Resumão de Direito Empresarial e Comercial
19 pág.

Resumão de Direito Empresarial e Comercial

Disciplina:Direito Comercial I47 materiais551 seguidores
Pré-visualização5 páginas
www.drgazolla.com

DIREITO COMERCIAL / IMPRESARIAL

Distinção Entre Atividade Empresarial (Art. 966 caput do CC):

Lucro:
Habitualidade (cota de participação não tem habitualidade):
Circulação de bens, produção, prestação de serviços

Organização:

Obs. Não é empresa, portanto não cabe falência nem tão pouco recuperação de empresas para: Profissional Liberal (no exercício de suas atividades de formação), Soc. Simples atividade não empresarial, Cooperativa é também sociedade simples.

O empresário (nunca é o sócio): pessoa física que exerce sozinha a atividade empresarial.

Capaz: a partir de 18 anos, entre 16 -18 anos e for emancipado (ato dos pais ou decisão judicial, colação de grau em curso superior, casamento, emprego publico, estabelecimento com economia própria poderá ser empresário)
Incapaz – Poderá ser empresário, pois assumiu uma referida empresa por herança ou porque a incapacidade é superveniente, precedente de autorização judicial.

Obs. Os bens do incapaz não relacionado com atividade empresarial não serão atingidos pelas dividas (art. 974§ 2º CC). Nas sociedades em que o patrimônio pessoa do sócio o incapazes não poderá ser sócio.

Livre de impedimentos: São proibições ao exercício da atividade empresarial.

Falido:

Servidor Publico: (Mais poderá ser sócio desde que não controle ou administre) – mesmo aposentado não poderá ser empresário.
Estrangeiro: Não pode explorar recursos minerais e exploração de radio difusão ou empresa jornalística.

OBS. Art. 973 do CC mesmo impedida realizar atividade empresarial responde pelas obrigações com patrimônio pessoal.

OBRIGAÇÃO DE PROVIDENCIAR SEU REGISTRO (Lei 8934/94)

SINREM –

 a) DNRC: Normatiza e fiscaliza a atividade da junta comercial.

 b) Junta comercial: Atribuição estadual: Faz três coisas:

I) Arquivamento: Quer dizer registro de empresa, ou seja, das documentações necessárias para sua constituição. Prazo para sanar algum vicio na documentação é de 30 dias ou se o vicio for insanável o registro ou arquivamento será indeferido.

II) Autenticação: Escrituração, ou seja, livro da empresa para produzirem prova deveram ser autentificado na junta.

III) Matricula: São de alguns profissionais que precisam se matricular na Junta Comercial, mais não é empresários (tradutor, administrador de armazém geral) (qualquer armazém), interprete, leiloeiro, trapicheiro (somente armazéns próximos ao porto).

Ex. Sede São Paulo – Junta comercial – SP mais se for abrir uma filial no RJ devera registrar nos dois locais. Sendo que averbação na junta de São Paulo e registro na junta do RJ.

 Empresário Rural: quando exerce atividade familiar não necessita de registro mais é facultado a ele seu registro na junta comercial.

 O empresário individual for casado ele poderá alienar e onerar bens imóveis sem a vênia conjugal (art. 978 CC).

Estabelecimento Comercial: é o conjunto de bens (corpóreos e incorpóreos – não existe fisicamente mais e valorado (Ex. Ponto comercial, razão social e denominação social, titulo do estabelecimento: e o nome fantasia ou seja esta na placa, clientela e aviamento (capacidade de gerar lucro), organizados para o exercício da atividade empresarial.

Trespasse – Alienação de todo o estabelecimento comercial, o nome empresarial não poderá ser alienado sozinho.

Formalidade da eficácia do trespasse:

1) Averbação na junta comercial,
2) Publicação desta averbação no diário oficial do Estado,
3) Notificação de credores se o alienante não tiver bens para saudar as dividas ( cabe pedido de falência no caso de não notificação),
4) Responsabilidade pelas dividas contraídas antes do trespasse: O adquirente assume as dividas desde que elas estejam contabilizadas e o alienante respondera solidariamente por um ano, sobre dividas vencidas da data da publicação e vencidas da data do vencimento da divida,
5) Clausula de não restabelecimento: no prazo de 5 anos caso o contrato nãos especifique este prazo.

