A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
AD 2 2017 1

Pré-visualização | Página 1 de 1

Fundação Centro de Ciências e Educação a Distância do Estado do Rio de Janeiro 
Centro de Educação Superior a Distância do Estado do Rio de Janeiro 
Universidade Federal Fluminense 
Curso de Licenciatura em Letras – UFF / CEDERJ 
 
Disciplina: Português IV 
Coordenador: Prof. Dr. Ronaldo Amorim Lima 
 
AD2 – 2017.1 
 
Aluno(a): __________________________________________________________ 
 
Polo: _______________________________ Matrícula ________________ 
 
Nota: _______________ 
 
 
Observação: A avaliação levará em conta também a correção gramatical e 
ortográfica, além da organização de seu texto. 
 
 
LEIA O TEXTO. 
 
Os urubus e os sabiás (adaptado) 
 
 Tudo aconteceu numa terra distante no tempo em que os bichos falavam... Os urubus, 
aves por natureza becadas, mas sem dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a 
natureza, eles haveriam de se tornar grandes cantores, os melhores do mundo. E, para isto, foram 
fazer cursos no exterior, fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, 
mandaram imprimir diplomas e fizeram competições entre si para ver quais deles seriam os mais 
importantes e teriam a permissão de mandar uns nos outros. Foi assim que eles organizaram 
concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de 
carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, suprema autoridade, a quem todos chamavam 
por Vossa Excelência. Tudo ia muito bem até que a harmonia e a doce tranquilidade da hierarquia 
dos urubus foram estremecidas. A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que 
brincavam com os canários e faziam serenatas com os sabiás... Os velhos urubus entortaram o 
bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um 
inquérito. “Passarinhos, onde estão os documentos dos seus concursos?”. E as pobres aves se 
olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvesse. Não haviam 
passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E nunca apresentaram um 
diploma para provar que sabiam cantar, mas cantavam simplesmente... – Não, assim não pode 
ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem. 
 E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem 
alvarás. 
 MORAL: Em terra de urubus diplomados não se ouve o canto do sabiá. 
Rubem Alves, Estórias de quem gosta de ensinar, Cortez 
Editora, 1984. 
 
QUESTÕES 
 
1) Utilizando como exemplo a segunda ocorrência do verbo “haver” no trecho E as 
pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas 
houvesse, conceitue verbo impessoal. (2 pontos) 
2) Explique a irregularidade verbal, retirando do texto três exemplos de verbos regulares 
e três de verbos irregulares. (2 pontos) 
3) Nas linhas 3 e 9 do texto Os urubus e os sabiás, há ocorrências da forma verbal 
“foram”. Responda em que tempo encontram-se essas formas e a que verbo ou 
verbos elas pertencem. (2 pontos) 
4) Diga o que é um verbo abundante, utilizando como exemplo o verbo “expulsar”. (1 
ponto) 
5) Defina morfema lexical e morfema gramatical, retirando exemplos do texto. (1,5 ponto) 
6) Considerando os substantivos sublinhados nos fragmentos abaixo, informe em que 
lugar o gênero de cada um deles encontra-se marcado. (1,5 ponto) 
• Os urubus, aves por natureza becadas... 
• ... e a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus...