A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
316 pág.
Corregeroria Geral da Justica

Pré-visualização | Página 35 de 50

para 
conferência e verificação da presença de todos os elementos indispensáveis à futura 
materialização, emitindo-se relatórios de consistência. 
 
Art. 323. Não se fará a distribuição por meio eletrônico de execuções 
fiscais que não possuam os dados mínimos necessários à materialização. 
 
Art. 324. As petições iniciais de execuções fiscais, materializadas ou 
enviadas por meio eletrônico, após verificação do seu aspecto formal, poderão ser 
recebidas por ordem de serviço em que constará a quantidade de petições 
distribuídas, a numeração delas e a íntegra da decisão judicial de processamento, de 
tudo certificando-se nos autos e/ou anotando-se no sistema informatizado. 
§ 1º Apreciada pelo juiz a regularidade formal das petições iniciais, será 
expedida ordem de serviço de recebimento de tais peças, de responsabilidade do Juiz 
Corregedor Permanente. 
§ 2º Emitida a ordem de serviço e o relatório de consistência, o chefe de 
seção Judiciária ou o escrivão Judicial, com senha especial, confirmará a efetiva 
distribuição eletrônica, somente então sendo gerado o Livro Registro Geral de Feitos 
em meio digital. 
 
Art. 325. Confirmada a distribuição, a consulta ao processo eletrônico 
ficará disponibilizada aos interessados, que poderão solicitar a extração de cópia. 
 
Subseção V 
 
Da Materialização de Processos Distribuídos por Meio Eletrônico
1
 
 
Art. 326. A materialização dos processos distribuídos eletronicamente 
dependerá de expressa autorização judicial, cuja execução caberá ao escrivão judicial. 
 
Art. 327. A materialização poderá ocorrer de forma individual ou coletiva e, 
para sua efetivação, serão impressos todos os documentos digitais e dados agregados 
ao(s) processo(s): 
I - capa do processo, na qual constarão a identificação do escrivão 
responsável pela materialização (nome, registro funcional e rubrica), número do 
processo e código de barras; 
II - petição inicial; 
III - certidão indicando o número da ordem de serviço de recebimento das 
iniciais; 
IV - identificação do procurador da Fazenda Pública (nome, número de 
inscrição na OAB e rubrica eletrônica); 
V - numeração da folha, dentro do processo, no canto superior direito, com 
a rubrica do funcionário responsável pela conferência da materialização; 
VI - certidão da dívida ativa, com a numeração no canto superior direito da 
folha no processo, com a rubrica do funcionário responsável pela conferência da 
 
1
 Provs. CGJ 11/2002 e 10/2009. 
 
materialização; 
VII - cópia da petição inicial, com folha rubricada eletronicamente e 
numerada; 
VIII - cópia da certidão da dívida ativa, com folha rubricada eletronicamente 
e numerada; 
IX - certidão de conferência da materialização, em folha própria, com 
numeração da folha no processo no canto superior direito e rubrica do funcionário 
responsável (art. 328); 
X - demais documentos eletrônicos anexados ao processo. 
 
Art. 328. Efetivada a materialização, proceder-se-á à conferência dos 
processos que tenham sido efetivamente impressos, certificando-se nos autos. 
 
Art. 329. Uma segunda materialização somente será admitida, mediante 
senha do Juiz Corregedor Permanente, nas seguintes hipóteses: 
I - erro na primeira materialização, caso em que as respectivas peças 
serão inutilizadas, certificando-se a ocorrência na nova materialização; 
II - restauração de autos, na forma dos arts. 712 e seguintes do Código de 
Processo Civil.1 
 
Art. 330. A materialização não será efetivada caso o processo tenha sido 
extinto ou cancelada sua distribuição, salvo motivada decisão judicial em sentido 
contrário. 
 
Subseção VI 
 
Da Consulta ao Processo Distribuído por Meio Eletrônico
2 
 
Art. 331. Assegura-se a qualquer interessado a consulta visual dos 
processos distribuídos por meio eletrônico em terminais específicos, com possibilidade 
de verificação das folhas dos autos, como se estivessem materializados. 
 
