A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Anexo   Meios de Armazenamento

Pré-visualização | Página 1 de 2

1 
MEIOS DE ARMAZENAMENTO 
 
Os computadores, além de processar os dados em informação, também os armazenam. Este 
armazenamento é feito na memória do computador. Quais são, então, as memórias do computador e 
como podemos classificá-las? 
Os computadores funcionam no modelo Entrada  Processamento  Saída. 
 
Os dados entram, são manipulados ou processados pelo computador e geram informações. O que seriam 
estes dados e informações? Dado é o que entra e a informação é o dado processado, correto? Sim, está 
correto. O que é o dado? Uma cor, um comando, uma foto, qualquer coisa que queremos manipular pode 
ser vista como um dado. 
 
O que isso tem a ver com os meios de armazenamento? O que armazenamos? Dados, informações? Isso 
mesmo! Armazenamos dados e/ou informações. 
 
Tudo que precisa ser guardado para ser utilizado em outro momento deve ser armazenado. 
Muito bem, já sabemos o que precisa ser armazenado. Só que, quando olhamos para o hardware do 
computador, vemos que o computador só entende 0 ou 1, que chamamos de bit, a menor porção do 
computador. Como pode a foto ser representada por estes 0's e 1's? 
 
Bom, para entender isso, precisamos olhar um pouco mais para o hardware, sem entrar muito em 
detalhes. A entrada do computador na verdade não é um fio que pode levar um bit. Esta entrada é um 
conjunto de bits, que chamamos de palavra do computador. Cada computador tem um tamanho de 
palavra diferente. 
Hoje, os computadores possuem 64 bits, o que quer dizer que a palavra deste possui 64 fios que podem 
estar ligados ou desligados. Até pouco tempo atrás, os computadores pessoais eram de 32 bits. Esta 
característica física dos computadores identifica o poder de representação dos símbolos que cada 
plataforma possui. 
E o byte, onde entra? Byte é a unidade de medida do computador. 
1 byte são 8 bits. Como assim? Por quê? Foi definido que um byte são 8 bits, porque a IBM1 criou o 
código EBCDIC na década de 60. 
Com o sucesso dos computadores IBM, padronizou-se o byte desta forma. Pelo Sistema Internacional de 
unidades (SI) e pela Comissão Eletrotécnica Internacional (IEC), temos os seguintes multiplicadores: 
 
Agora que as unidades de medidas e a forma de medir os dados do computador foram apresentados, 
podemos explorar os meios de armazenamento existentes e disponíveis para os computadores. Neste 
capítulo, iremos apresentar os meios de armazenamento do computador e como estes meios são 
utilizados no desenvolvimento de sistemas. 
 2 
 
TIPOS DE MEMÓRIA DO COMPUTADOR 
Na figura 1, temos um resumo dos meios de armazenamento dos computadores. 
Eles devem ser classificados como persistentes ou não, tempo de acesso e seu custo por byte. 
 
Observando a figura 1, vemos os principais meios de armazenamento do computador. Vemos que eles 
são classificados por principal (que são memórias temporárias) e auxiliar (que são memórias 
persistentes). Esta classificação é dada pela proximidade que as memórias estão do processador. As 
memórias principais estão fisicamente conectadas ao processador ou estão dentro do processador, 
enquanto as auxiliares são dispositivos de entrada e saída. 
 
Os registradores, que são espaços dentro do processador reservados para armazenar informações de 
controle do funcionamento dos processos. Estes registradores têm a mesma velocidade do processador, 
mas são bem limitados, ou melhor, apresentam uma quantidade bem pequena de armazenamento. Os 
registradores são estudados a fundo em arquitetura e organização dos computadores. 
 
A memória cache. É uma pequena parte do processador destinada a armazenar uma redundância da 
memória RAM. A sua finalidade principal é acelerar o processamento, visto que este meio de 
armazenamento também fica dentro do processador, logo funciona na mesma velocidade. De acordo 
com o princípio da localidade, tendemos a utilizar os mesmos programas. Para isso, quando um bloco de 
informações vem da RAM para o processador, ele é armazenado no cache para futuras utilizações. 
 
