A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
CONCEITO DE CONSTITUIÇÃO

Pré-visualização | Página 1 de 2

Conceito de Constituição
A Constituição é objeto de estudo do Direito Constitucional e lei fundamental e suprema de um Estado (criada pela vontade soberana do povo). A Constituição determina: a) organização político-jurídica do Estado; b) dispõe sobre a sua forma; c) órgãos que o integram e as competências; d) aquisição e o exercício do poder; e) estabelece as limitações ao poder do Estado; f) enumera os direitos e garantias fundamentais.
O doutrinador J. J. Canotilho preconizou a concepção de Constituição ideal que tem caráter ideal e apresenta os seguintes elementos: a) deve ser escrita (segurança jurídica); b) deve conter um sistema de direitos fundamentais individuais (liberdades negativas); c) deve conter a definição e o reconhecimento do princípio da separação de poderes; d) deve conter um sistema democrático formal.
A liberdade negativa significa que uma ação não é obstaculizada, então posso realizá-la. A liberdade positiva significa que o meu querer é livre, não sendo determinado pelo querer de outro.
Todos os quatro elementos estão intrinsecamente relacionados à limitação do poder coercitivo do Estado. Um exemplo relacionado ao conceito de Constituição ideal, é a disposição do artigo 16 da Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão de 1789: "A sociedade em que não esteja assegurada a garantia dos direitos nem estabelecida a separação dos poderes não tem Constituição."
A doutrina não é pacífica quanto à definição do conceito de Constituição, podendo ser analisado a partir de diversas concepções, haja visto que o direito não pode ser isoladamente estudado de outras ciências sociais:
1- Sentido Sociológico
O sentido sociológico surgiu no século XIX e foi definido por Ferdinand Lassale. Segundo a concepção sociológica, a Constituição é um fato social, e não uma norma jurídica. A constituição real e efetiva de um Estado consiste na soma dos fatores reais de poder que vigoram na sociedade, assim, é um reflexo das relações de poder que existem no Estado (é o embate das forças econômicas, sociais, políticas e religiosas que forma a Constituição real).
Na Prússia do tempo de Lassalle, os fatores reais de poder (forças econômicas, políticas e sociais) eram determinados pelo choque de interesses dos diversos setores do processo político: monarquia, exército, aristocracia, grandes industriais, banqueiros pequena burguesia e a classe operária, ou seja, o povo. O equilíbrio instável entre esses interesses tinha como resultado a Constituição real.
Existe também a Constituição escrita (jurídica), cuja finalidade é reunir em um texto formal, de modo sintetizado, os fatores reais de poder que vigoram na sociedade. Nessa aparência, a Constituição escrita é uma simples "folha de papel", e somente será eficaz (produzirá efeito ou resultado) e duradoura caso reflita os fatores reais de poder da sociedade. Caso haja um conflito entre a Constituição real e a Constituição escrita, deverá prevalecer a primeira. Caso haja plena correspondência entre a Constituição escrita e os fatores reais de poder, estaremos diante de uma situação ideal.
Em síntese, para Lassalle, coexistem em um Estado duas Constituições: uma Constituição real (efetiva), correspondente à soma dos fatores reais de poder que regem o país, e a Constituição escrita, que consiste apenas numa "folha de papel". Percebe-se que, a concepção sociológica busca definir o que a constituição realmente é, ou seja, ela é material (leva em conta a matéria) e não formal (não leva em conta a forma pelo qual foi criada).
A partir dessa lógica, o doutrinador Lassalle entendeu que todo e qualquer Estado sempre esteve e sempre terá uma constituição real e efetiva, independentemente da existência de um texto escrito. A Constituição não é algo dos tempos modernos, desse modo, com a evolução do constitucionalismo, foram criadas as Constituições escritas.
2- Sentido Político
A partir de sua obra "A Teoria da Constituição- 1920", o doutrinador Carl Schmitt, preconizou que a Constituição, seria fruto da vontade do povo titular do poder constituinte, por isso mesmo, é que essa teoria é considerada decisionista ou volutanrista.
A Constituição é uma decisão política fundamental que visa estruturar e organizar os elementos essenciais do Estado. A validade da Constituição baseia-se na decisão política que lhe dá assistência, e não na justiça de suas normas. Não importa se a Constituição corresponde ou não aos fatores reais de poder que imperam na sociedade, o que importa tão somente é que a Constituição é um produto da vontade do titular do poder constituinte.
Schmitt distingue a Constituição de leis constitucionais. Constituição é a disposição apenas sobre matérias de grande relevância jurídica (decisões políticas fundamentais), como por exemplo a organização do Estado. As leis constitucionais são normas que fazem parte formalmente do texto constitucional, mas que tratam de assuntos de menor importância.
A concepção política de Constituição tem relação com a classificação das normas materialmente constitucionais e formalmente constitucionais. Segundo Schimit, as normas constitucionais correspondem àquilo que o autor denominou "Constituição"; já as normas formalmente constitucionais são as que o autor chamou de "leis constitucionais".
3- Sentido Jurídico
Hans Kelsen, criador da Teoria Pura do Direito, preconizou outra importante concepção de Constituição. Nessa concepção, a Constituição é entendida como norma jurídica pura, sem qualquer consideração de cunho sociológico, político ou filosófico. Ela é norma superior e fundamental do Estado, que organiza e estrutura o poder político, limita a atuação estatal e estabelece direitos e garantias individuais.
Segundo Kelsen, a Constituição não tem seu fundamento de validade nos fatores reais de poder, quer dizer, sua validade (não se apoia na realidade social do Estado (posição defendida por Lassalle- concepção sociológica). Kelsen concebeu o ordenamento jurídico como um sistema em que há um escalonamento hierárquico das normas, assim sendo, as normas jurídicas inferiores (normas fundadas) sempre retiram seu fundamento de validade das normas jurídicas superiores (normas fundantes), destarte, um decreto retira seu fundamento de validade das leis ordinárias; por sua vez, a validade das leis ordinárias se apoia na Constituição.
 
