Direito CIVIL . SUCESSÕES. EXERCÍCIOS
2 pág.

Direito CIVIL . SUCESSÕES. EXERCÍCIOS


DisciplinaDireito Civil VI3.035 materiais28.060 seguidores
Pré-visualização2 páginas
1 - Sucessão dos descendentes e concorrência do cônjuge
	 Avaliação Múltipla \u2013 Sucessão Legítima

	Direito Civil - Sucessões
	 7º período
	Turno:

	Alunos:

1.1 - Fernando, casado sob o regime da comunhão parcial de bens com Fabiana faleceu em 11/01/2004, deixando, Paulo, Rita e João, seus filhos legítimos, sendo que Rita, que tinha 2 filhas, Michele e Graziella, faleceu em 12/12/2003. Além destes herdeiros, Fernando ainda deixou outro filho de seu primeiro casamento, Gilmar, que tinha 3 filhos, Luiz, Marília e Marinalva e que renunciou à herança. Aberta a sucessão de Fernando, feitas as avaliações e pagas as dívidas, apurou-se que o patrimônio do casal era de R$480 mil. Salienta-se que todos seus bens foram adquiridos na constância do casamento a título oneroso. Quais os herdeiros de Fernando e como será distribuída a herança? Quais os direitos hereditários de Fabiana? Justifique.

Diante da inexistência de bens particulares não haverá concorrência sucessória do cônjuge sobreviventes (art. 1.829, I). Fabiana terá direito apenas à meação no valor de R$ 240 mil.

A herança de Fernando, no valor de R$ 240.000, será dividida entre Paulo, João (estes por direito próprio 80 mil cada) e Michele e Graziella (estas por direito de representação R$ 40 mil para cada).

1.2- O casal tem quatro filhos e um patrimônio comum de R$ 120.000,00 adquirido na constância do relacionamento a título oneroso. O casamento foi constituída sob o regime de comunhão parcial de bens. Além do patrimônio comum o varão adquiriu através de herança mais R$ 120.000,00. Com a morte do varão como será feita a partilha?

Meação do cônjuge sobrevivente: R$ 60.000.

Herança do cônjuge sobrevivente: R$ 30.000 (art. 1.829 e art. 1.832 CC).

Herança dos descendentes: R$ 150.0000.

1.3-Nara falece no mês passado, no estado civil de casada pelo regime de comunhão universal de bens com Maiquel. Ela possuía antes do casamento um imóvel avaliado em R$ 80.000,00 e após o casamento recebeu como doação de seu pai bens no montante de R$ 32.000,00. Durante o casamento Maiquel adquiriu com o produto de seu salário um apartamento, avaliado em R$ 64.000,00. O casal teve quatro filhos: Salete, Marcelo, Rita e Ana. O filho Marcelo é pré-morto e deixa dois descendentes: Lívia e Mauro. Como será feita a partilha? Se o casal vivesse apenas em União Estável, como ficaria a partilha?

Patrimônio comum do casal: 176 mil

Meação: 88

Herança: 88 \u2013 apenas os descendentes recebem, vez que não é hipótese de concorrência art. 1829, I.

1.4 - Marcos, casado sob o regime da comunhão parcial de bens com Maria, faleceu \u201cab intestato\u201d em 16/01/2004, deixando, Pedro, Luiz e Sara, seus filhos legítimos, sendo que Sara, que tinha 2 filhas, Marta e Lúcia, faleceu em 12/12/2002. José, filho adulterino, que tinha 3 filhos, Roberto, Ronaldo e Antônio foi declarado indigno de receber a herança de seu pai Marcos. Fábio, filho incestuoso de Marcos, que tinha uma filha, Carmem, renunciou à herança. Aberta a sucessão de Marcos, feitas as avaliações e pagas as dívidas, apurou-se que seu patrimônio era de R$120 mil. Salienta-se que todos seus bens foram adquiridos na constância do casamento a título oneroso. Quais os herdeiros de Marcos e como será distribuída a herança? Maria tem direito hereditário? Justifique

Como todo o patrimônio é comum o cônjuge sobrevivente não concorrerá com os descendentes, tendo direito apenas à meação no valor de R$ 60 mil.
A herança no valor de R$ 60 mil será distribuída entre os descendentes. Pedro e Luiz receberão por direito próprio e por cabeça o valor de R$ 15 mil cada um. Sara será representada por seus filhos que receberão, por estirpe, o valor de R$ 7,5 mil cada. Os filhos de José também receberão por representação, cabendo a cada um o valor de R$ 5 mil.