A memória RAM – random access memory. Podemos dizer que é o local onde todos os programas 
para serem executados precisam estar. É a memória física do computador. Ela fala diretamente com o 
processador, através de conexões ou barramentos. É rápida, mas não tanto como as anteriores. 
Seu tempo de acesso é na casa de nano segundo, que significa 10-9s. Podemos variar o seu tamanho, 
comprando mais réguas de memórias, como mostrado 
na figura 2. 
 3 
 
Sua principal característica é ser volátil, o que significa que seu conteúdo não persiste ao desligarmos o 
computador. No jargão popular, quando desligamos o computador ou ele deixa de ser energizado, todas 
as informações ali armazenadas serão perdidas. 
 
Como todo programa que está executando precisa estar na memória principal e, muitas vezes, ela é cara, 
muitos utilizam uma parte da memória auxiliar para se comportar como principal. Chamamos este 
mecanismo de memória virtual. É destinar um espaço do disco ou da memória auxiliar para ser a 
memória principal. Este processo impacta na velocidade ou na performance dos computadores. 
 
A memória auxiliar. A principal característica é que estas memórias são persistentes, quer dizer, ao 
desligar, as informações não se perdem. Estes dispositivos têm capacidade de armazenamento muito 
maior que a memória RAM, mas o tempo de acesso está na casa de milisegundo (10-3s). O mais famoso 
destes dispositivos é o chamado disco rígido. Hoje, os dispositivos de estado sólido (solid state drive – 
SSD) estão ganhando terreno, pois são bem mais rápidos que os discos convencionais, mas mesmo 
assim não se comparam com a velocidade da memória RAM. 
 
Pen Drive, Cartão SD, CD ROM, DVD entre outros que não usamos mais 
também são tipos de memórias auxiliares. Junto com os discos e os solid states, armazenam grandes 
massas de informações por um custo baixo, comparado com a memória RAM. 
 
ORGANIZAÇÃO DOS DADOS ARMAZENADOS 
Os dados armazenados nas unidades persistentes precisam ser arrumados de alguma forma. Para isso, 
foram criados os arquivos. 
Podemos definir arquivo como um conjunto de dados armazenados em um meio de armazenamento 
persistente. Os arquivos possuem três características básicas: 
 
• Nome 
• Tamanho 
• Tipo 
 
O nome determina o local onde fica o início do conjunto de dados armazenado. 
Com o tamanho, verificamos onde terminam os dados e o tipo determina como estes dados estão 
agrupados ou organizados. 
Armazenamos arquivos de diversos tipos diferentes como, por exemplo, músicas, imagens, textos, 
planilhas eletrônicas. Geralmente, os programas dos computadores que precisam persistir dados geram 
arquivos com seus tipos próprios. Cada tipo de arquivo fica associado a um ou mais programas. 
 
SISTEMAS DE ARQUIVOS 
Como organizar esses arquivos? Para isso, existem os sistemas de arquivos, que são formas de organizar 
e gerenciar esta grande massa de dados armazenada. 
Através do sistema de arquivo, o sistema operacional irá saber ler e escrever os dados no dispositivo. 
Podemos entender um sistema de arquivos como uma grande biblioteca, 
 4 
onde guardamos os livros em prateleiras. Pense nos arquivos como os livros e as estantes e prateleiras 
como as pastas ou diretórios. 
 
Organizar seus arquivos não é uma tarefa fácil. Veja como estão armazenados suas músicas e suas fotos. 
Saber onde elas estão e quais as regras que foram desenvolvidas para organizá-los irá ajudá-lo bastante 
na hora que você precisar ou querer consultar uma informação a esse respeito. 
 
BANCO DE DADOS 
Uma outra forma de armazenar dados é nos banco de dados. São programas desenvolvidos para 
armazenar e gerenciar estes dados. Também