A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
216 pág.
Carl Rogers   Tornar se Pessoa

Pré-visualização | Página 33 de 50

que ele intencionalmente ou inconscientemente almeja,
é o de se tornar ele mesmo. 
Quando uma pessoa me procura, perturbada por sua combinação única de dificuldades,
constatei ser muito válido ,tentar criar uma relação com ela na qual esteja segura e livre. E meu
propósito compreender a maneira como se sente em seu próprio mundo interior, aceitá-la como
ela é, criar uma atmosfera de liberdade na qual ela possa se mover, ao pensar, sentir e ser, em
qualquer direção que desejar. Como ela usa esta liberdade? Em minha experiência, a pessoa a
utiliza para se tomar cada vez mais ela mesma. Começa a derrubar as falsas frentes, ou as
máscaras, ou os papéis, com os quais encarou a vida. Parece estar tentando descobrir algo
mais básico, algo mais verdadeiramente ela mesma. Primeiro, coloca de lado máscaras que
até certo ponto está consciente de estar usando. Uma jovem estudante descreve em uma
entrevista de aconselhamento uma das máscaras que vinha usando, e como não tinha certeza
se, embaixo desta frente pacífica, agradável, haveria algum eu real com convicções. 
Estava pensando a respeito desse assunto de padrões. De alguma forma desenvolvi um
tipo de jeito, acho, de — bem um hábito de tentar fazer com que as pessoas se sintam à
vontade ao meu redor, ou fazer com que as coisas corram tranqüilamente. Sempre tem que
haver algum apaziguador por perto, do tipo panos quentes. Em uma pequena reunião, ou uma
festinha, ou algo eu poderia ajudar para que as coisas decorressem de maneira agradável e
parecer estar me divertindo. E, algumas vezes, me surpreenderia atacando uma idéia em que
realmente acreditava quando via que a pessoa envolvida ficaria bastante insatisfeita se eu não
o fizesse. Em outras palavras, eu simplesmente não era nunca — quero dizer, eu não me via
nunca sendo clara e definida a respeito das coisas. Agora a razão por que o fazia
provavelmente era por estar fazendo tanto isto em casa. Eu simplesmente não defendia as
minhas próprias convicções, até mesmo não sei se tenho quaisquer convicções para defender.
Não tenho realmente sido honestamente eu mesma, ou na verdade não tenho sabido quem é
meu eu real, e estou simplesmente desempenhando um tipo de falso papel. 
Pode-se, neste excerto, vê-la examinando a máscara que vinha utilizando,
reconhecendo sua insatisfação com a mesma, e procurando saber como chegar ao verdadeiro
eu que se encontra embaixo, se tal eu existe. 
Nessa tentativa de descobrir seu próprio eu, o cliente tipicamente utiliza a relação para
explorar, examinar os vários aspectos de sua experiência, para reconhecer e enfrentar as
contradições profundas que freqüentemente descobre. Aprende quanto do seu comportamento,
até mesmo dos sentimentos que vi- vencia, não é real, não sendo algo que flui das reações
genuínas de seu organismo, mas sim constitui uma fachada, uma frente, atrás da qual está se
escondendo. Descobre o quanto sua vida é guiada por aquilo que pensa que ele deveria ser, e
não por aquilo que é. Freqüentemente descobre que ele só existe em resposta às exigências
dos outros, que parece não ter nenhum eu próprio, e que está somente tentando pensar, e
sentir e se comportar de acordo cofn-a n\aneira que os outros acreditam que deva pensar, e
sentir e se comportar. 
Quanto a esse assunto, fico admirado em constatar quão acuradamente o filósofo
dinamarquês, Soren Kierkegaard, ilustrou o dilema do indivíduo há mais de um século, com um
insight psicológico aguçado. Ele destaca que o desespero mais comum é estar desesperado
por não escolher, ou não estar disposto a ser ele mesmo; porém, a forma mais profunda de
desespero é escolher “ser outra pessoa que não ele mesmo”. Por outro lado “desejar ser
aquele eu que realmente se é, constitui na verdade o oposto do desespero”, e esta escolha
constitui a mais profunda responsabilidade do homem. À medida que leio alguns de seus
escritos, quase que sinto que ele esteve escutando algumas das afirmações feitas por nossos
clientes ao buscarem e explorarem a realidade do eu — freqüentemente uma busca dolorosa e
inquietante. 
