A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
150 pág.
Aula13 Apostila1 2E265AOINW

Pré-visualização | Página 8 de 37

www.pontodosconcursos.com.br | Professor Edson Marques 28 
 
Questões Comentadas 
 
1. (PROMOTOR DE JUSTIÇA – MPE/SE – CESPE/2010) As disposições da 
lei, aplicáveis apenas aos agentes públicos, alcançam os que exercem 
cargo, emprego ou função pública, de modo efetivo ou transitório, e os 
que exercem, por eleição, mandato eletivo. 
 
Comentário: 
 
Verifica-se que tanto os agentes públicos, sejam efetivos ou que tenham vínculo 
transitório, ocupem cargos, exerçam função pública ou tenham um emprego 
público, seja por eleição, mandato ou nomeação, são considerados sujeitos 
ativos da improbidade administrativa, conforme o seguinte: 
 
Art. 1° Os atos de improbidade praticados por qualquer 
agente público, servidor ou não, contra a administração direta, 
indireta ou fundacional de qualquer dos Poderes da União, dos 
Estados, do Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de 
empresa incorporada ao patrimônio público ou de entidade para cuja 
criação ou custeio o erário haja concorrido ou concorra com mais de 
cinqüenta por cento do patrimônio ou da receita anual, serão 
punidos na forma desta lei. 
Parágrafo único. Estão também sujeitos às penalidades desta lei os 
atos de improbidade praticados contra o patrimônio de entidade que 
receba subvenção, benefício ou incentivo, fiscal ou creditício, de 
órgão público bem como daquelas para cuja criação ou custeio o 
erário haja concorrido ou concorra com menos de cinqüenta por 
cento do patrimônio ou da receita anual, limitando-se, nestes casos, 
a sanção patrimonial à repercussão do ilícito sobre a contribuição 
dos cofres públicos. 
Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei, todo 
aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem 
remuneração, por eleição, nomeação, designação, contratação ou 
qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, 
emprego ou função nas entidades mencionadas no artigo anterior. 
Direito Administrativo 
Tribunal Regional Federal da 1ª Região 
Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92) 
Prof. Edson Marques 
 
 
www.pontodosconcursos.com.br | Professor Edson Marques 29 
 
No entanto, não apenas àquele considerado agente público (servidor ou não) 
responde por ato de improbidade, a lei alcança terceiros, ou seja, aquele que 
induzam, concorram ou se beneficie de ato de improbidade, de acordo com o 
art. 3º da LIA, assim expresso: 
 
Art. 3° As disposições desta lei são aplicáveis, no que couber, àquele 
que, mesmo não sendo agente público, induza ou concorra para a 
prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob qualquer 
forma direta ou indireta. 
 
Gabarito: Errado. 
 
 
2. (DEFENSOR PÚBLICO – DPE/AC – CESPE/2012) Ato de improbidade é 
definido como o ato lesivo ao ordenamento jurídico praticado 
exclusivamente por servidor público, no exercício de sua função, contra 
a administração direta, indireta ou fundacional de qualquer dos poderes 
da União, dos estados, do DF e dos municípios. 
 
Comentário: 
 
De acordo com o art. 2° da Lei nº 8.429/92, verifica-se que o ato de improbidade 
administrativa pode ser praticado por agente público, servidor ou não. 
 
Gabarito: Errado. 
 
 
3. (ANALISTA TÉCNICO - MJ - CESPE/2013) A Lei de Improbidade 
Administrativa é aplicável a qualquer agente público que seja servidor 
estatutário vinculado às pessoas jurídicas de direito público, não 
abrangendo os empregados públicos vinculados à administração 
indireta. 
 
Comentário: 
 
Direito Administrativo 
Tribunal Regional Federal da 1ª Região 
Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92) 
Prof. Edson Marques 
 
 
www.pontodosconcursos.com.br | Professor Edson Marques 30 
A Lei de Improbidade aplica-se ao agente público, seja ele ocupante de cargo efetivo 
ou de emprego público, alcançado inclusive terceiros que não seja agentes públicos. 
 
