A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
7 pág.
XENOFOBIA E DIVERSIDADE CULTURAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

UNIVERSIDADE PAULISTA 
IRONE DA VEIGA SOUZA (RA 1446004) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (PCC) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 UNIVERSIDADE PAULISTA 
 
 IRONE DA VEIGA SOUZA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PRÁTICA COMO COMPONENTE CURRICULAR (PCC) 
 
 
 
 
 Trabalho apresentado à Universidade Paulista (UNIP),do curso de Sociologia como 
um dos requisitos para a obtenção de nota na disciplina Prática como Componente 
Curricular . 
 
 
 
 
 
 
 
PROPOSTA DE ATIVIDADE : Realizar levantamento bibliográfico nos livros 
didáticos de Sociologia sobre a diversidade cultural na atualidade e os 
problemas causados pela intolerância e pela xenofobia .Analisar como os 
temas são abordados e elaborar uma resenha crítica . 
 
 
1.INTRODUÇÃO 
 
Através do levantamento bibliográfico nos livros didáticos de Sociologia foi 
realizada uma análise sobre a Diversidade Cultural na atualidade e os 
problemas causados pela intolerância e pela xenofobia. 
 Apesar da evolução das organizações de direitos humanos em todo o 
mundo e da gradativa democratização do acesso da população à condições 
básicas de dignidade, diversos grupos ainda sofrem com o racismo, a 
intolerância e a xenofobia. No Brasil, um país extremamente miscigenado, 
apesar ser conhecido como um país onde não há racismo, muito ainda há a 
percorrer até uma realidade de convivência pacífica e respeitosa entre os 
diversos grupos que compõem o povo brasileiro. O etnocentrismo é visível 
e ainda dominante em um país com o histórico de dominação europeia 
sobre os nativos indígenas e o escravismo que perdurou por séculos e 
deixaram grandes marcas na cultura e no modo de ser do brasileiro que, 
até hoje, busca um sentido definitivo e próprio de nacionalidade. as 
causados pela intolerância e pela xenofobia. 
 
 
 
 
 
 
 
