A EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM
10 pág.

A EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM


DisciplinaHistória da Enfermagem2.197 materiais80.940 seguidores
Pré-visualização4 páginas
_________________________________________________________________________________ 
1
Graduanda de Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA. 
2
Graduanda de Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA. 
3
Enfermeiro. Especialista em Saúde Pública. Professor do Curso de Enfermagem da Universidade 
Federal do Maranhão \u2013 Centro de Ciências Sociais, Saúde e Tecnologia. 
4
Graduanda de Enfermagem pela Faculdade de Imperatriz - FACIMP. 
5
Graduanda de Enfermagem pela Universidade Federal do Maranhão - UFMA 
 
A EVOLUÇÃO DA ENFERMAGEM: UM RECORTE HISTÓRICO, POLÍTICO E 
CULTURAL 
 
Maria Conceição Sousa Cavalcanti
1
 
Rebeca Fernandes Mariano
2 
Rodson Glauber Ribeiro Chaves
3 
Vienny Flaviani Sousa Cavalcanti
4
 
Weslianny Fernandes Barbosa
5
 
 
RESUMO 
O presente artigo tem como finalidade expor a trajetória histórica e cultural da enfermagem, 
abordando as políticas governamentais no âmbito da gestão nos cuidados à saúde. Procura 
mostrar como era o cuidar, desde a idade antiga, onde a saúde tinha influência dos deuses e a 
assistência ao doente era praticada pelas mulheres. Com o surgimento do cristianismo, houve 
o fortalecimento do poder da igreja, a sociedade teológica passa a ter a visão do cuidado aos 
enfermos como uma forma de caridade, de abnegação cristã e a doença passa a ser encarada 
como um castigo de Deus, uma possessão demoníaca. As mulheres que se dedicavam ao 
trabalho assistencial aos pobres e doentes passam a ter maior reconhecimento. No período 
medieval, foram construídos os primeiros hospitais pelas ordens monásticas e somente no 
final da Idade Média é que foram implantados os códigos sanitários de higiene. Várias 
associações assistenciais cristãs foram sendo criadas com o passar do tempo. A história da 
enfermagem se fundamenta nesta visão do cuidar como forma de caridade. Este tipo de 
assistência é que faz a conexão com a prática de enfermagem proposta por Florence 
Nightingale. Considerada a fundadora da enfermagem moderna, após treinamento em 
Keiserswerth, através de método observativo, Nightingale preconizou que a enfermagem era 
uma arte e que precisa de treinamento técnico-científico. Foi pioneira na criação de regras 
para os cuidados ao doente e para o ambiente e institucionalizou a enfermagem como 
profissão. No Brasil, nome que se destacou na área foi Anna Nery. A primeira escola de 
enfermagem foi inaugurada no século XIX seguidas por várias outras no século seguinte, até a 
atualidade. O profissional de enfermagem precisa ser transcultural, ter consciência das 
diferenças e conhecimento para realizar intervenções respeitando as culturas e crenças de cada 
região. Após a conferência de Alma Ata e da Carta de Ottawa, as políticas em saúde buscam a 
melhoria da saúde da população mundial, buscando reduzir a desigualdade social. No Brasil, 
após longo caminho implantando Políticas Nacionais, foi criado o Sistema Único de Saúde 
(SUS) que tem como principal porta de entrada o Programa Nacional de Atenção Básica 
(PNAB). 
 
