síndromes hemorrágicas primeira metade USP 2

síndromes hemorrágicas primeira metade USP 2


DisciplinaGinecologia e Obstetrícia496 materiais9.968 seguidores
Pré-visualização2 páginas
*
SÍNDROMES HEMORRÁGICAS
Profa. Dra. Natalúcia Matos Araújo
 EACH - USP
*
 
 As situações hemorrágicas ocorrem entre 10 a 15% durante a gestação e podem estar relacionadas à complicação gestacional ou agravos ginecológicos simultaneamente ao período gravídico.
 (BRASIL, 2010) 
*
CLASSIFICAÇÃO
Primeira Metade
- Abortamento 
- Gravidez ectópica 
- Mola hidatiforme
(neoplasia trofoblástica gestacional benigna) 
 Segunda Metade
 - PP
 - DPP
 - Rotura uterina, 
 - Vasa prévia 
*
ABORTAMENTO
 A Organização Mundial da Saúde estabelece como limites para caracterizá-lo, a perda de conceptos de até 22 semanas completas, 500 gramas ou 16,5 cm. 
 
Hemorragias da primeira metade da gestação
*
ETIOLOGIA
Fatores genéticos - aberrações cromossômicas / embriões com cromossomopatias.
Fatores imunológicos - doenças autoimunes; fatores aloimunes (falta de anticorpos bloqueadores que protegem as células embrionárias \u2013 vacina do marido).
Fatores endócrinos -Insuficiência de Corpo Lúteo, caracterizada por uma produção diminuída de progesterona.
*
 Fatores hematólogicos \u2013 trombofilias hereditárias e adquiridas.
 Fatores anatômicos - malformações uterinas, pólipos uterinos, miomatose uterina, incompetência istmo cervical.
 Fatores infecciosos - clamídia, micoplasma
 Fatores ambientais \u2013 álcool, tabagismo, radiação, gases anestésicos...
*
Fatores anatômicos
*
DIAGNÓSTICO
*
Abortamento precoce - a interrupção da gravidez se dá até 12 semanas
Abortamento tardio- acontece com mais de 12 semanas e até 22 semanas 
 Cerca de 80% dos abortamentos ocorrem nas primeiras 12 semanas de gestação
 CLASSIFICAÇÃO QUANTO AO PERÍODO DE
 OCORRÊNCIA 
*
Abortamento espontâneo 
Abortamento induzido
a. abortamento induzido legal
b. abortamento induzido ilegal
 b.1. por razões não-médicas 
 b.2. por razões terapêuticas 
 (graves malformações fetais)
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À MOTIVAÇÃO
*
Feto com anencefalia \u2013 (12/04/12) pode-se interromper a gravidez legalmente,sem necessidade de recorrer à Justiça. Caberá a gestante decidir se leva a gestação adiante ou realiza a antecipação terapêutica do parto. Até então, a legislação permitia o aborto somente em caso de estupro ou risco à saúde da grávida. Fora dessas situações, a mulher poderia ser condenada de um a três anos de prisão e o médico, de um a quatro anos.
*
CLASSIFICAÇÃO QUANTO À EVOLUÇÃO CLÍNICA
*
 ABORTAMENTO EVITÁVEL
 Quando o concepto mantém a viabilidade, tem quadro clínico discreto quanto à hemorragia e dor e o orifício interno do colo permanece fechado. 
*
ABORTAMENTO INEVITÁVEL
Quando o produto conceptual perde a vitalidade e não existe possibilidade de evolução da gestação
A sintomatologia é mais intensa quanto a hemorragia e a dor em cólica.
O exame clínico evidencia colo dilatado, o que confirma o diagnóstico de abortamento inevitável.
 
*
TRATAMENTO
Depende da idade gestacional. 
Infusão com Ocitocina
Misoprostol
Até a 12ª - 14ª semana, procede-se a aspiração a vácuo ou curetagem 
 
