A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
atencao basica na saude mental

Pré-visualização | Página 1 de 1

Atenção básica na saúde mental
Prof: Carolina Cunha e Douglas Monteiro
Introdução
• A assistência psiquiátrica  inserida na
estratégia de Atenção Primária através da
implementação de equipes mínimas de saúde
mental nas Unidades Básicas de Saúde (UBS).
• Trabalho voltado para prevenção e tratamento
segundo seu nível de complexidade.
Introdução 
Características:
• Estar associada às demais ações da atenção básica;
• Assegurar o bem estar da comunidade e do indivíduo;
• Privilegiar as ações preventivas, individuais e
coletivas;
• Alocar os programas de saúde mental em diferentes
serviços de atenção básica;
• Utilizar novas estratégias de abordagem em saúde;
• Agregar profissionais com diferentes formações;
• Considerar as características da comunidade
Histórico
• Décadas de 50 e 60:
- Surge uma nova tendência em relação aos
tratamentos dos transtornos comportamentais,
os programas de psiquiatria comunitária.
Histórico
• Década de 70:
- Movimento mais amplo – de diversos países – de
mudança e superação do modelo asilar:
Do hospital psiquiátrico para formas mais
comunitárias de atenção à saúde mental.
- Implantação de Centros de Atenção Psicossocial
(CAPS)
Histórico 
Década de 80:
• mudança radical - forma como eram
representados e percebidos os loucos, como
esses eram tratados do ponto de vista dos
direitos e da assistência nas instituições
psiquiátricas brasileiras.
Equipe 
Médico 
Psiquiatra
Psicólogo
Assistente 
Social
Equipe
• A intervenção conjunta da equipe em saúde
mental tem como estratégia atingir a meta de
substituição do confinamento nos hospitais
psiquiátricos pelo cuidado comunitário
das pessoas que sofrem com transtornos
mentais.
Distúrbios mais comuns
• Transtorno afetivo bipolar,
• Psicoses, epilepsia, dependência de álcool e de
substâncias psicoativas,
• Doença de Alzheimer e outras demências,
• Doença de Parkinson, esclerose múltipla,
• Distúrbio da dependência pós-traumática de
drogas, transtornos obsessivo-compulsivos,
• Transtornos de pânico, distúrbios do sono e
transtornos da infância e da adolescência
Ações 
• Capacitação e supervisão para as equipes de
saúde da família (ESF) completa, desenvolvendo
temáticas relacionadas aos direitos de cidadania
e direitos humanos.
• Intervenções familiares comunitárias conjuntas
como um instrumento de capacitação.
Ações 
• Criação de uma equipe volante de saúde mental
por parte dos serviços de saúde mental
substitutivos.
• Integrar a saúde mental nas diversas atividades
de grupos oferecidas pelo PSF (caminhadas,
ginástica terapêutica, salas de espera, oficinas).
Ações 
• Articulações com as diversas formas de
organizações populares (associações de bairro,
grupos de auto-ajuda, etc).
• Promover ações para diminuir o comportamento
violento, abuso de álcool/consumo de drogas,
isolamento social/afetivo.
Orientações para avaliação do usuário 
portador de transtorno mental
• Observe o usuário – não basta apenas se
basear pela família.
• Suspenda os preconceitos – saber escutar é
muito importante
• Mantenha segredo - determinadas situações
que podem gerar medo e vergonha, por isso,
respeito é fundamental.
Orientações para avaliação do usuário 
portador de transtorno mental
• Escute o usuário - O fato do usuário sentir-se
ouvido, compreendido e respeitado em sua
necessidades psicossociais cria um sentimento
de auto-confiança, estimulando-o a buscar
soluções para seus problemas.
Dados do usuário
• Nome, sexo e idade
• Resumo do caso:
- dados da história de vida lhe pareceram
importantes.
- Algo desencadeou a crise atual.
- Faz uso de algum medicamento clínico,
neurológico ou psiquiátrico.
Dados do usuário
Estado atual - aspectos da pessoa.
• Está triste? Angustiada? Dorme mal? Alimenta-se
mal?
• Ameaça se machucar ou se matar?
• Tem sido agressiva com as pessoas que convivem
com ela?
• Tem alucinações?
• Fala coisas incompreensíveis
• Fica achando que pessoas a perseguem?
• Está usando álcool ou outras drogas que possam
justificar este comportamento?
Dados do usuário
Dados familiares
• A família tem importância especial no
problema?
• O usuário fica preso em casa (cárcere privado)?
• Está havendo violência ou negligência?
Saúde mental infantil
• São encontradas altas taxas de prevalência de
transtornos mentais.
Saúde mental infantil
• Achados:
- Os pais não costumam queixar-se dos problemas
emocionais ou de comportamento de seus filhos
aos pediatras;
- Os pediatras têm dificuldade de identificar os
problemas ou valorizar sua importância;
Saúde mental infantil
• Achados:
- Os pediatras têm receio de colocar "rótulos
deletérios" em seus pequenos pacientes;
- Os pediatras são relutantes em expressar o
diagnóstico para os pais por recear não ter
tempo ou habilidade suficiente para lidar com o
problema.