta Suprema Corte." (Inq 2.890-AgR, rel. min.
Dias Toffoli, julgamento em 15-9-2011, Plenário, DJE de 10-10-2011.)
"A presença de indícios de participação de agente titular de prerrogativa de foro em crimes contra a administração pública
confere ao STF o poder-dever de supervisionar o inquérito. Questão de ordem resolvida no sentido da fixação da
competência do STF para supervisionar as investigações e da rejeição da proposta de trancamento do inquérito por
alegada ilicitude da gravação ambiental que motivou a abertura desse procedimento investigatório." (Inq 2.116-QO, rel.
p/ o ac. min. Ayres Britto, julgamento em 15-9-2011, Plenário, DJE de 29-2-2012.)
"Inquérito policial. Investigação. Ex-prefeito municipal. Desvio de verbas públicas. Competência da Justiça Federal.
Interesse da União. Ausência de comprovação. (...) A competência da Justiça Federal depende, para a sua fixação, de
comprovação do interesse da União no feito." (RHC 97.226-AgR, rel. min. Luiz Fux, julgamento em 6-9-2011,
Publicações Temáticas - Versão Integral :: STF - Supremo Tribunal Federal
http://www.stf.jus.br/portal/publicacaoTematica/verTema.asp?lei=1024[07/02/2013 10:11:20]
Primeira Turma, DJE de 30-9-2011.)
"Crime de desacato contra militar das forças armadas. (...) A jurisprudência deste Supremo Tribunal é firme no sentido de
que a competência para processar e julgar policial militar acusado de cometer crime militar contra membro das Forças
Armadas é da Justiça Militar estadual, mormente quando o paciente, pelo que se tem na denúncia, quis manifestamente
menosprezar a vítima, oficial das Forças Armadas, em razão da função por ela ocupada, humilhando-a diante de outros
militares federais e estaduais." (HC 105.844, rel. min. Cármen Lúcia, julgamento em 21-6-2011, Primeira Turma, DJE
de 18-8-2011.)
"O bem jurídico tutelado pelo tipo penal da denunciação caluniosa é a Administração da Justiça que foi indevidamente
acionada e atingida por eventuais falsas imputações que originaram a instauração de investigação, inquérito ou processo
judicial. No caso, tendo a conduta delitiva dado origem a procedimento administrativo no âmbito do MPF e a inquérito
policial federal, imperioso é o reconhecimento da competência da Justiça Federal, cujo regular funcionamento foi afetado,
para processar e julgar a pertinente ação penal." (HC 101.013, rel. min. Joaquim Barbosa, julgamento em 7-6-2011,
Segunda Turma, DJE de 21-6-2011.)
"(...) a prisão decretada o foi por autoridade incompetente. O paciente era, àquela altura, deputado estadual e a
circunstância de não se encontrar no exercício do mandato não seria de molde a afastar a prerrogativa de foro, a
prerrogativa de ser julgado pelo tribunal de justiça considerada não só a simetria com a Carta da República como também
o próprio § 4º do art. 74 da Constituição do Estado de Alagoas." (HC 95.485, voto do rel. min. Marco Aurélio,
julgamento em 24-5-2011, Primeira Turma, DJE de 1º-8-2011.)
"Em se tratando de queixa-crime formalizada contra agente público e não se conhecendo o local exato da consumação da
infração penal, a competência é regida pelo art. 72 do CPP, ou seja, fica ligada ao foro do domicílio ou da residência do
réu." (Inq 2.956-AgR, rel. min. Marco Aurélio, julgamento em 19-5-2011, Plenário, DJE de 1º-6-2011.)
"Compete à Justiça Federal o julgamento dos crimes de tráfico internacional de drogas. Entretanto, nem o simples fato de
alguns corréus serem estrangeiros nem a eventual origem