A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Rocha Morfologia Gerativa

Pré-visualização | Página 1 de 1

Estruturas morfológicas do 
Português 
 
 
 
 
 
 Estruturas morfológicas do 
Português 
 
 Luiz Carlos de Assis Rocha 
 
 
 
 Estruturas morfológicas do 
Português 
 
 Luiz Carlos de Assis Rocha 
 editora: UFMG 
 
 
 Estruturas morfológicas do 
Português 
 
 Luiz Carlos de Assis Rocha 
 editora: UFMG 
 2003 
 
1.O estudo da morfologia 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
GRAMÁTICA GERATIVA 
• Com o esgotamento de estruturalismo, Noam 
Chomsky apresenta outro modelo teórico de 
análise linguística: Gramática Gerativa 
• Pensamento central: a fala é uma capacidade 
biológica da espécie humana. (Inatismo) 
• Ela é usada primordialmente como órgão do 
pensamento, como meio de chegar ao 
pensamento reflexo. 
• e só secundariamente serve à finalidade de 
comunicação social. 
 
 
•Teoria Morfológica 
O objetivo de uma TEORIA MORFOLÓGICA é o de 
definir as ‘novas’ palavras que os falantes podem 
formar, ou mais especificamente, as regras através das 
quais as palavras são formadas. 
 
Uma teoria morfológica [...] deve dizer alguma coisa 
a respeito desses fatos, em particular a respeito da 
relação entre os mecanismos formais que criam 
novas palavras e a análise de palavras já existentes. 
Sergio Scalise, ‘Morfologia Gerativa’ 
Regras de Análise Estrutural  RAE’s 
Regras de Formação de Palavras  RFP’s 
• Os conceitos da gramática gerativa: 
– Gramática subjacente (nós, os falantes, possuímos uma 
gramática internalizada, implícita, que sabemos manejar adequadamente, 
intuitivamente, mas que não sabemos descrever ou explicitar, cabe à linguística 
descrever e explicitá-la) 
Regras de Análise Estrutural 
– Pilacas 
– Lapition 
– Mrastou 
– Satisful 
– Bananeirense 
– Pmatoso 
– arofá 
 
 
 
Fórmula da Morfologia Gerativa 
[ [ X ] Y ] 
a b 
base+sufixo Prefixo+base 
RAE  Preparação Desfazer 
Preparar+ção des+fazer 
[ Y [ X ] ] 
a b Classes de palavras  
 [ [ preparar] –ção] 
verbo substantivo 
 [des- [fazer] ] 
verbo verbo 
RFP E RAE 
• Para Basílio, uma RFP tem como 
contraparte uma RAE. 
 
• RFP: [X]v  [[X]v -ção]n 
• RAE: [[X]v –ção]n 
 
• Para Basílio, fenômenos produtivos são 
descritos por RFPs, ao passo que a 
análise estrutural se encarrega das RAEs. 
• Uma regra não é produtiva em termos 
absolutos. 
• Três condições para uma RFP ser 
produtiva. 
• 1- Uma regra aplica-se a um determinado 
tipo de bases [-eiro (agentivo): faz-se filtros]. 
• 2- Regras produtivas apresentam coerência 
semântica. 
• 3- O fenômeno do bloqueio definido como 
“a não ocorrência de uma forma devido à 
simples existência de outra” (Aronoff, 1976, 
p. 43). (-eiro: *denteiro/lingueiro/maquineiro) 
Analise a estrutura das seguintes 
palavras por meio da fórmula de RAE: 
 
a) pescador 
b) criação 
c) viajante 
V(verbo)  S (substantivo) 
 
 
 
Forme palavras a partir das 
RAEs 
a) [ [X]v –Y]s 
 
b) [ [X]s –Y]s 
 
c) [ Y- [X]v]v 
 
d) [[X]v –Y]a 
 
Forme palavras a partir das 
seguintes RAEs 
• [[X]v –Y]s 
 
• [ [X]v –Y]adj 
 
• [ [X]adj -Y]adv. 
 
 
________ Doleiro 
________ motoqueiro 
________ (?) motocador 
Sucata ________ 
sucatear ________ 
________ (?) bicicletador 
________ (?) porteirador 
________ (?) bicicleteiro 
(?) açougar (?) _________ 
 
Dólar Doleiro 
Motoca motoqueiro 
Motocar (?) motocador 
Sucata Sucateiro 
sucatear sucateador 
bicicletar (?) bicicletador 
porteirar (?) porteirador 
bicicleta (?) bicicleteiro 
(?) açougar (?) açougador