 
Descritores: História da Enfermagem; Cultura; Políticas de Enfermagem 
1 \u2013 INTRODUÇÃO 
A história da enfermagem serve para elucidar o cenário vivido e proporcionar um 
meio de compreensão acerca da sua evolução. O conhecimento da sua cultura, política e 
história, possibilitam que as antigas heranças e costumes possam ser aperfeiçoados e assim, 
dar abertura a uma nova visão do cuidado. Diante disto, à medida que se estuda a historia de 
uma profissão, passa a entender o seu significado e sua importância quanto à sociedade. 
Portanto, compreende-se que a enfermagem é uma profissão indispensável ao cuidar da 
sociedade, o quanto sua pratica humana é indispensável na saúde do paciente. 
No inicio da civilização, a doença era considerada como castigo divino, sendo assim, 
os sacerdotes e as feiticeiras que desempenhavam o papel de cuidador. Com o passar do 
tempo, alguns sacerdotes começaram a adquirir conhecimentos empíricos e a utilizar plantas 
medicinais, tornando-se curandeiros e passando este conhecimento de forma hereditária. 
Entretanto, esse saber empírico, foi se transformando ao longo do tempo, e na Idade Moderna, 
começou-se a aprimorá-lo e torná-lo cientifica, dando inicio, as escolas de Enfermagem. Bem 
como, considerada fundadora da enfermagem moderna, Florence Nightingale, tornou-se uma 
das primeiras especialistas no mundo em higiene e saneamento publico, deixando um 
relevante legado no cuidado e atenção aos doentes. 
Para OLIVEIRA (2001, p.104), 
\u201cHumanizar, caracteriza-se em colocar a cabeça e o 
coração na tarefa a ser desenvolvida, entregar-se de maneira 
sincera e leal ao outro e saber ouvir com ciência e paciência as 
palavras e os silêncios. O relacionamento e o contato direto 
fazem crescer, e é neste momento de troca, que humanizo, 
porque assim posso me reconhecer e me identificar como gente, 
como ser humano.\u201d 
 
Da mesma forma, o profissional deve ter um olhar transcultural, isto é, enxergar o 
paciente de forma holística, aceitando e priorizando a sua cultura. Dessa maneira, Madeleine 
Leininger desenvolveu a Teoria do Cuidado Transcultural, que é considerada a maior 
contribuição para enfermagem. Com isso, em 1988, foi criado o Sistema Único de Saúde 
(SUS), fazendo com que aumentasse o acesso dos pacientes menos privilegiados, e, portanto, 
obtivessem o atendimento de maneira mais prática, tendo em vista que um dos objetivos do 
SUS é facilitar a assistência á saúde. Dado que, ele abrange desde o simples atendimento 
ambulatorial até cirurgias de alto nível, e isto é realizado de forma gratuita, integral e 
universal. 
Destarte, ao tratar da evolução da enfermagem, entende-se que, esta analise busca 
uma perspectiva da ligação entre o enfermeiro com o paciente, almejando um atendimento 
mais benéfico e aplicando deste modo, os aspectos cultural, histórico e político. 
2 - METODOLOGIA 
Trata-se de uma pesquisa bibliográfica realizadas em materiais já elaborados, com 
estudo exploratório, descritivo e qualitativo. O estudo foi desenvolvido a partir de artigos 
científicos disponíveis em duas bases de dados principais: (1) Scientific Electronic Library 
Online (Scielo); (2) Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); além de revistas de Enfermagem, 
como a Revista Brasileira de Enfermagem (REBEn); e em livros, tal como A trajetória 
histórica e legal da enfermagem de Taka Oguisso (2007). 
Todavia, este estudo busca uma reflexão histórica, cultural e política que irá 
interligar o processo saúde e doença com o cuidado do profissional de enfermagem. Fazendo 
assim uma análise da influência cultural antiga nos dias atuais. 
3 - A HISTÓRIA PROMOVENDO CONHECIMENTO 
A humanidade tem visto diferentes formas do cuidar através de sua história, não 
existia a enfermagem como profissão. O cuidar na antiguidade era praticado somente no 
círculo familiar. Na Grécia e Roma antiga, os deuses eram responsabilizados por influenciar a 
cura e quem cuidava dos doentes eram as mulheres da nobreza. Esse tipo de trabalho, com o 
passar dos tempos, foi relegado aos escravos e às mulheres camponesas. 
Com o advento do cristianismo, as mulheres que cuidavam dos enfermos passam a 
ter um maior reconhecimento e respeito, dando início à Ordem das Diaconisas. Mesmo assim, 
em várias partes do mundo, os homens ainda eram considerados mais capacitados para o 
cuidar. Na Índia, as mulheres eram consideradas impuras. Somente os homens tinham 
permissão para realizar massagens nos enfermos, dar banhos e ajudar a caminhar. E na Arábia 
Saudita eram consideradas incapacitadas para cuidar dos enfermos. 
Na idade média, com o declínio dos grandes impérios, houve o fortalecimento da 
religiosidade,