A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
36 pág.
APARELHO REPRODUTOR MASCULINO

Pré-visualização | Página 1 de 2

APARELHO REPRODUTOR 
MASCULINO 
APARELHO REPRODUTOR 
MASCULINO 
O aparelho reprodutor masculino é 
formado por: 
Testículos ou gônadas 
Vias espermáticas: epidídimo, canal 
deferente, uretra. 
Pênis 
Escroto 
Glândulas anexas: próstata, vesículas 
seminais, glândulas bulbouretrais. 
 
TESTÍCULOS 
 O testículo tem a dupla função: 
 de produzir espermatozoides e; 
 hormônio sexual masculino. 
 Cada testículo é envolvido por uma cápsula de 
tecido conjuntivo, rico em fibras colágenas  
albugínea. 
 Na sua região posterior, a albugínea apresenta um 
espessamento, o mediastino testicular, de onde 
partem septos fibrosos que atingem a albugínea do 
lado oposto. 
SITE INTERESSANTE: http://www.uro.com.br/faq_esc.htm 
Cada testículo é 
dividido em 
aproximadamente 
250 compartimentos 
piramidais, os 
lóbulos testiculares. 
Criptorquidiaum 
testículo, que 
pode estar 
localizado em 
alguma região fora 
da bolsa escrotal. 
CORTE 
TRANSVERSAL 
TESTÍCULOS 
Como os septos são incompletos, os 
lóbulos se intercomunicam. 
Cada lóbulo é ocupado por um a 
quatro túbulos seminíferos imersos 
em tecido conjuntivo frouxo, 
contendo: 
vasos sanguíneos e linfáticos; 
nervos; e 
as células intersticiais ou de Leydig. 
TESTÍCULOS 
Os testículos ficam fora da cavidade 
abdominal, imersos nas bolsas escrotais, 
estruturas revestidas por pele com 
abundante camada de músculo liso. 
As bolsas escrotais são importantes, para 
manter os testículos a uma temperatura 
inferior à temperatura abdominal. 
Ductos genitais e as Glândulas acessórias 
 Os ductos genitais e as glândulas acessórias 
produzem secreções que, ajudadas pela 
contração da musculatura lisa, impulsionam os 
espermatozoides para o exterior. 
 Essas secreções também oferecem nutrientes 
para os espermatozoides, enquanto eles estão 
no aparelho reprodutor masculino. As 
secreções e os espermatozoides constituem o 
sêmen ou esperma. 
Túbulos seminíferos 
 Nos túbulos seminíferos ocorre a esperma togênese e a 
espermiogênese. 
 Os túbulos seminíferos começam em fundo de saco, 
são retorcidos e medem cerca de 0,2 mm de diâmetro 
por 30 a 70 cm de comprimento. 
 Terminam na rede testicular, de onde partem de oito a 
15 ductos eferentes que penetram na porção cefálica do 
epidídimo. 
Túbulos seminíferos 
 Os túbulos seminíferos consistem em uma túnica 
de tecido conjuntivo, uma lâmina basal e uma 
camada interna formada por um epitélio especial, 
o epitélio germinativo ou seminífero, onde se 
originam os espermatozoides. 
 O tecido conjuntivo que envolve os túbulos 
seminíferos apresenta as células mioides, 
contráteis, e com características da célula muscular 
lisa. 
 O epitélio germinativo é constituído pelas células 
de Sertoli e as células que constituem a linhagem 
espermatogênica ou seminal. 
Túbulos seminíferos 
 As células da linhagem seminal se dividem várias 
vezes e se diferenciam em espermatozoides. 
 A célula germinativa primitiva, a espermatogônia, 
é uma célula fonte. 
ESPERMATOGÊNESE 
 Quando param de se dividir e crescem, tornando-
se maiores que as espermatogônias, sendo 
chamadas de espermatócitos de primeira ordem ou 
citos I. 
Túbulos seminíferos 
 Entram em meiose, um processo reducional 
do número de cromossomos que consiste em 
duas divisões celulares. 
 Dessa primeira divisão meiótica resultam 
células menores, chamadas espermatócitos de 
segunda ordem ou citos II possuem 23 
cromossomos cada um. 
 Ocorre, portanto, uma diminuição do número 
de cromossomos por célula, porém cada 
cromossomo é duplo. Os citos II entram logo 
na segunda divisão meiótica. 
 
