A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 20 de 50

de	
  má-­‐fé,	
  responderão	
  por	
  perdas	
  e	
  danos.	
  
Art.	
   637.	
   O	
   herdeiro	
   do	
   depositário,	
   que	
   de	
   boa-­‐fé	
   vendeu	
   a	
   coisa	
  
depositada,	
  é	
  obrigado	
  a	
  assistir	
  o	
  depositante	
  na	
  reivindicação,	
  e	
  a	
  restituir	
  
ao	
  comprador	
  o	
  preço	
  recebido.	
  
	
  
	
   Se	
   o	
   depositário	
   se	
   tornar	
   incapaz,	
   a	
   pessoa	
   que	
   assumir	
   a	
   administração	
   dos	
   bens,	
  
devem	
  providenciar	
  de	
  imediato	
  a	
  restituição	
  da	
  coisa.	
  
Art.	
   641.	
   Se	
   o	
   depositário	
   se	
   tornar	
   incapaz,	
   a	
   pessoa	
   que	
   lhe	
   assumir	
   a	
  
administração	
   dos	
   bens	
   diligenciará	
   imediatamente	
   restituir	
   a	
   coisa	
  
depositada	
   e,	
   não	
   querendo	
   ou	
   não	
   podendo	
   o	
   depositante	
   recebê-­‐la,	
  
recolhê-­‐la-­‐á	
   ao	
   Depósito	
   Público	
   ou	
   promoverá	
   nomeação	
   de	
   outro	
  
depositário.	
  
	
  
60	
  
	
   	
   A	
  restituição	
  deve	
  ser	
  feita	
  no	
  local	
  convencionado.	
  Não	
  havendo	
  convenção,	
  o	
   lugar	
  
será	
  onde	
  tiver	
  a	
  coisa	
  guardada.	
  
Art.	
  631.	
   Salvo	
  disposição	
  em	
  contrário,	
  a	
   restituição	
  da	
  coisa	
  deve	
  dar-­‐se	
  
no	
   lugar	
  em	
  que	
   tiver	
  de	
   ser	
  guardada.	
  As	
  despesas	
  de	
   restituição	
  correm	
  
por	
  conta	
  do	
  depositante.	
  
	
  
O	
  depositário	
  que	
   recebeu	
  a	
   coisa	
   em	
   favor	
  de	
   terceiro,	
   não	
  pode,	
   sem	
  autorização	
  
deste,	
  restituí-­‐la	
  ao	
  depositante.	
  
Art.	
   632.	
   Se	
   a	
   coisa	
   houver	
   sido	
   depositada	
   no	
   interesse	
   de	
   terceiro,	
   e	
   o	
  
depositário	
   tiver	
   sido	
   cientificado	
  deste	
   fato	
  pelo	
  depositante,	
   não	
  poderá	
  
ele	
  exonerar-­‐se	
  restituindo	
  a	
  coisa	
  a	
  este,	
  sem	
  consentimento	
  daquele.	
  
	
  
	
   	
   Na	
  hipótese	
  de	
  a	
  coisa	
  depositada	
  se	
  perder	
  e	
  houver	
  sido	
  reposta,	
  o	
  depositário	
  deve	
  
restituir	
  a	
  segunda.	
  Se,	
  quanto	
  a	
  primeira,	
  receber	
  indenização	
  (seguro,	
  p.	
  ex.),	
  deve	
  entregá-­‐
la	
  ao	
  depositante,	
  ou,	
  se	
  estiver	
  incompleta,	
  ceder	
  as	
  ações	
  a	
  que	
  tiver	
  direito.	
  
Art.	
   636.	
   O	
   depositário,	
   que	
   por	
   força	
   maior	
   houver	
   perdido	
   a	
   coisa	
  
depositada	
  e	
  recebido	
  outra	
  em	
  seu	
  lugar,	
  é	
  obrigado	
  a	
  entregar	
  a	
  segunda	
  
ao	
   depositante,	
   e	
   ceder-­‐lhe	
   as	
   ações	
   que	
   no	
   caso	
   tiver	
   contra	
   o	
   terceiro	
  
responsável	
  pela	
  restituição	
  da	
  primeira.	
  
 
3.2.	
  Depósito	
  necessário	
  (CC,	
  arts.	
  647-­‐652).	
  	
  
	
   	
   É	
  aquele	
  que	
  não	
  depende	
  da	
  vontade	
  das	
  partes.	
  É	
  realizado	
  por	
  imposição	
  legal	
  ou	
  
por	
  circunstâncias	
  que	
  não	
  oportunizam	
  ao	
  depositante	
  escolher	
  o	
  depositário.	
  
	
   Divide-­‐se	
   em	
   -­‐	
   ou	
   são	
   exemplos	
   -­‐	
  depósito	
   legal,	
   depósito	
  miserável	
   ou	
   depósito	
   do	
  
hoteleiro.	
  
	
  
	
  
61	
  
a)	
  Depósito	
  legal	
  	
  
	
   	
   É	
  a	
  lei	
  que	
  determina	
  a	
  realização	
  do	
  depósito.	
  	
  
São	
  exemplos:	
  
-­‐	
  Entrega	
  de	
  coisa	
  achada	
  à	
  autoridade	
  (arts.	
  647,	
  I,	
  1.233,	
  §	
  ún);	
  	
  
-­‐	
  Consignação,	
  havendo	
  litígio	
  entre	
  os	
  credores	
  (art.	
  345);	
  	
  
-­‐	
  Depósito	
  público,	
  pelo	
  curador,	
  se	
  o	
  depositário	
  se	
  tornar	
  incapaz	
  (art.	
  641)	
  e	
  	
  
	
   -­‐	
   Entrega	
   do	
   que	
   sobrar	
   ao	
   devedor	
   pelo	
   credor	
   pignoratício,	
   no	
   caso	
   de	
   venda	
  
amigável	
  do	
  bem	
  (1.435,	
  V).	
  
	
  	
  
b)	
  Depósito	
  miserável	
  	
  
	
   É	
   aquele	
   que	
   decorre	
   da	
   necessidade	
   que	
   tem	
   o	
   depositante	
   de,	
   para	
   evitar	
   o	
  
perecimento,	
  entregar	
  os	
  seus	
  bens	
  a	
  primeira	
  pessoa	
  que	
  aceite	
  guardá-­‐los	
  (Gonçalves).	
  	
  
	
   Ocorrem	
   em	
   casos	
   de	
   calamidade	
   pública,	
   como	
   incêndio,	
   inundação,	
   terremoto,	
  
saque,	
  guerra,	
  naufrágio	
  (CC,	
  art.	
  647,	
  II).	
  	
  
	
  
c)	
  Depósito	
  do	
  hoteleiro	
  ou	
  hospedeiro	
  	
  
	
   Este	
  depósito	
  necessário	
  decorre	
  do	
  contrato	
  de	
  hospedagem	
  (art.	
  649).	
  O	
  hospedeiro	
  
recebe	
   em	
   depósito	
   a	
   bagagem	
   dos	
   hóspedes.	
   Abrangem,	
   além	
   dos	
   hotéis	
   e	
   pousadas,	
   os	
  
hospitais,	
   colégios,	
   internatos,	
   e	
   outros	
   locais	
   que	
   forneçam	
   leito	
   e	
   não	
   apenas	
   comida	
   e	
  
bebida	
  (Gonçalves).	
  	
  
	
   Os	
   hospedeiros	
   respondem	
   pelo	
   furto	
   dos	
   bens	
   dos	
   hóspedes.	
   A	
   cláusula	
   de	
   não	
  
indenizar,	
   por	
   ventura	
   pactuada,	
   é	
   nula,	
   por	
   contrariar	
   o	
   Código	
   de	
  Defesa	
   do	
   Consumidor	
  
(arts.	
  51,	
  I	
  e	
  IV).	
  Todavia	
  se	
  isentam	
  de	
  responsabilidade	
  se	
  a	
  perda	
  ou	
  deterioração	
  dos	
  bens	
  
depositados	
  forem	
  causadas	
  por	
  caso	
  fortuito	
  ou	
  força	
  maior	
  (art.	
  650)	
  ou	
  por	
  culpa	
  exclusiva	
  
do	
  hóspede.	
  
	
  
62	
  
c)	
  Depósito	
  irregular	
  
	
   Depósito	
   irregular	
   é	
   aquele	
   que	
   recai	
   sobre	
   bens	
   fungíveis.	
   Nesta	
   espécie,	
   o	
  
depositário,	
   afirma	
   Cunha	
   Gonçalves,	
   “pode	
   utilizar	
   e	
   dispor	
   da	
   coisa	
   depositada	
   e	
   restitui	
  
outra	
  da	
  mesma	
  qualidade	
  e	
  quantidade”.	
  É	
  exemplo,	
  conforme	
  Silvio	
  Rodrigues,	
  o	
  depósito	
  
de	
   dinheiro	
   nos	
   bancos.	
   Os	
   contratos	
   de	
   depósito	
   irregular	
   e	
   de	
   mútuo	
   parecem-­‐se	
  
equiparados.	
   Todavia,	
   esclarece	
   Carlos	
   Roberto	
   Gonçalves,	
   não	
   há,	
   a	
   rigor,	
   entre	
   esses	
  
contratos	
  uma	
  perfeita	
   identificação.	
  O	
  depósito	
  é	
   realizado	
  no	
   interesse	
  do	
  depositante;	
  o	
  
mútuo,	
  no	
  do	
  depositário.	
  
	
  
3.3.	
  Regular	
  ou	
  ordinário	
  	
  
	
   Tem	
  por	
  objeto	
  coisas	
  infungíveis.	
  O	
  depositário	
  restitui	
  ao	
  depositante	
  a	
  mesma	
  coisa	
  
recebida.	
  Se	
  o	
  depósito	
  bancário	
  de	
  dinheiro,	
  à	
  ordem	
  ou	
  a	
  prazo,	
  é	
  irregular,	
  o	
  do	
  cofre	
  de	
  
aluguel	
  com	
  joias	
  e	
  valores	
  ou	
  títulos	
  de	
  crédito	
  é	
  depósito	
  regular.	
  
	
  
3.4.	
  Depósito	
  judicial	
  	
  
	
   É	
  aquele	
  que	
  decorre	
  de