*
 - É um procedimento médico, rápido, simples e seguro de esvaziamento uterino para o tratamento do aborto incompleto e para a biópsia endometrial. 
 - Consiste na aspiração do conteúdo uterino através de um aspirador à vácuo acoplado a cânulas de plástico semi-flexível de diferentes espessuras (de 3mm a 12mm).
AMIU (Aspiração Manual Intrauterina)
*
AMIU (Aspiração Manual Intra-Uterina)
Apresenta vantagens importantes sobre a curetagem:
Dilatação Cervical requerida apenas ocasionalmente
Menor necessidade de recursos para controle da dor
Habilitação profissional simplificada
-Possibilidade de realização fora do centro cirúrgico
- Menor tempo de permanência hospitalar
- Alta eficácia no esvaziamento uterino
- Menor incidência de complicações
*
*
ASSISTÊNCIA
Orientar repouso no leito;
Observar o sangramento vaginal, incluindo a cor, quantidade, presença de coágulos e/ou de tecidos;
Observar presença de dor semelhante às cólicas menstruais ou dor lombar baixa;
Monitorar os sinais vitais de acordo com a gravidade da situação;
Atentar para sinais como
 - inquietude, taquicardia, hipotensão, sudorese e palidez;
Monitorar o nível de Hb e de Ht;
*
ASSISTÊNCIA
Verificar o tipo sanguíneo e o fator Rh;
Manter punção periférica calibrosa;
Administrar medicamentos conforme prescrição médica;
Proporcionar medidas de conforto como: trocas de posição, técnicas de relaxamento e massagem;
Aceitar a reação da paciente frente a perda. 
*
Orientar abstinência sexual, principalmente o coito, o orgasmo e a estimulação do mamilo;
Orientar a não aplicação de duchas vaginais;
Enfatizar quanto à importância do acompanhamento pré-natal.
PARA O TRATAMENTO CLÍNICO DOMICILIAR: 
*
GESTAÇÃO ECTÓPICA
A localização mais freqüente é a tubária (90 a 95% dos casos).
*
ETIOLOGIA DA GESTAÇÃO ECTÓPICA
(GE)
História de gravidez ectópica prévia; 
Cirurgia tubária prévia; 
Infecções tubárias anteriores;
Contracepção com progesterona ou DIU.
(BRASIL, 2010)
*
 Aparece entre a quinta e a décima semana de gravidez
 gestação ectópica íntegra
Atraso menstrual
Sangramento vaginal irregular 
Dor de um só lado do abdomen 
Sensação de plenitude na região dos anexos 
 
SINTOMATOLOGIA DA GE
*
Na gestação ectópica rota, o sangue e os produtos da concepção extravasam para dentro da pelve ou da cavidade peritoneal, tendo como complicações a hemorragia, choque e peritonite. 
 
SINTOMATOLOGIA DA GE
*
 GRITO DE DOUGLAS
 Quando ocorre a rotura tubária, o sangue derramado na cavidade abdominal acumula-se no fundo de saco de Douglas e o toque vaginal profundo provoca dor aguda (grito de Douglas), designado sinal de Proust. 
 
SINTOMATOLOGIA DA GE
*
Punção de fundo de saco de Douglas (culdocentese):
 
 
 
O sangue aspirado é escuro, incoagulável e viscoso. 
SINTOMATOLOGIA DA GE
*
DIAGNÓSTICO DA GE
 Ultra-sonografia transvaginal 
Dosagem quantitativa da subunidade da gonadotrofina 
coriônica humana (hCG) 
Se a gestante apresenta dosagens de \u3b2-hCG superiores a 1.000 UI/ml e ausência
 de saco gestacional intra-útero ao exame de US endovaginal, a gravidez é, certamente, ectópica.
*
Adotada em algumas gestantes selecionadas
Pouca dor ou sangramento;
Confiabilidade na gestante para seguimento;
Nenhuma evidência de rotura tubária;
Nível de \u3b2HCG <1.000 mUI/ml e em queda;
Massa ectópica ou anexial <3 cm ou não detectável;
Ausência de BCF;
Estabilidade hemodinâmica.
TRATAMENTO DA GE
Conduta expectante 
*
 
 
TRATAMENTO DA GE
Intervenção cirúrgica
 Methotrexate (para ectópica integra) interromper a divisão celular do embrião e este ser reabsorvido pelo corpo.
 Massa ectópica medindo 4cm ou menos.
Dose - 50mg/m2, IM em dose única 
*
 Critérios para o uso de methotrexate:
Gravidez ectópica íntegra 
Embrião sem atividade cardíaca 
Estabilidade Hemodinâmica 
Ausência de doença hepática ou renal 
Consentimento informado da paciente 	
Contra-indicações: 	
Hipersensibilidade 
b-hCG maior que15.000 
BCF presente 
Líquido livre no FS
Imunodeficiência 
Doença renal, hepática, pulmonar e hematológica 
Amamentação 	
*
 
 
ASSISTÊNCIA
Orientar repouso no leito;
Observar sangramento vaginal;
Avaliar a dor - qualidade, frequência, localização e intensidade; 
Monitorar os sinais vitais;
Manter punção periférica calibrosa;
Administrar medicamentos conforme prescrição médica;
Coletar sangue para classificação e prova cruzada e determinação do Rh;