Propriedade Industrial (Lei 9279/96)

Responsabilidade do INSTITUTO NACIONAL PROPRIEDADE INDUSTRIAL – INPI (Autarquia federal).

Patente: proteção do próprio produto
Registro Industrial: proteger a forma do objeto e o sinal pelo qual o mesmo e conhecido.

DIREITO COMERCIAL / EMPRESARIAL

Patente (Artigo 8º, 10, 18):

Devera provar:

Novidade não somente no Brasil mais também em outros países.

Atividade inventiva: Explicar qual a minha contribuição humana, como chegou ao resultado. (Obs. A mera mistura não enquadrara)
Aplicação Industrial: referente a seres vivo os transgênicos com aplicação industrial aplicara.

Procedimento: a) Faz requerimento detalhadamente, b) ficara 18 meses em sigilo (podendo pedir a antecipação), c) Exame pelo INPI , d) Tudo certo expedisse a carta patente.

Quais as espécies (art. 9º) e Prazos (art. 40):

Patente de Invenção: Algo absolutivamente novo, tem durabilidade de 20 anos do deposito sem prorrogação após cai em domínio publico

Modelo de utilidade: Melhoria em algo que já existe Ex. Direção Hidráulica tem durabilidade de 15 anos do deposito sem prorrogação após cai em domínio publico

Licença (art. 61 e seguintes): Meios que garantam que outra pessoa não explore sem previa autorização.

Voluntaria: Acordo, combinada pelas partes (contrato)

Compulsória (sendo temporária e não exclusiva): Foi obrigado a ceder podendo ser:

Abuso: Não explora ou explora pouco não permitindo sua exploração por outra pessoa. Existe sempre um pagamento.

Interesse publico ou emergência nacional: Devera ser declaro pelo poder executivo federal, podendo ser delegado. Ex. Koctel antidrogas o Brasil pode produzir para uso próprio. Existe sempre um pagamento mais muito inferior 20 % do preço de custo.

Nulidades de Patente (art. 46 e SS): Algum requisito não foi cumprido na concessão da carta de patente.

Administrativamente: Pedido no INPI, prazo do pedido seis meses da concessão.

Judicialmente: Titular + INPI na justiça federal no prazo da vigência.

Registro industrial

Marca: Um sinal que diferencia um produto ou serviço.

Requisitos (art.122, 124, 125 e 126):

Novidade relativa – referente ao ramo de atuação (principio da especificidade: uma marca e protegido naquele ramo especifico)

Não colidência com marca notoriamente conhecida.

	MARCA DE ALTO RENOME
	NOTORIAMENTE CONHECIDA

	Artigo 125 da Lei
	Artigo 126 da Lei

	Registrada no Brasil e o titular ele pede este reconhecimento esta proteção.
	Protegida independentemente de ser registrada no Brasil. Somente no próprio ramo de atividade.

	Torna-se protegida em outros ramos também
	

	
	

Livre de Impedimentos: temos de uso comum. Ex. Numero, agora se der uma roupagem diferente poderá ser registrado como marca.

Espécies de Marca:

Marca de produto ou serviço: E o sinal que serve para diferenciar um produto ou serviço de outro semelhante mais de origem diversa.
Marca de certificação: que dizer que determinado produto ou serviço foi testado de acordo com as regras técnicas da certificadora. Ex. Inmetro, ISSO 9.000 etc.
Marca coletiva: e aquela pleiteada por uma determinada associação ou grupo para ser utilizada pelos membros deste grupo. Ex. Marca de cooperativa UNIMED.

Prazo da marca: Pedido a cada 10 anos da concessão mais e permito do à prorrogação infinitamente.

Desenho industrial (art. 95 e 108): Formato diferenciado, aparência. Obs. Desenho industrial com prazo de duração de 10 anos na data do deposito sendo possível sua prorrogação por três períodos de cinco anos. O deposito de desenho industrial e de 180 dias podendo ser adiantado.

SOCIEDADES

Personalizadas: Tem personalidade jurídica, ou seja, foi registrada na junta comercial.

Soc. Simples: registro no Cartório registro civil
Soc. Empresarial: registro na Junta comercial
Nome coletivo

Com. Simples

LTDA

Não Personalizadas: não tem personalidade jurídica, ou seja, não foi registrada

Comum (Art. 986 a 990 do CC):

Opção: Não tem interesse de fazer o registro
Transitória: