Protocolo Cirurgia Odontologia
11 pág.

Protocolo Cirurgia Odontologia


DisciplinaCirurgia3.094 materiais37.592 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PROTOCOLO DA DISCIPLINA DE CIRURGIA E ATIVIDADES PRÁTICAS 
EM CIRURGIA 
UNIVERSIDADE POSITIVO 
 
ORIENTAÇÕES GERAIS PRÉ-OPERATÓRIAS 
1.1 prontuário completo: anamnese, exame de tecidos moles, odontograma, 
plano de tratamento e aferição de sinais vitais 
- pressão arterial: medida com esfigmomanômetro e estetoscópio; o valor 
máximo refere-se à pressão sistólica e o valor mínimo, à pressão diastólica. 
- frequência cardíaca: medida na artéria carótida; contagem dos batimentos 
cardíacos durante um minuto. 
- frequência respiratória: medida por ciclos respiratórios, isto é, uma inspiração 
seguida de uma expiração; durante 1 minuto. 
1.2 radiografia panorâmica: validade de 6 meses 
1.3 radiografias periapicais: se necessário, para visualizar detalhes 
1.4 tomografias: em casos de lesões de tecidos moles e duros, dentes retidos 
quando houver suspeita de envolvimento com estruturas anatômicas. Exemplos: 
seio maxilar, fossa nasal, canal mandibular, forames da maxila e mandíbula. 
 
 
EXODONTIA PELATÉCNICA I OU TÉCNICA COM FÓRCEPS 
Definição: Remoção do dente desejado com a utilização de fórceps. 
Indicações: 
\uf0b7 Dentes com comprometimento por cárie não tratáveis endodonticamente; 
\uf0b7 Dentes doença periodontal sem possibilidade de tratamento; 
\uf0b7 Dentes por indicação ortodôntica; 
\uf0b7 Dentes em desoclusão. 
Contraindicações: 
\uf0b7 Comprometimento sistêmico do paciente; 
\uf0b7 Condições infecciosas locais importantes. 
 
Técnica: 
01) Preparo adequado do paciente 
02) Anestesia 
03) Sindesmotomia ou descolamento 
04) Apreensão do fórceps ao dente 
05) Movimento de intrusão 
06) Movimento de lateralidade vestíbulo-lingual 
07) Movimento de rotação (dentes unirradiculares) 
08) Movimento de tração 
09) Tratamento da cavidade (irrigação, curetagem e limagem) 
10) Manobras de Chompret e Valsava, se necessário 
11) Sutura 
12) Orientações e medicações pós-operatórias 
 
_______________________________________________________________ 
EXODONTIA PELATÉCNICA II OU TÉCNICA COM ALAVANCAS 
Definição: Remoção do dente desejado com a utilização de alavancas. 
Indicações: 
\uf0b7 Dentes, raízes ou ápices que possuam ponto de apoio; 
\uf0b7 Dentes ou porção coronária parcialmente destruída ou frágil. 
Contra-indicações: 
\uf0b7 Dentes isolados que não possuam ponto de apoio 
 
Técnica: 
1) Preparo adequado do paciente 
2) Anestesia 
3) Sindesmotomia 
4) Movimento de cunha 
5) Movimento de roda e alavanca 
IMPORTANTE: NÃO SE REALIZA MOVIMENTO DE ROTAÇÃO DO FÓRCEPS EM DENTES 
BIRRADICULARES OU TRIRRADICULARES. 
6) Tratamento da cavidade (irrigação, curetagem e limagem) 
7) Manobras de Chompret e Valsava, se necessário 
8) Sutura 
9) Orientações e medicações pós-operatórias. 
 
 
 
 
EXODONTIA PELA TÉCNICA III OU TÉCNICA ABERTA DE EXODONTIA 
Definição: Remoção do dente desejado com a utilização de retalho, osteotomia 
e/ou odontosecção. 
Objetivos: 
\u2022 Melhorar a visibilidade e acesso; 
\u2022 Diminuir a resistência óssea; 
\u2022 Facilitar a luxação. 
Indicações: 
\uf0b7 Dentes com anquilose, hipercementose e/ou dilaceração radicular; 
\uf0b7 Dentes com raízes divergentes; 
\u2022 Exodontias múltiplas com regularização do rebordo; 
\u2022 Dentes frágeis e sem apoio; 
\u2022 Dentes com redução do ligamento periodontal (pacientes idosos); 
\u2022 Dentes nos quais não ocorre a dilatação das corticais ósseas alveolares; 
\u2022 Dentes impactados; 
\u2022 Ápices fraturados. 
Contra-indicações: 
\uf0b7 Dentes que possam ser removidos de forma adequada somente com 
fórceps ou alavancas. 
Técnica cirúrgica: 
\u2022 Preparo adequado do paciente 
\u2022 Anestesia 
\u2022 Incisão com lâmina 15 ou lâmina 15c 
IMPORTANTE: A ponta ativa da alavanca deve SEMPRE ser aplicada entre o tecido ósseo do 
alvéolo e o dente a ser removido. 
\u2022 Descolamento 
\u2022 Afastamento do retalho 
\u2022 Osteotomia com peça de mão ou alta rotação com brocas esféricas 
2,4,6 ou 8 seguido por brocas tronco-cônicas (701, 702 ou 703) 
\u2022 Odontosecção com peça de mão e brocas tronco-cônicas (701, 702 ou 
703) ou com alta rotação e broca zecrya 
\u2022 Movimento de cunha, roda e alavanca 
 
