A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
45 pág.
Anatomia Sistêmica

Pré-visualização | Página 1 de 2

INTRODUÇÃO A ANATOMIA E 
FISIOLOGIA HUMANA
CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE 
INSTITUTO CENECISTA DE ENSINO SUPERIOR DE SANTO ÂNGELO
PRONATEC- CURSO TÉCNICO EM CITOPATOLOGIA
Disciplina de Anatomia e Fisiologia
Prof. Ieda Dorneles-iedabiomed@gmail.com
Introdução
O corpo humano é constituído 
por um conjunto de sistemas 
e órgãos que são responsáveis 
por mantê-lo em 
funcionamento durante toda 
vida humana.
Há milhões de anos, o corpo 
humano vem se 
transformando e evoluindo 
para se adaptar ao ambiente 
e desenvolver o seu ser. 
Nosso corpo é uma mistura de elementos químicos feita 
na medida certa. As partes do corpo humano funcionam 
de maneira integrada e em harmonia com as outras.
Histórico
• Conhecimento do corpo humano:
• - Necessidade de manter o corpo íntegro (superação da 
morte);
• - Criar métodos de estudos na busca do desconhecido;
• Observação: Início da civilização – o homem observa 
outros homens e animais.
• Dissecação: (proibida em 150 a.C.; retornou muitos anos 
mais tarde, mais por questões práticas que intelectuais.
• Grécia e Egito (1000 anos a.C.): conceitos de medicina 
racional e ética médica – busca do homem pela verdade 
objetiva.
• Egípcios: Técnicas de conservação 
do corpo humano:
• - Mumificação (natural)
• - Embalsamamento (química)
• lcameon de Croton (500 a.C.): 
registros de observações 
anatômicas.
• Hipócrates de Cós (400 a.C.) : um 
dos fundadores da ciência; pai da 
medicina”; 72 textos. 
• "Teoria Humoral da Enfermidade" 
juramentos e ensinamentos –
código moral e ético.
• Aristóteles (72 anos após 
Hipócrates, 384 a 322 a.C.): 
coração como centro das 
emoções; anatomia humana 
comparativa. Não usou cadáver 
humano.
• Roma antiga (42 a 37 a.C): 
Cornelius Celsus: 
• 4 sinais cardeais da inflamação: 
Rubor, Tumor, Calor, Dolor, Perda 
da função.
• Galeno de Pérgamo (130 a 200 d.C.): 
retrocesso, aliado a igreja, ação do 
cérebro sobre todas as manifestações 
físicas, religião e ciência. 
• Até 1400 seus “ensinamentos” foram 
utilizados.
• Anatomistas: estudos as escondidas
• Violação do cadáver
• Frederico II (1315): obrigatório uso de 
cadáver para cirurgiões (Universidades).
• Duque Anjou (1376): autorizou a 
dissecação pública e anual de 1 cadáver 
humano.
• Leonardo da Vinci (1452-1519): “arte e 
ciência caminham de mãos dadas”
• Michelangelo Buonarotti: ápice; 20 
anos adquirindo conhecimentos do 
corpo humano num convento;
• Dissecações às escondidas;
• Ato condenado pela igreja e 
autoridades;
• No passado: só utilizavam cadáveres 
de criminosos e ladrões (número 
insuficiente).
• Andreas Vesalius(1514-1564): “De humani
corporis fabrica”. Corrigiu erros de outros 
anatomistas, expôs esqueleto do corpo humano. 
“Pai da Anatomia”.
• Renascimento: perda das superstições e medos –
evolução de várias ciências.
• Uso do álcool para conservação (1660);
• Anatomia microscópica: Macelo Malpighi (até 
1694);
• Marie-François Xavier Bichat: constituição 
tecidual dos órgãos. Contrib. Teoria Celular 
(Virchow);
• Formalina utilizada com fixador (1890);
• Raios X (1985).
• Secúlo XX: intensificação das 
pesquisas, descobertas de curas de 
doenças, antibióticos – Pasteur
• qualidade de vida
Atualidades – Von Hagen
ANATOMIA CONCEITOS
É a análise da estrutura biológica, sua 
correlação com a função e com as modulações 
de estrutura em resposta a fatores temporais, 
genéticos e ambientais. 
Visa compreender os princípios arquitetônicos 
da construção dos organismos vivos, a 
descoberta da base estrutural do funcionamento 
das várias partes e a compreensão dos 
mecanismos formativos envolvidos no 
desenvolvimento destas. 
