A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 25 de 50

tácita,	
   quando	
   o	
   comportamento	
   do	
  mandante	
   sinaliza	
   a	
   extinção	
   do	
   contrato,	
  
como	
   ocorre	
   quando	
   ele	
   assume	
   a	
   direção	
   do	
   negócio	
   ou	
   nomeia	
   novo	
   procurador	
   sem	
  
ressalva	
  (art.	
  687).	
  
O	
  mandante	
  não	
  é	
  obrigado	
  a	
  justificar	
  a	
  revogação,	
  nem	
  o	
  mandatário,	
  a	
  renúncia.	
  No	
  
entanto,	
  o	
  mandatário	
  deve	
  comunicar	
  a	
  renúncia	
  ao	
  mandante,	
  que,	
  se	
  for	
  prejudicado,	
  pelo	
  
momento	
   inoportuno	
   ou	
   pela	
   falta	
   de	
   tempo,	
   pode	
   pedir	
   indenização.	
   O	
   advogado,	
   por	
  
exemplo,	
   renunciando	
  o	
  mandato,	
  por	
   força	
  do	
  artigo	
  45	
  do	
  CPC,	
   continua	
  a	
   representar	
  o	
  
mandante	
  por	
  mais	
  dez	
  (10)	
  dias.	
  
Art.	
  688.	
  A	
  renúncia	
  do	
  mandato	
  será	
  comunicada	
  ao	
  mandante,	
  que,	
  se	
  for	
  
prejudicado	
   pela	
   sua	
   inoportunidade,	
   ou	
   pela	
   falta	
   de	
   tempo,	
   a	
   fim	
   de	
  
75	
  
prover	
  à	
  substituição	
  do	
  procurador,	
  será	
  indenizado	
  pelo	
  mandatário,	
  salvo	
  
se	
   este	
   provar	
   que	
   não	
   podia	
   continuar	
   no	
   mandato	
   sem	
   prejuízo	
  
considerável,	
  e	
  que	
  não	
  lhe	
  era	
  dado	
  substabelecer.	
  
	
  
Em	
  relação	
  a	
  terceiros,	
  a	
  revogação,	
  enquanto	
  desconhecida,	
  não	
  produz	
  efeitos.	
  Por	
  
isso,	
  deve	
  o	
  mandante	
  comunica-­‐los,	
  pessoalmente,	
  por	
  edital	
  ou	
  por	
  outros	
  meios.	
  
Art.	
   689.	
   São	
   válidos,	
   a	
   respeito	
   dos	
   contratantes	
   de	
   boa-­‐fé,	
   os	
   atos	
   com	
  
estes	
   ajustados	
   em	
   nome	
   do	
   mandante	
   pelo	
   mandatário,	
   enquanto	
   este	
  
ignorar	
   a	
   morte	
   daquele	
   ou	
   a	
   extinção	
   do	
   mandato,	
   por	
   qualquer	
   outra	
  
causa.	
  
	
  
Podem	
   o	
   mandante	
   e	
   o	
   mandatário	
   estipular	
   cláusula	
   de	
   irrevogabilidade.	
   Se	
   o	
  
mandante	
  descumpri-­‐la,	
  responderá	
  por	
  perdas	
  e	
  danos.	
  O	
  mesmo	
  se	
  aplica,	
  por	
  analogia,	
  ao	
  
mandatário,	
  no	
  caso	
  de	
  renúncia.	
  
Art.	
   683.	
   Quando	
   o	
   mandato	
   contiver	
   a	
   cláusula	
   de	
   irrevogabilidade	
   e	
   o	
  
mandante	
  o	
  revogar,	
  pagará	
  perdas	
  e	
  danos.	
  
	
  
Mas	
   a	
   irrevogabilidade	
   é	
   inadmissível	
   se	
   for	
   condição	
   dos	
   contratos	
   bilaterais,	
  
estabelecida	
   em	
   favor	
   do	
   mandatário,	
   em	
   causa	
   própria	
   ou	
   quando	
   tiver	
   poderes	
   de	
  
cumprimento	
  ou	
  de	
  confirmação	
  dos	
  negócios.	
  
Art.	
  684.	
  Quando	
  a	
  cláusula	
  de	
  irrevogabilidade	
  for	
  condição	
  de	
  um	
  negócio	
  
bilateral,	
   ou	
   tiver	
   sido	
   estipulada	
   no	
   exclusivo	
   interesse	
   do	
  mandatário,	
   a	
  
revogação	
  do	
  mandato	
  será	
  ineficaz.	
  
Art.	
   685.	
   Conferido	
   o	
  mandato	
   com	
  a	
   cláusula	
   "em	
   causa	
   própria",	
   a	
   sua	
  
revogação	
  não	
  terá	
  eficácia,	
  nem	
  se	
  extinguirá	
  pela	
  morte	
  de	
  qualquer	
  das	
  
partes,	
   ficando	
   o	
   mandatário	
   dispensado	
   de	
   prestar	
   contas,	
   e	
   podendo	
  
transferir	
  para	
  si	
  os	
  bens	
  móveis	
  ou	
  imóveis	
  objeto	
  do	
  mandato,	
  obedecidas	
  
as	
  formalidades	
  legais.	
  
