A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 22 de 50

de	
  se	
  confundir	
  mandato	
  com	
  mandato.	
  Mandato	
  é	
  um	
  contrato	
  onde	
  uma	
  das	
  
partes	
  se	
  obriga	
  a	
  praticar	
  atos	
  jurídicos	
  por	
  conta	
  da	
  outra;	
  mandado	
  é	
  uma	
  ordem	
  judicial,	
  
proferida	
  nos	
  autos	
  de	
  um	
  processo.	
  
A	
  representação	
  não	
  se	
  confunde	
  com	
  mandato,	
  pois	
  pode	
  haver	
  representação	
  sem	
  
mandato	
  (ex.:	
  representação	
  legal	
  dos	
  incapazes	
  –	
  tutela	
  e	
  curatela;	
  inventariante,	
  síndico	
  da	
  
falência),	
  e	
  mandato	
  sem	
  representação	
   (o	
  mandatário	
   tem	
  poderes	
  para	
  agir	
  por	
  conta	
  do	
  
mandante,	
  mas	
  em	
  nome	
  próprio,	
  contrato	
  de	
  comissão).	
  
Procuração	
   é	
   um	
   documento,	
   público	
   ou	
   particular,	
   por	
   meio	
   do	
   qual	
   uma	
   pessoa	
  
estabelece	
  quais	
  os	
  poderes	
  outorgados	
  a	
  outrem	
  para	
  que	
  possa	
  praticar	
  atos	
  ou	
  administrar	
  
negócios	
  em	
  seu	
  interesse	
  (Gagliano).	
  
	
  
4.	
  Pessoas	
  que	
  podem	
  outorgar	
  procuração	
  
Todas	
  as	
  pessoas	
  capazes	
  podem	
  receber	
  procuração.	
  
Art.	
   654.	
   Todas	
   as	
   pessoas	
   capazes	
   são	
   aptas	
   para	
   dar	
   procuração	
  
mediante	
   instrumento	
  particular,	
  que	
  valerá	
  desde	
  que	
  tenha	
  a	
  assinatura	
  
do	
  outorgante.	
  
67	
  
Não	
  podem	
  dar	
  procuração	
  os	
  absolutamente	
  incapazes.	
  No	
  caso,	
  quem	
  a	
  outorga	
  são	
  
seus	
   representantes.	
   	
   Os	
   relativamente	
   incapazes	
   são	
   assistidos	
   e	
   outorgam	
   procuração	
  
juntamente	
  com	
  o	
  assistente.	
  
A	
   mulher	
   casada	
   pode	
   outorgar	
   procuração	
   ao	
   marido	
   para	
   alienar	
   ou	
   gravar	
   bem	
  
imóvel	
  do	
  casal,	
  mas	
  deve	
  observar	
  a	
  forma	
  pública	
  (art.	
  220	
  e	
  657).	
  
	
  
5.	
  Pessoas	
  que	
  podem	
  receber	
  mandato	
  
Qualquer	
  pessoa	
  a	
  partir	
  dos	
  16	
  anos.	
  
Art.	
   666.	
   O	
  maior	
   de	
   dezesseis	
   e	
  menor	
   de	
   dezoito	
   anos	
   não	
   emancipado	
  
pode	
  ser	
  mandatário,	
  mas	
  o	
  mandante	
  não	
   tem	
  ação	
  contra	
  ele	
   senão	
  de	
  
conformidade	
  com	
  as	
  regras	
  gerais,	
  aplicáveis	
  às	
  obrigações	
  contraídas	
  por	
  
menores.	
  
	
  
6.	
  Forma	
  
O	
   mandato	
   pode	
   ser:	
   expresso	
   ou	
   tácito;	
   verbal	
   ou	
   escrito;	
   público	
   ou	
   particular;	
  
gratuito	
  ou	
  oneroso;	
  judicial	
  ou	
  extrajudicial.	
  
Expresso	
  é	
  quando	
  o	
  mandato	
  decorre	
  da	
  vontade	
  das	
  partes.	
  Esta	
  vontade	
  pode	
  ser	
  
manifestada	
  por	
  escrito,	
  por	
  palavras	
  ou	
  por	
  gestos,	
  como	
  refere	
  João	
  Luiz	
  Alves.	
  
Tácito,	
   diz	
   a	
   doutrina,	
   é	
   o	
  mandato	
   que	
   decorre	
   de	
   presunção	
   legal.	
   Gonçalves	
   cita	
  
como	
  exemplo	
  a	
  autorização	
  dada	
  pelo	
  artigo	
  1.643,	
   I	
  e	
   II,	
  do	
  Código	
  Civil,	
  ao	
  cônjuge,	
  sem	
  
autorização	
   do	
   outro,	
   para	
   comprar,	
   ainda	
   a	
   crédito,	
   as	
   coisas	
   necessárias	
   à	
   economia	
  
doméstica	
  e	
  a	
  obter,	
  por	
  empréstimo,	
  as	
  quantias	
  que	
  a	
  aquisição	
  dessas	
  coisas	
  possa	
  exigir;	
  e	
  
pelo	
  artigo	
  1.324	
  a	
  administração	
  por	
  condômino	
  sem	
  oposição	
  dos	
  outros.	
  