Pergunta-se: De qual norma a Constituição, enquanto Lei suprema do Estado, retira seu fundamento de validade?
Segundo Kelsen, a resposta a essa pergunta depende da compreensão da Constituição a partir dos dois sentidos:
a) sentido lógico-jurídico: a Constituição é a norma hipotética fundamental (não real, mas sim imaginada, pressuposta) que serve como fundamento lógico transcendental (superior) de validade da Constituição em sentido jurídico-positivo. Esta norma não possui um enunciado explícito, apenas consiste numa ordem, dirigida a todos, de obediência à Constituição positiva, ou seja, é como se a norma dissesse :"Obedeça-se a Constituição positiva".
b) sentido jurídico-positivo: a Constituição é uma norma positiva suprema, que serve para regular a criação de todas as outras. É um documento solene cujo o seu conteúdo só pode ser alterado mediante procedimento especial. No Brasil, atualmente, está em vigência a Constituição Federal de 1988 (CF/88).
Conforme o sistema proposto por Kelsen, o fundamento de validade das normas está na hierarquia entre elas, isto é, toda norma apoia sua validade na norma imediatamente superior, igualmente, com a Constituição Positiva (escrita) não é diferente: seu fundamento de validade está na norma hipotética fundamental, que é norma pressuposta, imaginada.
4- Sentido Cultural
Preconizado por Meirelles Teixeira, a constituição no sentido cultural, só pode ser entendido como objeto cultural, ou seja, uma parte da Cultura. Conforme Meirelles, o direito não é:
a) real: uma vez que os seres reais pertencem à natureza, como por exemplo, uma pedra ou um rio;
b) ideal: uma vez que não se trata de uma relação (igualdade,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.