Gabarito: Errado. 
 
 
4. (ANALISTA JUDICIÁRIO - TJDFT - CESPE/2013) Somente são sujeitos 
ativos do ato de improbidade administrativa os agentes públicos, assim 
entendidos os que exercem, por eleição, nomeação, designação ou 
qualquer outra forma de investidura ou vínculo, mandato, cargo, 
emprego ou função na administração direta, indireta ou fundacional de 
qualquer dos poderes da União, dos estados, do DF e dos municípios. 
 
Comentário: 
 
Além dos agentes públicos, também são sujeitos ativos do ato de improbidade o 
terceiro, ou seja, aquele que mesmo não sendo agente público, induz, concorre ou se 
beneficia, direta ou indiretamente, de ato de improbidade. 
 
Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos desta lei, todo aquele 
que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração, por eleição, 
nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de 
investidura ou vínculo, mandato, cargo, emprego ou função nas entidades 
mencionadas no artigo anterior. 
Art. 3° As disposições desta lei são aplicáveis, no que couber, 
àquele que, mesmo não sendo agente público, induza ou concorra 
para a prática do ato de improbidade ou dele se beneficie sob 
qualquer forma direta ou indireta. 
 
Gabarito: Errado. 
 
 
5. (ANALISTA JUDICIÁRIO – ADMINISTRATIVA – TRE/MT – 
CESPE/2010) Segundo o Supremo Tribunal Federal (STF), os deputados 
federais, os senadores e o presidente da República, na qualidade de 
agentes políticos, não se submetem às regras da lei em apreço, em 
Direito Administrativo 
Tribunal Regional Federal da 1ª Região 
Improbidade Administrativa (Lei 8.429/92) 
Prof. Edson Marques 
 
 
www.pontodosconcursos.com.br | Professor Edson Marques 31 
razão de se sujeitarem a regime especial de responsabilização. 
 
Comentário: 
 
De fato, o Supremo Tribunal Federal firmou entendimento na Reclamação nº 
2.138 no sentido de que os agentes políticos que estejam submetidos à Lei de 
crime de responsabilidade (Lei nº 1.079/50) não respondem por improbidade 
com base na Lei nº 8.429/92, conforme o seguinte: 
 
“(...) o Tribunal, por maioria, julgou procedente a reclamação 
para assentar a competência do STF para julgar o feito e 
declarar extinto o processo em curso no juízo reclamado. 
Após fazer distinção entre os regimes de responsabilidade 
político-administrativa previstos na CF, quais sejam, o do art. 
37, § 4º, regulado pela Lei 8.429/92, e o regime de crime de 
responsabilidade fixado no art. 102, I, c, da CF e disciplinado 
pela Lei 1.079/50, entendeu-se que os agentes políticos, por 
estarem regidos por normas especiais de responsabilidade, 
não respondem por improbidade administrativa com base na 
Lei 8.429/92, mas apenas por crime de responsabilidade em 
ação que somente pode ser proposta perante o STF nos 
termos do art. 102, I, c, da CF. Vencidos, quanto ao mérito, por 
julgarem improcedente a reclamação, os Ministros Carlos Velloso, 
Marco Aurélio, Celso de Mello, estes acompanhando o primeiro, 
Sepúlveda Pertence, que se reportava ao voto que proferira na ADI 
2797/DF (DJU de 19.12.2006), e Joaquim Barbosa. O Min. Carlos 
Velloso, tecendo considerações sobre a necessidade de preservar-
se a observância do princípio da moralidade, e afirmando que os 
agentes políticos respondem pelos crimes de responsabilidade 
tipificados nas respectivas leis especiais (CF, art. 85, parágrafo 
único), mas, em relação ao que não estivesse tipificado como crime 
de responsabilidade, e estivesse definido como ato de improbidade, 
deveriam responder na forma da lei própria, isto é, a Lei 8.429/92, 
aplicável a qualquer agente público, concluía que, na hipótese dos 
autos, as tipificações da Lei 8.429/92, invocadas na ação civil 
pública, não se enquadravam

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.