O Comportamento das aves
30 pág.

O Comportamento das aves


DisciplinaEtologia235 materiais1.218 seguidores
Pré-visualização2 páginas
O comportamento das aves
ETOLOGIA DAS AVES
\uf0a0 Comportamento das aves no seu ambiente natural.
\uf0a0 Há uma diversidade muito grande neste grupo, havendo uma observação 
expansiva nas diferentes espécies. Sendo assim a observação do 
comportamento é muito diversificada, podendo haver hábitos 
semelhantes, iguais ou até mesmo diferentes. 
COMPORTAMENTO \u2013GÊNERO GALLUS 
\uf0a0 Os estudos sobre o comportamento das aves, principalmente as galinhas, datam de 1912, 
quando o gênero Gallus passou a ser estudado com mais intensidade na área da Genética.
\uf0a0 É um fenômeno complexo, pois ocorre tanto em indivíduos isolados como em grupos, sendo 
controlado através de mecanismos neurobiológicos e hormonais.
\uf0a0 Principais aspectos compreende em: espaço, proteção das penas (glândulas do uropígio), 
ciscar, espojar, banhar, empoleirar etc.
\uf0a0 Hábitos que se alteram desde a criação à solta, a criação em semi confinamento até o 
confinamento total.
MUDANÇAS QUE VEM OCORRENDO EM AVES CONFINADAS
\uf0a0 Glândulas do uropígio - não apresentam as funções de lubrificação das penas, pois 
praticamente não são usadas e tendem a atrofiar-se.
\uf0a0 Moela a princípio uma musculatura dura, capaz de moer os grãos ingeridos, auxiliada no 
processo pela ingestão de pedriscos. Como a ave recebe uma ração toda farelada, a 
musculatura rígida se transforma em uma musculatura flácida, devido à falta de função. 
\uf0a0 Ato de lamber as penas: hábito que vem ocorrendo em quase todos os plantéis de 
reprodução sem provocar nenhum problema importante. A única mudança provocada é 
o desgaste das penas que desaparece quando as aves entram na fase de reprodução. 
ALGUNS ASPECTOS:
Frango caipira Frango de granja
Criado solto Confinado
Menos cuidados Maiores cuidados
Cruzamento de várias raças Única raça
Crescimento normal Crescimento rápido
Espaço para ciscar Espaço artificial para 
ciscar/ausência 
Dormem em arvores/puleiros Dormem no chão
Alimentação livre Alimentação específica
CARACTERÍSTICAS GERAIS GALINHAS
\uf0a0 Voam apenas pequenas distâncias: devido à adaptação doméstica e a 
necessidade de buscar alimento apenas no chão, a evolução da espécie fez 
as galinhas perderem a habilidade de voar. 
\uf0a0 Canto intimidador: Ele utiliza o canto para avisar ao galinheiro que está no 
comando e para intimidar os eventuais desafiantes que possam vir a substituí-lo.
\uf0a0 A galinha não precisa ser fecundada pelo macho para botar ovos.
\uf0a0 Água constitui cerca de 75% do peso corporal de uma ave adulta e cerca de 65% do peso de um ovo. 
Consumida duas vezes mais do que a ração pelas aves, podendo aumentar com a elevação da 
temperatura.
\uf0a0 Quando em seu ambiente natural, galinhas formam complexas hierarquias sociais e cada galinha 
sabe o seu lugar na escada social, lembrando-se dos rostos e posições de mais de 100 outras aves . 
Os cientistas concordam que complexas estruturas sociais e boas memória são sinais inegáveis de 
inteligência avançada.
\uf0a0 Segundo Baeta & Souza (2010) - um ambiente considerado confortável para as aves deve estar 
entre 20 e 30°C, mas para Barbosa Filho (2004) - acima de 27°C as aves começam a ter perdas 
produtivas com redução da espessura da casca, perda de peso dos componentes constituintes do 
ovo, má formação do ovo e menor número de postura.
\uf0a0 Alimentação: insetos, pequenos anfíbios, lesmas, caramujos, frutas, sementes, folhas e 
capins estão dentro da sua cadeia alimentar. Muitas vezes são alimentadas com resto de 
comida proveniente da nossa cozinha. 
\uf0a0 Possuem o costume de dormir empoleiradas.
PROTOCOLO DE ESPAÇO P/ GALINHAS POEDEIRAS E FRANGO DE CORTE 
Instalações: As aves devem ser criadas sob proteção e conforto adequados. 
As condições de alojamento devem ser apropriadas para proteger as aves de 
condições adversas, oferecendo níveis adequados de temperatura e umidade 
e proteção contra precipitação, insolação direta e ações de animais 
predadores. 
As instalações devem ser mantidas limpas e organizadas.
\uf0a0 A temperatura e o nível de ventilação dentro do aviário devem ser apropriados ao 
sistema de criação, idade, peso e estado fisiológico das aves, permitindo que estas 
mantenham sua temperatura corporal normal sem dificuldades.
\uf0a0 A instalações devem prover um fluxo continuo de ar fresco para todas as aves, 
minimizando os níveis de gases contaminantes e poeiras.
\uf0a0 Recomenda-se que se disponha de termo higrômetro nos galpões de produção para 
determinar se a temperatura e a umidade estão de acordo com a necessidade das aves.
\uf0a0 A granja deve proporcionar condições ambientais tais como temperatura, umidade, 
ventilação e luminosidade. 
\uf0a0 A zona de conforto térmico deve ser definida pela empresa de acordo com o clima da 
região. 
\uf0a0 Alimentação e nutrição: As aves devem receber alimentação e nutrição apropriadas. 
\uf0a0 É importante que os sistemas de alimentação e de provisão de água permitam o adequado 
acesso das aves aos mesmos. 
\uf0a0 O espaço para alimentação adotado na granja deve ser suficiente para permitir o acesso das 
aves à ração sem induzir a competitividade.
\uf0a0 A água de bebida deve ser potável e provida em quantidades suficientes.
\uf0a0 As amostras dos alimentos utilizados devem ser mantidas por um período mínimo de sessenta 
dias. 
\uf0a0 Os processos de tratamento da água de bebida devem ser monitorados e os registros devem 
ser mantidos.
\uf0a0 A temperatura recomendada para a água de bebida é de 20°C.
\uf0a0 Cada galpão deverá ter um medidor para o controle do consumo de água.
\uf0a0 Condições ambientais e de higiene: As condições ambientais e de higiene dentro 
dos núcleos e aviários devem ser manejadas para garantir o bem-estar das aves e 
do trabalhador. 
\uf0a0 O manejo da cama, da ventilação e dos bebedouros deverá ser feito de tal forma 
que evite a umidade excessiva da cama. 
\uf0a0 As aves não devem ser sujeitas a barulho intenso ou ruído que as perturbem. 
\uf0a0 A provisão de luz deve permitir a inspeção das aves.
\uf0a0 Densidade frangos de corte: deve permitir que as aves tenham 
condições de expressar seu comportamento normal. 
Recomenda-se que a densidade máxima não ultrapasse 
39kg/m².
\uf0a0 Densidade galinhas de postura: A recomendação de espaço 
nas gaiolas é de: - 375 cm2 /ave (brancas); - 450 cm2 /ave 
(vermelhas). Baseando-se em uma gaiola com as seguintes 
medidas: 45 x 50 = 2250 cm². 
Ou 
A densidade recomendada em cama é de: - 10 aves/m2 
(brancas) - 8 aves /m2 (vermelhas) 
A densidade de alojamento deve permitir o movimento das aves 
assim como espaço para que todas possam se deitar ao mesmo 
tempo sem haver o amontoamento e todas as aves nos 
sistemas de criação com piso devem dispor de espaço suficiente 
para se movimentar, bater asas, empoleirar ou deitar-se sem 
dificuldade. 
ETOGRAMA COMPORTAMENTAL PARA AVES POEDEIRAS
COMPORTAMENTOS DESCRIÇÃO
Sentada Caracterizado quando o corpo das aves está em contato com a 
parte inferior da gaiola.
Comendo Consumindo ou bicando alimentos do comedouro.
Bebendo Consumindo água do bebedouro.
Explorando as penas Explorando o empenamento com o bico
Bicagem não agressiva Bicagem levemente em outras aves
Bicagem agressiva Bicagem forte em outra ave provocando reação agressiva
Movimentos de desconforto Movimentos de esticar as asas e perna do mesmo lado do 
corpo simultaneamente.
Parada Caracterizado quando a ave não apresenta nenhum 
movimento
Postura Caracterizado quando a ave está sentada no fundo da gaiola 
com a comprovação que há ovo.
Fonte: Rudkin e Stewart.
ETOGRAMA DE FRANGOS DE CORTE 
COMPORTAMENTOS DESCRIÇÃO
Sentado Comportamento caracterizado quando o corpo das aves está 
em contato com o solo, piso ou cama. 
Comendo Consumindo ou bicando alimento no comedouro.
Bebendo Consumindo água no bebedouro.
Explorando Pena Explorando o empenamento com