A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Exemplo de Parecer Técnico

Pré-visualização | Página 3 de 4

sofrendo, em conseqüência, o fenômeno da fadiga mecânica, não sendo, 
portanto, um material indicado para as tubulações de recalque de água potável destinadas a 
abastecer reservatórios elevados em edifícios altos. 
 
4.15 O fenômeno da fadiga mecânica em paredes de tubulações termoplásticas resulta de ficarem 
continuamente submetidas a tensões mecânicas cíclicas de tração e compressão radiais 
causadas por oscilações de pressão do líquido em condução, resultando em processo de 
fragilização, com o gradual surgimento de microfissuras longitudinais com o passar do 
tempo, o que certamente resultaria em conseqüentes futuros vazamentos dentro de alguns 
poucos anos. 
 
4.16 Também por essas razões, o PVC marrom é material contra-indicado para a finalidade 
requerida, pois é muito pouco resistente à ação da fadiga mecânica quando submetido a 
pressões elevadas, mesmo dentro da faixa de suporte de sua resistência característica. 
 
4.17 Outra possibilidade está em se substituir a tubulação de recalque de água potável por outra 
nova e de boa procedência, também de aço carbono galvanizado com DN 2” (idêntico ao da 
tubulação atualmente existente), de classe leve segundo a norma NBR 5580 da ABNT, com 
conexões de ferro fundido maleável galvanizado que atendam às exigências fixadas pela 
norma NBR 6943 da ABNT, dado que ambos os materiais apresentam resistência à pressão 
interna de pelo menos 50 kgf/cm² (500 mca ou 5 MPa). 
 
4.18 Entretanto, fica a advertência de que esta nova tubulação de aço galvanizado ficará 
submetida às mesmas condições de exposição à água de natureza físico-química agressiva, 
segundo o já mencionado neste parecer, e sujeita igualmente a conseqüente redução em 
sua vida útil, requerendo outra futura substituição dentro de um prazo estimado entre 10 a 
12 anos. 
 
4.19 Para a execução da nova tubulação de recalque de água potável para o edifício, recomenda-
se a contratação de um projeto específico simplificado com profissional legalmente 
habilitado, de confiança do Condomínio, indicando ao menos o seu caminhamento em 
planta baixa e em elevação, ou em perspectiva isométrica, com clara especificação do 
material a ser adotado para os tubos e conexões, e com detalhes construtivos específicos, 
como a fixação ou suportação mecânica adequada nos trechos horizontais e verticais, 
interligação às bombas centrífugas existentes, etc., além de apresentar ART de autoria e 
relação de materiais detalhada para aquisição direta dos componentes pelo próprio 
Condomínio. 
 
4.20 Supletivamente, sugere-se a contratação de um profissional legalmente habilitado, para o 
acompanhamento periódico da execução dos serviços, com emissão de correspondente 
ART de execução e/ou de fiscalização, de forma a salvaguardar o Condomínio. 
 
4.21 Para tanto, é recomendado o próprio autor do projeto hidráulico simplificado da nova 
tubulação de recalque de água potável, a quem também competirá submeter essa tubulação 
a desinfecção e a testes prévios de pressão hidrostática com valor ao menos 50% superior 
ao máximo valor de pressão dinâmica previsto para a mesma, antes de libera-la para uso, 
nos termos previstos na norma NBR 5626 da ABNT. 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 6 
 
 
4.22 Essa desinfecção deverá ser feita com cloro livre, e se destina a reduzir a presença de 
microorganismos, patogênicos ou não, dentro da nova tubulação, a um valor que esteja 
dentro dos parâmetros do padrão de potabilidade fixado pela Portaria Nº 510 do Ministério 
da Saúde, e deve ser feita mediante aplicação de solução aquosa de hipoclorito de sódio em 
concentração suficiente para resultar um residual de cloro livre de 50 mg/l (50 ppm), 
mantendo-a em contato com a nova tubulação pelo tempo mínimo de duas horas. 
 
4.23 Após testada quanto à estanqueidade e devidamente limpa e desinfetada, a nova tubulação 
deverá ser imediatamente posta em uso, restando a anterior simplesmente desativada, 
após devidamente drenada. 
 
 
Sendo o que tínhamos a relatar, advertir, opinar e sugerir neste parecer técnico, 
 
 
 Curitiba, 16 de março de 2006 
 
 
 
 
 
 
Engº Sérgio Frederico Gnipper 
 CREA 105.060/D – SP 
 
FIGURA 01 
 
 
Anexas fotos 01 até 18: 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 7 
 
 
 
 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 8 
 
 
 
 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 9 
 
 
 
 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 10 
 
 
 
 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 11 
 
 
 
 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br 
 
 GNIPPER 12 
 
 
 
 
. 
Rua Doutor Goulin, 615 – Juvevê – Curitiba – PR / cep 80040-280 / fone-fax (41) 3254-8713 / 9927-7523 gnipper@uol.com.br

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.