A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 26 de 50

se	
   não	
  
possam	
   demorar	
   sem	
   perigo,	
   regulando-­‐se	
   os	
   seus	
   serviços	
   dentro	
   desse	
  
limite,	
  pelas	
  mesmas	
  normas	
  a	
  que	
  os	
  do	
  mandatário	
  estão	
  sujeitos.	
  
	
  
c)	
  Mudança	
  de	
  estado	
  
A	
  mudança	
   de	
   estado	
   de	
   qualquer	
   das	
   partes	
   importa	
   na	
   extinção	
   do	
  mandato,	
   se	
  
afetar	
  a	
  capacidade	
  para	
  dar	
  e	
  receber	
  procuração.	
  
No	
   entanto,	
   os	
   negócios	
   realizados,	
   de	
   boa-­‐fé,	
   pelo	
   mandatário	
   que	
   desconhecia	
   a	
  
mudança	
  de	
  estado	
  do	
  mandante	
  são	
  válidos.	
  
Carlos	
  Roberto	
  Gonçalves	
  ilustra	
  com	
  os	
  seguintes	
  exemplos:	
  
-­‐	
   Extingue-­‐se	
   o	
   mandado	
   conferido	
   pelo	
   pai	
   representando	
   o	
   filho	
   absolutamente	
  
incapaz,	
   quando	
   este	
   se	
   tornar	
   relativamente	
   incapaz,	
   devendo	
   a	
   outorga,	
   agora,	
   ser	
   feita	
  
pelo	
   filho,	
   assistido	
   por	
   aquele.	
   A	
   maioridade	
   não	
   extingue	
   o	
   mandato	
   outorgado	
   pelo	
  
relativamente	
  incapaz,	
  porque	
  não	
  o	
  inabilita	
  para	
  a	
  concessão.	
  
-­‐	
  O	
  mandato	
  para	
  alienar	
   imóvel	
  outorgado	
  por	
  pessoa	
  solteira,	
  viúva	
  ou	
  divorciada,	
  
que	
   se	
   casa	
   por	
   regime	
   diverso	
   do	
   da	
   separação	
   absoluta	
   de	
   bens,	
   se	
   extingue,	
   porque	
   o	
  
cônjuge,	
  se	
  casado,	
  para	
  alienar	
  imóvel,	
  necessita	
  da	
  outorga	
  do	
  outro	
  cônjuge.	
  
A	
  mudança	
   de	
   estado	
  não	
   tem	
  aplicação	
   às	
   pessoas	
   jurídicas,	
   porque	
   a	
   substituição	
  
dos	
  representantes	
  da	
  empresa	
  em	
  nada	
  altera	
  o	
  mandato	
  conferido.	
  
	
  
78	
  
d)	
  Término	
  do	
  prazo	
  ou	
  pela	
  conclusão	
  do	
  negócio	
  
O	
  mandado	
  se	
  extingue	
  pelo	
  implemento	
  do	
  prazo	
  ajustado	
  pelas	
  partes,	
  se	
  concedido	
  
com	
  data	
  de	
  vigência	
  certa.	
  Também	
  se	
  extingue	
  se	
  a	
  outorga	
  é	
  feita	
  para	
  a	
  realização	
  de	
  um	
  
negócio	
  determinado.	
  Realizado	
  o	
  negócio,	
  esgota-­‐se	
  o	
  objeto.	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
	
  
79	
  
Locação.	
  
	
  
I	
  -­‐	
  Locação	
  em	
  geral	
  
1.	
  Generalidades	
  
No	
  direito	
  romano,	
  a	
  locação	
  era:	
  de	
  coisas	
  (locatio	
  condctio	
  rerum)	
  –	
  o	
  locador	
  cedia	
  
ao	
   locatário	
   o	
   uso	
   de	
   uma	
   coisa,	
   mediante	
   pagamento;	
   de	
   serviços	
   (locatio	
   condctio	
  
operarum)	
  –	
  alguém	
  se	
  obrigava	
  a	
  prestar	
  serviços	
  a	
  outrem,	
  cobrando	
  determinado	
  valor;	
  de	
  
obra	
   (locatio	
   condctio	
   operis)	
   –	
   uma	
   pessoa	
   confiava	
   a	
   outra	
   a	
   execução	
   de	
   uma	
   obra,	
  
pagando	
  certo	
  preço	
  (Donizetti	
  e	
  Quintella).	
  
No	
   nosso	
   ordenamento	
   jurídico,	
   a	
   locação	
   de	
   serviços	
   dividiu-­‐se	
   em	
   contrato	
   de	
  
prestação	
   de	
   serviços,	
   regulado	
   pelo	
   Código	
   Civil,	
   e	
   em	
   contrato	
   de	
   trabalho,	
   regido	
   pela	
  
Consolidação	
   das	
   Leis	
   Trabalhistas;	
   a	
   locação	
   de	
   obra	
   passou	
   a	
   se	
   chamar	
   contrato	
   de	
  
empreitada,	
  também	
  regulado	
  pelo	
  Código	
  Civil;	
  e	
  a	
  locação	
  de	
  coisas,	
  propriamente	
  dita,	
  são	
  
regidas	
  pelo	
  Código	
  Civil	
  (incide	
  sobre	
  coisas	
  não	
  fungíveis	
  –	
  Lei	
  8.245/91,	
  art.	
  1º)	
  e	
  por	
  Leis	
  
Especiais	
  (imóveis	
  urbanos,	
  pela	
  Lei	
  8.245/91;	
  Imóveis	
  rurais,	
  pela	
  Lei	
  nº	
  4.504/64);	
  imóveis	
  da	
  
União,	
  pela	
  Lei	
  9.760/46:	
  Arrendamento	
  Mercantil,	
  pela	
  6.099/74	
  (Sanseverino).	
  
Os	
  sujeitos	
  do	
  contrato	
  de	
   locação	
  são:	
  de	
  um	
  lado,	
  o	
   locador,	
   também	
  chamado	
  de	
  
senhorio	
  ou	
  arrendador;	
  de	
  outro	
   lado,	
  o	
   locatário,	
   também	
  conhecido	
  por	
   inquilino	
  ou	
  por	
  
arrendatário	
  (Sanseverino).	
  
	
  
2.	
  Conceito.	
  	
  
É	
   o	
   negócio	
   jurídico	
   por	
  meio	
   do	
   qual	
   uma	
  das	
   partes	
   (locador)	
   se	
   obriga	
   a	
   ceder	
   à	
  
outra	
  (locatário),	
  por	
  tempo	
  determinado	
  ou	
  não,	
  o	
  uso	
  e	
  gozo	
  de	
  coisa	
  infungível,	
  mediante	
  
certa	
  remuneração	
  (Gagliano	
  e	
  Pamplona).	
  
É	
   o	
   contrato	
   pelo	
   qual	
   alguém	
   cede,	
   temporariamente,	
   o	
   uso	
   e	
   gozo	
   de	
   uma	
   coisa	
  
infungível,	
  mediante	
  contraprestação	
  pecuniária	
  (Gonçalves).	
  
80	
  
Art.	
  565.	
  Na	
   locação	
  de	
  coisas,	
  uma	
  das	
  partes	
   se	
  obriga	
  a	
  ceder	
  à	
  outra,	
  
por	
   tempo	
   determinado	
   ou	
   não,	
   o	
   uso	
   e	
   gozo	
   de	
   coisa	
   não	
   fungível,	
  
mediante	
  certa	
  retribuição.	
  
	
  
3.	
  Elementos	
  	
  
3.1.	
  Coisa	
  não	
  fungível	
  	
  	
  	
  
Todos	
  os	
  bens	
  podem	
  ser	
  objeto	
  de	
  locação	
  (Rizzardo).	
  
A	
   coisa	
   não	
   pode	
   ser	
   fungível,	
   pois,	
   no	
   final	
   do	
   contrato,	
   ela	
   deve	
   ser	
   restituída	
   ao	
  
locador.	
  
A	
  definição	
  de	
  coisa	
  fungível	
  é	
  dada	
  pelo	
  artigo	
  85	
  do	
  Código	
  Civil,	
  que	
  dispõe:	
  	
  
Art.	
   85.	
   São	
   fungíveis	
   os	
   móveis	
   que	
   podem	
   substituir-­‐se	
   por	
   outros	
   da	
  
mesma	
  espécie,	
  qualidade	
  e	
  quantidade.	
  
	
  
Por	
  exemplo,	
  são	
  fungíveis,	
  sacos	
  de	
  arroz,	
  trigo,	
  milho,	
  dinheiro.	
  	
  
A	
   contrario	
   sensu,	
   não	
   fungíveis	
   são	
   as	
   coisas	
   que	
   não	
   podem	
   ser	
   substituídas	
   por	
  
outras	
   da	
   mesma	
   espécie,	
   qualidade	
   e	
   quantidade,	
   tais	
   como,	
   jóias,	
   automóveis,	
   roupas,	
  
louças	
  para	
  festa,	
  imóveis	
  (Sanseverino).	
  
	
  
3.2.	
  Preço	
  	
  	
  
	
   É	
   a	
   remuneração	
  pelo	
   uso	
   e	
   gozo	
  da	
   coisa	
   feita	
   pelo	
   locatário	
   em	
   favor	
   do	
   locador,	
  
comumente	
  denominada	
  de	
  aluguel.	
  
É	
   essencial	
   para	
   configurar	
   o	
   contrato	
   de	
   locação,	
   pois,	
   se	
   a	
   cessão	
   da	
   coisa	
   for	
  
gratuita,	
  tem-­‐se	
  o	
  contrato	
  de	
  comodato	
  e	
  não	
  de	
  locação.	
  
Em	
   regra,	
   é	
   fixado	
   em	
   dinheiro,	
   mas	
   pode	
   ser	
   por	
   meio	
   de	
   “frutos	
   ou	
   produtos	
  
advindos	
  do	
  bem	
  locado”	
  (Rizzardo).	
  
	
  
81	
  
3.3.	
  Consentimento