A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
188 pág.
Manual de Orientacao da ECD

Pré-visualização | Página 5 de 50

extinção, cisão parcial, cisão total, fusão ou incorporação, a ECD deverá ser entregue pelas 
pessoas jurídicas extintas, cindidas, fusionadas, incorporadas e incorporadoras até o último dia útil do mês 
subsequente ao do evento. 
 
§ 2º O prazo para entrega da ECD será encerrado às 23h59min59s (vinte e três horas, cinquenta e nove minutos 
e cinquenta e nove segundos), horário de Brasília, do dia fixado para entrega da escrituração. 
 
§ 3º A obrigatoriedade de entrega da ECD, na forma prevista no § 1º, não se aplica à incorporadora, nos casos 
em que as pessoas jurídicas, incorporadora e incorporada, estejam sob o mesmo controle societário desde o 
ano-calendário anterior ao do evento. 
 
§ 4º Nos casos de extinção, cisão parcial, cisão total, fusão ou incorporação, ocorridos de janeiro a maio do 
ano da entrega da ECD para situações normais, o prazo de que trata o § 1º será até o último dia útil do mês de 
junho do referido ano. 
 
Período da Escrituração Prazo de Entrega 
Situação normal Último dia útil do mês de junho do ano 
seguinte ao ano-calendário a que se refere a 
escrituração. 
Situação especial ocorrida de janeiro a maio do ano da entrega da ECD 
para situações normais (extinção, cisão parcial, cisão total, fusão ou 
incorporação) 
Último dia útil do mês de junho do ano 
seguinte ao ano-calendário a que se refere a 
escrituração. 
Situação especial de junho a dezembro do ano da entrega da ECD para 
situações normais (extinção, cisão parcial, cisão total, fusão ou 
incorporação) 
Último dia útil do mês seguinte ao do evento. 
 
 
Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis no 103/2013 Manual de Orientação do Leiaute da ECD 
Atualização: Dezembro de 2013 
 
RFB/Subsecretaria de Fiscalização/Coordenação Geral de Fiscalização/Div. de Escrituração Digital Página 9 de 188 
 
Seção 1.6. Livros Abrangidos pelo Sped Contábil 
 
Todos os livros da escrituração contábil podem ser incluídos no Sped Contábil, em suas diversas formas. 
 
O diário e o razão são, para o Sped Contábil, um livro digital único. Cabe ao PVA do Sped Contábil mostrá-los 
no formato escolhido pelo usuário. 
 
São previstas as seguintes formas de escrituração: 
 
• G - Diário Geral; 
• R - Diário com Escrituração Resumida (vinculado a livro auxiliar); 
• A - Diário Auxiliar; 
• Z - Razão Auxiliar; e 
• B - Livro de Balancetes Diários e Balanços. 
 
Estas formas de escrituração decorrem de disposições do Código Civil: 
 
Art. 1.180. Além dos demais livros exigidos por lei, é indispensável o Diário, que pode ser substituído por fichas 
no caso de escrituração mecanizada ou eletrônica. 
 
Art. 1.183. A escrituração será feita em idioma e moeda corrente nacionais e em forma contábil, por ordem 
cronológica de dia, mês e ano, sem intervalos em branco, nem entrelinhas, borrões, rasuras, emendas ou 
transportes para as margens. 
 
Assim, todas as empresas devem utilizar o livro Diário contemplando todos os fatos contábeis. Este livro é 
classificado, no Sped Contábil, como G - Livro Diário (completo, sem escrituração auxiliar). 
 
É o livro Diário que independe de qualquer outro. Portanto, ele não pode coexistir, em relação a um mesmo 
período, com quaisquer dos outros livros (R, A, Z ou B). 
 
O Código Civil estabelece, também, duas exceções. A primeira delas diz respeito à utilização de lançamentos, 
no Diário, por totais: 
 
Art. 1.184. No Diário serão lançadas, com individuação, clareza e caracterização do documento respectivo, dia 
a dia, por escrita direta ou reprodução, todas as operações relativas ao exercício da empresa. 
 
§ 1o Admite-se a escrituração resumida do Diário, com totais que não excedam o período de trinta 
dias, relativamente a contas cujas operações sejam numerosas ou realizadas fora da sede do 
estabelecimento, desde que utilizados livros auxiliares regularmente autenticados, para registro 
individualizado, e conservados os documentos que permitam a sua perfeita verificação. 
 
