predacao
32 pág.

predacao


DisciplinaEcologia Básica231 materiais4.114 seguidores
Pré-visualização1 página
\uf06c Natureza da predação
\uf06c Pressões seletivas e respostas evolutivas
\uf06c Resposta funcional
\uf06c Resposta numérica
Bibliografia: Townsend et al. (2006) Fundamentos em 
Ecologia, cap. 8
Predação
 
Predadores \u201c verdadeiros\u201d 
 
Predadores pastejadores
 
Parasitas
 
Parasitóides
 
Efeitos no fenótipo da presa
Efeito negativo no crescimento de clones de 
salgueiro sujeitos a 3 níveis de herbivoria
 
Interação com outros fatores
Os efeitos da herbivoria pelo 
besouro Gatrophisa viridula sobre 
sua planta hospedeira são 
aumentados quando combinados 
com competição interespecífica 
da planta.
 
Pressões seletivas e evolução
\uf06c Corrida armamentista e a Hipótese da Rainha 
Vermelha
 
Comportamento de defesa
Tanatose Aposematismo
Camuflagem Advertência
 
Compensação 
Defesas induzidas
 
Defesas constitutivas
 
Aposematismo e anéis miméticos
(+ -) Batesiano: palatável imita impalatável
(+ +) Mülleriano: impataltável imita impalatável
 
Comportamento de predação
Predação de gazelas de Thopmpson 
(Gazella thomsonii)
 
Forrageio e Transmisssão
a) perseguição, b) \u201csenta-e-espera\u201d, c) transmissão direta, d) ciclos de vida complexos
 
Teoria do forrageamento ótimo
a) Escolha de hábitat,
b) Conflito de entrada vs. 
predação,
c) Tempo de forrageio 
em uma mancha,
d) Conflito entre 
qualidade da mancha e 
competição,
e) Dieta ótima.
 
\uf06c A seleção natural maximiza a entrada de 
energia líquida
\uf06c Pressuposto: energia = número de 
descendentes
\uf06c Custos: tempo de procura, tempo de 
manipulação, risco de predação
\uf06c Previsões para dieta ótima: 
Teoria do forrageamento ótimo
1. Curto tempo de manipulação => predador generalista
2. Alto tempo de manipulação => especialista
3. Quanto menor a produtividade do ambiente, mais 
 generalista o predador
 
Dieta ótima no campo
Divergências podem ser resultado de limitações de \u201c conhecimento\u201d do predador 
 
Respostas numéricas
Dinâmica populacional do hospedeiro e 
seu parasitóide.
Hospedeiro 
(Plodia punctella)
Parasitóide 
(Venturia canescens)
 
Respostas numéricas
Dinâmica populacional do hospedeiro e 
seu parasitóide.
Hospedeiro 
(Plodia punctella)
Parasitóide 
(Venturia canescens)
 
Respostas numéricas
Dinâmica populacional do hospedeiro e 
seu parasitóide.
Hospedeiro 
(Plodia punctella)
Parasitóide 
(Venturia canescens)
 
O modelo de Lotka-Volterra:
Na ausência do predador, presa cresce 
exponencialmente
Predador limita o crescimento 
exponencial
Na ausência da presa, predador 
diminui
Aumento depende da 
densidade de presa
 
O modelo de Lotka-Volterra:
Taxa intrínseca de crescimento 
Taxa de ataque
Mortalidade
Taxa de consumo do 
alimento
Eficácia de conversão 
em descendentes
 
Isolinhas zero
 
Equilíbrio neutro
 
Dinâmica da predação: 
respostas numéricas e ciclos acoplados
 
Dinâmica de doenças e ciclos
Rp = taxa básica de reprodução 
\uf06c (p. ex. n. de novos hospedeiros omfectadps a ártior de um 
único hospedceiro infectante)
\uf06c Rp < 1 => extinção da infecção
\uf06c Rp > 1 => expansão da infecção
\uf06c Rp = 1: limiar de transmissão
Rp = S . \u3b2L
S = n. hosp. suscetíveis, L = tempo em que hosp. infectado é 
infectante, \u3b2 = taxa de transmissão
\uf06c Limiar populacional:
ST = 1/\u3b2L
 
Limiar de transmissão de 
microparasitos
\uf06c Imunidade induzida e morte por infecção 
reduzem S
\uf06c Imigração aumenta S
a) Sarampo
b) Coqueluche
 
Estabilização dos ciclos populacionais
\uf06c Adensamento pode gerar interferência entre 
predadores, o que reduz taxa de predação 
 
Dispersão e assincronia 
Huffaker, 1958: 
precursor da dinâmica 
metapopulacional como 
estabilizadora da coexistência 
predador-presa
 
Predação mediando coexistência
Enteromorpha intestinallis
 Algas mais 
duras
 
Conclusões
\uf06c Predadores \u201cverdadeiros\u201d, parasitas e 
parasitóides
\uf06c Efeitos subletais: compensação e resistência
\uf06c Pressões seletivas recíprocas e a Hipótese da 
Rainha Vermelha
\uf06c Defesa: aposematismo, camuflagem, tanatose
\uf06c Mimetismo Batesiano, Mülleriano e anéis 
miméticos
 
\uf06c Ciclos defasados, ciclos defasados e equilíbrio 
neutro 
\uf06c Atenuação dos ciclos por interferência entre 
predadores 
\uf06c Atenuação por dinâmica espacial (dispersão e 
assincronia)
\uf06c Predação mediando a coexistência de 
competidores
Conclusões
	Slide 1
	Slide 2
	Slide 3
	Slide 4
	Slide 5
	Slide 6
	Slide 7
	Slide 8
	Slide 9
	Slide 10
	Slide 11
	Slide 12
	Slide 13
	Slide 14
	Slide 15
	Slide 16
	Slide 17
	Slide 18
	Slide 19
	Slide 20
	Slide 21
	Slide 22
	Slide 23
	Slide 24
	Slide 25
	Slide 26
	Slide 27
	Slide 28
	Slide 29
	Slide 30
	Slide 31
	Slide 32