Verbal	
   é	
   o	
  mandato	
   utilizado	
   para	
   os	
   casos	
   em	
  que	
   a	
   lei	
   não	
   exige	
   forma	
   escrita.	
   É	
  
admitido	
  nos	
  negócios	
  jurídicos	
  cujo	
  valor	
  não	
  ultrapasse	
  o	
  décuplo	
  do	
  maior	
  salário	
  mínimo	
  
vigente	
   no	
   País	
   ao	
   tempo	
   em	
  que	
   foram	
   celebrados,	
   porque,	
   nos	
   termos	
   do	
   artigo	
   227	
   do	
  
código	
  Civil,	
  pode	
  ser	
  provado	
  por	
  testemunha.	
  
68	
  
Escrito	
  é	
  o	
  mandato	
  que	
  materializou	
  a	
  palavra	
  de	
  forma	
  escrita.	
  Pode	
  ser	
  público	
  ou	
  
particular.	
  
Público	
  é	
  o	
  mandato	
  feito	
  e	
  assinado	
  no	
  livro	
  de	
  notas,	
  diz	
  Rizzardo.	
  Há	
  casos	
  em	
  que	
  a	
  
lei	
   impõe	
   o	
   instrumento	
   público.	
   Como	
   referem	
   Gagliano	
   e	
   Pamplona	
   ,	
   por	
   exemplo,	
   “se	
  
Cedric	
  constitui	
  Jorge	
  como	
  seu	
  mandatário	
  para	
  vender	
  seu	
  valioso	
  apartamento	
  para	
  Iuri,	
  a	
  
forma	
  pública	
   será	
   essencial,	
   uma	
   vez	
   que	
   o	
   negócio	
   jurídico	
   de	
   compra	
   e	
   venda,	
   no	
   caso,	
  
também	
  se	
  dará	
  através	
  de	
  escritura	
  pública”.	
  Anota-­‐se,	
  esta	
  não	
  é	
  a	
  posição	
  	
  de	
  Caio	
  Mário	
  
da	
  Silva	
  Pereira,	
  que,	
  distinguindo	
  os	
  dois	
  atos,	
  dispensa	
  a	
  formalidade	
  para	
  o	
  de	
  mandato.	
  
Art.	
  657.	
  A	
  outorga	
  do	
  mandato	
  está	
  sujeita	
  à	
  forma	
  exigida	
  por	
  lei	
  para	
  o	
  
ato	
  a	
  ser	
  praticado.	
  Não	
  se	
  admite	
  mandato	
  verbal	
  quando	
  o	
  ato	
  deva	
  ser	
  
celebrado	
  por	
  escrito.	
  
Art.	
  108.	
  Não	
  dispondo	
  a	
  lei	
  em	
  contrário,	
  a	
  escritura	
  pública	
  é	
  essencial	
  à	
  
validade	
   dos	
   negócios	
   jurídicos	
   que	
   visem	
   à	
   constituição,	
   transferência,	
  
modificação	
  ou	
  renúncia	
  de	
  direitos	
  reais	
  sobre	
  imóveis	
  de	
  valor	
  superior	
  a	
  
trinta	
  vezes	
  o	
  maior	
  salário	
  mínimo	
  vigente	
  no	
  País.	
  
	
  
No	
  entanto,	
  por	
   interpretação	
  do	
  artigo	
  221	
  combinado	
  com	
  o	
  artigo	
  654,	
  do	
  Código	
  
Civil,	
  mandatos	
  concedidos	
  por	
  pessoas	
  incapazes	
  só	
  poderão	
  ser	
  por	
  instrumento	
  público.	
  	
  
Art.	
   221.	
  O	
   instrumento	
  particular,	
   feito	
   e	
   assinado,	
   ou	
   somente	
   assinado	
  
por	
  quem	
  esteja	
  na	
  livre	
  disposição	
  e	
  administração	
  de	
  seus	
  bens,	
  prova	
  as	
  
obrigações	
  convencionais	
  de	
  qualquer	
  valor;	
  mas	
  os	
  seus	
  efeitos,	
  bem	
  como	
  
os	
  da	
  cessão,	
  não	
  se	
  operam,	
  a	
  respeito	
  de	
  terceiros,	
  antes	
  de	
  registrado	
  no	
  
registro	
  público.	
  
Art.	
   654.	
   Todas	
   as	
   pessoas	
   capazes	
   são	
   aptas	
   para	
   dar	
   procuração	
  
mediante	
   instrumento	
  particular,	
  que	
  valerá	
  desde	
  que	
  tenha	
  a	
  assinatura	
  
do	
  outorgante.	
  
	
  
Particular	
   é	
   o	
   mandato	
   feito	
   fora	
   do	
   livro	
   de	
   notas,	
   datilografado,	
   digitado	
   ou	
   de	
  
próprio	
  punho.	
  É	
  a	
  forma	
  que	
  mais	
  se	
  aplica	
  o	
  termo	
  procuração,	
  diz	
  Rizzardo.