A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
349 pág.
Em Seis Dias   Porque 50 Cientistas Preferiram Acreditar na Criação   John F. Ashton

Pré-visualização | Página 4 de 50

A verdade, porém, que, em livros e revistas publicadas ho-
je, muitas discussões detalhadas e sofisticadas de dados factuais existem 
para ambos os lados da questão da idade. Alguns procuram estabelecer 
grande idade, enquanto outros mostram a terra, cometas e lua para ser me-
nos de 10.000 anos de idade. A interpretação destes dados observados do-
bradiças solidamente sobre os conceitos de verdade, realizada pelos investi-
gadores, e não os fatos em si. Compromissos fé para qualquer razão humana 
ou influência revelação bíblica que hipóteses são consideradas e como os 
dados são aceitas ou rejeitadas. Este autor vê a evidência para uma Terra 
jovem quanto esmagadoramente convincente, mas muitos têm tanta fé em 
argumentos específicos para grande idade que a evidência da Terra jovem é 
julgado errônea. 
Nosso mundo sofre com a falsa noção estabelecida durante a era mo-
derna que a realidade ea verdade são limitadas ao empírico, eo conhecimen-
to e raciocínio do homem são o nosso guia supremo. O conceito de uma vida, 
volitivo, pessoal e amorosa primeira causa é deliberadamente rejeitado, 
mesmo que seja totalmente compatível com a ciência ea Bíblia. A necessida-
de de um princípio sobrenatural do universo está implícito pelas leis da ter-
modinâmica, e claramente declarada nas Escrituras. No entanto, a Bíblia 
também afirma que é "pela fé entendemos que foi o universo formado pela 
palavra de Deus, de modo que o que se vê não foi feito do que é aparen-
te "(Hb 11:3). A fé bíblica não pode ser uma questão de prova formal, mas 
também não é um salto cego. A fé bíblica é uma confiança confiante e con-
vencido no testemunho d'Aquele que é tanto Criador e Redentor. Como suas 
criaturas, precisamos exercitar nossas faculdades em humilde submissão à 
Sua revelação para vê-Lo como nosso padrão de verdade. 
 18 
 
O padrão da verdade que cresceu para o domínio no meio do século 20 
foi construído em um objetivismo naturalista, que deslocou o teísmo. As ins-
tituições acadêmicas adotou a idéia que se abrem, debate objetivo em publi-
cações arbitradas iria aperfeiçoar e construir a nossa compreensão da ver-
dade, e o debate aberto funciona bem, desde que os conceitos são observá-
veis e testáveis, e "árbitros" mantenham a mente aberta. No entanto, se a 
comunidade acadêmica convencional aceita um conceito não provada como 
um fato e exclui pensamento alternativo por decreto, em seguida, o potencial 
de erro a ser sistematicamente preservada e promovida é institucionaliza-
da. Na opinião do autor, tal erro infeliz tomou pé firme nas cosmogonias po-
pulares de geologia, astronomia e biologia, como ilustrado na nossa discus-
são sobre a natureza da ciência e as leis da termodinâmica. 
Durante as últimas décadas do século 20, a visão de mundo moderna 
da verdade, baseada no empirismo objetivo na ciência tem deslizou em um 
mar revolto de subjetividade. O ateísmo da cosmovisão naturalista não per-
mitido a existência de um ser onisciente supremo, e logicamente levou à 
conclusão de que nenhum ser humano pode conhecer a verdade absoluta. O 
único remanescente absoluta é que não existem absolutos, e somos exorta-
dos a aceitar todos os pontos de vista como conceitos válidos de verda-
de. Esta nova perspectiva é a chamada visão de mundo pós-moderno, e o 
progenitor do pluralismo popular e tolerância defendida hoje. Cínico pergun-
ta de Pilatos "Que é a verdade?" Agora ecoa em todo o mundo, uma vez que 
as pessoas não têm âncora para dizer-lhes o que é a verdade. 
No entanto, se um Deus Criador Todo-Poderoso existe, sua criação tem 
valor e finalidade puramente baseado em seu próprio conselho e vontade, e 
as Suas criaturas seria de especial valor e interesse para ele. Sua onisciência 
garante projeto e conhecimento perfeito, e Ele poderia fornecer um padrão 
para tudo o que é verdadeiro. Como um ser amoroso e pessoal, é razoável 
que Ele deseja nossa comunhão e escolher para revelar Seus propósitos para 
nós. A Bíblia afirma ser a Sua revelação especial, e ensina exatamente as 
verdades sobre Deus. Muitos descobriram que as Escrituras são a maravi-
lhosa obra de alguém que pudesse prever o futuro, transformar o coração, e 
19 
 