Art. 332. A consulta compreenderá informação dos últimos andamentos 
lançados em relação ao processo e respectivas datas, acrescida da menção na tela de 
que se trata de processo eletrônico. 
 
Art. 333. Poderá a parte ou o advogado obter cópia não controlada do 
processo eletrônico, mediante pagamento da taxa respectiva, cópia esta que será 
impressa com a indicação da palavra “cópia” em todas as folhas cuja impressão for 
solicitada. 
 
Art. 334. Revogado.3 
 
Subseção VII 
 
Do Processamento das Execuções Fiscais
4 
 
Art. 335. Recebida a distribuição por meio eletrônico ou material, expedir-
se-ão as cartas de citação. 
§ 1º O aviso de recebimento, positivo ou negativo, será guardado em 
 
1
 Prov. CG 17/2016. 
2
 Provs. CGJ 11/2002 e 10/2009. 
3
 Prov. CG 17/2016. 
4
 Provs. CGJ 11/2002 e 10/2009. 
 
classificador próprio ou outra forma adequada de acondicionamento, sem necessidade 
de imediata materialização dos processos distribuídos por meio eletrônico. 
§ 2º Realizado o cadastramento no sistema informatizado do resultado da 
citação postal, emitir-se-ão os mandados de penhora, em relação aos executivos 
fiscais em que a citação por carta resultou positiva, e de citação e penhora, nas 
hipóteses em que houve recusa no recebimento da carta ou devolução da 
correspondência por não atendimento. 
§ 3º Os mandados de penhora e arresto e seus aditamentos, após a 
verificação da regularidade de sua expedição, poderão ter seu cumprimento 
determinado por ordem de serviço, contendo a relação dos mandados, devendo ser 
certificado em cada mandado que seu cumprimento se dá por ordem de serviço 
expedida pelo Juiz Corregedor Permanente do Setor, dispensada a assinatura do 
mandado pelo juiz que determinou a prática do ato. 
 
Art. 336. Os resultados negativos das diligências de citação, que não 
estejam abrangidos nas hipóteses do artigo precedente, serão cadastrados no sistema 
informatizado, intimando-se a Fazenda por mandado. 
 
Art. 337. Nas hipóteses de constrição judicial, de oposição de embargos, 
interposição de recurso, pedido do executado ou da exequente, o processo distribuído 
por meio eletrônico será, após determinação judicial, imediatamente materializado, 
prosseguindo nessa forma, sem prejuízo das devidas anotações no sistema. 
 
Art. 338. Os despachos de mero expediente, as decisões interlocutórias e 
as sentenças resumidas, desde que padronizadas, poderão ser proferidas em 
processos distribuídos por meio eletrônico sem necessidade de materialização, 
procedendo-se na forma do art. 314. Manter-se-á em expediente próprio, a relação 
dos processos que se encontrem nessa situação e a respectiva decisão judicial, 
cadastrando-se no sistema e arquivando-se a relação para eventual consulta. 
 
Art. 339. O sistema informatizado manterá rigoroso controle de prazo para 
os processos distribuídos por meio eletrônico, cabendo ao escrivão judicial expedir 
relatórios dos processos sem movimentação há mais de 30 (trinta) dias, 
encaminhando-os ao juiz. 
 
Art. 340. Das intimações dos despachos e decisões proferidos em 
processos distribuídos por meio eletrônico constará o conteúdo daqueles, a data em 
que foram proferidos e o nome do juiz prolator. 
§ 1º Todas as intimações da exequente terão suas datas registradas no 
sistema. 
§ 2º Certificado, no sistema informatizado, o decurso do prazo das 
intimações, submeter-se-á o processo distribuído por meio eletrônico à apreciação 
judicial, mediante relação. 
 
Art. 341. O processo distribuído por meio eletrônico será arquivado, após 
decisão judicial lançada na forma do art. 338. 
Parágrafo único. Servidor com senha específica de acesso lançará, no 
sistema informatizado, o comando de arquivamento.