tipos de lampadas
58 pág.

tipos de lampadas


DisciplinaProjeto Iluminotécnico7 materiais111 seguidores
Pré-visualização2 páginas
TIPOS DE LÂMPADAS
A ESCOLHA DA LÂMPADA
Reprodução de cor?
Temperatura de cor?
Fluxo luminoso? Quais são as características e Fluxo luminoso?
Tipo de facho?
Durabilidade?
Eficiência energética?
Custo? 
Quais são as características e 
propriedades mais importantes para o 
projeto em desenvolvimento?
PRINCIPAIS TIPOS DE LÂMPADAS
LÂMPADA INCANDESCENTE
INCANDESCENTE
Possui a tecnologia mais antiga e a
menos eficiente (transforma em luz
apenas 10% da energia que consome;
os outros 90% são transformados emos outros 90% são transformados em
calor). Seu uso deve ser evitado quando
se busca um sistema econômico.
\u2022IRC: 100%
\u2022TC: em torno de 3000K
\u2022Dimerizável
\u2022Posição de funcionamento: universal
Produz luz pela elevação da
temperatura de um filamento
(geralmente de tungstênio), através da
passagem de corrente elétrica. O bulbo
da lâmpada é preenchido com um gás
inerte, normalmente, nitrogênio ou
argônio.
INCANDESCENTE
Algumas lâmpadas incandescentes
deixaram de ser produzidas no Brasil em
2012. A Portaria Interministerial nº1007
dos Ministérios de Minas e Energia
(MME), da Ciência, Tecnologia e Inovação(MME), da Ciência, Tecnologia e Inovação
(MCTI) e do Desenvolvimento da Indústria
e do Comércio Exterior (MDIC), publicada
em dezembro de 2010, estabeleceu
índices mínimos de eficiência luminosa
para fabricação, importação e
comercialização de lâmpadas
incandescentes de uso geral no país. As
lâmpadas que não atingirem, até 2016,
a eficiência mínima definida serão
banidas do mercado de acordo com
cronograma estabelecido pela Portaria.
INCANDESCENTE
Esta substituição está ocorrendo de forma gradativa no Brasil (maior potência, a
menor potência):
\uf0a7150W e 200W: comercialização encerrada 30 de junho de 2013.
\uf0a775W e 100W: comercialização encerrada em 30/06/2014.
\uf0a760W (as mais utilizadas): comercialização encerrada em 30/06/2014.
As lâmpadas de menor potência seguem um escalonamento semelhante, cujo processo
encerrou 2017.
INCANDESCENTE
Com a eficiência mínima exigida das lâmpadas incandescentes de uso geral do
mercado, as incandescentes convencionais podem ser substituídas por lâmpadas
fluorescentes compactas e lâmpadas de LED.
Com as substituições, haverá ganho para o consumidor que perceberá a redução doCom as substituições, haverá ganho para o consumidor que perceberá a redução do
valor pago na conta de luz. Na substituição, por exemplo, de uma lâmpada
incandescente de 100W por uma fluorescente compacta de 23W, a economia é de
cerca de R$ 30,00 em mil horas de utilização (aproximadamente um ano).
INCANDESCENTE CONVENCIONAL
\uf0a7Custo inicial baixo;
\uf0a7Vida útil pequena \u2013entre 750 e 1000 horas (com o aquecimento, partículas são desprendidas
do filamento da lâmpada depositando-se no bulbo, deixando-o o mais escuro e o filamento
cada vez mais fino. Até o final da vida útil da lâmpada, ela perde cerca de 20% de sua
luminosidade, o filamento se rompe e a lâmpada se queima. Por isso, uma lâmpada novaluminosidade, o filamento se rompe e a lâmpada se queima. Por isso, uma lâmpada nova
ilumina mais do que uma usada.
\uf0a7Fluxo luminoso não constante.
\uf0a7Alta produção de calor (desperdício de energia).
\uf0a7Alto consumo de energia.
\uf0a7Baixa eficiência energética (média de15 a 50 lm/W).
\uf0a7Alta luminância alguns tipos provocam ofuscamento).
\uf0a7Posição de funcionamento: qualquer.
\uf0a7Base E-27 (mais comum).
INCANDESCENTE CONVENCIONAL
Incandescente convencional com bulbo claro (luz brilhante) e com bulbo leitoso (luz
difusa, controla o ofuscamento e reduz sombras).
