a influencia do ambiente da igreja no desenvolvimento de inteligência musical
20 pág.

a influencia do ambiente da igreja no desenvolvimento de inteligência musical


DisciplinaPsicologia e Cognição11 materiais200 seguidores
Pré-visualização5 páginas
UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO
INSTITUTO DE EDUCAÇÃO
COORDENAÇÃO DO CURSO DE PSICOLOGIA
O AMBIENTE DAS IGREJAS CRISTÃS PROTESTANTES E HABILIDADES MUSICAIS: ANÁLISE DE TRAJETÓRIAS DE VIDA
TAYANE BOTELHO DOS SANTOS
SEROPÉDICA
2017
TAYANE BOTELHO DOS SANTOS
O AMBIENTE DAS IGREJAS CRISTÃS PROTESTANTES E HABILIDADES MUSICAIS: ANÁLISE DE TRAJETÓRIAS DE VIDA
Projeto de Pesquisa apresentado à Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, como requisito parcial à obtenção do título de bacharel em Psicologia. 
Orientador: Prof. Dr. Ronald Clay Dos Santos Ericeira
SEROPÉDICA
2017
SUMÁRIO
1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA	4
2 JUSTIFICATIVA	8
3 OBJETIVOS	9
3.1 Objetivos gerais	9
3.2 Objetivos específicos	9
4 METODOLOGIA	9
4.1 Referencial teórico	10
4.2 Procedimentos de pesquisa	13
5 CRONOGRAMA DE ATIVIDADES	16
Referências Bibliográficas	17
1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO TEMA
A população brasileira é composta por diversos grupos sociais, cada qual com suas características peculiares. Um segmento populacional que consolidou seu crescimento é o das pessoas adeptas à religião Cristã Protestante. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a população evangélica nos anos 2000 era de 15,4%, já no último censo, em 2010, o número cresceu para 22,2%. O protestantismo está tomando mais espaço na sociedade brasileira (IBGE, 2010).
Ao observar o surgimento e propagação do protestantismo, podemos vê-lo como um objeto historicamente construído que contém elementos diferenciadores tanto em relação a outras religiões quanto internamente. \u201cEntendê-lo também como um objeto historicamente construído nos permite observar, dentre outros elementos, a busca da sua historiografia pela diferença.\u201d (WATANABE, 2007). As igrejas protestantes originaram-se da Reforma Protestante no século XVI ou posteriormente, mas com os mesmos princípios do movimento. 
Cabe ressaltar que os termos \u201cprotestantes\u201d e \u201cevangélicos\u201d são utilizados para denominar seguidores da mesma religião. A nomenclatura protestante começou a ser utilizada para denominar os cristãos reformados que se opunham a Roma por volta do século XVII, depois de diversos protestos iniciados por eles em 1527 (RABUSKE; SANTOS; GONÇALVES; TRAUB, 2012). Já o termo \u201cevangélico\u201d era utilizado desde o século XVI por aqueles que valorizavam o estudo bíblico, uma vez que a palavra é derivada do grego evangelion, que significa \u201cboas-novas\u201d (FELIPPE; TUNES, 2005 p.18):
Evangélicos, é importante esclarecer, é a mesma coisa que protestantes. As duas palavras são sinônimas, ou seja, evangélicos são praticamente todas as correntes nascidas do racha entre o teólogo alemão Martinho Lutero e a Igreja Católica, em 1517 (GWERCMAN, 2004, p. 53).
Dentre os valores defendidos por Martinho Lutero, principal nome da Reforma, encontram-se: a convicção de que não é necessário a intermediação da Virgem Maria nem dos Santos da Igreja Católica para ter acesso a Deus, pois o único mediador é Jesus Cristo; a importância do estudo Bíblico, portanto, as Bíblias precisavam ser traduzidas para a língua local; a livre interpretação do evangelho, ou seja, todos podem ter acesso à Bíblia e buscar conhecer a Deus (SILVA, 2009; FELIPPE, TUNES, 2005 p.18; RABUSKE; SANTOS; GONÇALVES; TRAUB, 2012). Estes princípios deram margem à pluralidade de visões e às divergências teológicas que originam diferentes denominações evangélicas, mas todas tendo a mesma base cristã protestante. 
Cada denominação tem sua origem e doutrina. É comum categorizar essas subdivisões das igrejas protestantes a fim de compreender melhor a diversidade e a postura que adotam. No entanto, devido à complexidade e dinamismo que as igrejas possuem, a classificação deve ser feita de forma flexível. Embasando-nos em Silva (2009), agrupamos as denominações em três categorias: igrejas de missão, pentecostais e neopentecostais.