\u2022 Preparo do Alvéolo (irrigação, curetagem e limagem) 
\u2022 Manobras de Compret e Valsava, se necessário 
\u2022 Sutura 
\u2022 Orientações e medicações pós-operatórias 
 
 
 
 
EXODONTIA DE TERCEIROS MOLARES SUPERIORES RETIDOS 
Técnica cirúrgica: 
\uf0b7 Anestesia: Deverá atingir os nervos alveolar superior posterior e palatino 
maior. Técnica anestésica: Subperióstica na face vestibular da maxila e a 
submucosa na face palatina. 
 - Instrumental: carpule com refluxo, agulha curta. Sais anestésicos e 
vasoconstritores conforme indicação do protocolo de anestesiologia. 
 
\uf0b7 Incisão: Reta sobre o rebordo alveolar com intrasulcular após a papila 
mesial do segundo molar superior e relaxante da mesial do segundo molar 
superior até o ápice do primeiro molar superior. 
 - Instrumental: cabo de bisturi 3 + lâmina 15. 
 
\uf0b7 Descolamento: Retalho de espessura total incluindo os tecidos epitelial, 
conjuntivo e periósteo. 
 - Instrumental: descolador de molt 2-4 ou descolador de molt número 9 ou 
descolador de freer. 
 
\uf0b7 Osteotomia: Remoção de osso nas faces mesial, vestibular e distal da 
parede vestibular da maxila. Essa remoção fará expor o dente retido. 
 - Instrumentos manuais: cinzel micro-oschenbiem reto número 1 ou curvo 
número 2 usado com pressão digital. 
 - Instrumentos rotatórios: brocas esféricas 2 ou 4, podem ser usadas em 
peça de mão reta associada a micromotor de baixa rotação. 
 
\uf0b7 Luxação: Alavancas apicais retas na sequencia 301, 304 e 2; introduzir 
como cunha, rodar e terminar com movimento de alavanca. Com o dente 
em luxação parcial, utilizar as alavancas seldin 1R ou 1L em movimento 
de roda para a remoção em direção ocluso-distal. 
 - Instrumental: alavancas apicais 301, 304; alavancas seldin 1R, 2, 1L. 
 
\uf0b7 Tratamento da cavidade: Irrigação inicial com soro fisiológico 0,9% ou 
água para injeção. Curetagem da região cervical do alvéolo. Limagem da 
região de osteotomia com lima para osso. Remoção do folículo 
pericoronário. Irrigação final com soro fisiológico 0,9% ou água para 
injeção. 
 - Instrumental: cureta de lucas 85 ou 86, lima para osso, seringa 
descartável de 20 ml e ponta 25x7. 
 
\uf0b7 Sutura: Pontos simples na sequência: papila mesial do segundo molar \u2013 
região oclusal do terceiro molar \u2013 incisão relaxante entre primeiro e 
segundo molares superiores. 
 - Instrumental: porta-agulhas de Mayo-Hegar, pinça Diettrich, fio de seda 
ou nylon 4.0 ou 5.0, tesoura íris reta. 
 
_______________________________________________________________ 
EXODONTIA DE TERCEIROS MOLARES INFERIORES RETIDOS 
Técnica cirúrgica: 
\uf0b7 Anestesia: Deverá atingir os nervos alveolar inferior, lingual e bucal. 
- Técnicas anestésicas: Pterigomandibular por técnica direta com 
complementação do nervo bucal por técnica submucosa ou 
pterigomandibular por técnica indireta. 
 - Instrumental: carpule com refluxo, agulha longa. Sais anestésicos e 
vasoconstritores conforme indicação do protocolo de anestesiologia. 
 
\uf0b7 Incisão: Realizada em 4 passos: (1) Reta na mucosa alveolar sobre a 
borda anterior do ramo da mandíbula, em direção disto-vestibular; (2) reta 
sobre o rebordo alveolar na região do dente retido; (3) intrasulcular até a 
papila mesial do segundo molar inferior e (4) relaxante da mesial do 
segundo molar superior até o ápice do primeiro molar superior. 
 - Instrumental: cabo de bisturi 3 + lâmina 15. 
\uf0b7 Descolamento: Retalho de espessura total incluindo os tecidos epitelial, 
conjuntivo e periósteo. 
 - Instrumental: descolador de molt 2-4 ou descolador de