A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Pim6

Pré-visualização | Página 2 de 6

que 
culminara na criação de um documento baseado em cartão inteligente. Ferramenta segura que 
permite ao cidadão a identificação por meio eletrônico, com muita segurança. 
2. OBJETIVO 
Solução completa de Cartão Eletrônico para a Prefeitura de Curitiba, com utilização 
de tecnologia avançada e de acordo com a política da democratização da informação para 
troca do atual documento de Identidade, pelo Registro de Identidade Civil – RiC. 
Substituição, e aquisição de equipamentos necessários para realização da troca do documento, 
qualificação profissional, adequação dos postos de atendimento dos cidadãos, criação de 
portal. 
Para garantir que essas operações sejam feitas de forma simples e segura, tecnologias 
em voga como o uso de cartões com chips – chamados smartcards –, já comuns em 
instituições financeiras como bancos e operadoras de cartão de crédito, estão sendo associadas 
à biometria. 
 
A biometria consiste no uso da medida do ser humano para identificá-lo. Alguns 
tipos comuns de biometria são a impressão digital, a íris, a voz ou mesmo a assinatura. A 
modalidade mais comum e considerada viável economicamente consiste na captura da 
impressão digital e no armazenamento desses dados biométricos em um smartcard. O cartão 
só libera o acesso se a informação biométrica apresentada for a mesma que está armazenada 
no cartão. Isso garante que somente o verdadeiro dono do cartão o utilizara. 
 
 
 
Arquitetura de Rede Linux porposta 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 Internet 
Aplicação Web 
Interface com 
cidadãos 
 
Banco de Dados do 
Governo do Paraná 
AC 
 
Firewall 
 
3. IMPLANTACAO DE REDE LINUX E BANCO DE DADOS 
Como proposta de Rede a ser implementada para estrutura de rede, o Governo do 
Paraná entende que melhor alternativa é a adoção da Rede Linux. Esta decisão está baseada 
em uma série de fatores que vão desde o esforço das diversas esferas do governo brasileiro 
pelo uso de Software Livre até a alta qualidade na arquitetura de Rede Linux. 
Para contratação do serviço e implementação do projeto uma licitação pública deve 
ser aberta para se avaliar as melhores propostas. O projeto tem como objetivo a emissão do 
Registro Geral dos cidadãos curitibanos pela forma eletrônica onde por meio da Internet será 
possível emitir este documento. 
A arquitetura do projeto é dividida da seguinte forma: 
1. Banco de Dados – Repositório de dados onde serão armazenados as informações 
dos cidadãos paranaenses. 
2. Servidor Web – Home Page onde os usuários poderão emitir o documento digital. 
3. AC – Autoridade Certificadora – Entidade confiável do ponto de vista jurídico, 
capaz de emitir o certificado digital. O certificado digital é transmitido através de 
uma conexão segura , que usa um protocolo de transmissão específico para 
transmitir dados criptografados : o SSL (Security Socket Layer). 
 
3.1. MODELO DE BANCO DE DADOS 
Para implementação deste projeto chegou-se a conclusão que é necessária o 
recadastramento de todos os cidadãos conforme os mesmos forem solicitando seu novo 
documento digital. Para isso deve ser desenvolvido pela empresa prestadora do serviço um 
Banco de Dados contendo as informações necessárias para identificar cada pessoa física 
solicitante do documento. 
O servidor recomendado é Banco de Dados Oracle 11g, devido à sua alta 
performance para carga de dados de grande porte, fora isso este banco garante escalabilidade, 
segurança e capacidade de gerenciamento, o que deve ser levado em conta devido a 
probabilidade da entrada de milhões de registros na base de dados. 
 