Essa exploração se torna até mais perturbadora quando se vêem envolvidos em
remover as falsas faces que não sabiam ser falsas faces. Começam a ingressar na tarefa
assustadora de explorar os sentimentos turbulentos e algumas vezes violentos dentro de si.
Remover uma máscara que se acreditava constituir parte de seu verdadeiro eu pode ser uma
experiência profundamente perturbadora, porém quando há liberdade para pensar, sentir e ser,
o indivíduo se volta para tal meta. Algumas declarações de uma pessoa que havia completado
uma série de entrevistas psicoterapêuticas ilustram isso. Ela faz uso de muitas metáforas ao
contar como lutou para chegar ao âmago dela mesma. 
Conforme vejo a situação hoje, estava descascando camada após camada de defesas.
Eu as construía, as experimentava e então as descartava quando permanecia a mesma. Não
sabia o que se encontrava no fundo e estava com muito medo de descobrir, mas eu tinha que
continuar tentando. Primeiro senti que não havia nada dentro de mim somente um grande vazio
onde eu necessitava e desejava um núcleo sólido. Então comecei a sentir que estava diante de
uma parede de tijolos sólida, alta demais para subir e espessa demais para atravessar. Um dia
a parede se tornou translúcida, ao invés de sólida. Depois disso, a parede pareceu dissipar-se
mas, atrás dela, descobri um açude que represava águas violentas e turbulentas. Senti como
se estivesse retendo a força dessas águas e que, se eu abrisse um pequenino buraco, eu e
tudo o que se encontrava ao meu redor seríamos destruídos na torrente que, de sentimentos
representados pela água que se seguiria. Finalmente não pude mais suportar o esforço e
deixei fluir. Tudo o que fiz, na verdade, foi sucumbir á autopiedade, depois ao ódio e então ao
amor completos e absolutos. Após essa experiência, senti como se houvesse saltado uma
margem e me encontrasse a salvo do outro lado, embora ainda cambaleasse um pouco em
sua beira. Não sei o que estava procurando ou para onde me dirigia, mas senti então como
sempre senti toda vez que realmente vivi, que eu estava me movendo para frente. 
Acredito que isto representa muito bem a sensação de muitos indivíduos de que se a
frente falsa, a parede, a represa, não forem mantidas, então tudo será arrastado na violência
dos sentimentos que ele descobre estarem enclausurados em seu mundo particular. Todavia,
isso também ilustra a necessidade premente que o indivíduo sente de buscar a si mesmo e de
tornar-se ele próprio. Isso também começa a indicar a maneira pela qual o indivíduo determina
a realidade em si mesmo — quando ele vivencia plenamente os sentimentos que ele é num
nível orgânico, da mesma forma que esta cliente sentiu autopiedade, ódio e amor, então ele
tem certeza de que está sendo uma parte de seu eu real. 
A experiência de sentir 
Gostaria de dizer algo mais a respeito dessa vivência de sentir. É realmente a
descoberta dos elementos desconhecidos do eu. O fenômeno que estou tentando descrever é
algo que acho bastante dificil de ser transmitido de alguma maneira que faça sentido. Em
nossas vidas cotidianas, há mil e uma razões para que não nos .detxemos experienciar nossas
atitudes plenamente, razões oriundas de nosso passado e do presente, razões que residem na
situação social. Experienciá-los livre e plenamente parece perigoso, potencialmente prejudicial.
Porém, na segurança e liberdade .da relação terapêutica, eles podem ser vivenciados
plenamente, claro que atéo limite daquilo que são. Eles podem ser e são experienciados de
uma maneira que eu gosto de imaginar como uma “cultura pura”, de modo que naquele
momento a pessoa é seu medo, ou é sua raiva, ou é sua ternura, ou o que quer que seja. 
Talvez possa novamente esclarecer isso fornecendo um exemplo de um cliente que