A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
101 pág.
Aula Instalacoes Aves

Pré-visualização | Página 1 de 5

INSTALAINSTALAÇÇÕES PARA AVESÕES PARA AVES
Prof. Dr. Regis de Castro FerreiraProf. Dr. Regis de Castro Ferreira
rcastro@agro.ufg.br
ConstruConstruçções e Eletrificaões e Eletrificaçção Ruralão Rural
Universidade Federal de Goiás
Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos
Setor de Engenharia Rural
CONTEÚDO
1. INTRODUÇÃO
2. A AVE E O MEIO AMBIENTE
3. FATORES A SEREM CONSIDERADOS 
NA IMPLANTAÇÃO DE UMA GRANJA
4. COMPONENTES DE UMA GRANJA
5. AVICULTURA DE CORTE
6. AVICULTURA DE POSTURA
1. INTRODUÇÃO
- objetivo principal do aviário:
propiciar às aves ambiente confortável e higiênico, de 
modo eficiente e econômico
- planejamento técnico:
. cuidadoso, de modo a obter maiores lucros, maiores 
produções, melhor qualidade, melhor taxa de conversão, 
menos doenças e menores taxas de condenação e 
mortalidade
1. INTRODUÇÃO
- projeto de instalações para aves:
. programa bem definido (nenhuma relação entre produtividade e 
luxo das instalações)
. princípios técnicos fundamentais: praticamente os mesmos, tanto 
para a produção de poedeiras como para a produção de frangos de 
corte
. tendência à mecanização e automatização: visando maior 
rentabilidade
- características das instalações para aves:
. concentram maior número de cabeças por unidade de área 
. exigem cuidados na execução de projetos (gastos iniciais devem 
ser compensados)
• Plantel: 4,5 milhões de cabeças (corte)
• Consumo: 33,4 kg/habitante/ano (corte)
– Bovina 35,8 kg/habitante/ano
– Suína 14,8 kg/habitante/ano
• Exportações (2006)
– 2,6 milhões de toneladas
- PANORAMA (CONAB, 2006) :
Brasil: grande produtor de frangos de corte e poedeiras, além de 
grande exportador
2. A AVE E O MEIO AMBIENTE
• Termorregulação
– Temperatura
– Umidade Relativa
• Renovação do ar (ventilação)
• Iluminação
- zona de termoneutralidade:
. faixa de temperatura dentro da qual o calor dissipado pela ave
está em equilíbrio com o seu ambiente (Figura 1)
- à temperaturas superiores à da zona de termoneutralidade:
. ave cresce menos rapidamente
. produção de ovos é menor
- à temperaturas inferiores à da zona de termoneutralidade:
. ave necessita de comer mais ração
TEMPERATURA
Figura 1. Representação esquemática simplificada das temperaturas efetivas
- ingestão de alimento (ração) pela ave:
. produz energia metabolizável (que a ave utiliza para se 
manter viva, crescer e produzir ovos)
. calor produzido em excesso deve ser dissipado 
imediatamente
. se a ave pudesse armazenar o calor por ela produzido em 
uma hora apenas, a temperatura corporal aumentaria em 
2,8°C, resultando em sua morte.