As igrejas evangélicas de missão - também chamadas tradicionais ou históricas - originaram-se a partir da reforma protestante. São as mais antigas e concentram-se no ensino e aprendizagem das Escrituras. Chegaram ao Brasil através de imigrantes e missionários. Caracterizam-se pela formalidade, racionalidade e ordem nos cultos, não incentivando manifestações como a possessão ou a glossolalia. As denominações Luterana, Presbiteriana, Metodista, Batista e Congregacional fazem parte desta categoria.[2: Segundo Paiva (2015), o tipo de mentalidade pré-moderna vivida nos primeiros anos depois de Cristo, entende a possessão como um individuo \u201cem tal comunhão, tal união com o demônio, que não parece ser mais ele mesmo, passando a impressão de que o que o possesso afirmava parecia ser produzido ou pronunciado pelo espírito demoníaco\u201d.][3: Segundo Nogueira (2009), é um fenômeno em que o sujeito em transe \u201cfala em línguas\u201d, balbuciando palavras sem um sentido explícito. Para Goodman (1974), glossolalia é falar numa língua desconhecida, fruto de um estado dissociativo.]
As igrejas evangélicas de origem pentecostal formaram-se a partir da insatisfação de alguns membros com estilos e práticas religiosas. A visão pentecostal nasceu no século XX e teve como centralidade a presença do Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade na doutrina cristã. Estas igrejas valorizavam o dom de falar em línguas estranhas ou realizações miraculosas como forma de batismo pelo Espírito Santo. Os cultos são marcados, frequentemente, por ações sobrenaturais, tais como realização de milagres como curas, glossolalia e possessão. Como exemplos de igrejas pentecostais, encontram-se as denominações Assembléia de Deus, Congregação Cristã do Brasil, O Brasil para Cristo, Evangelho Quadrangular, Deus é Amor, Maranata e Nova Vida.
O neopentecostalismo, por sua vez, despontou na década de 1970, marcado pelo tele-evangelismo ou \u201cigrejas eletrônicas\u201d (RABUSKE; SANTOS; GONÇALVES; TRAUB, 2012). Seu foco está na pregação da guerra espiritual contra o Diabo e da Teologia da Prosperidade. As lideranças eclesiásticas \u201dintermediam\u201d forças sobrenaturais, a fim de resolver os problemas de ordem material, física, emocional e espiritual dos adeptos. As igrejas Universal do Reino de Deus, Internacional da Graça de Deus e Renascer em Cristo fazem parte deste novo grupo. [4: Mariz (1999) afirma que a teologia utilizada nas igrejas pentecostais e neopentecostais acerca do tema, relaciona a guerra espiritual à luta \u201ccontra o demônio, que estaria presente em qualquer mal que se faz, em qualquer mal que se sofre e, ainda, na prática de religiões não cristãs\u201d através da evangelização.][5: Definida por Silveira (2007) como \u201cdifusora da crença de que o cristão deve ser próspero, saudável, feliz e vitorioso em seus empreendimentos terrenos\u201d, sendo necessário que o fiel não duvide do recebimento da bênção. É caracterizada por uma relação de reciprocidade com Deus, \u201co cristão semeia por meio de dízimos e ofertas, e Deus cumpre suas promessas\u201d.]
Dentre vários elementos que caracterizam as igrejas protestantes, um aspecto que nos chama atenção é a importância da música neste meio. Esta possui variadas funções dentro dessas comunidades, tais como entretenimento, adoração, ensino e comunhão. É comum encontrar grupos organizados que dirigem um momento de adoração através da música, seja um ministério de louvor, um quarteto, um solo, ou um coral. Além disso, existem programações com o foco maior nas canções, como apresentação de \u201cshows\u201d, ou cultos temáticos voltados para músicas e palestras sobre o assunto. Geralmente, essas atividades envolvem todas as faixas etárias, desde as crianças mais novas, até grupos de idosos (WESCHENFELDER, 2008).
No livro religioso cristão, a Bíblia, são encontrados diversos trechos que mostram como a música estava presente na expressão de adoração a Deus desde séculos antes de Cristo. Salmos, um dos livros bíblicos do Velho Testamento, faz menção ao uso da música como forma de louvor em diversos capítulos. Um exemplo é o livro