76	
  
Art.	
  686.	
  A	
  revogação	
  do	
  mandato,	
  notificada	
  somente	
  ao	
  mandatário,	
  não	
  
se	
  pode	
  opor	
  aos	
   terceiros	
  que,	
   ignorando-­‐a,	
  de	
  boa-­‐fé	
   com	
  ele	
   trataram;	
  
mas	
   ficam	
   salvas	
   ao	
   constituinte	
   as	
   ações	
   que	
   no	
   caso	
   lhe	
   possam	
   caber	
  
contra	
  o	
  procurador.	
  
Parágrafo	
   único.	
   É	
   irrevogável	
   o	
   mandato	
   que	
   contenha	
   poderes	
   de	
  
cumprimento	
   ou	
   confirmação	
   de	
   negócios	
   encetados,	
   aos	
   quais	
   se	
   ache	
  
vinculado.	
  
	
  
b)	
  Morte	
  ou	
  interdição	
  de	
  uma	
  das	
  partes	
  
O	
  mandado,	
   por	
   ser	
   intuitu	
   personae,	
   extingue-­‐se	
   com	
  a	
  morte	
  do	
  mandante	
  ou	
  do	
  
mandatário	
   (Gonçalves).	
  Discute-­‐se	
  a	
  possibilidade	
  da	
  outorga	
  de	
  um	
  mandato	
  que	
  produza	
  
efeitos	
  depois	
  da	
  morte	
  do	
  mandante.	
  É	
  certo	
  que	
  os	
  atos	
  praticados	
  pelo	
  mandatário,	
  depois	
  
da	
  morte	
  do	
  mandante,	
  são	
  válidos	
  se	
  ele	
  desconhecia	
  o	
  fato	
  (art.	
  689).	
  	
  	
  	
  
Art.	
   689.	
   São	
   válidos,	
   a	
   respeito	
   dos	
   contratantes	
   de	
   boa-­‐fé,	
   os	
   atos	
   com	
  
estes	
   ajustados	
   em	
   nome	
   do	
   mandante	
   pelo	
   mandatário,	
   enquanto	
   este	
  
ignorar	
   a	
   morte	
   daquele	
   ou	
   a	
   extinção	
   do	
   mandato,	
   por	
   qualquer	
   outra	
  
causa.	
  
	
  
Lembra	
   Gonçalves	
   que	
   a	
   jurisprudência	
   tem	
   admitido	
   o	
   mandato	
   outorgado	
   ao	
  
depositário	
  para,	
  depois	
  da	
  morte	
  do	
  mandante,	
  passar	
  escritura	
  pública	
  de	
  compra	
  e	
  venda	
  
de	
   imóvel.	
   Também,	
   tem	
   se	
   entendido	
   que	
   a	
   morte	
   do	
   representante	
   do	
   incapaz,	
   que	
  
outorgou	
  mandato,	
  não	
  extingue	
  o	
  mandato,	
  porque	
  quem	
  é	
  mandante	
  é	
  o	
  próprio	
  incapaz.	
  
Da	
  mesma	
  forma	
  a	
  morte	
  do	
  administrador	
  da	
  pessoa	
  jurídica	
  não	
  faz	
  desaparecer	
  o	
  mandato	
  
por	
  ele	
  outorgado,	
  mas,	
  falecendo	
  o	
  sócio	
  investido	
  nos	
  poderes	
  de	
  administração,	
  aos	
  sócios	
  
sobreviventes	
   cabe	
   o	
   direito	
   de	
   constituir	
   mandatário	
   judicial	
   para	
   ajuizar	
   as	
   ações	
   de	
  
interesse	
   da	
   sociedade.	
   O	
   falecimento	
   do	
   advogado	
   que	
   substabeleceu	
   não	
   invalida	
   o	
  
substabelecimento.	
  	
  
77	
  
No	
   caso	
  de	
   falecimento	
  do	
  mandatário	
   na	
  pendência	
   de	
  negócio	
   a	
   ele	
   cometido,	
   os	
  
seus	
   herdeiros,	
   tendo	
   conhecimento,	
   devem	
   avisar	
   o	
   mandante	
   e	
   tomarem	
   providências	
  
conforme	
  as	
  circunstâncias	
  exigirem.	
  
Art.	
   690.	
   Se	
   falecer	
   o	
  mandatário,	
   pendente	
   o	
   negócio	
   a	
   ele	
   cometido,	
   os	
  
herdeiros,	
   tendo	
   ciência	
   do	
   mandato,	
   avisarão	
   o	
   mandante,	
   e	
  
providenciarão	
  a	
  bem	
  dele,	
  como	
  as	
  circunstâncias	
  exigirem.	
  
Art.	
  691.	
  Os	
  herdeiros,	
  no	
  caso	
  do	
  artigo	
  antecedente,	
  devem	
  limitar-­‐se	
  às	
  
medidas	
   conservatórias,	
   ou	
   continuar	
   os	
   negócios	
   pendentes	
   que