1.5 Inácio e Isabela casaram-se em 1978 pelo regime de separação total (convencional) de bens. Inácio faleceu em 2015 deixando sua esposa e, como parentes vivos, seis netos, filhos de seus filhos pré-mortos (um do primeiro filho, dois do segundo filho, três do terceiro filho). Como será a sucessão, se deixou um patrimônio de R$ 400.000,00?

Os netos receberão por direito próprio e por cabeça. O cônjuge sobrevivente irá concorrer com os netos, não podendo sua parte ser inferior a ¼ (art. 1.832). Dessa forma o cônjuge receberá herança no valor de R$ 100 mil. Os R$ 300 mil restantes serão divididos entre os descendentes.

2 - Sucessão dos ascendentes e concorrência do cônjuge

2.1-Carlos casou-se no regime de comunhão parcial de bens com Maíra em 2002. O casal não teve filhos e seu patrimônio é constituído pelos seguintes bens: um imóvel recebido em 2003, como herança, por Carlos, avaliado em R$ 34.000,00; um carro que Carlos adquiriu em 2000, avaliado em R$ 18.000,00, uma casa construída pelo casal, avaliada em R$ 62.000,00. No início deste ano, falece Carlos, deixando como parentes vivos seus avós maternos, Roma e Juca e seu avô paterno Eduardo. Se o casal vivesse em União estável, como ficaria a partilha?

Maíra terá direito a meação dos bens adquiridos onerosamente durante o casamento no valor de R$ 31 mil.
A herança de Carlos perfaz o valor de R$ 83 mil (soma dos bens particulares com bens comuns).

A herança será dividida entre o cônjuge e os ascendentes, cabendo 50% ao cônjuge (art. 1.836, 1.837) e a outra metade aos ascendentes (dividindo-se este valor por linhas).

2.2 - Joana casou-se com Pedro em 2006, sob o regime de comunhão parcial de bens. Joana tinha como bens uma casa recebida como herança em 2002, hoje avaliada em R$ 50.000,00, e um automóvel adquirido em 2001, hoje avaliado em R$10.000,00. Em 2009, Pedro adquiriu onerosamente um apartamento avaliado em R$ 60.000,00, e um terreno avaliado em R$ 40.000,00. O casal não teve filhos, porém Pedro é pai de Juliano, fruto de uma relação extramatrimonial. Joana tem seu avô paterno vivo, Juca, e seus avós maternos: Lucia e Marcos. O casal falece em 20/04/2012, num acidente, sendo que Joana vem a falecer, comprovadamente, alguns dias após o falecimento de Pedro. Como será dividido o patrimônio? Determine as partilhas.

Patrimônio comum do casal: R$ 100 mil

Patrimônio particular de Joana: R$ 60 mil.

Estamos diante de duas sucessões distintas. Iniciemos pelo primeiro óbito, o de Pedro.

Na sucessão de Pedro Joana terá apenas direito à meação no valor de R$ 50 mil (vez que Pedro não possuía bens particulares) sendo a herança, no valor de R$ 50 mil deferida ao filho Juliano.

A herança de Joana no valor de R$ 110 mil será partilhada inteiramente entre seus ascendentes cabendo 50% para a linha paterna e 50% para a linha materna.

2.3 - Bento Estrada, faleceu em 06/06/2015, deixando herdeiros e bens a inventariar. A época do óbito Bento Estrada era casado com Mila. O casamento, celebrado pelo regime da comunhão parcial de bens, data de meados de 2010. O casal não teve filhos. Os únicos parentes vivos de Bento Estrada são seus dois avós maternos, Mia e Couto e seus sobrinhos João e Ricardo, filhos de seu irmão unilateral José, falecido em 2014. Bento Estrada possuía um enorme patrimônio, avaliado em R$ 15.000.000,00, e constituído pelos seguintes bens:

Estrada Benta Transportadora LTDA, avaliada em R$ 10.000.000,00.

Fazenda Ouro Branco; avaliada em R$ 2.0000.000,00.

500 bezerros nelore, avaliados em R$ 1.000.000,00.

Aplicação financeira (LCI) que totalizava na data do óbito R$ 1.000.000,00.

Casa residencial avaliada em R$ 1.000.000,00.

Sabe-se que a empresa do falecido foi constituída em 1998 e possuía, até 2011, um capital social devidamente integralizado no valor de R$ 6.000.000,00. Em meados de 2012, Bento Estrada, desejando participar de licitação pública, que tinha como pré-requisito o valor do capital social das empresas concorrentes, decidiu integralizar, com dinheiro proveniente dos lucros de seus empreendimentos, a quantia