Apostila CTB Ronaldo Bandeira
135 pág.

Apostila CTB Ronaldo Bandeira

Disciplina:Direito50.013 materiais152.419 seguidores
Pré-visualização17 páginas
AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

AULA I – DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES, DO

SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO E DAS

COMPETÊNCIAS

1 . APLICAÇÃO DO CTB:

** Vias abertas à circulação = vias públicas.

*** Áreas portuárias = por si só não são equiparadas as vias abertas a

circulação pública... é necessário um convênio.

CTB
Prof. Ronaldo Bandeira

1

AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

2 . SISTEMA NACIONAL DE TRÂNSITO (SNT):

2.1. Composição:

CONTRAN – Conselho Nacional

de Trânsito (art. 12 e 13);

CETRAN/CONTRANDIFE –
Conselho Estadual de Trânsito /

Conselho de Trânsito do Distrito

Federal (art. 14 e 15);

JARI – Junta Administrativa de

Recursos e Infrações (art. 16 a

18);

PRF – Polícia Rodoviária Federal

(Art. 20);

PM – Polícia Militar (art. 23);

Executivos de Trânsito

União = DENATRAN (art. 19)

Estados/DF (art. 22)

Municípios (art. 24)

Executivos Rodoviários

U/E/DF/M (art. 21);

2

AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

UNIÃO

ESTADOS / DF

MUNICÍPIOS

Órgãos

Normativos e

Consultivos

CONTRAN →

coordenador1

(órgão Máximo

normativo e

consultivo)

CETRAN (Estado)

CONTRANDIFE (DF)

(órgão consultivo,

normativo e

coordenador)

---

Órgãos

Julgadores

JARI

JARI
JARI

Executivos de

Trânsito

DENATRAN

DETRAN

Executivo de

trânsito município

Executivos

Rodoviários

DNIT

DER

Executivo

rodoviário do

Município

Fiscalizadores /

Policiais

PRF

PM

Executivo de

trânsito do

município

OBSERVAÇÕES:

A PM compõe o SNT. Porém, NÃO possui o poder de polícia administrativa de

trânsito de forma inata. É necessário um convenio com os executivos rodoviários

ou de trânsito.

O órgão executivo municipal NÃO compõe de forma inata o SNT. É necessária

uma municipalização (art. 24, §2º).

2.2. Responsabilidade dos órgãos:

Art. 1º, §3º = OBJETIVA!

1 Coordenador MÁXIMO = Ministério das Cidades.

3

AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

Dirigente do

DENATRAN presidirá o

CONTRAN.

Coordenador Máximo

Vinculado

Subordinado

Vinculado

Especialistas para dar

embasamento técnico

sobre determinado

assunto.

OBSERVAÇÕES:

Coordenador MÁXIMO do SNT = Ministério das Cidades.

Coordenador do SNT = CONTRAN.

2.3. Organograma:

Coordenador MÁXIMO

4

AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

3 . COMPETÊNCIAS

1. CONTRAN:

Coordenador do sistema e órgão máximo
normativo e consultivo.

1. Composição – art. 10, CTB:

MACETE:

“Eu Só Combato Com Tiro De Metralhadora Japonesa”.

“Eu Só Corro Com Tênis De Marca Justo Comercializado nas Antilhas”.

Representante* do Ministério da:

Educação

Saúde

Cidades

Ciência e tecnologia

Transportes

Defesa

Meio ambiente

Justiça

Comércio exterior e desenvolvimento

Representante da ANTT.

*Não necessariamente o Ministro!

5

AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

3.1.2. Competências – art. 12, CTB  art. 75 + art. 100:

Art. 12. Compete ao CONTRAN:

I. Estabelecer as normas
regulamentares referidas neste
Código e as diretrizes da Política
Nacional de Trânsito;

V - estabelecer seu regimento
interno e as diretrizes para o
funcionamento dos CETRAN e
CONTRANDIFE;

VI - estabelecer as diretrizes do
regimento das JARI;

arrecadação e o repasse

VIII - estabelecer e normatizar os
procedimentos para a aplicação
das multas por infrações, a

dos
valores arrecadados;

X - normatizar os procedimentos
sobre a aprendizagem, habilitação,
expedição de documentos de
condutores, e registro e
licenciamento de veículos;

XV - normatizar o processo de
formação do candidato à obtenção
da Carteira Nacional de Habilitação,
estabelecendo seu conteúdo
didático-pedagógico, carga horária,
avaliações, exames, execução e
fiscalização.

IV - criar Câmaras Temáticas;

II - coordenar os órgãos do
Sistema Nacional de Trânsito,
objetivando a integração de suas
atividades;

IX - responder às consultas que
lhe forem formuladas, relativas à
aplicação da legislação de trânsito;

XI - aprovar, complementar ou
alterar os dispositivos de
sinalização e os dispositivos e
equipamentos de trânsito;

XII - apreciar os recursos1
interpostos contra as decisões das
instâncias inferiores, na forma deste
Código;

VII - zelar pela uniformidade e
cumprimento das normas contidas
neste Código e nas resoluções
complementares;

XIII - avocar, para análise e
soluções, processos sobre conflitos
de competência ou circunscrição,
ou, quando necessário, unificar as
decisões administrativas; e

XIV - dirimir conflitos sobre
circunscrição e competência de
trânsito no âmbito da União, dos
Estados e do Distrito Federal.

1 Aula processo administrativo – Forma ATÍPICA – Julga 2º Recurso  União
 Infrações gravíssimas; suspensão mais 6 meses; cassação).

ROL NÃO

TAXATIVO!

6

AN
AI

NE
 FE

RN
AN

DE
S -

 11
09

25
39

74
3 -

 AN
AIN

E F
ER

NA
ND

ES
 - 1

10
92

53
97

43

2. CETRAN / CONTRANDIFE

Órgão consultivo e normativo.

1. Competências – art. 14, CTB:

Art. 14. Compete aos Conselhos

Estaduais de Trânsito - CETRAN e

ao Conselho de Trânsito do Distrito

Federal - CONTRANDIFE:

I - cumprir e fazer cumprir a

legislação e as normas de trânsito,

no âmbito das respectivas

atribuições;

II - elaborar normas no âmbito das

respectivas competências;

III - responder a consultas

relativas à aplicação da legislação e

dos procedimentos normativos de

trânsito;

IV - estimular e orientar a execução

de campanhas educativas de

trânsito;

V - julgar os recursos interpostos

contra decisões:

a)das JARI;

b)dos órgãos e entidades

executivos estaduais, nos casos

de inaptidão permanente

constatados nos

aptidão física,

exames de

mental ou

psicológica;

VI - indicar um representante para

compor a comissão examinadora de

candidatos portadores de

deficiência física à habilitação para

conduzir veículos automotores;

VIII - acompanhar e coordenar as

atividades de administração,

educação, engenharia, fiscalização,

policiamento ostensivo de trânsito,

formação de condutores, registro e

licenciamento de veículos,

articulando os órgãos do Sistema no

Estado, reportando-se ao

CONTRAN;

IX - dirimir conflitos sobre

circunscrição e competência de

trânsito no âmbito dos Municípios;

X - informar o CONTRAN sobre o

cumprimento das exigências

definidas nos §§ 1º e 2º do art. 333.

XI - designar, em caso de recursos

deferidos e na hipótese de

reavaliação dos exames, junta

especial de saúde para examinar os

candidatos à habilitação para

conduzir veículos