A amplitude da anatomia compreende, em 
termos temporais, desde o estudo das 
mudanças a longo prazo da estrutura, no 
curso de evolução, passando pelas das 
mudanças de duração intermediária em 
desenvolvimento, crescimento e 
envelhecimento; até as mudanças de curto 
prazo, associadas com fases diferentes de 
atividade funcional normal.
É a ciência que estuda macro e microscopicamente, a constituição 
e o desenvolvimento dos seres organizados. (seres vivos).
Nomenclatura
• Anatomia tem sua linguagem própria. Ao conjunto de termos empregados 
para designar e descrever o organismo ou suas partes dá-se o nome de 
Nomenclatura Anatômica. 
• A língua oficialmente adotada é o latim, e ao designar uma estrutura do 
organismo, a nomenclatura procura utilizar termos que não sejam apenas 
sinais para a memória, mas tragam também alguma informação ou 
descrição sobre a referida estrutura.
• forma (músculo trapézio); a sua posição ou situação (nervo mediano); o 
seu trajeto (artéria circunflexa da escápula); as suas conexões ou inter-
relações (ligamento sacroilíaco); a sua relação com o esqueleto (artéria 
radial); sua função (m. levantador da escápula); critério misto (m. flexor 
superficial dos dedos – função e situação)
A Anatomia do desenvolvimento
estuda o desenvolvimento do 
indivíduo a partir do ovo fertilizado 
até a forma adulta. Ela engloba a 
Embriologia que é o estudo do 
desenvolvimento até o nascimento. 
Anatomia Macroscópica é o 
estudo das estruturas 
observáveis a olho nu, 
utilizando ou não recursos 
tecnológicos. Anatomia Microscópica é aquela 
relacionada com as estruturas 
invisíveis a olho nu e requer o uso 
de instrumental para ampliação, 
como lupas, microscópios ópticos e 
eletrônicos. 
Citologia (estudo da célula).
Histologia (estudo dos tecidos e de 
como estes se organizam para a 
formação de órgãos). 
Atualmente, a Anatomia pode ser subdividida em três grandes grupos:
O que é NORMAL? 
Normal, é o estatisticamente mais comum, ou seja, o que é encontrado na maioria dos casos. Varia entre idade, 
sexo, biotipo e etnia.
• Quando ocorre prejuízo funcional 
trata-se de uma anomalia e 
não de uma variação. 
Variação anatômica é qualquer fuga do padrão sem prejuízo da 
função. Assim, a artéria braquial mais comumente divide-se na fossa 
cubital. Este é o padrão. Entretanto, em alguns indivíduos esta divisão 
ocorre ao nível da axila. Como não existe perda funcional esta é uma 
variação.
incompatível com a vida, é 
uma monstruosidade. 
POSIÇÃO ANATÔMICA
• Padronizada para se referir aos termos 
anatômicos.
• Posição ereta (em pé, posição ortostática 
ou bípede), 
• face voltada para a frente, 
• o olhar dirigido para o horizonte, 
• membros superiores estendidos, 
• aplicados ao tronco e com as palmas 
voltadas para frente,
• membros inferiores unidos, com as 
pontas dos pés dirigidas para frente. 
Divisão do corpo humano
PLANOS DE DELIMITAÇÃO E 
SECÇÃO DO CORPO HUMANO
• 1. o plano sagital, formado pelo 
deslocamento do eixo ântero-posterior ao longo 
do eixo longitudinal; 
• 2. o plano sagital mediano, formado pelo 
deslocamento do eixo ântero-posterior ao longo 
do eixo longitudinal na linha mediana, dividindo 
o corpo em duas metades aparentemente 
simétricas, denominadas antímeros; 
• 3. o plano transversal ou horizontal, 
formado pelo deslocamento do eixo de largura 
ao longo do eixo ântero-posterior. Uma série 
sucessiva de planos transversais divide o corpo 
em segmentos denominados metâmeros; 
• 4. o plano frontal ou coronal, formado 
pelo deslocamento do eixo de largura ao longo 
do eixo longitudinal, dividindo o corpo em 
porções chamadas de paquímeros. 
TERMOS DE POSIÇÃO E DIREÇÃO 
• Inferior ou caudal: mais próximo dos pés; 
• Superior ou cranial: mais próximo da cabeça; 
• Anterior ou ventral: mais próximo do ventre; 
• Posterior ou dorsal: mais próximo do dorso; 
• Proximal: mais próximo do ponto de origem; 
• Distal: mais afastado do ponto de origem; 
•