A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
66 pág.
ENFERMAGEM EM URGÊNCIAS E EMERGÊNCIAS PEDIÁTRICAS 1

Pré-visualização | Página 14 de 14

Os acidentes ocasionados pelas aranhas do gênero Loxosceles (loxosce-
lismo) ocorrem à noite, caracterizados como os mais graves e frequentes nos 
Estados do Sul. O veneno destas aranhas tem ação lítica sobre a membrana 
celular das hemácias e do endotélio vascular, provocando intensa reação infla-
matória, eritema, edema, cefaleia e febre alta. 
 
64 
 
As aranhas do gênero Latrodectus (viúva-negra) habitam regiões de cli-
mas quentes, de todos os continentes; várias espécies aparecem no continente 
americano, todas apresentando veneno muito ativo. O registro do latrodectismo, 
no entanto, revela menor frequência (cerca de 2% dos casos de araneísmo no 
país) e está quase restrito à região Nordeste. O veneno da viúva-negra atua so-
bre as terminações sensitivas e sobre o sistema nervoso autônomo pela libera-
ção de neurotransmissores. As manifestações locais se apresentam como dor, 
pápula, eritema, sudorese localizada e hiperestesia com infarto ganglionar regi-
onal. As manifestações sistêmicas são tremores, ansiedade, excitação, cefaleia, 
insônia, prurido, alterações do comportamento, choque, retenção urinária e sen-
sação de morte. 
O tratamento é comum a todas as picadas de aranha, compreendendo 
limpeza local da ferida, gelo para reduzir a dor, elevação da extremidade, profi-
laxia do tétano, observação e soro. A maioria das reações locais responde a tais 
medidas. 
Para picadas da aranha-marrom, intervenção limitada ao cuidado padrão 
da ferida e medidas que minimizam o risco de infecção é geralmente mais pru-
dente: 
Lesões ulceradas devem ser limpas diariamente e desbridadas, se neces-
sário; pode-se usar pomada de antibiótico (p. ex., polimixina-bacitracina-neomi-
cina), lesões urticariformes são tratadas com anti-histamínicos, corticoides tópi-
cos, ou ambos. 
As lesões necróticas observadas nas picadas da aranha marrom solitária 
devem ser limpas e enfaixadas. Excisão cirúrgica, se necessária, deve ser retar-
dada até que a necrose esteja totalmente demarcada, um processo que leva 
semanas. 
Latrodectismo é inicialmente tratado com medidas de suporte. Mialgias e 
espasmos musculares das picadas de viúva-negra não respondem muito bem a 
relaxantes musculares e analgésicos opioides. Para alívio rápido da dor, utilizar 
gliconato de cálcio a 10%, por administração IV lenta, com incrementos de 2 a 3 
ml, se necessário; há necessidade de monitoramento cardíaco. Pacientes com 
 
65 
 
menos de 16 anos ou mais de 60, aqueles com hipertensão e aqueles com sin-
tomas graves de envenenamento devem ser hospitalizados. 
O controle e a prevenção podem determinar a diminuição dos índices de 
araneísmo e, consequentemente, a morbidade e a mortalidade. Nas áreas urba-
nas, as medidas adotadas para evitar a proliferação envolvem ações de controle, 
como: intervenção nas áreas de risco, definida por meio da notificação de aci-
dentes e identificação das áreas prioritárias pelo mapeamento do maior número 
de ocorrências, como levantamento, monitoramento e avaliação; captura (por 
busca ativa) realizada por agentes de saúde capacitados e manejo ambiental. 
 
11 BIBLIOGRAFIA 
ABRANTES A.W.B. et al. Conhecimentos, atitudes e práticas da enfermagem 
sobre a parada cardiorrespiratória em unidade de cuidados intermediários 
de neonatologia: estudo qualitativo no nordeste do Brasil. Rev. bras. cres-
cimento desenvolv. hum. vol.25 no.1 São Paulo 2015. 
CARLOTTI A.P.C.P. Choque em crianças. Medicina (Ribeirão Preto) 
2012;45(2): 197-207. Disponível em http://www.fmrp.usp.br/revista. Data do 
acesso: 22/09/2017. 
CHAGAS F.B. et al. Aspectos epidemiológicos dos acidentes por aranhas 
no Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Evidência, Joaçaba v. 10 n. 1-2, p. 
121-130, janeiro/dezembro 2010. 
FEDERLE C.A. et al. Atuação do enfermeiro na cetoacidose diabética. Re-
vista Polidisciplinar Eletrônica da Faculdade Guairacá. Volume 03 Ed. 02 (Dez. 
2011) Caderno de Ciências da Saúde – ISSN 1808‐9305. 
JÚNIOR M.L.P. et al. Perfil clínico e epidemiológico de pacientes vítimas de 
afogamento no município de fortaleza/ce. Rev. Saúde Públ. Santa Cat., Flori-
anópolis, v. 5, n. 1, jan./abr. 2012. 
 
66 
 
NASCIMENTO A.D. Perfil dos casos de crise convulsiva atendidos no 
pronto atendimento infantil de Macapá no ano de 2013. Repositório Instituci-
onal da UFSC. 
SILVA C.R.A. et al. Considerações sobre epilepsia. Boletim Científico de Pe-
diatria - Vol. 2, N° 3, 2013 
SOUSA R. dos S. et al. Aspectos epidemiológicos dos acidentes ofídicos no 
município de Mossoró, rio grande do norte, no período de 2004 a 2010. Re-
vista Patol. Trop. Vol. 42 (1): 105-113. jan. Mar. 2013.