- pintos de um dia:
. mecanismos de controle de temperatura corporal não são 
completamente desenvolvidos, necessitando de altas temperaturas 
para seu perfeito funcionamento
condições ideais de temperatura ambiental:
. pintos de um dia: 35°C, decrescendo à razão de 2,8 – 3°C 
por semana, até a temperatura de 18,5 - 21°C no inverno e 24°C no 
verão, para pintos com mais de 5 semanas
. para a melhor postura: 13 - 15°C
. para o melhor uso da ração: 15 - 21°C . de um modo geral: 
15 - 25°C (nesta faixa, a ave auto-regula sua temperatura corporal, 
normalmente entre 40 a 41°C)
- galinha não possui glândulas sudoríparas
. em condições normais: respira de 15 a 25 vezes por minuto
. a 38°C: respira ao redor de 150 vezes por minuto (o que 
causa fadiga)
- temperaturas recomendadas para aves, em função da idade:
Quadro 1
Quadro 1 – Temperaturas recomendadas para aves, em função da idade
21
21
21
21
18
18
15
16
32 - 35
29 - 32
26 - 29
23 - 26
-
-
-
-
0 - 7
8 - 14
15 - 21
22 - 28
29 - 35
36 - 42
43 - 56
57 -
No galpãoDebaixo da 
campânula
t°C à altura do pintinhoIdade (dias)
- pouca influência sobre a produção das aves (crescimento, postura, 
reprodução, etc.), a menos que excessivamente elevada ou baixa
- limites de UR para frangos de corte: 40 e 90%
UMIDADE RELATIVA DO AR
- quanto mais baixa a umidade relativa (UR) do ar, maior a temperatura 
tolerada pela aves
Quadro 2 - Condições equivalentes de temperatura e umidade para 
aves adultas
30
50
75
33
31
28
Umidade Relativa do Ar (%)Temperatura (oC)
- umidade relativa noturna constantemente superior a 80% ou umidade 
relativa diurna constantemente superior a 72%:
. nível de umidade da cama passará de 32%, tornando-se úmida, 
emplastando-se e podendo ocasionar problemas entéricos e 
respiratórios
- umidade relativa inferior a 40%
. cama torna-se seca e poeirenta, podendo causar espirros e tosse 
- alta temperatura combinada com alta umidade:
. situação mais perigosa que alta temperatura e baixa umidade
- controle adequado da umidade relativa: boa ventilação e correto 
manejo de cortinas
- níveis de UR recomendados: Quadro 3
Quadro 3 – Níveis de Umidade Relativa do Ar recomendados para aves
40-60% (*)
40-60%
60-70%
65-80%
• sobre cama
• em gaiolas
t°C > 25t°C < 25Aves criadas
(*) apresentando-se problemas de pó, a UR deve ser elevada durante 
as horas frescas do dia
- controle das taxas de renovação de ar e, consequentemente, o 
controle da temperatura nos aviários, se faz por meio de sistemas de 
ventilação adequados:
. sistemas de ventilação natural
. sistema de ventilação forçada
- ventilação natural:
. vantagens: baixo custo de implantação, dispensa energia 
elétrica
. desvantagens: não permite o controle da taxa de renovação 
de ar, exige grandes aberturas para a ventilação, não permite o 
controle de iluminação, não recomendada para galinheiros largos por 
não permitir perfeita homogeneização do ar
RENOVAÇÃO DO AR
- ventilação forçada:
. vantagens: permite o controle do ambiente (taxa de 
renovação do ar, temperatura de trabalho, iluminação, pré-tratamento 
do ar), possibilita a construção de aviários mais largos (o que, aliado à
utilização de colunas centrais, diminui o custo e o peso da estrutura do
galpão), permite um aproveitamento mais racional do terreno (tornando 
secundária a orientação do aviário em relação à direção norte-sul), 
aumenta a capacidade de cada aviário (devido à maior concentração 
de aves/m2)
. desvantagens: sistema totalmente dependente de energia 
elétrica, alto custo de implantação
- aumentar a velocidade do ar tem o mesmo efeito que reduzir a 
temperatura
- sob baixas temperaturas: importante limitar a velocidade do ar sobre as 
aves
- sob altas temperaturas:
. dissipação de calor por evaporação: principal meio pelo qual a ave 
perde calor
- controle da iluminação destina-se a:
. prover uma intensidade de luz uniforme ao nível da cama
. permitir a mudança de intensidade luminosa nos períodos 
necessários
- intensidade luminosa:
. pode afetar o crescimento e a conversão alimentar 
(beneficiados quando as aves podem comer uniformemente 
durante as 24 h do dia)
. crescimento e conversão alimentar: mais eficientes à
medida que a intensidade luminosa diminui
ILUMINAÇÃO
3. FATORES A SEREM CONSIDERADOS NA 
IMPLANTAÇÃO DE UMA GRANJA
3.1. Localização
3.2. Mercado Produtor e Potencial de Consumo
3.3. Estradas e Vias de Acesso
3.4. Água e Energia Elétrica
3.5. Condições Climáticas
3.6. Condições Topográficas
3.7. Área da Granja
- distâncias sugeridas para um melhor isolamento das instalações 
avícolas: Quadro 4.
5 - 10 km
3 km
200 m
500 m
100 m
300 m
25 – 50 m
. da granja ao abatedouro
. de uma granja a outra
. entre galpões e os limites periféricos 
da propriedade
. do galpão à estrada
. entre núcleos de diferentes idades
. entre recria e produção
. entre galpões de mesma idade
Distância 
sugerida
Distâncias externas e internas
Quadro 4 – Distâncias sugeridas para um melhor isolamento