A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Lei penal do espaço - Resumo

Pré-visualização | Página 1 de 1

LEI PENAL NO ESPAÇO
(Previsão Legal art. 5º ao 9º, do Código Penal)
1. Território nacional. 2. Princípios dominantes. 3. Lugar do crime. 4. Extraterritorialidade. 4.1. Extraterritorialidade condicionada e incondicionada. 5. Referências bibliográficas.
TERRITÓRIO NACIONAL 
A lei penal brasileira tem o seu espaço delimitado no território nacional 
O que é território nacional?
O espaço territorial delimitado pelas fronteiras. Solo e subsolo
Mar territorial. Lei 8.617/93 (12 milhas)
Plataforma continental. ONU (200 milhas da costa territorial)
Espaço aéreo 
Os navios e aeronaves de natureza particular em alto mar ou espaço aéreo correspondente ao alto mar
Os navios e aeronaves de natureza pública
Os rios e lagos internacional
Esquema:
 PRINCÍPIOS DOMINANTES
 
Quando um fato punível atingir interesses de vários Estados soberanos, a análise da lei penal no espaço vai determinar o âmbito territorial da aplicação da lei penal brasileira.
Para dirimir esses conflitos existem os seguintes princípios:
 
TERRITORIALIDADE: aplica-se a lei penal brasileira ao crime cometido no Brasil. Não é absoluto, porém é utilizado como regra. Como exceção, temos os demais princípios com caráter subsidiário.
NACIONALIDADE ATIVA: aplica-se a lei penal do território da nacionalidade do agente que praticou o crime, ou seja, do agente ativo.
NACIONALIDADE PASSIVA: aplica-se a lei penal do território da nacionalidade da vítima, ou seja, do agente passivo. 
REAL, de DEFESA ou de PROTEÇÃO: aplica-se a lei penal da nacionalidade do bem jurídico protegido pela norma. Independente da nacionalidade do agente ou do lugar do crime. Exemplos: atentar contra a vida ou a liberdade do Presidente da República.
UNIVERSALIDADE ou COSMOPOLITA: todos os Estados da comunidade Internacional podem punir os autores de determinados crimes que se encontrem em seu território, de acordo com as convenções ou tratados internacionais. No caso do Brasil, quando ele se compromete a reprimir um crime por tratado ou convenção. Exemplos: os crimes de tráfico internacional de pessoas, tráfico internacional de drogas, terrorismo e o crime de genocídio. 
REPRESENTAÇÃO ou da BANDEIRA: crimes cometidos em aeronaves ou embarcações brasileiras mercantes ou de propriedade privada, quando estiver em território estrangeiro e aí não sejam julgados.
ATENÇÃO!
REGRA: nos termos do Art. 5º, do Código Penal, aplica-se a lei penal brasileira aos crimes cometidos dentro do território nacional.
EXCEÇÃO: aplica-se a lei penal brasileira sem prejuízo dos Tratados, Convenções e regra de Direito Internacional, aos crimes cometidos dentro do território nacional.
O princípio da Territorialidade não é absoluto, a lei penal brasileira adota essa diretriz como regra geral, ainda que de forma atenuada ou temperada (Art. 5º, caput, do CP), uma vez que ressalva a validade de convenções, tratados e regras internacionais. Na situação do território brasileiro por extensão, (Art. 5º, §1º, do CP), temos as embarcações e aeronaves brasileiras, de natureza pública ou a serviço do governo brasileiro, onde quer que se encontrem, assim como as aeronaves e embarcações brasileira, mercantes ou privadas, que se encontrem, respectivamente, no espaço aéreo correspondente ou alto mar.
Embaixada não é uma extensão do território, apesar de inviolável. 
Esquema para raciocínio:
LUGAR DO CRIME
O Brasil adotou, para o lugar do crime, o Art. 6º, do Código Penal, que considera a teoria da Ubiquidade ou mista, onde será considerado o crime no lugar em que ocorreu a ação ou omissão, no todo ou em parte, bem como onde se produziu ou deveria produzir-se o resultado.
Em relação à passagem inocente, trata-se de embarcações ou aeronaves de natureza privada ou mercante, que passa por nosso território apenas como passagem necessária para chegar ao seu destino. Nesse caso, não se aplica a lei brasileira.
EXTRATERRITORIALIDADE 
A extraterritorialidade (Art. 7º, do CP), trata das hipóteses em que a lei penal brasileira si do território nacional para alcançar fatos ocorridos no exterior. O Brasil poderá aplicar a sua lei penal mesmo que o país onde o crime foi cometido tenha aplicado a sua. No entanto, observando o Art. 8º, do CP, a pena cumprida no estrangeiro será atenuada no Brasil.
De acordo com o Código Penal, em seu Art. 7º:
 Art. 7º - Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:        
 I - Os crimes: 
Contra a vida ou a liberdade do Presidente da República; 
 Contra o patrimônio ou a fé pública da União, do Distrito Federal, de Estado, de Território, de Município, de empresa pública, sociedade de economia mista, autarquia ou fundação instituída pelo Poder Público;
 Contra a administração pública, por quem está a seu serviço;
 De genocídio, quando o agente for brasileiro ou domiciliado no Brasil;
II – Os crimes:
Que, por tratado ou convenção, o Brasil se obrigou a reprimir;	
Praticados por brasileiro; 
Praticados em aeronaves ou embarcações brasileiras, mercantes ou de propriedade privada, quando em território estrangeiro e aí não sejam julgados.
EXTRATERRITORIALIDADE CONDICIONADA E INCONDICIONADA
A extraterritorialidade incondicionada (Art. 7º, I, do CP), não precisa de condições para que se aplique a lei penal brasileira ao fato.
Na situação da extraterritorialidade condicionada (Art. 7º, II, do CP), as situações presentes no inciso II, estão condicionadas aos requisitos do §2º. 
§2º - Nos casos do inciso II, a aplicação da lei brasileira depende de concurso das seguintes condições:
Entrar o agente no território nacional; 
Ser o fato punível também no país em que foi praticado; 
Estar o crime incluído entre aqueles pelos quais a lei brasileira autoriza a extradição; 
Não ter sido o agente absolvido no estrangeiro ou não ter aí cumprido a pena;
Não ter sido o agente perdoado no estrangeiro ou, por outro motivo, não estar extinta a punibilidade, segundo a lei mais favorável.
SÃO REQUISITOS CUMULATIVOS!
SÃO REQUISITOS OBRIGATÓRIOS!
Aplica-se a lei penal brasileira, ainda, quando o crime praticado por estrangeiro contra brasileiro, fora do Brasil, reunir, além das condições já referidas, mais as seguintes do (Art. 7º, §3º, do CP): 
 Art. 7º - Ficam sujeitos à lei brasileira, embora cometidos no estrangeiro:        
§ 3º - A lei brasileira aplica-se também ao crime cometido por estrangeiro contra brasileiro fora do Brasil, se, reunidas as condições previstas no parágrafo anterior: 
 
Não foi pedida ou foi negada a extradição; 
Houve requisição do Ministro da Justiça.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 
Bitencourt, Cezar Roberto. Tratado de Direito Penal, parte geral. 15 Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.