que amorosamente revelou suas duas grandes obras da criação e da reden-
ção. A revelação dada por Aquele amoroso que conhece todas as coisas logi-
camente ser tanto verdadeira e claramente comunicado. 
É aqui que a bacia hidrográfica é encontrada. O que dizem as Escritu-
ras? Tomando o significado mais óbvio da língua, as Escrituras ensinam em 
Gênesis que o nosso universo foi criado em pleno funcionamento em seis di-
as de 24 horas. Tomado pela fé, essas palavras representam o testemunho 
do próprio Criador, que fez todas as coisas perfeitamente de acordo com sua 
própria escolha. Os princípios e as observações da verdadeira ciência não 
contradizem a interpretação literal do Gênesis 1 , mas em oferecer apoio fato 
para a criação de todas as coisasem seis dias! 
Referências e notas 
1. Henry M. Morris, a base bíblica para a Ciência Moderna , Baker Book 
House, Grand Rapids, MI, p. 36-37, 1984. 
2. Steven A. Austin, Mount St. Helens e catastrofismo, Impacto , o artigo 
nº 157, Institute for Creation Research, El Cajon, CA, Julho de 1986. 
Steven A. Austin, Mount St. Helens, Evidence Explosivo para Catastro-
phe , vídeo documentário, Institute for Creation Research, El Cajon, CA, 
1989. 
3. George N. Hatsopoulos e Joseph H. Keenan, Principles of General ter-
modinâmica, John Wiley and Sons, Inc., Nova Iorque, p. 368, 1965. 
4. Ibid., p. xxxviii. 
5. Francis Crick, a própria vida, sua origem e natureza , Simon and 
Schuster, New York, p. 52 & 8211; 55, de 1981. 
6. Gordon J. Van Wylen e Richard E Sonntag, Fundamentos da Termodi-
nâmica Clássica, 2ª edição, SI versão, John Wiley and Sons, Inc., New 
York, p. 243, de 1978. 
 
 20 
 
jerry r. bergman 
 
Biologia 
 
 n
 
 
 
 
Quase todas as pessoas em um momento ou outro faz a pergunta: "On-
de veio a vida" Limite-se com a resposta é a questão adicional, essencialmen-
te, dois pontos de vista existem sobre esta questão "Qual é o propósito da 
vida na terra?": (1) a posição ateísta, que conclui que a vida surgiu através 
de mudança, tempo e um grande número de casos fortuitos; e (2) a posição 
criacionista , que ensina que cada tipo de organismo vivo foi criado por um 
criador que a maioria das pessoas chamam de Deus. O cristianismo tem, 
desde a sua criação, ensinado que a vida foi criada por Deus para um propó-
sito específico. "Você (Deus) criou todas as coisas, e por tua vontade vieram a 
existir e foram criadas "(Apocalipse 4:11). Da mesma forma, o judaísmo e o 
islamismo, historicamente, ensinou esta doutrina da criação (ver Gn 1:1-8). 
Naturalismo evolucionista, muitas vezes chamado de ateísmo, ensina 
que a vida começou pela colisão aleatória de átomos suficientes para formar 
21 
 
moléculas complexas que produziam cópias exatas de si mesmos. Estas mo-
léculas hipotéticas eventualmente evoluíram para as células e, em milhares 
de milhões de anos, evoluiu para toda a vida existente hoje. A chave para 
esta evolução molécula-a-homem foi mutações (erros de cópia genética) e 
seleção natural (a seleção de mutações favoráveis que alteram o animal ou 
planta, de modo que eles são mais aptos a sobreviver). 
Os requisitos para a vida 
A tese deste capítulo é que a origem da vida não poderia ter ocorrido por 
um processo gradual, mas deve ter sido instantânea. A razão pela qual isso 
deve ser verdade é simples. Cada máquina deve ter um certo número mínimo 
de peças para que ele funcione, e se uma parte abaixo desse mínimo é remo-
vido, a máquina irá parar de