2. DESENVOLVIMENTO 
 
Diversidade Cultural é relevante no atual contexto na educação que prima 
pelo respeito ás diferenças, á diversidade e a partir do momento em que a 
escola desenvolve um trabalho voltado para atender a sua clientela 
heterogenia sem exclusões. A escola não pode isentar-se do compromisso 
com os mais necessitados e fragilizados por um sistema desumano e 
preconceituoso. Educar exige além do cumprimento das obrigações, requer 
uma postura ética que valorize as culturas que vem sofrendo discriminação 
nos espaços escolares. Ao longo da história da educação brasileira a escola 
tem privilegiado a cultura do homem branco hoje, tem dificuldade para 
educar valorizando a diversidade. A diversidade deve ser educada na 
igualdade e isso é um problema a ser enfrentados pela escola que precisa 
oportunizar e produzir saberes a todos sem distinção em todos os níveis de 
aprendizagens, com diversas estratégias para acolher a todos. 
Com o presente estudo espera-se suscitar maior reflexão sobre a 
diversidade cultural e os desafios que a escola enfrenta de modo melhor 
compreender a problemática e buscar caminhos que facilitem a oferta de 
uma educação inclusiva, sem discriminação que realmente respeite a 
diversidade cultural onde a educação possa acolher a diversidade na 
igualdade. 
Foram escolhidos os livros de Sociologia da Editora Moderna “Sociologia 
em Movimento “ e o livro “Sociologia para o Ensino Médio”, autor: Nelson 
Dacio Tomazi. 
O Livro da Editora Moderna baseia-se na diversidade teórica e por variadas 
perspectivas de análise da sociedade ,pautada em autores clássicos e 
contemporâneos brasileiros e do exterior , permitindo que os alunos 
encontrem a união entre teoria e prática social na abordagem da realidade. 
 Ainda sobre essa mesma obra , pode-se afirmar que a apresentação dos 
conteúdos segue uma questão motivadora que propõe diferentes situações 
–problema e permite que o capítulo articule uma reflexão que mobiliza as 
competências trabalhadas na construção das diferentes respostas .Através 
de debates ,possibilidades de aprofundamento e tipos estereótipos 
,etnocentrismo ,entre tantas questões que parecem ser naturalizadas por 
serem comuns suas práticas . Através de aulas críticas e bem estruturadas 
nesse tema espera-se suscitar maior reflexão sobre a diversidade cultural e 
os desafios que a escola enfrenta de modo melhor compreender a 
problemática e buscar caminhos que facilitem a oferta de uma educação 
inclusiva, sem discriminação que realmente respeite a diversidade cultural 
onde a educação possa acolher a diversidade na igualdade. 
 Essas duas obras de Sociologia ,trabalham no sentido de contribuir para 
que os professores dessa disciplina combatam ,dia a dia ,todas as formas 
de preconceitos ,intolerância e discriminação. Para isso, ele atribui um 
conteúdo onde o professor pode enriquecer suas aulas críticas ao abordar 
exemplos de casos de preconceito quem aconteceram em diferentes 
lugares e períodos. Para isso, a diversidade é demonstrada de forma bem 
interessante para que o aluno perceba que temos nossa especificidades 
,embora sejamos pertencentes a apenas uma raça: a raça humana ,como 
disse o educador Paulo Freire. 
 De acordo com as DCE( Diretrizes Curriculares Estaduais)para a disciplina 
de Sociologia ,documento oficial do Estado do Paraná , certas práticas 
discriminatórias são evidenciadas e reforçadas a partir do processo de 
globalização capitalista:o etnocentrismo,a xenofobia e o racismo. “Esses 
componentes dos conflitos sociais, juntamente aos preconceitos de sexo e 
idade, agravam-se na luta pelo emprego ou subemprego , pela estabilidade 
e ascensão sociais. Nesse contexto cheio de disputas , surge nos grupos 
locais uma manifestação comum que Ianni (1999) qualifica como 
fundamentalismo cultural, como ideologia de exclusão coletiva do não-
cidadão.” 
 Podem ser considerados a matéria –prima dos estudos sociológicos na 
atualidade as desigualdades sociais enquanto resultado das oportunidades 
desiguais na sociedade capitalista. As desigualdades se formam em 
diferentes formas de utilização da natureza e do que é produzido, sendo 
resultante das desiguais relações sociais e atingem segmentos inteiros da 
sociedade - as minorias e os excluídos . 
 A análise sociológica da categoria trabalho nos dias atuais deve 
problematizar o lugar da mulher , do negro e do índio,das denominadas 
minorias .Ainda segundo as DCEs, é importante que o aluno do ensino 
médio conheça as formas pelas quais essas minorias e parte considerável 
dos trabalhadores vivenciam a discriminação, a exploração, a opressão e o 
assédio moral. Pela apropriação e reconstrução do conhecimento 
sistematizado , cabe à educação escolar garantir ao aluno a compreensão 
críticas das mudança nas relações do trabalho, problematizando a 
precarização do emprego que amplia o quadro de exclusão e instabilidades 
sociais . A escola deve olhar o ser humano como ele é singular na sua 
maneira de aprender interagir com os outros e a aprendizagem além de 
depender da estrutura biológica precisa de estímulos que devem ser 
recebidos desde a infância. Sendo assim cada pessoa é única e possui uma 
história assim como um conjunto estrutural que o forma: biológico, social e 
cultural.A escola recebe uma demanda de diferentes grupos étnicos, uma 
variedade de culturas e deve assumir a perspectiva inclusiva, buscar 
desenvolver competências e propor conteúdos com as experiências vividas 
pelos alunos, para que atribuam significados aos conteúdos, tendo 
participação