Túbulos seminíferos 
 Desta resultam as espermátides, com 23 cromossomos 
e apenas metade do DNA de espécie. 
 Nas espermátides termina a fase de divisões celulares 
da espermatogênese. Daí para diante cada espermátide 
sofrerá um processo de modificações complexas, 
chamado espermiogênese, que leva à formação dos 
espermatozoides. 
CURIOSIDADES SOBRE A 
ESPERMATOGÊNESE 
 A temperatura é muito importante na regulação da 
espermatogênese, que só ocorre em temperaturas 
abaixo dos 37°C do corpo humano. A temperatura 
dos testículos é de aproximadamente 35°C e é 
controlada por vários mecanismos. 
 A espermatogênese é regulada por via endócrina . 
Esse processo depende do estímulo do hormônio 
foliculoestimulante (FSH) da hipófise anterior, que 
age sobre a linhagem germinativa, e do LH, que 
estimula a secreção de testosterona pélas células 
intersticiais. 
DUCTOS GENITAIS EXTRATESTICULARES 
Os ductos que transportam os 
espermatozoides produzidos no 
testículo são: 
o ducto epididimário e; 
 o ducto deferente 
 O ducto epididimário é um tubo único, longo, 
medindo 4-6 m, que se enovela intensamente 
para formar o epidídimo, que mede apenas 
cerca de 5-7 cm. 
 O ducto é revestido internamente por epitélio 
pseudoestratificado, composto por células 
basais arredondadas e células prismáticas . As 
células basais são células-fonte, que renovam 
o epitélio do epidídimo. 
 Esse epitélio se apoia sobre uma lâmina basal 
envolta por tecido conjuntivo frouxo e fibras 
musculares lisas. 
 As células prismáticas apresentam na sua 
superfície projeções do citoplasma formando 
longos e irregulares microvilos, impropriamente 
chamados de estereocílios. 
 As células prismáticas fagocitam e digerem 
fragmentos citoplasmáticos eliminados durante a 
espermiogênese. 
 Elas reabsorvem aproximadamente 99% do fluido 
que deixa o testículo e são secretoras, criando 
condições favoráveis para a sobrevivência dos 
espermatozóides. 
 O epidídimo se continua com o ducto deferente, 
um túbulo reto que se dirige à uretra prostática, 
onde desemboca. 
VISÃO GERAL DO 
EPIDÍDIMO 
DUCTOS EFERENTES  
ORIGEM: TESTÍCULOS. 
DUCTOS EPIDIDIMÁRIO  
ENOVELADO; FORMA A 
CABEÇA, CORPO E CAUDA DO 
EPIDÍDIMO. 
DUCTO EFERENTE 
 O deferente apresenta uma estreita luz e 
parede espessa constituída principalmente 
por músculo liso. 
 A mucosa é pregueada e revestida por epitélio 
pseudoestratificado prismático com 
estereocílios. 
 A lâmina própria é de natureza conjuntiva, 
rica em fibras elásticas. 
 A camada muscular é muito desenvolvida e 
constituída por uma camada média circular e 
duas camadas longitudinais, interna e 
externa. 
GLÂNDULAS ACESSÓRIAS 
Vesículas seminais 
 
Próstata 
 
Glândulas bulbouretrais 
Vesículas seminais 
 As vesículas seminais (2) não são reservatórios de 
espermatozoides. Cada uma é formada por um tubo de 
15 cm de comprimento, intensamente enrolado sobre si 
mesmo. 
 A secreção da vesícula seminal, que é acumulada no 
interior dessa glândula, é eliminada na ejaculação 
graças à contração da musculatura lisa. 
Próstata 
 A próstata é um conjunto de 30 a 50 glândulas 
túbulo-alveolares ramificadas, cujos ductos 
desembocam na uretra prostática. 
 A próstata não só produz o líquido prostático, mas 
também o armazena no seu interior para expulsá-
Io durante a ejaculação. 
 A próstata apresenta três zonas distintas a primeira 
é a zona central, a segunda é zona periférica e a 
terceira zona é a de transição. 
PRÓSTATA 
Glândulas bulbouretrais 
 As glândulas bulbouretrais são formações pares, 
do tamanho de uma ervilha, que se situam atrás 
da uretra membranosa, onde desembocam. 
 São glândulas túbulo-alveolares com células do 
tipo mucoso. 
 O muco secretado é claro e atua como 
lubrificante. 
 É constituído essencialmente por três massas