A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
38 pág.
Slides_5 [Modo de Compatibilidade]

Pré-visualização | Página 2 de 3

5.3 A Contabilidade do Balanço de 
Pagamentos
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Natureza dos lançamentos no balanço de pagamentos:
Balança Comercial
Exportações: crédito
Importações: débito
Balança de Serviços
Operação dá origem a entrada de recursos: crédito
Operação dá origem a saída de recursos: débito
Lucros reinvestidos: débito
5.3 A Contabilidade do Balanço de Pagamentos
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Transferências Unilaterais
Operação dá origem a entrada de recursos e merc.: crédito
Operação dá origem a saída de recursos e merc.: débito
Movimento de Capitais
Operação dá origem a entrada de recursos: crédito
Operação dá origem a saída de recursos: débito
Variação de Reservas
Redução das reservas: crédito
Acréscimo das reservas: débito
5.3 A Contabilidade do Balanço de Pagamentos
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Duas operações merecem comentários adicionais:
Na operação lucros reinvestidos, o lançamento é
feito a débito na conta rendas de capital. Contudo,
como tal operação não gerou saída de divisas, acomo tal operação não gerou saída de divisas, a
conta a ser creditada não pode ser a conta variação
de reservas. A conta que então é creditada é a
conta reinvestimentos.
� Como de fato a movimentação de divisas não existe
nesse caso, simplesmente debita-se a conta rendas de capital e,
em vez de se creditar a conta investimentos, dá-se um destaque ao
fato de se tratar de recursos reinvestidos pelo capital estrangeiro no
país e credita-se então a conta reinvestimentos.
5.3 A Contabilidade do Balanço de Pagamentos
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Nas transações unilaterais, apesar do termo
unilateral, tais operações devem respeitar o método das
partidas dobradas. Se tal operação resultou em entrada de
divisas, deve ser feito um lançamento a débito na conta
variação de reservas. Mas qual conta deverá ser creditada?variação de reservas. Mas qual conta deverá ser creditada?
Justamente, a conta transferência unilateral.
� Num caso onde ocorra um terremoto ou qualquer tipo
de catástrofe natural, e em função disso tenha recebido ajuda em
espécie do exterior, o débito deve ser feito na conta importações.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.1 Taxa de Câmbio
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Define-se taxa de câmbio como o preço, em moeda nacional,
de uma unidade de moeda estrangeira (dólar, por exemplo).
Uma elevação da taxa de câmbio representa umaUma elevação da taxa de câmbio representa uma
desvalorização. Uma queda da taxa de câmbio representa uma
valorização.
As valorizações e desvalorizações da taxa de câmbio têm
importantes implicações sobre as transações entre
residentes e não-residentes e, conseqüentemente, sobre
o balanço de pagamentos.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.1 Taxa de Câmbio
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Uma desvalorização cambial tende a desestimular as
importações e estimular as exportações, pois, no mercado interno,
encarece os bens importados e aumenta a renda dos exportadoresencarece os bens importados e aumenta a renda dos exportadores
e, no mercado externo, barateia os bens que o país exporta.
Nos referimos até agora à taxa nominal de câmbio. Mas julga-
se mais correto considerar a taxa de câmbio em seu conceito real.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.1 Taxa de Câmbio
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Logo, podemos definir a taxa de câmbio real como:
E = e. P*E = e. P*
P
Onde E = taxa de câmbio real
e = taxa de câmbio nominal
P* = índice de preços do país estrangeiro
P = índice de preços no mercado nacional
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.1 Taxa de Câmbio
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
No cômputo da taxa de câmbio real, temos de levar em
conta tanto a inflação interna quanto a inflação externa,
isto é, a inflação do país cuja moeda estamos considerandoisto é, a inflação do país cuja moeda estamos considerando
no cálculo da taxa de câmbio (inflação dos Estados Unidos,
se estivermos calculando a taxa de câmbio da moeda
doméstica em relação ao dólar americano).
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.1 Taxa de Câmbio
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Contudo, o conceito de taxa de câmbio real apresentado
enfrenta alguns problemas de ordem teórica e prática:
1º - Existe uma série de outros fatores importantes no1º - Existe uma série de outros fatores importantes no
cálculo da taxa de câmbio real, tais como o grau de abertura
da economia, a preferência dos consumidores e os ganhos de
produtividade no setor exportador.
2º - A inflação é um cálculo médio que inclui uma série de
bens e serviços, muitos dos quais não são comercializados no
mercado internacional.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.2 Regimes Cambiais
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
O nível da taxa de câmbio pode ser determinado ou pelas
forças de mercado (pelo confronto entre oferta de divisas e
demanda por elas) ou a partir da interferência do governo no
mercado cambial (fixando a taxa).mercado cambial (fixando a taxa).
Dadas essas duas possibilidades, podem ser definidos três
regimes para o mercado cambial:
regime de câmbio flutuante
regime de câmbio fixo
regime misto
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.2 Regimes Cambiais
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
No regime de câmbio flutuante, a taxa de câmbio oscila
livremente para garantir o equilíbrio do mercado, isto é, o equilíbrio
entre oferta e demanda por moeda estrangeira.
- A oferta é determinada pelos exportadores e pelos demais
residentes que recebem renda e outros recursos de não residentes.
- A demanda é exercida pelos importadores e pelos residentes que
transferem renda e demais recursos para o resto do mundo.
� quanto maior for a taxa real de câmbio, menor será a
quantidade de moeda estrangeira procurada, visto que ela significa que os
bens e serviços importados estão caros em moeda doméstica.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.2 Regimes Cambiais
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Não há Não há 
interferência da 
autoridade 
econômica
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.2 Regimes Cambiais
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
No regime de câmbio fixo, cujo nível é determinado pelo
Banco Central. Obviamente, não se determina o nível da taxa por
decreto ou qualquer outro tipo de norma. O mecanismo de
intervenção se dá a partir da compra e venda da moeda estrangeiraintervenção se dá a partir da compra e venda da moeda estrangeira
no mercado, pelo Banco Central, por um valor fixo.
O chamado currency board consiste num sistema de câmbio
fixo que envolve desdobramentos também em outras instâncias da
política econômica, particularmente na política monetária. É,
portanto, uma espécie de versão contemporânea do antigo padrão-
ouro, adaptada a um mundo em que o meio internacional de
pagamento é uma moeda fiduciária.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.2 Regimes Cambiais
Capa
da Obra
Capítulo V
O Balanço de Pagamentos
Atualmente, a maioria dos países adota o regime misto.
Nesse sistema, a taxa de câmbio pode variar dentro de um
limite mínimo e outro máximo, determinados pelo Bancolimite mínimo e outro máximo, determinados pelo Banco
Central. Caso a taxa atinja qualquer um desses limites, o
Banco Central intervém no mercado, ou comprando a uma
taxa fixa, no caso do câmbio atingir o limite mínimo, ou
vendendo, no caso de o câmbio atingir o limite máximo.
5.4 Taxa de Câmbio e Regimes Cambiais
5.4.3 Taxa de câmbio: fatores