Prática Profissional e Interdisciplinariedade

Prática Profissional e Interdisciplinariedade


DisciplinaDireito e Legislacao Social217 materiais9.252 seguidores
Pré-visualização8 páginas
2
Professora Ms. Amanda Boza Gonçalves
EspEcialização Em GEstão social, políticas públicas, 
REdEs E dEfEsa dE diREitos
 PRÁTICA PROFISSIONAL E INTERDISCIPLINARIDADE
UNOPAR - Londrina
SEPC - Sistema de Ensino Presencial Conectado
Rua Tietê, 1208 - Vila Nova
86025-230 - Londrina - PR
Tel: (43) 3371-7461 / 3371-7416
Fax: (43) 3371-7459
Universidade Responsável:
UNOPAR - UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ
SEPC - Sistema de Ensino Presencial Conectado
Chanceler Prof. Marco Antonio Laffranchi
Reitora Profa. Wilma Jandre Mello
Pro-Reitora de EAD Profa. Elisa Maria Assis
Especialização em Gestão Social, Políticas Públicas, Redes e Defesa de Direitos
Coordenador: Prof. Rodrigo Zambon
Diagramação:
Melissa Zuan 
3
Professora Ms. Amanda Boza Gonçalves
EspEcialização Em GEstão social, políticas públicas, 
REdEs E dEfEsa dE diREitos
 PRÁTICA PROFISSIONAL E INTERDISCIPLINARIDADE
1 A PRÁTICA SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL 
Quando pensamos no termo prática profissional logo nos vem em mente \u201co que o profissional 
faz\u201d. Parece-nos uma definição simplista, entretanto carregada de conceitos. À guisa de introdução, 
parafraseamos Gentilli (2006) no que se refere à temática. Segundo ela, na prática é \u201cconstituído o universo 
simbólico profissional, pelo qual são exteriorizadas, objetivadas e legitimadas as atitudes, as condutas e 
as ações\u201d do profissional, se expressa por meio de \u201creferências a valores ideológicos veiculados\u201d pelas 
categorias profissionais. É na prática que se expressa o modo de ser da profissão. 
Karl Marx, na concepção \u201cnovo humanismo\u201d, afirma que o homem precisa produzir as condições de 
sua existência por meio do trabalho. O princípio básico de Marx está no materialismo histórico, o qual tem 
o trabalho como seu fundamento. O trabalho é algo de existência natural, considerando que o homem 
tem capacidades físicas e intelectuais para exercer determinadas ações. O trabalho é visto como prática 
na transformação da natureza. Assim, trabalho é a natureza humanizada, constituinte, originária do ser 
social, a objetivação da natureza, o trabalho é a possibilidade de afirmação do gênero humano. Nesse 
contexto, a força de trabalho se torna uma mercadoria, que é vendida pela remuneração mensal.
O trabalhador torna-se tanto mais pobre quanto mais riqueza produz, quanto mais a sua produção aumenta em 
poder e em extensão. O trabalhador torna-se uma mercadoria tanto mais barata, quanto maior o número de bens 
produz. Com a valorização do mundo das coisas aumenta em proporção direta a desvalorização do mundo dos 
homens. O trabalho não produz apenas mercadorias; produz-se também a si mesmo e ao trabalhador como uma 
mercadoria, e justamente na mesma proporção com que produz bens. Semelhante facto implica apenas que o 
objeto produzido pelo trabalho, o seu produto, se lhe opõe como ser estranho, como um poder independente do 
produtor. O produto do trabalho é o trabalho que se fixou num objeto, que se transformou em coisa física, é a 
objetivação do trabalho. A realização do trabalho aparece na esfera da economia política como desrealização do 
trabalhador, a objetivação como perda e servidão ao objeto, a apropriação como alienação (MARX, 2002, p. 111).
 