Abaixo há uma descrição dos dados que deve ser implementado e modelo de 
relacionamento entre as entidades. 
3.2. MODELAGEM DE DADOS 
 
TB_CIDADAO 
COLUNA TIPO DE DADO NULO INFORMACÃO 
ID_CIDADAO NUMBER N Chave primária da tabela 
NOME VARCHAR2(200) N Nome do cidadão 
DT_NASCIMENTO DATE N Data de nascimento 
LOCAL_NASCIMENTO VARCHAR2(100) S Cidade de Nascimento 
UF CHAR2(2) S Unidade Federativa 
FILIACAO_ID NUMBER N Chave estrangeira para a tabela de Filiacao 
ENDERECO_ID NUMBER N Chave estrangeira para a tabela de endereço 
VALIDADE_RG DATE S Data de validade do RG a ser emitido 
CHAVE_PUBLICA VARCHAR2(100) S Chave publica identificadora do cidadão 
DIGITAL CLOB S Leitura biometrica do cidadao 
COMMENTS VARCHAR2(240) S Comentários gerais 
 
TB_ENDERECO 
COLUNA TIPO DE DADO NULO INFORMACÃO 
ID_ENDERECO NUMBER N Chave primaria da tabela 
Rua Rua do cidadão 
Numero Numero 
Complemento Complemento do endereço 
Bairro Bairro do cidadão 
CEP CEP do cidadão 
Cidade Cidade do cidadão 
Estado Estado do cidadão 
UF UF do cidadão 
Pais Pais do cidadao 
 
TB_CIDADAO_DETAILS 
COLUNA TIPO NULO INFORMACAO 
CHAVE_PUBLICA VARCHAR2(100) N Chave Publica que identifica o cidadão 
TITULO_ELEITOR NUMBER S Num. do titulo de eleitor 
NACIONALIDADE VARCHAR2(50) S Origem do cidadão 
PROFISSAO VARCHAR2(100) S Profissao do cidadão 
CPF VARCHAR2(15) S Numero do CPF 
NUM_VIAS VARCHAR2(20) S Num. de vias do Registro emitidas 
COMENTARIOS VARCHAR2(240) S Comentários gerais 
COLUNA TIPO NULO INFORMACAO 
FILIACAO_ID NUMBER N Chave Primaria da tabela 
 
TB_FILIACAO 
3.3. BANCO DE DADOS 
 
 TB_CIDADAO TB_ENDERECO 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 TB_FILIACAO 
 TB_CIDADAO_DETAILS 
 
 
 
 
 
 
 
ID_CIDADAO 
Nome 
Dt_nascimento 
Local_Nasc 
UF 
Filiacao_ID 
Endereco_ID 
Validade_RG 
Chave_Publica 
Digital 
Comments 
ENDERECO_ID 
Rua 
Numero 
Complemento 
Bairro 
CEP 
Cidade 
Estado 
UF 
Pais 
Chave_Publica 
Titulo_eleitor 
Nacionalidade 
Profissao 
CPF 
Num_Vias 
Comentarios 
FILIACAO_ID 
Cod_Filiacao 
Nome 
Endereco_ID 
Tipo_Parentesco 
RG 
CPF 
Comentarios 
 
3.4. ARMAZENAMENTO DE CHAVE PRIVADA 
Com a ideia de Sistema Publico Digital há a preocupação com a segurança dos dados 
informados e sua armazenagem, por isso tem-se a necessidade de se usar um controle de 
acesso dos usuários solicitando um certificado digital do cliente evitando-se o tradicional 
usuário-senha.Com o uso de certificados digitais o cidadão pode selar sua correspondência 
em um envelope digital criptografado e certificar-se de que apenas o seu destinatário será 
capaz de compreender seu conteúdo. 
Com o uso do Linux é possível utilizar o openssl para gerir e gerenciar os 
certificados digitais. Deverá ser implementado também o método de criptografia assimétrico, 
COD_FILIACAO VARCHAR2(20) N Código que identifica o tipo de relacionamento 
parental 
NOME VARCHAR2(100) S Nome do cidadão 
ENDERECO_ID NUMBER S Chave estrangeira da tabela de endereço 
TIPO_PARENTESCO VARCHAR2(15) S Tipo de parentesco – Pai, Mae, Outros 
RG VARCHAR2(20) S Numero do RG 
CPF VARCHAR2(240) S Numero do CPF 
 
onde duas partes trocam informações criptografadas porém, a origem geralmente utiliza uma 
chave privada para criptografar os dados e o destino utiliza uma chave pública para fazer