Variações: filamento reforçado, geladeira/máquina de costura/fogão, mini abajur,
anti-inseto, aeronáutica, hospitalar, marinha, telefonia, trem/metrô, entre outras.anti-inseto, aeronáutica, hospitalar, marinha, telefonia, trem/metrô, entre outras.
Aplicação: indicada para iluminação geral,
predominantemente no uso residencial e em
ambientes que exijam um ótimo IRC e uma
atmosfera aconchegante e relaxante.
Potências: 25W, 40W, 60W, 100W, 150W,
200W, entre outras.
INCANDESCENTE CONVENCIONAL
As lâmpadas incandescentes proporcionam uma atmosfera mais aconchegante.
INCANDESCENTE REFLETORA
Lâmpada incandescente com bulbo parcialmente espelhado buscando melhorar o
direcionamento da luz. A luz é mais concentrada e com mais intensidade se
comparada às incandescentes convencionais.
Aplicação: em projetos residenciais e
comerciais em que seja necessária uma
iluminação dirigida (destaque), devido ao
facho definido, valorizando objetos e
superfícies. Potências: 240W e 60W, 30º.
INCANDESCENTE REFLETORA
As lâmpadas incandescentes refletoras são utilizadas em situações 
em que se busca o destaque de objetos e de superfícies.
INCANDESCENTE VELA
INCANDESCENTE HALÓGENA
Com o mesmo princípio de funcionamento da incandescente convencional, ambas
produzem luz pela elevação da temperatura de um filamento (geralmente
tungstênio), através da passagem de corrente elétrica.
INCANDESCENTE HALÓGENA
Qual a diferença entre uma lâmpada incandescente convencional e uma
incandescente do tipo halógena?
A halógena possui, além do gás tradicional, um gás halogênio (normalmente bromo e
iodo), no interior do bulbo. Esta combinação de gases faz com que haja um retornoiodo), no interior do bulbo. Esta combinação de gases faz com que haja um retorno
das partículas para o filamento, fazendo com que sua espessura permaneça sempre
igual, aumentando a vida da lâmpada. O bulbo é feito de quartzo para suportar
altas temperaturas e ajudar na reação entre o tungstênio do filamento que se
evapora e o halogênio.
DICRÓICA X AR X PAR
HALÓGENA DICRÓICA
Caracterizada por uma pequena lâmpada halógena associada a um refletor
multifacetado, coberto por uma película dicróica, de tamanho compacto.
Aplicação: em projetos em que seja
necessária iluminação dirigida (destaque).
REFLETOR DICRÓICO
LÂMPADA
HALÓGENA DICRÓICA
Lâmpadas dicróicas: iluminação dirigida.
HALÓGENA AR
Caracterizada por uma lâmpada do tipo miniatura associada a um refletor metálico
(alumínio, facetado) e um anteparo defletor, fazendo com que toda a luz seja
projetada por reflexão. É uma lâmpada de baixa tensão (12V); ou seja, é necessário
um transformador para que possa ser utilizada.um transformador para que possa ser utilizada.
Aplicação: em projetos (residenciais e
comerciais) onde há necessidade de
iluminação dirigida (destaque), a média e
longa distâncias, devido ao seu facho de luz
bem definido. Lojas, galerias, museus,
vitrines, restaurantes.).
REFLETOR DICRÓICO
LÂMPADA
HALÓGENA AR
HALÓGENA PAR
A lâmpada PAR recebe este nome devido ao Refletor Parabólico Aluminizado que é
responsável por refletir toda a luz gerada pela lâmpada do tipo cápsula, em uma
mesma direção. Possui diferentes ângulos de abertura, diferentes dimensões, cores e
potências, todas para instalação diretamente na rede elétrica, não necessitando o usopotências, todas para instalação diretamente na rede elétrica, não necessitando o uso
de transformador.
Aplicação: em projetos em que seja
necessária iluminação dirigida.
PAR 20: indicada para aplicações internas e
externas de pequeno porte.
PAR 30: indicada para aplicações internas e
externas de médioporte.
PAR 38: indicada para aplicações internas e
externas de grande porte.
HALÓGENA PAR
Lâmpadas PAR: o diâmetro do cone de luz é maior do que o da AR.
Umidade: as lâmpadas PAR devem
ser sempre instaladas protegidas
contra choques térmicos e umidade.
Esta precaução se deve à existência
de pequenos orifícios localizados na
junção da lente com o refletor, por
onde pode entrar umidade que se
depositaria internamente na
lâmpada, levando a sua queima
precoce. Estes orifícios servem para
a saída do ar expandido de dentroa saída do ar expandido de dentro
da lâmpada acesa e retorno do ar,
quando apagada.