Para Marx, a lei fundamental de transformação de uma sociedade está vinculada ao desenvolvimento 
das suas forças produtivas, e é na expansão dessas forças que se encontram as relações de propriedade, 
a distribuição de renda entre os homens e as classes sociais.
A prática profissional aponta os caminhos da legitimidade de cada profissão, ou seja, o reconhecimento 
de que essa profissão apresenta respostas às demandas. Elencamos, dessa forma, três dimensões que 
compõem o todo da prática profissional.
A dimensão teórico-metodológica é definida como o modo pelo qual damos significado aos fenômenos 
vinculados à profissão. É necessário um intenso rigor teórico-metodológico a fim de que o profissional 
enxergue a dinâmica da sociedade para além dos fenômenos aparentes, buscando apreender sua 
essência, seu movimento e as possibilidades de construção de novas possibilidades profissionais. Tal 
perspectiva direciona a ampliação da visão acerca do movimento das classes sociais e do Estado, bem 
como suas relações com a sociedade, pois a atual conjuntura, ou até mesmo a construção histórica da 
realidade, não se configura como um pano de fundo da prática profissional; muito pelo contrário, ela faz 
parte da teia que tece o cotidiano profissional, afetando diretamente a sua demanda. 
Na dimensão ético-política, entendemos que o profissional em sua prática social não deve ser 
neutro, mas sim ter um posicionamento político frente às questões sociais, para que possa ter clareza 
de qual é a direção a ser tomada na sua prática. Além disso, ressaltamos algumas orientações que as 
próprias categorias profissionais constroem, como é o caso do Código de Ética dos Assistentes Sociais 
ou psicólogos, ou o Projeto Ético-político do Serviço Social, por exemplo. Trata-se de aspectos valorativos 
que dão um norte à prática profissional e que expressam o compromisso dos profissionais com a defesa 
dos direitos da população, da efetiva cidadania e justiça social, de uma democracia participativa e não 
4
Professora Ms. Amanda Boza Gonçalves
EspEcialização Em GEstão social, políticas públicas, 
REdEs E dEfEsa dE diREitos
 PRÁTICA PROFISSIONAL E INTERDISCIPLINARIDADE
somente representativa. Em suma, busca alcançar uma sociedade mais justa e igualitária.
A dimensão técnico-operativa significa ter conhecimento e se apropriar de um conjunto de habilidades 
técnicas que permitam desenvolver as suas atribuições profissionais. Isso garante um desempenho 
qualificado na instituição empregadora, por responder coerentemente às demandas postas no mercado 
de trabalho. 
Neste prisma, nenhuma das dimensões deve ser desenvolvida separadamente para que a prática 
profissional não se torne fragmentada, neutra e vazia de aspectos teóricos e operativos. Toda prática 
deve estar aliada a uma teoria, para que se construa uma prática reinventada, uma práxis.
 
 PRÁTICA + TEORIA = PRÁXIS 
A prática é tudo o que o ser humano faz, nenhuma prática é neutra. A teoria é a abstração mental, 
ou seja, a prática na sua dimensão abstrata. A práxis, por sua vez, é a reunião da prática com a teoria. A 
partir do momento que aliamos esses dois conceitos, temos a catarse, enquanto passagem de um nível 
menor para um nível maior de conhecimento. \u201cAquilo que eu sabia, agora continuo sabendo de uma forma 
melhor\u201d. Olhar para lado que já se conhecia, entretanto, após o aprendizado, ter um olhar diferenciado. 
É diante desse contexto que situamos a prática social às nossas discussões, que nada mais é do 
que o saber acumulado pelo ser humano de sua história. Segundo Triviños (2006, p. 122), \u201ca práxis, ou 
a prática social é a unidade da teoria e da prática. É o mundo material social elaborado e organizado 
pelo ser humano no desenvolvimento de sua existência como ser racional\u201d. O mundo material social está 
em constante processo de movimento para organização ou reorganização. Os seres humanos, grupos, 
indivíduos ou classes sociais, enquanto seres sociais realizam atividades práticas de transformação da 
natureza, da sociedade.
É evidente que existem teorias específicas que não tem a mesma relação com a atividade prática. Mas, não es-
queçamos que estamos a falar neste momento das relações entre teoria e prática no transcurso de um processo 
histórico-social que tem seu lado teórico e o seu lado prático. Na verdade, a história da teoria (do saber humano no 
seu conjunto) e da práxis (das atividades práticas do homem) são abstrações de uma única e verdadeira história: 
a história humana. É uma prova de mecanismo dividir abstratamente essa história em duas, e depois tratar de 
encontrar uma relação direta e imediata entre um segmento