A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
120 pág.
Tipos_fundamentais_cidades_Goitia.pdf

Pré-visualização | Página 1 de 3

BREVE HISTÓRIA DO URBANISMO
FERNANDO CHUECA GOITIA
INTRODUÇÃO: TIPOS FUNDAMENTAIS DE CIDADE
Fernando Chueca Goitia (1911 – 2004), arquiteto e 
ensaísta e historiador espanhol
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
“Edifica-se a casa para se estar 
nela; funda-se a cidade para se sair 
de casa e reunir-se com outros que 
também saíram de suas casas”
Pode estudar-se uma cidade sob um número infinito 
de ângulos.
Por exemplo, do ponto de vista da HISTÓRIA
 A cidade como um arquivo da história
Do ponto de vista da GEOGRAFIA
A natureza prepara o local e o homem organiza-o de 
maneira a satisfazer as suas necessidades e desejos
Do ponto de vista da ECONOMIA
A vida das cidades depende do desenvolvimento do 
comércio e da indústria
Do ponto de vista da POLÍTICA
A cidade é representada pelos seus habitantes 
politicamente organizados e representados: os 
cidadãos
Do ponto de vista da ARTE e da ARQUITETURA
A importância de uma cidade pode ser avaliada pela 
grandeza da sua arquitetura e pela solidez dos muros que 
a protegem.
A cidade engloba tudo que se refere ao homem. Tudo que 
afeta o homem, afeta a cidade. 
A vida dos homens. A vida das cidades.
A literatura, muitas vezes, é uma fonte privilegiada para o 
conhecimento profundo da alma das cidades.
Para iniciar o estudo das cidades, comecemos por definir 
o que é uma cidade. 
Essas definições variaram, ao longo da história, em 
função do contexto em que se enquadra cada observador 
e comentarista.
Do tipo de cidade que ele tem diante de si e do tipo de 
abordagem que ele privilegia.
Alguns exemplos de tipos ou conceitos de cidades bem 
diferentes
POLIS GREGA
CIDADE MEDIEVAL
VILA CRISTÃ
MEDINA MUÇULMANA
CIDADE TEMPLO ORIENTAL
METRÓPOLE COMERCIAL MODERNA
PÓLIS GREGA
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE MEDIEVAL, Beauvais, França
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE MEDIEVAL, Nuremberg, Alemanha
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE MEDIEVAL, Carcassone, França
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE MEDIEVAL, Rotemburg, Alemanha
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE RENASCENTISTA PLANEJADA, Palmanova, Itália
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
MEDINA MUÇULMANA, Gardhaia, Argelia
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE TEMPLO MESOPOTÂMICA, Suméria
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
CIDADE TEMPLO ORIENTAL, Pequim, China
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
METRÓPOLE INDUSTRIAL MODERNA, Detroit, EUA, 1920
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
Para ARISTÓTELES (384 – 322 a. C.), filósofo grego, 
discípulo de Platão e professor de Alexandre O Grande
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
Cidadão é o habitante de uma cidade que possui a faculdade de 
intervir nas funções deliberativas e judiciais da vida da mesma.
 Conceito POLÍTICO de cidade.
 As cidades-estado da antiga Grécia
O Estado é a cidade, e a cidade é o Estado.
O problema da cidade, é o problema do estatuto político dos seus 
habitantes, entre os quais, destacam-se os cidadãos.
Para AFONSO O SÁBIO (1221-1284), rei de Castela e Leão, 
homem de cultura, legislador, historiador
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
A cidade é uma reunião de terras e edifícios cercados e 
protegidos por uma muralha.
Para RICHARD CANTILLON (1680-1734), economista 
francês, considerado o pai da economia política
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
A CIDADE BARROCA do século XVIII nasce reunião em uma 
mesma vizinhança geográfica das residências senhoriais de 
príncipes e nobres desejando viver em agradável convivência.
 Residenzstadt, da ostentação, do consumo, da encenação do 
poder
VERSALHES
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
PLANO DE VERSALHES
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
Putbus, Alemanha, Residência do príncipe Wilhelm Malte I
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
Munique, Ansicht der Residenzstadt München Michael 
Wening, nach 1700
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
Para ORTEGA E GASSET (1883-1955), filósofo, jornalista e 
ativista político
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
A cidade é o modo pelo qual o homem decide se confrontar à 
natureza, criando para si próprio, um habitat que se diferencia e 
opõe à natureza. 
A cena urbana é uma cena artificial, criação do homem, distinta 
da cena agrícola e pastoril.
(OBS: como já se viu, nem todos os conceitos de cidade, constituem um desejo 
de se opor ou diferenciar com relação à natureza: cidades jardim, Broad Acre 
City, etc...)
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem
Para Ortega Y Gasset, a cidade por excelência é a clássica e 
mediterrânea onde o elemento simbólico e funcional fundamental 
é a PRAÇA, lugar do encontro, da conversa, da discussão, da 
política.
 URBE, conceito de CIDADE POLÍTICA também
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
As cidades clássicas onde os contatos primários predominam 
sobre os contatos secundários.
 A ágora, a praça, a sala de reunião e sede do diálogo
 A cidade conversadora
As cidades anglo-saxônica são cidades mais caladas e 
reservadas.
 O primado da vida doméstica sobre a vida civil 
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
CIDADE DOMÉSTICA X CIDADE PÚBLICA 
Cidade doméstica = cidade dentro de portas, + intimista
Cidade pública = cidade fora de portas, + extrovertida, a 
importância do espaço público
A cidade pública, exteriorizada, está muito mais em oposição à 
natureza do que a cidade interiorizada
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
CIDADE DOMÉSTICA
As cidades jardim
Cidades dormitório
A intimidade
CIDADE DOMÉSTICA PLANEJADA, subúrbios verdes de Copenhagen
CIDADE DOMÉSTICA, subúrbios norte americanos
CIDADE DOMÉSTICA, subúrbios norte americanos: moradia + deslocamento em automóvel
CIDADE DOMÉSTICA, subúrbios de Londres. Tipologias de casas geminadas
CIDADE DOMÉSTICA, subúrbios ingleses. Conciliação entre área verde e manutenção da rua
CIDADE DOMÉSTICA, subúrbios ingleses. Espaços verdes comuns (squares)
CIDADE DOMÉSTICA, subúrbios ingleses. Meio rural / meio urbano
idade é o conjunto dos seus cidadãos. Para entendê-la, devemos entender quem 
A CIDADE PÚBLICA
Clássica, cívica, “conversadora”
Civilidade e extroversão
CIDADE PÚBLICA. Rennes, França
CIDADE PÚBLICA. Praças de Veneza e Bologna, Itália
CIDADE PÚBLICA. Largo Camões, Lisboa
VISTA AÉREA DE SIENA, 
Itália, destaque para Piazza 
Del Campo e Catedral
CIDADE