Temos, assim, mais três tipos de livro: 
 
• R - Livro Diário com Escrituração Resumida (com escrituração auxiliar): É o livro Diário que contem 
escrituração resumida, nos termos do § 1o do art. 1.184 do Código Civil, acima transcrito. Ele obriga a existência 
de livros auxiliares (A e Z) e não pode coexistir, em relação a um mesmo período, com os livros G e B. 
 
• A - Livro Diário Auxiliar ao Diário com Escrituração Resumida: É o livro auxiliar previsto no nos termos do 
§ 1o do art. 1.184 do Código Civil supramencionado, contendo os lançamentos individualizados das operações 
lançadas no Diário com Escrituração Resumida. 
 
• Z – Razão Auxiliar (Livro Contábil Auxiliar conforme leiaute definido pelo titular da escrituração): O livro Z 
um livro auxiliar a ser utilizado quando o leiaute do livro Diário Auxiliar não se mostrar adequado. É uma 
“tabela” onde o titular da escrituração define cada coluna e seu conteúdo. 
 
 
 
 
 
Anexo ao Ato Declaratório Executivo Cofis no 103/2013 Manual de Orientação do Leiaute da ECD 
Atualização: Dezembro de 2013 
 
RFB/Subsecretaria de Fiscalização/Coordenação Geral de Fiscalização/Div. de Escrituração Digital Página 10 de 188 
 
O artigo 1.185 do Código Civil estabelece que a pessoa jurídica que adotar o sistema de fichas de lançamentos 
poderá substituir o livro Diário pelo livro de Balancetes Diários e Balanços, observadas as mesmas formalidades 
extrínsecas exigidas para aquele.” Tem-se, assim, mais um livro: 
 
• B - Livro Balancetes Diários e Balanços: Somente o Banco Central regulamentou a utilização deste livro e, 
praticamente, só é encontrado em instituições financeiras. A legislação não obsta a utilização concomitante do 
livro “Balancetes Diários e Balanços” e de livros auxiliares. Existe a controvérsia sobre a obrigatoriedade de 
autenticação, pelas empresas não regulamentadas pelo Banco Central, das fichas de lançamento, conforme 
estabelecido no art. 1.181 do Código Civil, transcrito abaixo: 
 
Art. 1.181. Salvo disposição especial de lei, os livros obrigatórios e, se for o caso, as fichas, antes de postos em 
uso, devem ser autenticados no Registro Público de Empresas Mercantis. 
 
Seção 1.7. Regras de Convivência entre os Livros Abrangidos pelo Sped Contábil 
 
A escrituração G, Diário Geral, não pode conviver com nenhuma outra escrituração no mesmo período, ou seja, 
as escriturações principais (G, R ou B) não podem coexistir. 
 
A escrituração G não possui livros auxiliares (A ou Z), e, consequentemente, não pode conviver com esses tipos 
de escrituração. 
 
A escrituração resumida R pode conviver com os livros auxiliares (A e Z). 
 
O livro de balancetes e balanços diários B pode conviver com os livros auxiliares (A e Z). 
 
Seção 1.8. Hash do livro 
 
Ao ler o arquivo para a validação, o PVA do Sped Contábil calcula o hash do arquivo. O hash não tem letra "O" 
(é sempre o número ZERO (0)). 
 
Se o livro digital estiver validado, o hash do arquivo pode ser obtido utilizando o menu "Visualização > Dados 
da Escrituração". Despreze os separadores e o dígito verificador para transcrever o hash em quaisquer campos do arquivo. 
 
Seção 1.9. Impressão dos Livros 
 
São formas alternativas de escrituração: em papel, em fichas ou digital. 
 
Assim, elas não podem coexistir em relação ao mesmo período. Ou seja, não podem existir, ao mesmo tempo, 
dois livros diários em relação ao mesmo período, sendo um digital e outro impresso. 
 
Seção 1.10. Quantidade de Livros por Arquivo e Quantidade de Arquivos por Ano-Calendário 
 
O arquivo da ECD sempre corresponde a um livro, ou seja, não é possível que um arquivo contenha mais de um 
livro. Além disso, regra geral, a ECD será entregue em apenas um arquivo correspondente a todo o ano-calendário. 
 
Contudo, há

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.